José Eduardo dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
José Eduardo dos Santos
José Eduardo dos Santos
Presidente de Angola
Período 21 de setembro de 1979
a 25 de setembro de 2017
Vice-presidente Fernando da Piedade Dias dos Santos
Manuel Vicente
Antecessor(a) Lúcio Lara (interino)[1]
Sucessor(a) João Lourenço
Primeiros-ministros Fernando José de França Dias Van-Dúnem
Marcolino Moco
Fernando José de França Dias Van-Dúnem
Fernando da Piedade Dias dos Santos
Paulo Kassoma[2]
Dados pessoais
Alcunha(s) Zédú
Nascimento 28 de agosto de 1942
Luanda, Angola
Morte 8 de julho de 2022 (79 anos)
Barcelona, Espanha
Nacionalidade angolano
Alma mater Instituto de Petróleo e Química de Bacu[3][4]
Cônjuge Tatiana Kukanova (1966-1980)
Ana Paula Lemos (1991-2022)
Filhos 10, incluindo Isabel, José, Coréon Dú e Welwitschea dos Santos
Partido MPLA
Religião Católico romano (não praticante)
Ocupação Engenheiro, militar e político
Residência Pedralbes
Assinatura Assinatura de José Eduardo dos Santos
Serviço militar
Lealdade  Angola
Serviço/ramo FAPLA/EPLA (1962-1991)
FAA (1991-2002)
Anos de serviço 1962-2002
Graduação General de Exército[5]

José Eduardo Van-Dúnem dos Santos (Luanda, 28 de agosto de 1942[6]Barcelona, 8 de julho de 2022) foi um engenheiro, militar e político angolano que serviu como Presidente de Angola de 1979 a 2017. Como presidente, José Eduardo dos Santos também foi comandante-em-chefe das Forças Armadas Angolanas (FAA) e presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), o partido que tem governado Angola desde que obteve independência em 1975.[7]

Em 11 de março de 2016, ele anunciou que deixava a carreira política em 2018, ano em que completaria 76 anos.[8] Porém acabou deixando o cargo em setembro de 2017, sendo sucedido por João Lourenço.

Faleceu em 8 de julho de 2022, de doença prolongada, internado nos cuidados intensivos de um centro médico da cidade de Barcelona, Espanha, aos 79 anos de idade.[9]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

José Eduardo dos Santos nasceu onde hoje é o bairro de Sambizanga, em Luanda.[10] É filho de Avelino Eduardo dos Santos Van-Dúnem,[11] calceteiro[12] e pedreiro de origem santomense,[11] e Jacinta José Paulino,[13] vendedora e trabalhadora doméstica.[11] Seu nome de batismo era somente José Eduardo Van-Dúnem. Já adulto, acrescentou "dos Santos" de seu pai e deixou de utilizar o sobrenome "Van-Dúnem".[14][11]

Frequentou a escola primária em Luanda onde também fez o ensino secundário no Liceu Salvador Correia (atualmente Magistério Mutu-ya-Kevela).[15][16]

Militância anticolonial e carreira militar[editar | editar código-fonte]

Ainda estudante do Liceu, José Eduardo dos Santos filiou-se ao MPLA em 1958,[17] o que marcou o começo da sua militância política anticolonial. Antes mesmo de sua filiação ao MPLA, já tomava parte em grupos clandestinos nacionalistas que atuavam na periferia de Luanda.[18]

Após a eclosão da luta contra o poder colonial português em 4 de fevereiro de 1961, José Eduardo dos Santos abandonou Angola em novembro desse mesmo ano e passou a coordenar no exílio a atividade da Juventude do MPLA, organismo do qual foi um dos fundadores e durante algum tempo vice-presidente.[19] Eduardo dos Santos partiu para o exílio no país vizinho República do Congo.[19] Integrou, em 1962, o Exército Popular de Libertação de Angola (EPLA),[18] braço armado do MPLA, e em 1963 foi o primeiro representante oficial do MPLA em Brazavile, capital da República do Congo.[18]

Em novembro de 1962, foi beneficiado com uma bolsa de estudos para o Instituto de Petróleo e Química de Bacu, na antiga União Soviética, tendo se licenciado em engenharia de petróleos em junho de 1969.[18] O intercâmbio em terras soviéticas se mostraria fundamental para que no futuro fosse eleito substituto de Agostinho Neto.[20][nota 1]

Ainda na URSS, depois de terminados os estudos superiores, frequentou um curso militar de telecomunicações.[19] Isso o habilitou a exercer, quando voltou para Angola (em 1970), funções nos Serviços de Telecomunicações da 2.ª Região Político-Militar do MPLA, em Cabinda, de 1970 a 1974. Neste último ano chegou a ser promovido a sub-comandante no Serviços de Telecomunicações da referida região militar.[21]

Em 1974 Angola ainda era um território português conhecido como Estado de Angola. Eduardo dos Santos desempenhou um papel significativo nos esforços militares finais da guerra de independência.[18] Naquele momento é designado membro da Comissão Provisória de Reajustamento da Frente Norte, responsável das finanças da 2ª Região, sendo um dos líderes da exitosa Campanha Miconje-Cabinda, que garantiu a província de Cabinda para a iminente Angola independente.[22]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

