José de Guimarães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José de Guimarães
Nome completo José Maria Fernandes Marques
Nascimento 25 de novembro de 1939 (78 anos)
Guimarães  Portugal
Nacionalidade portuguesa
Prémios Consulte a seção Prémios
Área escultura , gravura, pintura, artes plásticas e colecionador de arte

José Maria Fernandes Marques, também conhecido pelo pseudónimo José de Guimarães, (Guimarães, 25 de novembro de 1939) é um artista plástico português.

Praça 25 de Abril, Lisboa, Portugal (PT / EU)

Biografia data[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1939, José de Guimarães é considerado um dos principais artistas plásticos portugueses de Arte Contemporânea, tendo uma vasta e notável obra na pintura, escultura e outras atividades criativas, o que faz com que seja dos mais galardoados artistas Portugueses. Muitas das suas obras estão expostas em diversos museus Europeus, bem como nos Estados Unidos da América, Brasil, Canadá, Israel e até no Japão.

Mais recentemente, em Portugal, José de Guimarães teve um forte envolvimento com a Capital Europeia da Cultura, em Guimarães, que viu nascer o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), integrado na Plataforma das Artes e da Criatividade. A própria Imprensa Nacional-Casa da Moeda assinalou a Capital Europeia da Cultura através da cunhagem de uma moeda comemorativa da autoria do artista plástico. Já em 1990 foi-lhe concedido pelo então Presidente da República Portuguesa, Mário Soares, o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Ingressou na Academia Militar e no curso de Engenharia na Universidade Técnica de Lisboa em 1957. Iniciou a sua formação artística no ano seguinte assistindo a aulas de pintura com Teresa Sousa e Gil Teixeira Lopes e estudando gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses. Entre 1961 e 1966, viajou pela Europa, conhecendo de perto a obra de antigos mestres (entre os quais Rubens) e concluiu a licenciatura de Engenharia. A sua carreira "definir-se-ia pela descoberta de regiões distantes e incomuns, de África ao Japão, do México à China. Cada uma destas culturas estimulou-o a desenvolver uma linguagem universal e a transmitir um universo imaginário que, afinal, reaviva a memória da própria História portuguesa, feita de enriquecedoras relações com países longínquos".[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

O Devorador de Automóveis no Pólo de Azurém
  • Batalha de Cartago[2]
  • O Amolador (1963)
  • Domadora de Crocodilos (1977)
  • Inês de Castro (1980)
  • Nu Descendo a Escada (1980)
  • Camões e D. Sebastião (1980)
  • Naufrágio de Camões (1980)
  • Camões (1981)
  • Serpente (1983)
  • Velásquez (1991)
  • Cartas de Jogar (1983)
  • Malabarista (1983)
  • D. Sebastião (1985)
  • Camões (1985)
  • Rei D. Pedro (1985)
  • Pássaro (1985)
  • Fernando Pessoa (Frente e Verso) (1985)
  • O Falcão (1988)
  • Logótipo para o I.C.E.P (1993)
  • Série México (1995)
  • Lisboa (2000)

Colecções[editar | editar código-fonte]

José de Guimarães destaca-se como um dos principais colecionadores: Arte Tribal Africano[3], como um estudante das culturas antigas através de sua arte.


" Detentor de uma portentosa colecção de arte africana que tem vindo a ser mostrada em diversos países (Brasil, Espanha, Portugal), José de Guimarães costuma dizer que colecciona o que se relaciona como seu trabalho mas é evidente que são os dispositivos do primitivismo que sobretudo lhe interessam. As artes integradas na comunidade, participando nela, garantindo a fecundidade, a saúde, o esconjuro da morte, a celebração das deuses, a fraternidade cúmplice com os animais.

Entre o mítico passado da África précolonial, as culturas modernistas da Europa de 1900 e o frenesim criativo das imensas periferias contemporâneas, há elos substantivos de partilha e pertença que o artista continua a indagar e provocar. E se o consegue é porque essa cultura é também a sua, artista oriundo da pequena periferia que é Portugal, aberto, sobre o mar, aos valores da mestiçagem." - (Raquel Henriques da Silva)


José de Guimarães, diz a este respeito como cobrador: "Meu maior objetivo como um coletor não é apenas a coleta de outro lado, há é feito com reconhecimento e respeito por outra cultura como alguém Portugal vela Português dos oceanos, e encontrou novos mundos, e misturas .. criadas novas visões - em algum grau, o meu trabalho artístico tem seguido essas faixas de marinheiros do passado que se aproximam as culturas de outras regiões isso é levado em conta no que diz respeito a uma outra cultura que faz ou me faz admirá-la fazendo-me querer ver e apreciar .. tão de perto quanto através de sua arte. " - (José de Guimarães)

