José Daniel Rodrigues da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Daniel Rodrigues da Costa
Nascimento 31 de outubro de 1757
Colmeias, Leiria, Portugal
Morte 7 de outubro de 1832 (74 anos)
Anjos, Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa

José Daniel Rodrigues da Costa (Colmeias, 31 de Outubro de 1757Anjos, 7 de Outubro de 1832) foi um poeta português.

Instalou-se com a família em Lisboa aos dois anos de idade. Sob o pseudónimo de Josino Leiriense, que usava nas tertúlias da Arcádia Lusitana, Rodrigues da Costa teve uma vida de notoriedade social e intelectual, testemunhadas em várias obras literárias que publicou, quase sempre sob a forma de folhetos. Uma das mais célebres será O Balão aos Habitantes da Lua (1819). Gozando da protecção do Intendente-Geral Pina Manique, empenhado em manter a ordem social e reprimindo os ideais iluministas da Revolução Francesa, José Daniel foi promovido a major da Legião Nacional do Paço da Rainha. Foi popular a sua rivalidade com Bocage, em várias publicações.

Na série televisiva Bocage, realizada por Fernando Vendrell (2006) é o actor Francisco Nascimento que interpreta a personagem de José Daniel Rodrigues da Costa.

Obras[editar | editar código-fonte]

(Ortografia conforme a publicação original)

  • 1777
    • Novo Entremez dos destemperos de hum Bazofia, jocosos, e exemplares
    • Ecloga pastoril: primeira parte : fallam Jozino, e Dárcia
    • Silva : culto obsequioso na gostosa aclamação da Rainha Nossa Senhora
    • Novidades da corte vistas por Jozino e relatadas aos pastores da sua aldeia
  • 1780
    • Ecloga : segunda parte
  • 1781
  • 1782
    • O dependente feliz nas desordens da vida : Sylva
    • Qualidades de amigos, e mulheres para o acerto dos homens
  • 1784
    • Esparrella da moda : parte primeira : pequena peça crítica e moral
    • Pequena pessa intitulada A casa de pasto, a qual se representou no theatro do Salitre, onde mereceo acceitaçam
    • Nova, e pequena peça crítica, e moral: Os carrinhos da Feira da Luz
  • 1785
    • Carta, que escreve o pastor Jozino a Jonia : parte terceira das Eclogas de Jozino
  • 1786
    • Ópios que dão os homens e as senhoras na cidade de Lisboa huns aos outros : tirados da esperiencia [sic] do author
    • Correcção de maos costumes pelos sete vicios : sextinas liricas
    • Verdade do mundo na vida da corte e do campo
  • 1787
    • Pequena peça a Arte de tourear, ou o filho cavalleiro
  • 1788
    • Modas do tempo, descubertas na quarta parte dos Ópios
    • Petas da vida ou a terceira parte dos ópios
    • Misturadas de Lisboa temperadas à moda, pratinho em que todos tem o seu quinhão, ou a segunda parte dos ópios
    • Gemidos de tristeza na lamentável perda de Sua Alteza Real o Senhor Dom José, príncipe do Brasil
    • Pequena peça intitulada a Casa desordenada, ou o barbeiro de bandurra
  • 1794
    • Epicedio na sensivel morte ao Illustrissimo Senhor Antonio Joaquim de Pina Manique, cavalleiro professo na Ordem de Cristo
  • 1797
    • Espelho de jogadores
  • 1798
    • Almocreve de petas ou moral disfarçado para correção dos miudezas da vida
  • 1801
    • Comboy de mentiras vindo do reino petista com a fragata verdade encuberta por capitania
  • 1802
    • O espreitador do mundo novo
  • 1803
    • Barco da carreira dos tolos : obra critica, moral e divertida
  • 1805
    • Hospital do mundo : obra critica, moral e divertida em que he medico o desengano e enfermeiro o tempo
  • 1807
  • 1810
    • Cantigas patrióticas
  • 1813
    • Testamento que fez o D. Quixote da França antes de partir para a sonhada conquista da Russia
  • 1814
    • Tribunal da razão : onde he arguido o dinheiro pelos queixosos da sua falta : obra critica, alegre e moral
  • 1815
    • Revista dos genios de ambos os sexos, passada em virtude da denuncia, que deles se deo
  • 1817
    • Os enjeitados da fortuna expostos na roda do tempo : obra moral e muito divertida
  • 1819
  • 1820
  • 1821
    • Tizoura da Critica ou Carta, que ao seu Amigo da Cidade do Porto o Senhor Joze Luiz Guerner escreve Joze Daniel Rodrigues da Costa
  • 1822
    • O desengano do mundo ou morte de Buonaparte, encontrando este na eternidade hum rancho de Corcundas, a que se ajuntão três sonetos às extintas legiões
    • Pimenta para as más linguas : em huma epistola ao illustrissimo Senhor José Luiz Guerner
  • 1823
    • Queixas à fortuna
    • Entrada que deu no Inferno a ilustrissima e excelentíssima Senhora Dona Constituição, que foi levada pelo Diabo, com todo o estrondo em 2 de Junho de 1823, em que expirou
    • O homem dos pezadélos, ou tresvalios do somno que podem ser postos em ordem pelos acordados
    • O temporal desfeito ou os impostores naufragados : esta obra é dedicada ao Serenissimo Senhor D. Miguel, Infante de Portugal
    • Resposta á Defeza (por Alcunha) das Memorias para as Cortes que como Pilatos no Credo se introduzio contra a Memoria de José Daniel Rodrigues da Costa, e mais Ralhadores
    • Segunda Assembleia da Conversação das Senhoras na Salla das Visitas antes do Chá, publicada por José Daniel Rodrigues da Costa
  • 1824
    • Novo divertimento, para meio quarto de hora
  • 1825
    • Este maldito Janeiro. Obra que pode servir de divertimento, aos que tem sentido os rigorosos efeitos da presente estação
    • Assim se passa o seraõ. Obra critica, e interessante à curiosidade de muita gente, com tres adevinhações, e huma idéa divertida de cada Homem, ou Senhora mostrar em dois versos, por sorte, a condição do seu genio, ou os seus sentimentos
    • A murmuração entre hum Doutor velho = hum Capitão = hum Frade = hum Poeta = e hum Taful = sentados no Passeio Publico. Presenciada por José Daniel Rodrigues da Costa. Leyriense.
  • 1826
    • O avô dos periodicos
    • Segunda parte do Avô dos Periódicos dirigida ao Espelho dos Jornalistas
    • Jantar imaginado com sobremeza, café, e palitos, dado em meza redonda, na casa de pasto do Desejo, sendo cozinheiro o Pensamento, e Freguezes Gente de diversos paladares
  • 1827
    • A penna aparada, com que se escrevem costumes e vicios
    • Ronda do patriotismo
    • A falta de reflexão, ou meio divertido de evitar prejuízos
    • Segundo aparo da penna : n'esta obra se continuarão a descrever cousa novas de costumes, e vicios com jovialidade
  • 1828
    • Terceiro aparo da penna, ou continuação da critica sobre costumes e vicios
  • 1830
    • O novo Janeiro de 1831

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Biografia Completa de José Daniel Rodrigues da Costa na Hemeroteca Digital de Lisboa

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.