O desempenho da campanha militar cabindina o gabaritou diante da liderança do partido para servir como representante do MPLA inicialmente na República Democrática do Congo (ainda Zaire), seguindo para a Jugoslávia e a República Popular da China.[23]

Do final de 1974 até meados de 1975, José Eduardo dos Santos voltou a desempenhar a função de Representante do MPLA em Brazavile (o Congo era um dos mais importantes aliados africanos de Angola). Em setembro de 1974, numa reunião realizada no Moxico,[13] foi eleito membro do Comité Central e do Bureau Político do MPLA.[13] Em junho de 1975, passou a coordenar o Departamento de Relações Exteriores do MPLA[18] e, cumulativamente, também o Departamento de Saúde do MPLA.[18]

Com a proclamação da independência de Angola, a 11 de novembro de 1975, foi nomeado Ministro das Relações Exteriores.[18] Nesta função, desempenhou um papel fundamental na obtenção de reconhecimento diplomático para o governo do MPLA em 1975-76.[18] O MPLA tinha o poder em Luanda, porém iniciava a Guerra Civil Angolana com as outras formações políticas com alianças com diversas potências — a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA).[18] No Congresso do MPLA realizado em dezembro de 1977, Eduardo dos Santos foi reeleito para o Comité Central e para o Politburo.[18] Em dezembro de 1978 foi movido do posto de Vice-Primeiro-Ministro para o de Ministro do Planeamento e Desenvolvimento Económico.[13]

Presidente de Angola[editar | editar código-fonte]

Dos Santos (Quinto da esquerda) no Portão de Brandemburgo durante visita de Estado de 1981, com oficiais da Alemanha Oriental.

Com a morte do primeiro presidente de Angola, Agostinho Neto, a 10 de setembro de 1979, Lúcio Lara convocou com urgência um congresso extraordinário do partido, assumindo interinamente a condução do país.[24] Mesmo com todo o cenário favorável a permanecer no poder, optou por trabalhar para que um nome não-mestiço fosse escolhido.[9]

Assim, José Eduardo dos Santos foi eleito Presidente do MPLA a 20 de setembro de 1979 e investido por Lara, no dia seguinte, nos cargos de presidente da República Popular de Angola e comandante-em-chefe das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA).[18] Também foi eleito Presidente da Assembleia do Povo a 9 de novembro de 1980.[13]

Guerras e purgas[editar | editar código-fonte]

Do início da década de 1980 até 1992, José Eduardo dos Santos teve que enfrentar a guerra civil doméstica[25] e dois conflitos interfronteiriços, a Guerra de Independência da Namíbia e a Insurgência em Catanga, que moveram um enorme contingente de refugiados para Angola, causando uma da crise transfronteiriça entre Angola, Zaire e a África do Sul.[26][27] Além das questões zairenses e sul-africanas, o grande desafio real continuava ser doméstico, com o conflito continuo com o movimento de nacionalista rival, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).[19] Liderada por Jonas Savimbi e apoiada pela África do Sul e os Estados Unidos, nunca totalmente reconheceu a legitimidade do MPLA como o governo no poder em Angola.[19] Vários conflitos armados resultaram numa guerra civil de 27 anos que devastou o país e os fundos públicos angolanos.[19]

As guerras tiveram intervenção estrangeira intensa. Devido ao apoio da União Soviética e Cuba a Angola, os Estados Unidos e África do Sul apoiaram UNITA como uma forma de limitar a expansão da influência soviética em África.[28] No final da década de 1980, após a retumbante vitória angolana na batalha de Cuito Cuanavale,[29] abriram-se conversações quadripartidas entre Angola, Estados Unidos, Cuba e África do Sul, resultando na materialização da resolução 435/78 do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que deu início ao processo de paz que culminaria no repatriamento do contingente cubano, na independência da Namíbia, e na retirada das tropas sul-africanas de Angola.[30]

A década de 1980 também ficaria marcada pelas "purgas eduardianas", ou "purgas da Peça e do Quadro", iniciadas em 1982,[31] e replicadas em 1985[31] e 1987-1990.[32] O estopim seria o "caso Monty", o "caso Angonave", o "caso Kamanga" e o "caso da Peça e do Quadro", em que os três primeiros tratariam de denúncias de corrupção partindo de uma ala mais à esquerda no partido, atingindo, respectivamente, as empresas Sonangol, Angonave e Endiama, e; por último críticas ácidas satíricas à Dos Santos e seu círculo de confiança (chamada de ala pragmática-liberal) partindo do departamento partidário de Cultura e de Formação numa peça teatral e numa obra de arte,[33] acusando-os de incompetentes, incapazes e corruptos.[34] As sucessivas crises deram-se de setembro de 1981 a setembro de 1982, com o epílogo ocorrendo no "caso da Peça e do Quadro".[34] Foram removidos de cargos-chave do partido e do governo a ala "Guia Imortal" (ou comunista/progressista-socialista),[31][34] que seguia a linha ideológica de Agostinho Neto e de Lúcio Lara (este o próprio fiador de Dos Santos).[35] Atribui-se tanto a uma busca de afirmação da liderança de Eduardo dos Santos,[31] como de tentativa de minar o poder de figuras que considerava demasiado poderosas, atingindo inicialmente (1982) Ambrósio Lukoki,[33] Costa Andrade (Ndunduma wé Lépi),[33] Luzia Sebastião,[29] Nene Pizarro,[29] Raul Araújo,[29] Rui Galhanas,[29] Ruth Lara[29] e, por ultimo, Lúcio Lara (1985)[35][31] e Maria Mambo Café (1990).[32]

