José Eduardo Franco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Eduardo Franco
Professor José Eduardo Franco (2013)
Nascimento 17 de fevereiro de 1969 (48 anos)
Ribeira Grande, Machico, Portugal
Nacionalidade Português, Portugal
Ocupação Historiador, jornalista, poeta e ensaísta
Prémios Medalha de Mérito Cultural atribuída pelo Governo Português (2015)

Primeiro prémio do “Livro 2004” da Sociedade Histórica da Independência de Portugal

Género literário Ensaio, História
Magnum opus O Mito de Portugal (2000)

José Eduardo Franco (Ribeira Grande, Machico, Madeira, 17 de Fevereiro de 1969) é um historiador, poeta, ensaísta e jornalista português. Tem vindo a desenvolver um vasto trabalho como autor, coordenador e co-coordenador de vários projectos de investigação nos domínios das Ciências Sociais e Humanas, dos quais se destacam o "Dicionário Histórico das Ordens"; a "Obra Completa do Padre Manuel Antunes", os 30 volumes da Obra Completa do Padre António Vieira" e o projeto de levantamento da documentação portuguesa patente no Arquivo Secreto do Vaticano. Neste momento desenvolve o projecto "Aprender Madeira", região de onde é natural, no âmbito do qual dirige o "Dicionário Enciclopédico da Madeira". Em Setembro de 2015 foi condecorado com a Medalha de Mérito Cultural pelo Secretário de Estado da Cultura José Barreto Xavier.[1][2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

  • Especialista em História da Cultura.
  • Doutorado em História e Civilização pela École des Hautes Études en Sciences Sociales of Paris.
  • Doutorado em Cultura pela Universidade de Aveiro.
  • Mestrado em História Moderna pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Mestrado em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

Investigação[editar | editar código-fonte]

  • Desenvolveu pesquisa original nos domínios da mitologia portuguesa e das grandes controvérsias históricas que marcaram a vida cultural, política e religiosa de Portugal. Os seus estudos sobre os jesuítas,[4] e em particular o fenómeno anti-jesuíta e da hermenêutica dos mitos e das utopias portuguesas e europeias, representam um factor de inovação.
  • Colunista assíduo da imprensa periódica, com numerosos artigos publicados nas áreas de História, Mitocrítica, Cultura, Hermenêutica da Filosofia e Ciências Religiosas, Ciências da Educação e História da Mulher.
  • Para além do seu trabalho de investigação, coordenação de projetos, tem vindo a organizar congressos internacionais científicos de grande escala, como o Congresso Internacional Padre Manuel Antunes (1918-1985) Interfaces da Cultura Portuguesa e Europeia (2005), o Congresso Internacional Jardins do Mundo: Discursos e Práticas (2007), o Congresso Internacional Ordens e Congregações Religiosas em Portugal (2010), Congresso Internacional de Trento: 450 anos de História (2013),[5] e o I Simpósio Internacional História, Cultura e Ciência na/da Madeira, com o tema Que saber(es) para o Século XXI? (2014).[6]

Instituições[editar | editar código-fonte]

  • Atualmente é professor-Coordenador com equiparação a Professor Catedrático da Universidade Aberta, onde dirige a CIDH – Cátedra FCT/Infante Dom Henrique de Estudos Insulares e da Globalização (Universidade Aberta/Polo do CLEPUL – Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, de que é Diretor-Adjunto e coordenador do grupo de investigação Metamorfoses da Herança Cultural).[7]
  • Até 2012, foi Presidente da Direção do Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes[9] (instituição ligada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em parceria com a ESAD - Fundação Ricardo Espírito Santo Silva), onde organizou e coordenou os cursos de Ciências da Cultura.
  • Até 2011, foi Vice-Presidente da Associação Internacional de Estudos Ibero-Eslavos.

Projetos de investigação[editar | editar código-fonte]

  • Autor e co-diretor do projeto Dicionário Histórico das Ordens e Instituições Afins em Portugal, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) (2010).[10]
  • Coordenador do projeto de investigação dos Documentos sobre a História da Expansão Portuguesa existentes no Arquivo Secreto do Vaticano, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e promovido pelo Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa - UCP (2011).
  • Membro do conselho coordenador do projeto de edição crítica da Obra Completa do Padre Manuel Antunes, sj, publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian (2012).
  • Coordenador do projeto "Vieira Global", que inclui a Obra Completa do Padre António Vieira – em publicação pelo Círculo de Leitores[11] –, o Dicionário Multimédia do Padre António Vieira, e a edição da obra seleta de Vieira, traduzida em 12 línguas de grande circulação internacional (2012-).
  • Coordenador do Dicionário Enciclopédico da Madeira (2012-)
  • Coordenador do projeto de edição crítica da Obra Completa do Marquês de Pombal. (2013-)

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

Entre a sua vasta obra publicada,[12] alguns dos volumes mais importantes são:

