José Maria Pires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
José Maria Pires
Arcebispo da Igreja Católica
Arcebispo-emérito da Paraíba
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese da Paraíba
Nomeação 2 de dezembro de 1965
Predecessor Dom Mário de Miranda Vilas-Boas
Sucessor Dom Marcelo Pinto Carvalheira
Mandato 1965 - 1995
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 20 de dezembro de 1941
Nomeação episcopal 25 de maio de 1957
Ordenação episcopal 22 de setembro de 1957
por Dom José Newton de Almeida Baptista
Lema episcopal SCIENTIAM SALUTIS
A Ciência da Salvação
Nomeado arcebispo 2 de dezembro de 1965
Brasão arquiepiscopal
Template-Metropolitan Archbishop.svg
Dados pessoais
Nascimento Córregos, MG
15 de março de 1919
Morte Belo Horizonte, MG
27 de agosto de 2017 (98 anos)
Nacionalidade brasileiro
Funções exercidas -Bispo de Araçuaí (1957-1965)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom José Maria Pires (Córregos, 15 de março de 1919 - Belo Horizonte, 27 de agosto de 2017) foi um bispo católico brasileiro. Foi o terceiro bispo de Araçuaí e o quarto arcebispo da Paraíba.[1][2]

Vida eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Dom José nasceu no distrito de Córregos e aos onze anos entrou para o seminário,[3] ordenando-se padre aos 22, em Diamantina. Sua ordenação episcopal aconteceu em 1957, e em 1965 foi nomeado arcebispo.[4]

Foi bispo de Araçuaí, membro da Comissão Central da CNBB, presidente da Comissão Episcopal Regional do Nordeste. Participou de todas as sessões do Concílio Vaticano II[4] e foi um dos signatários do Pacto das Catacumbas, documento firmado por um grupo de Padres Conciliares que se comprometeram a levar uma vida de pobreza, rejeitar todos os símbolos e privilégios do poder e a colocar os pobres no centro do seu ministério pastoral.[5]

Ao completar 75 anos de idade, encaminhou à Santa Sé seu pedido de renúncia, que foi aceito em 29 de novembro de 1995.[4]

Faleceu em Belo Horizonte no dia 27 de agosto de 2017, aos 98 anos, em decorrência de insuficiência respiratória causada por pneumonia.[6]

Produção literária[editar | editar código-fonte]

Dom José Maria foi autor de quatro livros:[7]

  • O grito de milhões de escravas: a cumplicidade do silêncio (1983)
  • A cultura religiosa afro-brasileira e seu impacto na cultura universitária (2014)
  • Meditações diante da cruz (2015)
  • O sacerdote, imagem de Cristo (2016)

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2013 foi agraciado com o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal da Paraíba.[8]

Referências

  1. «Diocese of Araçuaí» (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  2. «Archdiocese of Paraíba» (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  3. BRITO, Thaís (22 de junho de 2015). «A trajetória de um bispo do povo». O Povo. Consultado em 23 de junho de 2015 
  4. a b c «Archbishop José Maria Pires» (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2015 
  5. «Falecimento de Dom José M. Pires e explicação do 'Pacto das Catacumbas'». Província Franciscana de Santa Cruz. 29 de agosto de 2017. Consultado em 29 de agosto de 2017 
  6. «Velório de dom José Maria Pires começa nesta segunda-feira em MG». Jornal da Paraíba. 28 de agosto de 2017. Consultado em 28 de agosto de 2017 
  7. «Livros de Dom José Maria Pires». Consultado em 28 de agosto de 2017 
  8. «Dom José é Doutor Honoris Causa da UFPB». Universidade Federal da Paraíba. 26 de setembro de 2013. Consultado em 8 de setembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José Maria Pires


Precedido por
José de Haas
Brasão episcopal
Bispo de Araçuaí

1957 - 1965
Sucedido por
Altivo Pacheco Ribeiro
Precedido por
Mário de Miranda Vilas-Boas
Brasão arquiepiscopal
Arcebispo da Paraíba

1965 - 1995
Sucedido por
Marcelo Pinto Carvalheira
Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.