Abertura de mercado e eleições[editar | editar código-fonte]

Aperto de mãos entre Dos Santos e Savimbi em 1995 durante conversações para um acordo de paz.

No início da década de 1990 Eduardo dos Santos abandonou progressivamente a ideologia marxista e estabeleceu uma economia de livre-mercado em Angola, colocando o país como a terceira maior economia da África subsariana[36] depois da África do Sul e Nigéria, o segundo maior produtor de petróleo africano e um dos locais mais visados para investimento estrangeiro em África.[37][38]

Com o fim da Guerra Fria e pressionado pela comunidade internacional, mas simultaneamente a braços com dificuldades económicas internas e a continuação de uma desgastante guerra civil, José Eduardo dos Santos procurou uma solução negociada com a UNITA. Impôs a passagem de Angola para um regime democrático que, baseando-se numa constituição adotada em 1992, permitiu o pluralismo político.[39]

Em 29 e 30 de setembro de 1992, após 16 anos de conflito que, àquela altura, ja tinha matado 300 mil pessoas, foram realizadas eleições em Angola, sob a supervisão das Nações Unidas.[40] As eleições para a Assembleia Nacional deram a vitória ao MPLA com maioria absoluta. No entanto, nas eleições presidenciais José Eduardo dos Santos não foi eleito na primeira volta, embora tenha conseguido 49,57% dos votos, contra 40,07% de Jonas Savimbi.[41] De acordo com a constituição vigente, uma segunda volta teria sido indispensável, mas a UNITA não reconheceu os resultados eleitorais, retomando de imediato a Guerra Civil Angolana. O recrudescimento da violência foi terrível, com episódios notórios como a Guerra dos 55 Dias e o Massacre do Dia das Bruxas, com a primeira resultando de um grande massacre da UNITA contra civis[42] e a segundo quando centenas de manifestantes UNITA foram mortos pelas forças MPLA em todo o país.[43] Em tal cenário, José Eduardo dos Santos manteve em funções, mesmo sem legitimidade constitucional.[44]

Em 1993, enquanto a UNITA recusava-se a desistir do território que ganhou na Guerra dos 55 Dias pelo relaxamento militar do período eleitoral, os Estados Unidos, envolvidos na resolução de negociações de paz entre os dois partidos e líderes rivais, a fim de elaborar um acordo de partilha de poder decidiu retirar o seu apoio à UNITA e oficialmente reconheceram o governo do MPLA como órgão dirigente oficial de Angola.[41] Dos Santos dirigiu pessoalmente essa intensa atividade diplomática que culminou no reconhecimento do governo angolano pelos Estados Unidos em 19 de maio de 1993, e a seguir no reconhecimento pela maior parte dos países.[45] Houve a tentativa de firmar um tratado de paz definitivo entre 1994 e 1995, no Protocolo de Lusaca, mas os conflitos continuaram.[46]

Lidando com assuntos internos complexos, o panorama externo novamente perturba seu governo durante a Segunda Guerra do Congo, onde o país tornou-se destino de uma multidão de refugiados quinxassa-congoleses.[47][48] Além disso, as Forças Armadas Angolanas foram enviadas para tentar contornar as diversas rebeliões no pais vizinho, bem como na Guerra Civil na República do Congo, angariando importantes vitórias militares externas, num claro esforço de afirmar o país como potência bélica regional.[49]

Processo de paz[editar | editar código-fonte]

Dos Santos e o então presidente do Brasil, Lula da Silva, em 2003.

A Guerra Civil Angolana terminou em 2002, com a morte de Jonas Savimbi a 22 de fevereiro e a assinatura dos acordos de paz no dia 4 de abril do mesmo ano, nos quais a UNITA desistiu da luta armada, concordando com a desmobilização dos seus 50 mil militares, ou da sua integração nas Forças Armadas Angolanas,[50] chegando-se deste modo a pôr termo a 27 anos da guerra civil. A paz foi declarada oficialmente em 2 de agosto de 2002.[51]

Na sequência desta decisão, o Conselho de Segurança da ONU reabriu o Escritório das Nações Unidas em Angola e autorizou o estabelecimento da Missão das Nações Unidas em Angola (UNMA), destinada a consolidar a paz no país.[52]

