José Ferreira da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Ferreira da Costa
Nascimento 1850
Lisboa
Morte 1919 (69 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação arquitecto

José Cristiano de Paula Ferreira da Costa (Lisboa c. 1850- Lisboa, c. 1919), foi um arquitecto português de formação portuguesa e francesa.

Inserindo-se dentro do estilo ecléctico Português, dotado também para pintura, preocupava-se para além do desenho decorativo e a relação entre os encaixes dos vários estilos de forma sublimar, a funcionalidade dos edifícios e a relação entre os espaços.

Estudou arquitectura em Lisboa e esteve em Paris no desenrolar dos seus estudos.

Após a sua formação e esteve também nas colónias, sendo o principal promotor da arquitectura dos inícios do século XX em Angola e Moçambique.

Foi Chefe da Repartição Técnica de Agua e Saneamento de Luanda e chefe da Repartição Superior dos Serviços Urbanos da cidade de Luanda. Prestou serviço em Moçambique na 1ª sub secção de Arquitectura das Obras Públicas.

Filho do escritor João de Deus Paula Ferreira da Costa e bistento do miguelista Francisco de Paula Ferreira da Costa. Casou em Lisboa com Virgínia da Assunção Gonçalves Ferreira da Costa.

Obras[editar | editar código-fonte]

Este arquitecto não foi estudado, tendo sido famoso e morrido esquecido, mas mesmo assim destacam-se entre os seus projectos arquitectónicos as seguintes emblemáticas obras:

O Hotel de Vidago, Grande edificação de 1908-1910 com a sua escadaria monumental.[1]

Hotel Internacional de Lisboa, em Lisboa.

O Palácio Valle Flor, mandado construir ao arquitecto italiano Nicola Bigaglia, que esteve ligado ao projecto entre 1905 e 1906, no entanto a partir de 1910 é o arquitecto José Ferreira da Costa quem continua a acompanhar todos os trabalhos, destacando-se as novas alas e arranjos. Sabe-se também que os desenhos de alguns detalhes do palácio pertenceram ao arquitecto Miguel Ventura Terra, em Lisboa.

Cocheiras do Palácio valle flor 1908 - Rua Jau 45/49 em Lisboa.

Prédio do srº António da Silva Cunha, na Rua Augusta, tornejando para a Rua da Betesga em Lisboa.

Habitação na Ajuda - 1936 - Rua Flinto Eliseo 2 em Lisboa.

Estação de Comboios de Lourenço Marques.

Banco Nacional Ultra-Marino em Lourenço Marques.

Teatro Gil Vicente em Lourenço Marques.

Esquadra da Policia em Lourenço Marques.

Projectos para o cemitério português em França.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

A Construção Moderna, Anno XI, N." 1, N.° de Ordem 337, Lisboa, 5 de Janeiro de 1911, pp. 2–3

Anuário de Lourenço Marques‎ - Página 111 1917 Vogais — José Cristiano de Paula Ferreira da Costa, Augusto Ferreira Coelho, José da Costa Fialho e Manuel da Cruz Ferreira Junior....

História da expansão portuguesa: Do Brasil para África, 1808-1930 / autores…‎ - Página 475 Francisco Bethencourt, K. N. Chaudhuri - 2000 - 568 páginas A Rua Consiglieri Pedroso incluía três obras de gosto revivalista e decorativo: a Esquadra da Polícia (projecto de José Cristiano de Paula Ferreira da Costa)

Anuário colonial‎ Portugal. Ministério do Ultramar - 1930 Página 325

Studia, Edição 24‎ - Página 63 1968 José Cristiano de Paula Ferreira da Costa. Contava apenas 34 anos de idade. A sua obra na Metrópole já era notável....

Maputo: città capitale del Mozambico: disegno e architettura‎ - Página 46 Luigi Corvaja - 1998 - 112 páginas … grazie anche all'opera di un giovane ma già famoso architetto portoghese, José Cristiano de Paula Ferreira da Costa, che in patria aveva legato il suo…

Studia - Centro de Estudos Históricos Ultramarinos‎ Centro de Estudos Históricos Ultramarinos - 1968 [O conteúdo desta página está restrito]

http://arquivohistorico.min-economia.pt/arquivohistorico/details?id=220559

Referências

  1. A República das Artes. Uma arquitectura pré-republicana Tugaland ed. [S.l.]: Tugaland. 2010. ISBN 978-989-8179-85-2 

Ver também[editar | editar código-fonte]