José Mario Donizeti Baroni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

José Mário Donizetti Baroni, mais conhecido como Zé Mário[1] (Ribeirão Preto, 05 de janeiro de 1957 - 11 de fevereiro de 1978). Foi um futebolista brasileiro que atuava como ponta-direita. Defendeu as cores do seu clube de coração, o Botafogo de Ribeirão Preto e a Seleção Brasileira de futebol. Fez parte do elenco botafoguense que conquistou a Taça Cidade de São Paulo em 1977. Morreu precocemente, aos 21 anos de idade, vitima de leucemia.

Craque de Futebol[editar | editar código-fonte]

Foi um dos mais promissores pontas do futebol brasileiro, sendo lembrado por Osvaldo Brandão, técnico da Seleção Brasileira. Zé Mário jogou ao lado de Sócrates, Geraldão, João Carlos Motoca e Lorico. Foi considerado por muitos jornalistas esportivos a revelação do ano de 1977.

Da alegria à tristeza[editar | editar código-fonte]

Zé Mário foi o primeiro jogador na história do futebol brasileiro, a ser convocado para a Seleção Brasileira atuando por um clube do interior. Justamente num momento de euforia, não só para o jogador, mas para toda a coletividade botafoguense, o médico da Seleção Brasileira Lídio Toledo, em exames de rotina, descobriu a grave doença do jogador.

Jogos pela Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Zé Mário em 1977, defendeu o Brasil em duas oportunidades. Contra a Inglaterra e Seleção Paulista, ambos no Maracanã,[2][1] logo após precisou ser afastado para tratamento, mas não foi possível se recuperar.

Referências

  1. a b "A História em Seus Pés", Placar Magazine - Maio 1994 (nº 1094), pág. 106
  2. Seleção brasileira: 1914-2006, Antonio Carlos Napoleão, Roberto Assaf, Confederação Brasileira de Futebol, pág. 309

Fontes[editar | editar código-fonte]

http://terceirotempo.bol.uol.com.br/que-fim-levou/ze-mario-1893