Uma vez que continuou a haver, em Cabinda, uma resistência contra a integração daquele enclave no Estado angolano, José Eduardo dos Santos concluiu a 1 de agosto de 2006 o "Memorando de Entendimento para a Paz e Reconciliação na província de Cabinda" formalmente assinado pelo ministro da Administração do Território de Angola, Virgílio de Fontes Pereira, e pelo presidente do Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD), general António Bento Bembe,[nota 2] no Salão Nobre da Câmara de Moçâmedes, na presença de governantes, políticos e diplomatas acreditados na capital angolana, líderes religiosos e tradicionais, para além de representantes da sociedade civil. Este acordo destinou-se a pôr definitivamente fim à luta armada pela independência de Cabinda iniciada em 1975 pela Frente para a Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC).[53]

Questões de governança após a guerra civil[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Dos Santos anunciou que não se candidataria a presidente na próxima eleição, que o próprio indicou que ocorreria em 2002 ou 2003.[54] No entanto, em dezembro de 2003 foi reeleito Presidente do MPLA[55] não sendo realizadas eleições presidenciais como prometido, apesar destas serem anunciadas novamente para 2006,[56] depois para 2007 e finalmente para 2009.[57]

Eduardo dos Santos com o então presidente russo Dmitry Medvedev durante visita de Estado em Angola 26 de junho 2009.

Em matéria internacional, em novembro de 2006, Dos Santos foi cofundador da Associação dos Países Africanos Produtores de Diamantes (ADPA) uma organização que conta com aproximadamente 20 nações africanas, e com a meta de promover cooperação no mercado e investimento estrangeiro na indústria diamantífera africana.[58] Em 2007 conseguiu que o país fosse integrado ao poderoso cartel petrolífero Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).[59] Cabe salientar que anteriormente, na década de 1990, conseguiu incluir Angola na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa[60] e na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, nesta inclusive presidente pro-tempore entre 2011 e 2012.[61]

Depois de uma eleição legislativa em 2008 (as primeiras eleições legislativas desde 1992), em que o MPLA venceu com 81,64% dos votos,[62] o partido começou a elaborar uma nova Constituição.[63]

José Eduardo dos Santos supostamente sofreu uma tentativa de assassinato em 24 de outubro de 2010, quando um veículo tentou bloquear o seu carro quando voltava da praia com a família. A escolta presidencial abriu fogo, matando dois indivíduos e recuperando várias armas.[64] O incidente não foi confirmado por nenhuma outra fonte.

Em inícios de 2010 foi adotada a nova constituição, que abandona eleições presidenciais, introduzindo um mecanismo que prevê a eleição ao cargo de presidente do cabeça de lista do partido político ou coligação de partidos políticos mais votado no quadro das eleições gerais.[63] Em fevereiro/março de 2011, e depois novamente em setembro de 2011, manifestações públicas foram organizadas em Luanda por jovens angolanos, principalmente através da Internet exigindo a renúncia do presidente a realização de novas eleições.[65] Este grupo de manifestantes é denomnado de "révus".[66]

As eleições legislativas foram agendadas para 2012, altura em que José Eduardo dos Santos indicou Manuel Domingos Vicente como sucessor.[67] Voltou atrás em sua decisão logo em seguida, assumindo o estatuto de cabeça-de-lista dos candidatos pelo MPLA.[68] Venceu a eleição de 2012 com uma proporção de 71% dos votos, resultado ligeiramente menor que na eleição de 2008, mas ainda bastante folgado em relação aos adversários.[69]

Últimos anos na presidência e aposentadoria da política[editar | editar código-fonte]

Dos Santos anunciou em 11 de março de 2016 que planejava se aposentar em 2018. A data em questão significaria que ele deixaria o cargo após as próximas eleições, marcadas para 2017. Em dezembro de 2016, o MPLA sinalizou que João Lourenço, então Ministro da Defesa e Vice-Presidente do MPLA, poderia ser o cabeça da lista legislativa do partido e, portanto, seu candidato presidencial para as eleições legislativas de 2017, indicando que Dos Santos se afastaria antes de 2018. Dos Santos afirmou em 3 de fevereiro de 2017 — durante a 3ª. Reunião Ordinária do MPLA, que confirmou Lourenço como cabeça de lista — que deixaria o cargo após as eleições no final de 2017, com o próximo eleito o sucedendo. Nas eleições de agosto de 2017 Lourenço é eleito presidente com uma margem de 61 % dos votos.[70]

Em 26 de setembro de 2017 Dos Santos empossa Lourenço como Presidente de Angola.[71] Em 8 de setembro de 2018 Dos Santos é finalmente substituído por Lourenço na liderança do MPLA.[72]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

José Eduardo dos Santos foi frequentemente associado à grande corrupção e ao desvio de recursos do petróleo, em grande parte proveniente da província de Cabinda.[73][74][75] Sua família é detentora de imenso património, que inclui casas nas principais capitais europeias, participações em grandes empresas, sociedades controladoras em paraísos fiscais e contas bancárias na Suíça — um património acumulado ao longo de décadas de exercício do poder. Seus oponentes o acusam de ignorar as necessidades sociais e económicas de Angola, concentrando seus esforços em acumular riqueza para sua família, ao mesmo tempo em que silencia a oposição ao seu governo.[76]