  • Vieira na Literatura Anti-Jesuítica, (em coautoria com Bruno Cardoso Reis), Lisboa, Roma Editora, 1997;
  • O Mito do Milénio, (em coautoria com José Manuel Fernandes) Lisboa, Paulinas Editora, 1999;
  • Teologia e Utopia em António Vieira, Separata da Lusitania Sacra, Lisboa, 1999;
  • Brotar Educação, Lisboa, Roma Editora, 1999;
  • Falésias da Utopia, Lisboa, Editora Arkê, 2000;
  • História dos Dehonianos em Portugal, Porto, Edições Dehonianas, 2000;
  • O Mito de Portugal, Lisboa, Roma Editora, 2000 (Galardoado com o Primeiro Prémio “Livro 2004” da Sociedade Histórica da Independência de Portugal);
  • Monita Secreta (Instruções Secretas dos Jesuítas). História de um manual conspiracionista, (em coautoria com Christine Vogel) Lisboa, Roma Editora, 2002;
  • Fé, Ciência e Cultura. Brotéria – 100 anos, Coordenação em parceria com Hermínio Rico, Prefácio de Eduardo Lourenço, Lisboa, Gradiva, 2003;
  • O mito do Marquês de Pombal, (em coautoria com Annabela Rita), Lisboa, Prefácio, 2004;
  • Metamorfoses de um povo: Religião e Política nos Regimentos da Inquisição Portuguesa – com a edição completa de Regimentos da Inquisição Portuguesa, (em coautoria com Paulo de Assunção), Lisboa, Prefácio, 2004;
  • Influência de Joaquim de Flora em Portugal e na Europa. Com a edição dos textos de Natália Correia sobre a “Utopia da Idade Feminina do Espírito Santo” (coautoria com José Augusto Mourão), Lisboa, Roma Editora, 2004;
  • Dois exercícios de Ironia: “Contra os Jesuítas” de Sena Freitas e “Defesa da Carta Encíclica de Sua Santidade o Papa Pio IX” de Antero de Quental, (em coautoria com o Prof. Doutor Luís Machado de Abreu), Lisboa, Prefácio, 2005;
  • Coordenação da edição do manuscrito inédito do Tratado do Quinto Império em Portugal. Com a edição completa do Tratado da Quinta Monarquia por Sebastião de Paiva, Prefácio de Arnaldo Espírito Santo, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2006;
  • O Mito dos Jesuítas em Portugal e no Brasil, Séculos XVI-XX, 2 Vols., Lisboa, Gradiva, 2006–2007;[13]
  • Padre Manuel Antunes (1918–1985): Interfaces da Cultura Portuguesa e Europeia, obra coordenada em parceria com Hermínio Rico, Porto, Campo das Letras, 2007;
  • Jesuítas e Inquisição: cumplicidades de confrontações, Rio de Janeiro, Editora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2007;[14]
  • O Padre António Vieira e as Mulheres: Uma visão barroca do Universo feminino, (em coautoria com Isabel Morán Cabanas), Porto, Campo das Letras, 2008;
  • Padre António Vieira (1608–1697): Imperador da Língua Portuguesa, Coordenação e coautoria, Lisboa, Correio da Manhã, 2008;
  • Jardins do Mundo: Discursos e Práticas, Co-coordenação com Cristina da Costa Gomes, Lisboa, Gradiva, 2008;
  • Madeira - mito da ilha-jardim: cultura da regionalidade ou da nacionalidade imperfeita na Madeira, Lisboa, Gradiva, 2009;
  • Holodomor - A desconhecida tragédia ucraniana (1932-1933), Autor e co-diretor, Coimbra, Grácio Editor, 2013.
  • Para a história das Ordens e Congregações Religiosas em Portugal, na Europa e no mundo", Paulinas Editora, 2014, coordenação.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Historiador José Eduardo Franco recebe Medalha de Mérito Cultural :: Mantenha-se Atualizado :: Secretário de Estado da Cultura :: República Portuguesa». Consultado em 22 de agosto de 2016 
  2. «Medalha de Mérito Cultural atribuída a José Eduardo Franco». DNOTICIAS.PT. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  3. «Secretário de Estado da Cultura condecora José Eduardo Franco». Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. Consultado em 22 de agosto de 2016 
  4. «O Mito dos Jesuítas, José Eduardo Franco - Livro - WOOK». www.wook.pt 
  5. «Congresso Internacional TRENTO ::». www.congressotrento2013.net 
  6. «I Simpósio Internacional 'Que Saber(es) para o Século XXI? História, Cultura e Ciência na/da Madeira'» 
  7. «[Histport] APRESENTAÇÃO PÚBLICA - CÁTEDRA INFANTE DOM HENRIQUE - 21 JULHO - 11H - AUDITÓRIO CEHA - FUNCHAL». ml.ci.uc.pt 
  8. Pheenix. «PHEENIX::SELL». www.bprmadeira.org 
  9. «Portugal, a Europa e a Globalização» 
  10. «Dicionário Histórico das Ordens e Instituições Afins em Portugal, José Augusto Mourão - Livro - WOOK». www.wook.pt 
  11. «CÍRCULO de leitores». www.circuloleitores.pt 
  12. «José Eduardo Franco». Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  13. Franco, José Eduardo (21 de agosto de 2017). «O mito dos Jesuítas em Portugal, no Brasil e no Oriente: Das origens ao Marquês de Pombal». Gradiva – via Google Books 
  14. Franco, José Eduardo; Tavares, Célia Cristina da Silva (1 de janeiro de 2007). «Jesuítas e inquisição: cumplicidades e confrontações». EdUERJ – via Google Books 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]