José Marmelo e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Marmelo e Silva
Nascimento 7 de maio de 1911
Paul, Covilhã, Portugal
Morte 11 de outubro de 1991 (80 anos)
Espinho, Espinho, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Escritor
Prémios Comendador da Ordem do Mérito (4 de Fevereiro de 1989)
Magnum opus O ser e o ter

José Marmelo e Silva (Covilhã, Paul, 7 de Maio de 1911 - Espinho, Espinho, 11 de Outubro de 1991) foi um escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

José Antunes Marmelo e Silva nasceu no Paul, Beira Baixa, a 7 de Maio de 1911.

Estudou no seminário do Fundão e em escolas secundárias da Covilhã e de Castelo Branco. Frequentou as universidades de Coimbra e Lisboa, concluindo na Faculdade de Letras desta a licenciatura em Filologia Clássica, onde apresenta uma tese: "Um sonho de paz bimilenário: a poesia de Virgílio". Presta Serviço Militar em Mafra e na Madeira. Fixa residência em Espinho, onde integra a direcção do Colégio São Luís, até 1960. Ingressa no ensino oficial onde lecciona até 1982, ano da sua reforma. Morre a 11 de Outubro de 1991, em Espinho.

Agraciado com a medalha de ouro desta cidade (1987) e com o grau de Comendador da Ordem do Mérito pela Presidência da República a 4 de Fevereiro de 1989.[1] O seu nome foi atribuído à nova Biblioteca Municipal de Espinho em 2011, inaugurada a 5 de Maio desse ano, data do centenário do seu nascimento, bem como à Casa da Cultura José Marmelo e Silva, no Paul, Covilhã, inaugurada a 22 de Outubro de 2011. Publicou uma dezena de livros desde 1932, com várias edições refundidas.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O Homem que Abjurou a Sociedade - Crónicas do Amor e do Tempo, 1932 (Renegado)
  • Sedução, 1937
  • Depoimento, 1939
  • O Sonho e a Aventura, 1943
  • Adolescente, 1948 - Adolescente Agrilhoado, 2ª edição acrescentada, 1958
  • O Ser e o Ter seguido de Anquilose, 1968 - a primeira versão de O Ser e o Ter é O Conto de João Baião - edição única.
  • Anquilose, 1971
  • O Ser e o Ter, 1973
  • Desnudez Uivante, 1983
  • Obra completa de José Marmelo e Silva, Coordenação e prefácio de Maria de Fátima Marinho - Texto introdutórios de Arnaldo saraiva, Celina Silva, Maria Alzira Seixo, Maria Manuela Morais Silva, Pedro Eiras, Rosa Maria Martelo 2002
  • SEDUÇÃO E OUTRAS FICÇÕES [OBRA COMPLETA] , 2016

Dossiês[editar | editar código-fonte]

  • Dossier José Marmelo e Silva (org.:Maria da Glória Padrão) Letras & Letras, 5 de Março de 1989, p.p. 7-14.
  • Homenagem a José Marmelo e Silva (org.:Serafim Ferreira), O Diário, 23 de Março de 1987, pp. 3–7.
  • Marmelo e Silva, esse Desconhecido (org.:Pedro Alvim),Diário de Lisboa, 25 de Outubro de 1989, pp. 17–20.
  • "José Marmelo e Silva" (org.:Fernando Paulouro Neves),Jornal do Fundão 20 de Outubro de 2011, pp. 21-28

Bibliografia Passiva[editar | editar código-fonte]

  • Ainda hoje,não obstante todos os anos decorridos, Sedução continua a ser um livro de combate, um livro indisciplinador. Não pela escabrosidade do tema - aliás tratado com a delicadeza e uma finura inexcedíveis, quando tão fácil (e tão comercial…) era ceder à tentação do obsceno -, mas pelo carácter insólito da análise, que progride por pequenas deslocações laterais; por iluminação de planos sucessivos, e não, como é corrente, por um mergulho vertical, pela sobrecarga de minúcias psicológicas que,habitualmente,fazem da personagem literária um monstro, inviável fora das páginas do livro. E o estilo? O maior bem que dele se pode dizer é que outro não serviria melhor o autor. Ao mesmo tempo usual e castigada, a sua linguagem parece ter sido decantada de maneira algo bizarra: aceitando muito do que se exclui, excluindo muito do que aceita, o resultado final é um estilo que não tem similar em Portugal.José Saramago, Boletim Editorial Estúdios Cor, 1960.
  • [Marmelo e Silva é] não só um dos casos mais notáveis da moderna literatura portuguesa, mas o que mais fundo exprime e ensaia o significado da arte como libertação do homem - como reintegração do homem.(…) Adolescente Agrilhoado é não só uma das obras-primas da nossa literatura,mas o mais belo romance da adolescência que até agora se escreveu entre nós.Mário Sacramento, Diário de Lisbôa, 1967.
  • Sedução de Marmelo e Silva: sua importância e modernidade por Arnaldo Saraiva.
  • A confissão de Eduardo ou o último a saber (Notas para uma leitura de Sedução de José Marmelo e Silva), de Eduardo Prado Coelho, in A Mecânica dos Fluidos. Literatura, cinema, teoria, 1984.
  • A Intersecção do 'Eu','Onde' e 'Quando' na Obra de José Marmelo e Silva, tese de mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto,por Maria Manuela Moreira Morais 1999.

Leituras de José Marmelo e Silva organização de Ernesto Rodrigues para Centro de Estudos José Marmelo e Silva 2006

O personagem na obra de José Marmelo e Silva organização de Arnaldo Saraiva - textos de Celina Silva, Cristina Costa Vieira, João Camilo, Maria de Fátima Marinho, Paula Morão, Tânia Moreira 2008

O mágico pressentir do artista - Entrevistas com José Marmelo e Silva" Edição de Ernesto Rodrigues 2011.

Sedução da Ficção — Atas do Colóquio do Centenário do Nascimento de José Marmelo e Silva — Faculdade de Letras da Universidade do Porto" — Coordenador Arnaldo Saraiva — textos deArnaldo Saraiva, Marta Afonso, Rui Lage, Helena Lopes, Fernando J. B. Martinho,José Carlos Seabra Pereira, Ana Margarida Ramos, Maria João Reynaud, Ernesto Rodrigues, Celina Silva, Cristina Costa Vieira, Rui Zink 2014

A Ficcionalidade de José Marmelo e Silva — Maria Manuela Moreira Morais 2017

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Marmelo Silva". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 4 de outubro de 2015