Em 2012 cerca de 70% da população angolana vivia com menos de 2 dólares por dia, enquanto Santos e sua família acumularam uma imensa fortuna, que inclui participações nas principais empresas do país, bem como em grandes empresas estrangeiras.[77]

Santos enriqueceu desde que assumiu o poder, mas acumulou uma enorme quantidade de bens sobretudo depois da abertura de mercado. A partir do cessar-fogo de 1989/1992, quando grande parte da economia do país foi parcialmente privatizada, ele assumiu o controlo de diversas empresas emergentes e apoiou ofertas públicas de aquisição de várias outras companhias de exploração de recursos naturais.[78]

Eventualmente o Parlamento de Angola considerou ilegal que o presidente, pessoalmente, tivesse participação financeira em empresas. Na sequência, a fortuna de sua filha, Isabel dos Santos, baseada na participação acionária em várias empresas angolanas e estrangeiras, passou a crescer exponencialmente.[79][80] Paralelamente, o governo passou a assumir o controle acionário em empresas que o presidente indiretamente controlava.[78]

Ao mesmo tempo, o orçamento governamental chegou a 69 bilhões de dólares em 2012, graças aos rendimentos proporcionados pelo petróleo, os quais saltaram de 3 bilhões de dólares, em 2002, para 60 bilhões, em 2008.[81] No entanto, segundo o Fundo Monetário Internacional, 32 mil milhões de dólares das receitas de petróleo sumiram dos registos do governo. Afinal, descobriu-se que o dinheiro faltante foi usado em atividades quase fiscais.[78][82]

José Eduardo dos Santos e o regime que representava tornaram-se alvo de protestos políticos por parte dos jovens angolanos, desde fevereiro de 2011. Uma grande manifestação pública realizada em Luanda, no início de setembro de 2011, foi duramente reprimida pela polícia, com dezenas de pessoas detidas e vários manifestantes feridos.[83] A contestação ocorre sob outras formas, inclusive pelo "kuduro" rap e através de redes sociais da Internet.[84]

Em junho de 2016, José Eduardo dos Santos nomeou a filha Isabel dos Santos para as funções de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol.[85] Um grupo de 12 juristas angolanos apresentou uma providência cautelar para suspender a eficácia da posse da empresária.[85]

Prémios e reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

José Eduardo dos Santos foi eleito o "Homem do Ano 2014" pela revista “Africa World”. Segundo a publicação, a escolha do líder angolano deve-se ao seu contributo para o excelente processo de recuperação económica e democrática de Angola desde o fim da guerra.[86][87] A 8 de maio de 2015, o Presidente angolano foi galardoado com o prémio de boa governação “Meafrica Award”, no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.[88] O Meafrica Awards é uma organização sem fins lucrativos que distingue personalidades individuais que contribuem na facilitação de investimentos e das relações económicas, para as economias em desenvolvimento.[89]

Vida privada[editar | editar código-fonte]

José Eduardo dos Santos tinha como passatempo tocar guitarra, leitura de obras de história, política e economia, além de jogar futebol, tendo forte admiração pela equipa Futebol Clube do Porto, sendo inclusive premiado pela mesma com o "Dragão de Ouro".[91]

José Eduardo dos Santos teve 10 filhos de diferentes relações:

Durante a sua estadia na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), José Eduardo dos Santos casou-se pela primeira vez (1966), com Tatiana Kukanova, cidadã russa-soviética, de quem se divorciou mais tarde (1980).[92] Deste casamento teve uma única filha:

Da relação com Filomena de Sousa ("Necas"), sua secretária no Ministério das Relações Exteriores de Angola[93], teve um filho:[91]

De Maria Luísa ("Milucha") Perdigão Abrantes[91] (23 de julho de 1951), antiga presidente da extinta Agência Nacional para o Investimento Privado de Angola[93], teve um filho e uma filha:

De Maria Bernarda Gourgel[91] teve um filho:

  • José Avelino Gourgel dos Santos (28 de dezembro de 1988).[91]

Casou-se pela segunda vez a 17 de maio de 1991 com Ana Paula Cristóvão Lemos (Luanda, 17 de outubro de 1963). Antiga hospedeira de bordo do avião presidencial angolano, Ana Paula conheceu José Eduardo dos Santos na época em que trabalhava nos voos presidenciais. É filha de José Cristóvão Lemos e de sua mulher Madalena Joaquim Breganha. Deste casamento teve três filhos e uma filha:

  • Eduane Danilo Lemos dos Santos (29 de setembro de 1991);[91]
  • Joseana Lemos dos Santos (5 de abril de 1995);[91]
  • Eduardo Breno Lemos dos Santos (2 de outubro de 1998);[91]
  • Houston Lulendo Lemos dos Santos (15 de novembro de 2001).[91]

