José Carlos Mariátegui

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Carlos Mariátegui
José Carlos Mariátegui, 1929
Nome completo José Carlos Mariátegui La Chira
Data de nascimento 14 de junho de 1894 (121 anos)
Local de nascimento Moquegua,  Peru
Data de morte 16 de abril de 1930 (35 anos)
Género(s) Romance, sociologia
Magnum opus Teoria e prática da reacção: textos escolhidos

José Carlos Mariátegui La Chira (Moquegua, 14 de junho de 189416 de abril de 1930) foi um escritor, jornalista, sociólogo e ativista político peruano. Autodidata, Mariátegui destacou-se como um dos primeiros e mais influentes pensadores do marxismo latino-americano no século XX. Seu livro mais conhecido internacionalmente, e um dos dois que publicou em vida, é Sete Ensaios de Interpretação da Realidade Peruana, no qual traçou uma história econômica do Peru sob a perspectiva materialista.

Segundo Michael Löwy, "José Carlos Mariátegui é não somente o mais importante e inventivo dos marxistas latino-americanos, mas também um pensador, cuja obra, por sua força e originalidade, tem um significado universal", guardando afinidades com grandes pensadores do marxismo ocidental, como Gramsci, Lukács e Walter Benjamin. Segundo Löwy, o núcleo da sua singular interpretação do marxismo, é irredutivelmente romântico - o que, do ponto de vista da ortodoxia stalinista, era uma heresia. Em artigo de 1941, Vladimir Myasishchev, denunciou o "populismo" e o "romantismo" de Mariátegui, para demonstrar que seu pensamento era estranho ao marxismo. Como exemplo deste "romantismo nacionalista", Myasishchev citava as teses de Mariátegui sobre a importância do coletivismo agrário inca para a luta socialista moderna no Peru.[1]

Nos Sete ensaios,[2] Mariátegui examina a situação econômica e social do Peru, de um ponto de vista marxista. A obra é considerada como o primeiro documento de análise da sociedade latino-americana. O livro parte da história econômica do Peru e prossegue apresentando o "problema indígena", que o autor liga ao "problema agrário". Os demais capítulos são dedicados à educação, à religião, ao regionalismo e à centralização, assim como à literatura. Na mesma obra, Mariátegui responsabiliza os proprietários de terras pela situação econômica do país e pelas condições de vida miseráveis dos indígenas da região. Ao mesmo tempo, observa que o Peru teria ainda numerosas características das sociedades feudais e defende a ideia de que a transição para o socialismo poderia ocorrer através das formas de coletivismo tradicionais, praticadas pelos indígenas.

Mariátegui foi redator do jornal El Tiempo. Fundou o Partido Comunista do Peru e a Confederação Geral dos Trabalhadores do Peru.

Referências

  1. Marxismo e romantismo em Mariátegui. Por Michael Löwy. Teoria e Debate n° 41, maio/junho/julho de 1999.
  2. Mariátegui, José Carlos (2007). 7 ensayos de interpretación de la realidad peruana (PDF) (Venezuela: Fundación Biblioteca Ayacucho). ISBN 8466000321. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.