José Félix Estigarribia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a cidade paraguaia, veja Mariscal José Félix Estigarribia.
José Félix Estigarribia
Nascimento 21 de fevereiro de 1888
Caraguatay
Morte 7 de setembro de 1940 (52 anos)
Altos
Sepultamento Panteão Nacional dos Heróis
Cidadania Paraguai
Alma mater
Ocupação político, diplomata, oficial
Prêmios
  • Ordem Nacional do Mérito
Causa da morte acidente aéreo

O marechal José Félix Estigarribia Insaurralde (Caraguatay, Cordillera, 21 de fevereiro de 1888 - Altos, 7 de setembro de 1940) militar paraguaio, presidente constitucional do país entre 15 de agosto de 1939 e 7 de setembro de 1940. Foi o principal chefe militar paraguaio na Guerra do Chaco, durante a presidência de Eusebio Ayala. Morreu em um acidente aéreo em San Bernadino.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Estigarribia era de origem humilde, filho de um camponês e prateiro, Mateo Estigarribia, e Casilda Insaurralde. Nasceu na cidade rural de San Roque de Santa Elena, Departamento de Cordillera, Paraguai. O ensino fundamental foi feito em sua cidade natal e em 1908 foi estudar no Trinity College of Agriculture, uma faculdade de agricultura. Porém, depois de obter o diploma, Estigarribia mudou de carreira e em 1910 alistou-se no exército com o posto de tenente de infantaria.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Educado como agrônomo, ele se juntou ao Exército nacional em 1910 e passou um tempo no Chile e na academia militar de Saint Cyr na França para treinamento adicional. Ele comandou a Primeira Divisão de Infantaria durante a Guerra do Chaco e foi promovido sucessivamente a brigadeiro, general de divisão (foi promovido a general após a vitória de Campo Grande e Pozo Favorito) e comandante-chefe das forças armadas. Em 1935, ele voltou vitorioso a Assunção como "Herói da Guerra do Chaco" e recebeu uma pensão vitalícia de 1 000 pesos de ouro por mês. Ele foi demitido do cargo de chefe das forças armadas após a deposição do presidente Eusebio Ayala na Revolução Febrerista por Rafael Franco, mas serviu como embaixador do Paraguai nos Estados Unidos.

Concluiu cursos no Chile, de 1911 a 1913, no Colégio Militar Bernardo O'Higgins. Em 1917 foi promovido a capitão. Teve papel importante na revolução de 1922 no Paraguai e posteriormente foi promovido a major. Por suas habilidades foi selecionado para cursar a equipe do curso, de três anos na École Supérieure de Guerre em Paris, onde foi discípulo do General Maurice Gamelin e do Marechal Foch. Estigarribia formou-se lá com notas de cabeça. Em seu retorno, em 1928, foi nomeado Chefe do Estado-Maior do Exército. Menos de um ano depois de ser nomeado foi destituído do cargo por desentendimentos com o governo quanto à estratégia de defesa do Chaco, “O Chaco deveria ser defendido o abandono dele”, argumentou, ou seja, a questão não era ocupar a terra, mas sim destrua o inimigo. No entanto, como a guerra contra a Bolívia parecia inevitável, o governo decidiu que o tenente-coronel Estigarribia era o homem necessário no Chaco. Ele tinha então 44 anos. De estatura baixa, tão pacífico, introspectivo, ou sua personalidade ou seu uniforme austero de campanha - cujas mangas eram invariavelmente curtas - o separavam do resto dos oficiais.

A definição da Guerra do Chaco seria uma guerra de "comunicações", onde o manejo do espaço e do tempo seria essencial, determinou que o governo paraguaio aceitasse seu plano geral de mobilização e o início da primeira ofensiva surpresa Paraguai (setembro-dezembro 1932) antes que a Bolívia pudesse mobilizar seus recursos.

Como comandante em chefe do exército e maestro de operações, José Félix Estigarribia teve uma brilhante participação na Guerra do Chaco (1932-1935). Sua estratégia e tática atraíram o interesse de academias militares de todo o mundo, onde ainda hoje são estudadas. Ele conseguiu impedir o avanço boliviano em direção ao rio Paraguai e destruiu divisões inimigas poderosas, usando de forma flexível o combate posicional e técnicas de guerrilha.[1]

Tendo claro que o exército sob seu comando era tudo que o Paraguai com o máximo esforço poderia ter liderado uma campanha militar exitosa contra sucessivos exércitos bolivianos, superiores em homens e recursos, retornando ao Rio Parapiti. Seu pensamento estratégico sobre a guerra de movimento, a importância da logística (principalmente a água), a concentração de forças surpresa, a passagem da defensiva à ofensiva e o conhecimento profundo do inimigo e do terreno de operações colocaram-no em uma posição privilegiada entre os motoristas militares entre as duas guerras mundiais. Aproveitou ao máximo os oficiais sob seu comando e as virtudes combativas e morais do soldado paraguaio.

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Estigarribia foi eleito presidente para um mandato de quatro anos em 1939, assumindo o cargo em 15 de agosto. Seis meses depois, em 19 de fevereiro de 1940, Estigarribia dissolveu a legislatura e suspendeu a Constituição. Declarando que "nossa nação está à beira de uma anarquia horrível", ele anunciou que a democracia seria restaurada assim que uma estrutura constitucional viável pudesse ser desenhada. Acabou sendo uma promessa vazia; dentro de cinco meses, ele reformulou a constituição em um documento severamente autoritário que concedeu amplos poderes ao presidente.

Em 7 de setembro de 1940, Estigarribia e sua esposa faziam uma excursão pelo interior do Paraguai.[2] Em uma viagem de Altos para sua residência de campo em San Bernardinos, seu avião caiu em Agapuey e todos a bordo morreram.[3] Estigarribia foi sucedido por Higinio Morínigo e promovido postumamente ao posto de marechal. Sua constituição autoritária vigoraria até 1967, quando foi substituída por um documento igualmente autoritário que vigorou até 1992.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

A Rota 02, importante rodovia paraguaia, tem o seu nome.[4][5][6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "José Félix Estigarribia" . Biografías y Vidas, la enciclopedia biográfica en línea .
  2. "Dictatorship in Paraguay," Oakland Tribune, February 19, 1940, p. 1
  3. "Dictator of Paraguay is Killed in Airplane Crash," Oakland Tribune, September 8, 1940, p. 1
  4. Dalles, Paola (14 de maio de 2013). «Rutas del Paraguay - Edicion Impresa - ABC Color». www.abc.com.py (em espanhol). ABC Color. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  5. «Mapa del Paraguay - Red vial 2018». www.mopc.gov.py (em espanhol). MOPC - Ministerio de Obras Publicas y Comunicaciones del Paraguay. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  6. «MOPC elabora mapa actualizado de rutas del Paraguay». ultimahora.com (em espanhol). Ultima Hora. 7 de março de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 


Precedido por
Félix Paiva
Presidente do Paraguai
1939 - 1940
Sucedido por
Higinio Morínigo