De uma relação com Eduarda, conhecida por "Dadinha", teve:[94]

  • Josias dos Santos.[94]

No período que antecedeu sua morte foi noticiado um aumento das tensões internas na família, bem como entre a parte controladora das finanças da família e o Estado angolano.[95]

Morte[editar | editar código-fonte]

Desde 2019 Dos Santos esteve hospedado no bairro de Pedralbes, Barcelona, numa mansão que já foi propriedade de Jordi Pujol. Sua estada em Barcelona era para tratamento médico.[96][97]

Entre o princípio do tratamento e a piora de seu quadro a partir de maio de 2022, foi internado várias vezes. Em 23 de junho de 2022 Dos Santos sofreu um enfarte, ao que foi conduzido com urgência para o Instituto de Cardiologia e Medicina Interna do Centro Médico Teknon, na referida cidade espanhola.[95]

Faleceu em 8 de julho de 2022,[66] de insuficiência cardiorrespiratória causada por doença prolongada,[98] em Barcelona, Espanha, aos 79 anos de idade.[9]

Notas e referências

Notas

  1. As informações dadas sobre este período pela Embaixada de Angola em Atenas não são inteiramente consistentes com as do site oficial do MPLA.
  2. António Bento Bembe também era vice-presidente e secretário-geral da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) e ex-presidente da FLEC/Renovada até a sua fusão em 2004 com a FLEC/FAC de Nzita Tiago, radicado em Paris