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • 2º Prémio: Gravura, Estoril (1965)
  • 1º Prémio: Gravura, Universidade de Luanda (1967)
  • 1º Prémio: Gravura, Cidade de Luanda (1967)
  • 1º Prémio: Gravura, Cidade de Luanda (1968)
  • Menção Honrosa: Exposição Nacional de Gravura, Lisboa (1977)
  • Medalha de bronze: Prémio Europeu de Pintura, Ostende, Bélgica (1978)
  • Medalha de bronze: Prémio Europeu de Pintura, Ostende, Bélgica (1980)
  • Prémio de Aquisição do Júri do Salão do Pequeno Formato, Lisboa, Portugal (1982)
  • Prémio Orwell 1984: Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1984)
  • Grande Prémio: 9ª Exposição Bienal de Artes Plásticas, Barcelona (1986)
  • Prémio de Seleção Bienal de Escultura de Óbidos, Portugal (1988)
  • Medalha de Mérito Artístico da Cidade de Guimarães (1989)
  • Premiado com a encomenda de um monumento ao ar livre para a «Universidade de Guimarães» (1989)
  • Condecorado pelo Presidente da República Portuguesa com a Ordem do «Infante D.Henrique» (1990)
  • Prémio Olímpico Internacional 1991, «Desporto e Arte» (1991)
  • Prémio de Artes Plásticas da AICA, Lisboa (1992)
  • Homenageado pelo Canal Cultural de Televisão, ARTE, com a exibição do filme sobre a sua obra «Je vis cette vie magnifique dans mon atelier», realizado por Erwin Leiser. (1994)

Exposições individuais[editar | editar código-fonte]

  • 1964
    • Galeria Convívio, Guimarães, Portugal
    • Sociedade Nacional de Belas Artes (SNBA)
  • 1968
  • 1969
    • Galeria Convívio, Guimarães
    • Galeria Árvore, Porto
  • 1972
  • 1973
    • Galeria Dinastia, Lisboa
  • 1974
  • Galeria Dinastia, Porto
  • 1975
    • Galeria Dinastia, Lisboa
    • Galeria Dinastia, Porto
    • Galeria Convívio, Guimarães
  • 1976
    • Galeria Módulo, Porto
  • 1977
    • Galerie De Groelard, Schilde, Bélgica
    • Galerie VECU, Antuérpia, Bélgica
  • 1978
    • Museu da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
    • Galeria Dinastia, Lisboa
    • Museu Nacional Soares dos Reis, Centro de Arte Contemporânea, Porto
    • Museu de Angra do Heroísmo, Angra do Heroísmo, Açores
    • Galeria De Groerlard, Shilde
    • SNBA, Lisboa
  • 1979
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Galerie Maeyaert, Ostende, Bélgica
    • Galerie Le Soleil dans la Tête, Paris
  • 1980
    • Galeria 111, Lisboa
    • Galerie G, I.N., Amesterdão
    • Galerie VECU, Antuérpia
    • Teatro Municipal do Funchal, Funchal, Madeira
  • 1981
    • Palácio da Cultura, Rio de Janeiro
    • Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil
    • Fundação Cultural, Brasília
    • Galerie Bernard Weber, Mannheim
    • Galeria da Faculdade Manuel da Nóbrega, S.Paulo
    • Galerie Archevêché, Rouen
    • Galeria da Câmara Municipal da Amadora, Amadora
  • 1982
    • Galeria Espaço Aberto, Coimbra
    • Galeria Quetzal, Funchal, Madeira
    • Centro Cultural de São Lourenço, Almansil, Portugal
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Galerie Toni Brechbuhl, Grenchen, Suíça
  • 1983
    • Galleria Del Naviglio, Milão
    • Galerie L´Oeil de Boeuf, Paris
    • FIAC Grand Palais, Paris
    • Galeria Juana Mordó, Madrid
    • Galeria Árvore, Porto
  • 1984
    • Palais de Beaux-Arts, Bruxelas
    • Galeria René Metras,Barcelona
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
  • 1985
    • Art Basel, Basel, Suíça
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
  • 1986
    • ARCO, Madrid
    • Museu Alberto Sampaio, Guimarães
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
    • Galleria Del Naviglio, Milão
    • Galerie Kass-Weiss, Estugarda
  • 1987
    • FORUM, Zurich
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
    • FIAC Grand Palais, Paris
    • Centre Culturel Portugais, Paris
    • LINEART, Ghent
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
  • 1988
    • ARCO, Madrid
    • Galerie Kass-Weiss, Estugarda
    • Galleria Del Naviglio, Veneza
    • Galeria René Metras, Barcelona
    • Internacional Contemporany Art Fair, Los Angeles
  • 1989
    • Galeria Módulo, Lisboa
    • Chicago International Art Exposition, Chicago
    • Internation Art Fair, Basileia
    • Paul Schulz, Flein (Heilbronn), Alemanha
    • Fuji Television Gallery, Tóquio
    • Internacional Contemporany Art Fair, Los Angeles
  • 1990
    • Stockholm Art Fair, Estocolmo
    • Galerie Academia Salzburg-Residenz
    • Goldman-Kraft Gallery, Chicago
    • Galeria J.M.Gomes Alves, Guimarães
    • Centro Cultural de S.Lourenço, Almansil
  • 1991
    • Salon de Mars, Paris
    • Galeria Módulo, Lisboa
    • Galeria 5, Coimbra
    • Fondation Veranneman, Kruishoutem
    • Bunkamura Museum Art Gallery, Shibuya, Tóquio
  • 2008
    • Museo Würth La Rioja, Espanha
  • 2009
  • 2011
    • Bronzes e Jades da China Antiga, Lisboa

