José Félix Henriques Nogueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Henriques Nogueira
José Félix Henriques Nogueira.
Nome completo José Félix Henriques Nogueira
Nascimento 15 de janeiro de 1823
Buligueira (Dois Portos, Torres Vedras)
Morte 23 de janeiro de 1858 (35 anos)
Encarnação (Lisboa)
Nacionalidade português
Progenitores Mãe: Maria do Espírito Santo Henriques Nogueira
Pai: Félix Henriques Nogueira
Magnum opus Estudos sobre a Reforma de Portugal

José Félix Henriques Nogueira, mais conhecido como Henriques Nogueira (Dois Portos, 15 de Janeiro de 1823Lisboa, 23 de Janeiro de 1858), foi um precursor do republicanismo e do socialismo em Portugal, teórico do iberismo e do federalismo dos Estados ibéricos. Federalista, foi adepto do associacionismo e do cooperativismo e defensor do municipalismo como forma de descentralização administrativa.[1] Tem uma escola secundária com o seu nome em Torres Vedras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu a 15 de Janeiro de 1823, no lugar de Buligueira, freguesia de Dois Portos, ao tempo parte do concelho da Ribaldeira, que ao ser extinto foi integrado no concelho de Torres Vedras. Filho de Félix Henriques Nogueira (Santa Justa (Lisboa), 23 de Março de 1796 - Dois Portos (Torres Vedras), 12 de Julho de 1830) e de Maria do Espírito Santo Henriques Nogueira (Dois Portos (Torres Vedras), 1796 - Dois Portos (Torres Vedras), 17 de Janeiro de 1880), ele natural de Lisboa e ela de Dois Portos. Contraíram matrimónio na Igreja de São Domingos de Lisboa em 1822 e cedo se fixaram em Dois Portos, onde nasceram os cinco filhos.

Henriques Nogueira, apesar da sua morte prematura, produziu uma obra muito significativa no processo ideológico português do século XIX. As suas obras mais importantes foram O Município no século XIX e Estudos sobre a Reforma em Portugal. Teve colaboração em algumas publicações periódicas, nomeadamente no Archivo pittoresco[2] (1857-1868) e no jornal O Panorama[3] (1837-1868). Idealizou uma República fundada no livre associativismo, no municipalismo e numa federação dos estados ibéricos. A sua obra Estudos sobre a Reforma em Portugal foram uma das bases ideológica do programa do Partido Republicano Português, tendo os seus escritos influenciado a legislação social da Primeira República Portuguesa.

Faleceu aos 35 anos, a 23 de Janeiro de 1858, em Lisboa, na Travessa da Boa-Hora ao Bairro Alto, vítima de tuberculose, solteiro e sem filhos. Está sepultado num jazigo encomendado por sua mãe no Cemitério dos Prazeres. Em Janeiro de 1881 foi criado o Centro Eleitoral Republicano Federal do Círculo 96, conhecido pelo Clube Henriques Nogueira, como forma de tentar unificar as diversas fações republicanas.

Apesar de não existir certeza acerca da sua pertença à Maçonaria, preconizava a Fraternidade como princípio estrutural do seu pensamento político, social e moral: "É um direito que cada um tem de ser auxiliado e protegido (...) e um dever que a todos toca de prestar, quando lhes for possível".[4]

Pelos valores que preconizou e defendeu ao longo da sua vida, a 2 de Abril de 1987 a Escola Industrial e Comercial de Torres Vedras passa a chamar-se Escola Secundária Henriques Nogueira, na rua homónima em Torres Vedras, por decreto do Ministério da Educação (Portugal)[5].

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Estudos sobre a Reforma em Portugal , Typ. Social, Lisboa, 1851.
  • Almanaque Democrático, Lisboa, 1852.
  • O Município no século XIX, Lisboa, 1856.
  • Nogueira, José Félix Henriques, Obra Completa (org. de A. Carlos Leal da Silva), 4 volumes, Imprensa Nacional — Casa da Moeda, Lisboa, 1976.

Notas

  1. TeófiloBraga,História das Ideias Republicanas em Portugal (2.ª edição). Vega : Documenta Historica, Lisboa, 2010 (ISBN978-972-699-957-7).
  2. Archivo pittoresco : semanário illustrado (1857-1868) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
  3. Rita Correia (23 de Novembro de 2012). «Ficha histórica: O Panorama, jornal literário e instrutivo da sociedade propagadora dos conhecimentos úteis.» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de Maio de 2014 
  4. Neto, Vitor (2005). As ideias políticas e sociais de José Félix Henriques Nogueira. [S.l.: s.n.] 
  5. «Portaria n.º 261/87 de 2 de Abril». Legislação.org. Consultado em 15 de Julho de 2017 

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Carvalho, Joaquim de, Obra completa: História das instituições e pensamento político 1930-c.1957, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1989.
  • Matos, Venerando António Aspra, Republicanos de Torres Vedras - Elites, Partidos, Eleições e Poder (1907-1931). Edições Colibri, Lisboa, 2003 (ISBN 972-772-416-7).
  • Neto, Vitor, As ideias políticas e sociais de José Félix Henriques Nogueira, Col. Linhas de Torres, Edições Colibri/Câmara Municipal de Torres Vedras, Torres Vedras, 2005 (ISBN 972-772-586-4).
  • Neto, Vítor, Iberismo e municipalismo em J. F. Henriques Nogueira, Revista de História das Ideias, Universidade de Coimbra, vol. 10, pp. 753–768, Coimbra, 1988.
  • Pereira, José Esteves, Henriques Nogueira e a Conjuntura Portuguesa 1846-1851, Revista de História das Ideias, Coimbra, n.º 1, pp. 159–178, Coimbra, 1977.
  • Pereira, José Esteves, Reflexão econômico-social em Portugal em meados do século XIX: José Felix Henriques Nogueira (1825-1858), Actas do Encontro Ibérico sobre história do pensamento econômico, Lisboa: CISEP, pg. 305-312, 1992.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]