Referências

  1. Patrício Batsîkama (Dezembro de 2014). «O testamento que validou José Eduardo dos Santos na presidência de Angola em 1979». Sankofa: FCS/Universidade Agostinho Neto. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana (14) 
  2. Cargo extinguido em 2010.
  3. Leonor Mateus Ferreira (26 de setembro de 2012). «Toma posse pela 1.ª vez em 33 anos de Presidência». Consultado em 26 de agosto de 2017 
  4. Lusa (26 de setembro de 2012). «José Eduardo dos Santos já tomou posse em Angola». Consultado em 26 de agosto de 2017 
  5. José Eduardo dos Santos passa a general de Exército. Jornal de Angola. 24 de abril de 2018.
  6. W. Martin James e Susan Herlin Broadhead, Historical Dictionary of Angola (2004), Scarecrow Press, pagina 145.
  7. «cia.gov» 
  8. «O Presidente da Angola, José Eduardo dos Santos deixa vida política ativa em 2018» 
  9. a b c publico.pt (8 de julho de 2022). «Morreu José Eduardo dos Santos». Consultado em 8 de julho de 2022 
  10. W. Martin James e Susan Herlin Broadhead, Historical Dictionary of Angola (2004), Scarecrow Press, pagina 145
  11. a b c d «Eduardo dos Santos: Pensavam que eu não tinha família?». Portal de Angola. 4 de janeiro de 2021 
  12. Neto, Dulce. «José Eduardo dos Santos, o pai da Corte de Luanda». Observador. Consultado em 17 de maio de 2022 
  13. a b c d e Biography at MPLA website Arquivado em 6 de maio de 2005, no Wayback Machine. (em português).
  14. Luís, Filipe (22 de agosto de 2017). «Toda a história da "Gloriosa Família" Van Dunem dos Santos». Visão. Consultado em 23 de agosto de 2017 
  15. «The Embassy of the Republic of Angola in Abu Dhabi]». Adangola.ae. Consultado em 9 de janeiro de 2011 
  16. «Notícias do Brasil». Notícias do Brasil, Portugal e países de língua portuguesa e comunidades portuguesas]. Noticiaslusofonas.com. 23 de fevereiro de 2006. Consultado em 9 janeiro de 2011 
  17. «Directiva para as comemorações do 48.º aniversário da fundação do MPLA». Lúcio & Ruth Lara (orgs), um amplo movimento: Itinerário do MPLA através de depoimentos e anotações de Lúcio Lara, vol. I, até fevereiro de 1961, Luanda: Edição dos organizadores, 1998. 3 de setembro de 2011 
  18. a b c d e f g h i j k l José Eduardo dos Santos: Protagonista de uma das mais longas presidências em África. TVM. 8 de julho de 2022.
  19. a b c d e f José Eduardo dos Santos, o homem recatado que se tornou Presidente absoluto de Angola. Rádio Renascença. 8 de julho de 2022.
  20. «Biography of His Excellency Mr. Eng. José Eduardo dos Santos, President of the Republic of Angola». Embaixada de Angola em Atenas. Consultado em 3 de outubro de 2011 
  21. East, Roger; Thomas, Richard (2003). Profiles of people in power: the world's government leaders. [S.l.]: Psychology Press. p. 12. ISBN 978-1-85743-126-1 
  22. José Eduardo dos Santos Biography, The Famous people
  23. Louis Gates, Henry; Anthony Appiah (1999). Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience. [S.l.: s.n.] p. 624 
  24. «Morreu José Eduardo dos Santos, o homem que queria "ser recordado como um patriota".». Expresso. 8 de julho de 2022 
  25. Kalley, Jacqueline A.; Schoeman, Elna (1999). Southern African Political History: A Chronology of Key Political Events from Independence to Mid-1997. [S.l.: s.n.] 
  26. Tvedten, Inge (1997). Angola: Struggle for Peace and Reconstruction. [S.l.: s.n.] pp. 38–39. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  27. Hashimoto, John (1999). «Cold War Chat: Chester Crocker, Former U.S. Assistant Secretary of State for African Affairs». CNN. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  28. Angola country profile - Overview, BBC news, Angola country profil, 2015
  29. a b c d e f «Terra queimada». Expresso.pt. 8 de janeiro de 2017 
  30. «Cuito Cuanavale recorda os Heróis». Portal de Angola. 24 de março de 2017 
  31. a b c d e Silva, Reginaldo (2 de março de 2016). «Lúcio Lara entre a história e as "ausências"». Rede Angola. Consultado em 25 de novembro de 2017 
  32. a b «Morreu Maria Mambo Café». ANGONOTÍCIAS. 3 de dezembro de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2016 
  33. a b c Susana Garcia (27 de junho de 2014). «"A mulher é o único receptáculo que ainda nos resta, onde vazar o nosso idealismo." – Goethe». Tribuna das Ilhas 
  34. a b c Vidal, Nuno de Fragoso. (setembro de 2016). «O MPLA e a governação: entre internacionalismo progressista marxista e pragmatismo liberal-nacionalista». Porto Alegre. Estudos Ibero-Americanos. 42 (3): 815-854 
  35. a b «Lúcio Lara: The First and Last Stalwart of the MPLA». Maka Angola. 17 de março de 2016 
  36. GDP ranking, Worldbank, Sept 18, 2015
  37. Angola facts and figures, OPEC
  38. Egypt, Angola Attract Most Foreign Investment In 2014, AFK Insider, 19 de maio de 2015
  39. O que mudou em 30 anos de sistema multipartidário em Angola?. DW. 6 de maio de 2021.
  40. United Nations Angola Verification Mission II, UN, May 1991 - February 1995
  41. a b Parliamentary Chamber: Assembleia nacional- ELECTIONS HELD IN 1992, IPU
  42. Nascimento, Osvaldo. (6 de março de 2019). «"Guerra dos 55 dias no Huambo" foi há 26 anos». Portal de Angola 
  43. Massacre de Outubro em Angola completa 20 anos. Deutsche Welle. 29 de outubro de 2012.
  44. O Problema da Legitimidade do Mandato Presidencial. Maka Angola. 11 de setembro de 2016.
  45. «Embaixada da República de Angola em Portugal». www.embaixadadeangola.org 
  46. «História - A dura luta pela paz». Angola Press. 2007. Consultado em 1 de maio de 2013 
  47. Losing control in Kasaï. Africa Confidential. 21 de julho de 2017.
  48. Betts, Alexander. Survival Migration: Failed Governance and the Crisis of Displacement. Cornell University Press. Agosto de 2013. p. 94. ISBN-13: 978-0801477775.
  49. Primeira e Segunda Guerra do Congo. Faculdade Damas. [s./d.].
  50. Unita signs peace treaty with Angolan army to end 27-year civil war, Telegraph, 5 de abril de 2002
  51. [Angolan (1992-2002). Civil Wars of the World: Major Conflicts Since World War II, Volume 1, published by Karld Derouen Jr and Uk Heo, p.140.]