Museus e coleções públicas com obras de José Guimarães[editar | editar código-fonte]

  • Alemanha
    • Wurth Museum, Kunzelsau
  • Angola
    • Museu de Angola, Luanda
  • Argentina
    • Emiliano Guinazu, Museu Provincial de Arte Moderna de Mendoza
  • Bélgica
    • Museu Real de Arte Moderna, Bruxelas
    • Museu de Arte Moderna (MUHKA), Antuérpia
    • Museu Middelheim, Antuérpia
    • Fundação Verenneman, Kruishoutem
    • Universidade Católica, Lovaina
    • Colecção do Estado da Bélgica, Bruxelas
    • Museu de Arte Religiosa, Ostende
    • BP - British Petroleum, Bruxelas
    • Alliance Française, Bruxelas
    • entro Cultural Hof de Bist, Ekeren
  • Brasil
    • Museu de Arte Moderma (MASP), São Paulo
    • Museu de Arte Contemporânea (MAC), Universidade de São Paulo
    • Museu de Arte Contemporânea (MAM), Rio de Janeiro
    • Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro
    • Colecção Josias Leão, Rio de Janeiro
  • Canadá
    • Universidade de Carlton, Otava
  • Espanha
    • Museu Espanhol de Arte Contemporânea, Madrid
    • Ministério da Cultura, Madrid
    • Museu Nacional da Gravura, Madrid
    • Museu de Arte Contemporânea, Badajoz
  • Estados Unidos da América
    • Fundação Frederick Weisseman, Los Angeles
    • Centro de Art Rockefeller (SUNY) Fredonia, Nova York
  • França
    • Colecção do Estado Francês, Fundo Nacional de Arte Contemporânea, Paris
    • Parlamento Europeu, Estrasburgo
  • Holanda
    • Fundação Peter Stuyvesant, Amesterdão
  • Israel
    • Museu de Dinoma, Neguiev
  • Japão
    • Fundação Akemi, Osaka
    • Tachikawa City, Tokyo
  • Coreia
    • Parque Olímpico, Seul
  • Macau
    • Museu Luís de Camões, Banco do Oriente
  • Portugal
    • Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
    • Museu Nacional de Arte Moderna, Casa de Serralves, Porto
    • Colecção do Estado Português, Lisboa
    • Museu Nacional Soares dos Reis, Centro de Arte Contemporânea, Porto
    • Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa
    • Museu das Cruzes, Funchal, Madeira
    • Colecção do Governador Regional da Madeira, Madeira
    • Museu Alberto Sampaio, Guimarães
    • Museu do Caramulo, Caramulo
    • Museu do Centro Científico e Cultural de Macau (Museu de Macau), Lisboa
    • Museu de Angra do Heroísmo, Açores
    • Museu Martins Sarmento, Guimarães
    • Centro Cultural de Belém, Lisboa
  • Suíça
    • Museu do Relógio, Genebra
    • Biblioteca Nacional, Berna

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • AA.VV., José de Guimarães: Arte perturbadora - Disturbing Art (ed. bilingüeportugués - inglés), ediciones Afrontamiento

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Artigo sobre José de Guimarães em upmagazine-tap.com
  • Bio página de artista Galeria O Trail
  • Galeria de Fotos de trabalho e coleções . (Trabalho original exibiu 1-, coleção de 2 peças expostas Art Africano / Tribal) por José Guimarães e sua relação com a arte Africano. Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[3]
  • MAISNORTE.PT (PENAFIEL): José de Guimarães, mestre da escultura portuguesa, inaugura exposição “Arte Pública • Fotografias e Maquetes” 1 - [4], 2 - [5], 3 - [6], 4 - [7]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre José de Guimarães

Referências

  1. «José de Guimarães». CAM, Fundação Calouste Gulbenkian. Consultado em 26 de outubro de 2014 
  2. «José de Guimarães : a batalha de Cartago : the battle of Cartago / [org.] Galeria Neupergama». Bibliotecas Municipais do Porto. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  3. Galeria de fotos sobre a exposição. ( 1-Parte da exposição inicial, 2-Parte do trabalho de coleta, /Arte Tribal Africano/ José Guimarães e sua relação com a arte Africano). Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (Galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[1]
  4. Galeria de fotos sobre a exposição. ( 1-Parte da exposição inicial, 2-Parte do trabalho de coleta, /Arte Tribal Africano/ José Guimarães e sua relação com a arte Africano). Expostos 15-07-2009 a 30-09-2009 entre no Museu (Galeria) "Po'dos livros", Pátio da Galé (Terreiro do Paço) Lisboa en[2]