José Calvário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Calvário
Informação geral
Nome completo José Carlos Barbosa Calvário
Nascimento 1951
Local de nascimento
 Portugal
Data de morte 17 de junho de 2009
Local de morte Oeiras
Ocupação(ões) Maestro
Período em atividade 1961-2009

José Carlos Barbosa Calvário (Porto, 1951 - Oeiras, 17 de junho de 2009) foi um maestro português. É considerado um dos melhores orquestradores e arranjadores de Portugal. Foi ainda compositor, destacando-se clássicos da música portuguesa como "E Depois do Adeus" e "Flor Sem Tempo".

Percurso[editar | editar código-fonte]

José Calvário iniciou os estudos musicais em meados de 1956, praticando no piano. No ano seguinte, no Conservatório de Música do Porto, executou o seu primeiro recital e em 1961, com apenas dez anos de idade, deu o seu primeiro concerto juntamente com a Orquestra Sinfónica do Porto dirigida pelo maestro Silva Pereira.

Mudou-se depois para a Suíça, onde os pais queriam que se formasse em Economia. Em 1968, Calvário fez parte de uma Orquestra de jazz suíça. Em Portugal tocou com os Psico de Toni Moura.

Em 1971 regressou de vez a Portugal, mudando-se para a cidade de Lisboa. Na capital portuguesa, começou a trabalhar como arranjador e produtor. Faz o seu primeiro arranjo para a canção "E Alegre se Fez Triste" de Adriano Correia de Oliveira (no álbum Gente de Aqui e de Agora). Com José Sottomayor foi o autor da canção "Flor Sem Tempo", interpretada por Paulo de Carvalho. O tema ficou em 2º lugar no Festival RTP da Canção de 1971. Lança o álbum "Música Nova".

No ano seguinte foi o autor de "A Festa da Vida" tema que Carlos Mendes levou ao Festival da Eurovisão, obtendo a nota mais alta que um músico português já tivera.

Colabora no disco Fala do Homem Nascido, gravado em 1972 nos estúdios Celada em Madrid. O disco, com a poesia de António Gedeão, teve a participação de José Niza, Carlos Mendes, Duarte Mendes, Tonicha e Samuel.

No Festival RTP da Canção de 1973 é autor das canções de Duarte Mendes e Tonicha. Lança um álbum com versões de 10 músicas participantes no Eurofestival desse ano.

É o autor da música de "E Depois do Adeus" tema interpretado por Paulo de Carvalho que venceu o Festival RTP da Canção de 1974 e que foi a primeira senha do 25 de Abril. Nesse ano lança o disco E Depois do Festival.

Em 1977 lançou o álbum The Best Disco In Sound em que adaptava clássicos como "Coimbra", "Canção do Mar" e "Lisboa Antiga".

A RTP deu todos os meios necessários e o "Tv Show" permitiu mostrar que Portugal possuía uma orquestra de música ligeira composta por músicos de craveira europeia referiu José Calvário na contracapa do disco "Orquestra e Som de José calvário/81".

Com a participação da The London Philharmonic Orchestra (Orquestra Filarmônica de Londres) lançou álbuns como Saudades (1985) e Saudades Vol.2 (1986) que obtiveram grande sucesso.

Entre 1986 e 1992 grava com a London Symphony Orchestra (Orquestra Sinfónica de Londres) todas as bandas sonoras da série de animação "Boa noite, Vitinho!" da RTP1.

Em 1988 é o dinamizador do Prémio Nacional de Música, associado ao Festival da RTP, que decorreu na Figueira da Foz. Curiosamente seria uma música de sua autoria, "Voltarei", a ganhar o acesso ao Eurofestival mas sem ter participado no PNM. Depois trabalhou com Fernando Tordo no disco Menino Ary dos Santos. Ainda em 1988 grava, novamente com a LSO, o disco Cinema Português.

No ano de 1991, compôs o seu primeiro concerto para orquestra.

Com a Hungarian State Symphony Orchestra gravou o álbum Mapas lançado em 1996 pela editora Strauss. Grava também um álbum com António Chainho e a London Philarmonic Orchestra.

Colabora no álbum Reserva Especial (2001) de Luís Represas que foi gravado com a Orquestra Sinfónica da República Checa. Foi autor da banda sonora do filme "Kiss Me" (2004).

Sofreu uma paragem respiratória seguida de infarte no dia 12 de Novembro de 2008. Em Fevereiro de 2009 foi homenageado pela RTP durante o Festival RTP da Canção, com um bailado inspirado em algumas das canções com que concorreu ao Festival.

José Calvário faleceu a 17 de Junho de 2009, deixou uma filha, Maria Helena Calvário e um filho menor de um segundo casamento.[1]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Música Nova (LP, Orfeu, 1971) [2]
  • Festival - 10 Canções (LP, Orfeu, 1973)
  • Eurovisão - 10 Canções (LP, Orfeu, 1973)
  • …E Depois do Adeus Festival (LP, Orfeu, 1974)
  • "Canções de Natal" (EP, Movieplay, 1977)
  • "Coimbra" / "As Coisas Que Eu Invento (No. 1)" (SP, Imavox, 1977)[3]
  • The Best Disco In Sound (LP, Imavox, 1977)
  • "What The World Needs Now" (Máxi-Single, Orfeu, 1978)
  • A Love In Four Seasons (LP, Imavox, 1979)
  • Canções de Sucesso (Compilação)
  • Orquestra e Som de (LP, Danova, 1981)
  • Saudades (LP, CBS, 1985)
  • "Boa noite Vitinho" (Disco de Douro 1986)
  • Saudades Vol. 2 (LP, CBS, 1986)
  • Cinema Português (Banda Sonora) (LP, CBS, 1988)
  • Saudades Vol.III (CD, CBS, 1993)
  • José Calvário (Compilação, Movieplay, 1994)
  • Mapas (CD, Strauss, 1996)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Morreu o maestro José Calvário». Jornal Público. Consultado em 30 de junho de 2009. 
  2. «Música Nossa». CDGo.com. Consultado em 6 de dezembro de 2012. 
  3. «"Coimbra" de Orquestra José Calvário» (em inglês). Discogs.com. Consultado em 6 de dezembro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]