  52. Security Council Authorizes Establishment of United Nations Mission in Angola. United Nations. 15 de agosto de 2002.
  53. LUSA (2006). «Angola e Fórum Cabindês para o Diálogo assinam Memorando de Entendimento». Consultado em 21 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  54. "Dos Santos to bow out", IRIN, 24 de agosto de 2001.
  55. "Dos Santos at the helm", IRIN, 17 de dezembro de 2003.
  56. "Uncertainty increases over election date", IRIN, 16 de fevereiro de 2006.
  57. "New delay for Angolan elections", BBC News, 21 de dezembro de 2006.
  58. "Angola: African Diamond Producing Countries Ministers Meet" ANGOP, 4 novembro de 2006
  59. France Presse (6 de novembro de 2007). «OPEP, o poderoso cartel dos exportadores de petróleo». G1/Globo 
  60. Processo Histórico. CPLP. 2022.
  61. Angola assume presidência da SADC. RFI. 17 de agosto de 2011.
  62. «BBCParaAfrica.com: Confirmada vitória esmagadora do MPLA». www.bbc.co.uk. Consultado em 18 de setembro de 2008 
  63. a b Gouveia, Jorge Bacelar (setembro de 2017). «O Constitucionalismo de Angola e a sua Constituição de 2010.» (PDF). Unisinos. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito (RECHTD). 9 (3): 221-239. doi:10.4013/rechtd.2017.93.03 
  64. ANGOLA – Zedu targeted Consultado em 9 janeiro de 2011
  65. "Manifestação contra Presidente de Angola travada violentamente pela polícia" (manifestation against President of Angola violently repressed by police) Arquivado em 16 de setembro de 2012, no Wayback Machine. Público (Lisboa), acessodata 4 de setembro de 2011
  66. a b «José Eduardo dos Santos: "Destratamento resulta das políticas" do ex-Presidente». DW. 4 de julho de 2022 
  67. José Eduardo dos Santos terá escolhido sucessor Artigo no Correio de Manha, 3 de setembro de 2011, recuperado 3 de setembro de 2011
  68. «José Eduardo dos Santos toma posse em Angola». 26 de setembro de 2012. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  69. Resultado final confirma vitória folgada de José Eduardo dos Santos. RFI. 8 de setembro de 2012
  70. Agência EFE - Luanda (24 de agosto de 2017). «João Lourenço vence eleição para presidência de Angola, segundo projeção oficial». Agência Brasil 
  71. Lusa (26 de Setembro de 2017). «João Lourenço tomou posse como Presidente». PÚBLICO 
  72. «MPLA "reconcilia-se" com a sua história reconhece todos os presidentes». VOA Português. 19 de junho de 2019 
  73. Gates, Henry Louis; Anthony Appiah (1999) Page Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience. pp. 624
  74. Correio de Manhã: Angola procura milhões desviados Arquivado em 10 de agosto de 2011, no Wayback Machine. 5 de junho de 2011
  75. Deutsche Welle: Filho de Presidente angolano suspeito de lavagem de dinheiro 24 de março de 2011
  76. O "bâton" da ditadura. Por Rafael Marques. Público, 1.º de abril de 2000
  77. Nsehe, Mfonobong (9 de fevereiro de 2012). «The Five Worst Leaders In Africa». Forbes 
  78. a b c Dolan, Kerry (14 de agosto de 2013). «Daddy's Girl: How An African 'Princess' Banked $3 Billion In A Country Living On $2 A Day». Forbes 
  79. How Forbes' Estimate Of Isabel Dos Santos' Fortune Grew From $500M to $3B In Less Than A Year. Forbes, 16 de agosto de 2013
  80. Angola: Big companies “full” of influential figures. Macauhub, 22 de setembro de 2008
  81. Isabel Dos Santos, Daughter Of Angola's President, Is Africa's First Woman Billionaire. Forbes, 23 de janeiro de 2013.
  82. Global Witness. Open Society Initiative for Southern Africa-Angola (OSISA-Angola). Oil revenues in Angola
  83. (em português) "Manifestação contra Presidente de Angola travada violentamente pela polícia". RFi, 5 de setembro de 2011
  84. Bertelsmann Stiftung (ed.). «BTI 2012 - Angola Country Report» (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2015. Arquivado do original em 30 de outubro de 2013 
  85. a b «Analista angolano defende nomeação de Isabel dos Santos para presidir à Sonangol». www.africa21digital.com. Consultado em 28 de julho de 2016. Arquivado do original em 21 de agosto de 2016 
  86. José Eduardo dos Santos is AFRICAWORLD MAN OF THE YEAR 2014 Arquivado em 10 de janeiro de 2015, no Wayback Machine. Africa World, 25 de dezembro de 2014
  87. José Eduardo dos Santos eleito Homem do Ano Conexão Lusófona, 29 de dezembro de 2014
  88. «Chefe de Estado foi distinguido». Jornal de Angola. 11 de maio de 2015 
  89. «PR distinguido com prémio Meafrica Award de boa governação». Agência Angola Press. 9 de maio de 2015 
  90. a b «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Eduardo dos Santos". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de dezembro de 2014 
  91. a b c d e f g h i «Retrato de família: Homem de poucas palavras e muito sentimento, que lê de tudo, toca guitarra e adora futebol». Novo Jornal. 9 de julho de 2022 
  92. a b «How the Russian woman became the wife of the President of Angola and the mother of the richest woman in Africa». ForumDaily Woman. 16 de março de 2021 
  93. a b José Filomeno dos Santos: o destino de “Zenu”, Expresso 08.07.2022
  94. a b c d e «Recuperação do cenário de substituição de JES por "Zenu"». ClubK. 19 de novembro de 2009 
  95. a b «José Eduardo dos Santos internado em unidade de cuidados intensivos». DW. 24 de junho de 2022 
  96. «José Eduardo dos Santos: el dictador sospechoso de corrupción que vive en Barcelona». ElNacional.cat (em espanhol). Consultado em 18 de abril de 2021 
  97. Maoldon, Javier (9 de fevereiro de 2020). «⭐ La casa de Pedralbes de Jordi Pujol Jr., ahora vive el dictador de Angola ⭐» (em espanhol). Consultado em 18 de abril de 2021 
  98. Luís Varela de Almeida (9 de julho de 2022). «José Eduardo Santos terá ficado 16 horas sem comer e não foi assistido após paragem respiratória: estas são as acusações de Tchizé dos Santos». CNN Portugal 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Lúcio Lara (interino)
Presidente de Angola
1979 - 2017
Sucedido por
João Lourenço
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre José Eduardo dos Santos