José Pinto Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Margem do Arroio Pelotas, na localidade de Recanto de Portugal

José Pinto Martins, português nascido na freguesia de Meixomil, concelho de Paços de Ferreira, distrito do Porto, na região de Entre-Douro-e-Minho, é considerado um dos fundadores de Pelotas, município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. Faleceu em Pelotas em 18 de junho de 1827, perto dos oitenta anos de idade.

Tinha vivido no Ceará, em Aracati, onde exercia a profissão de fabricante de carne-seca, até 1777, quando, perto dos 30 anos de idade, motivado por uma grande seca - a Seca dos três setes -, e buscando melhor sorte, mudou-se para a vila do Rio Grande. O vento, levantando a areia fina que toldava a carne colocada para secar, impediram-no de prosperar em seu negócio em Rio Grande. Dirigiu-se, então, à freguesia de São Francisco de Paula, atual Pelotas, e instalou em 1779 sua charqueada com características de uma proto-indústria à margem do arroio Pelotas.

Representações na cultura[editar | editar código-fonte]

  • Samba-enredo da Escola de Samba Academia de Samba Areal do grupo I do carnaval de Pelotas de 2002 : Bairro Areal - De areia e sal, berço cultural e turístico, renova o ciclo com Carnaval. Referência na primeira linha:
  1. Pinto Martins, com ele a charqueada prosperou
  2. Com a chegada do tropeiro,
  3. Braço negro movimenta
  4. A indústria e o comércio do lugar
  5. A sabedoria do francês, se encanta quando vê
  6. O progresso, a freguesia
  7. Da areia e sal foi que surgiu
  8. A cobiça que expandiu
  9. Tanta riqueza despertando a Europa, o Brasil
  10. Sou mais uma voz nessa história
  11. Resgatando a memória, desse berço sedutor
  12. (Academia eu sou, no Areal meu amor)
  13. E contra a ganância do poder
  14. No bairro dá pra ver o monumento à liberdade
  15. Eu sou requinte, patrimônio cultural
  16. Recebi sua majestade no período imperial
  17. No meu sarau, o doce é primazia
  18. A charqueada São João e o Museu da Baronesa
  19. Têm turista todo o dia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Monquelat, A. F. & Marcolla, V.: José Pinto Martins, o Charque e Pelotas. Jornal Diário da Manhã, Pelotas, 4 e 11 abr. 2010
  • Leonardo Cândido Rolim. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. . O trabalho nas oficinas de carnes secas da Vila de Santa Cruz do Aracati: trabalhadores livres e escravos (1710-1799)] . Edição eletronica .
  • Inventário de José Pinto Martins – nº 114, M-10. 1-25, 1827, 1º Cart. Órfãos – Pelotas (Arquivo Público do Estado).