Josep Guardiola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pep Guardiola
Pep Guardiola
Josep Guardiola em 2014
Informações pessoais
Nome completo Josep Guardiola i Sala
Data de nasc. 18 de janeiro de 1971 (45 anos)
Local de nasc. Santpedor, Espanha
Nacionalidade  espanhol
Altura 1,80 m
Direito
Apelido Pep
Informações profissionais
Equipa atual Inglaterra Manchester City
Posição Volante
Função Treinador
Clubes de juventude

1983–1990
Espanha Gimnàstic Manresa
Espanha Barcelona
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1990–1992
1990–2001
2001–2002
2002
2003
2003–2005
2005–2006
Total
Espanha Barcelona B
Espanha Barcelona
Itália Brescia
Itália Roma
Itália Brescia
Catar Al-Ahli
México Dorados de Sinaloa
0059 0000(5)
0384 000(11)
0013 0000(2)
0008 0000(1)
0016 0000(2)
0036 0000(7)
0020 0000(2)
0470 000(26)
Seleção nacional
1991
1991–1992
1992–2001
1995–2005
Flag of Spain.svg Espanha Sub-21
Flag of Spain.svg Espanha Sub-23
Flag of Spain.svg Espanha
Flag of Catalonia.svg Catalunha
0002 0000(0)
0012 0000(2)
0047 0000(5)
0007 0000(0)
Times/Equipas que treinou
2007–2008
2008–2012
2013–2016
2016–
Espanha Barcelona B
Espanha Barcelona
Alemanha Bayern de Munique
Inglaterra Manchester City
0038
0247
0161
0024
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Barcelona 1992 Equipe
Última atualização: 6 de dezembro de 2016

Josep Guardiola i Sala, conhecido como Pep Guardiola (Santpedor, 18 de janeiro de 1971) é um ex-futebolista e treinador espanhol. Atualmente, treina o Manchester City.

Como jogador, Guardiola jogava como médio defensivo e passou a maior parte da sua carreira jogando pelo Barcelona. Em Janeiro de 2012, foi eleito pela FIFA como melhor treinador do mundo.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Chegou ao Barcelona com 13 anos, permanecendo nas divisões da base até 1990, quando fez sua estreia no time profissional, contra o Cádiz.

Se tornou titular em 1991-92, temporada em que a equipe, então comandada pelo treinador Johan Cruyff, conquistou a Liga dos Campeões e o Campeonato Espanhol. Fez parte da equipe que perdeu a final da Copa Intercontinental para o São Paulo do treinador Telê Santana por 2 a 1, em Tóquio, em dezembro de 1992. Mais dois títulos espanhois vieram nas duas temporadas seguintes, tendo o volante permanecido com a titularidade, assim como em 1996-97, quando foi designado capitão da equipe, nas conquistas da Copa do Rei, das Super e Recopa Europeias, já com Bobby Robson como treinador, e com o treinador adjunto José Mourinho.

Depois de rejeitar propostas da Roma e do Parma no fim da temporada, o Barcelona renovou o contrato de Guardiola até 2001.

Pep ficou de fora da maior parte dos jogos da temporada seguinte devido a uma lesão que o deixou afastado dos gramados, mas retornou em 1998-99 para participar ativamente de mais conquistas, como o Campeonato Espanhol e a Copa do Rei.

No final do contrato, já com 31 anos, sem ter conquistado mais títulos nas últimas duas temporadas que passou no Barcelona, Guardiola se despediu do clube catalão para ir jogar na Itália, pelo Brescia.

Na Itália[editar | editar código-fonte]

Sondado por diversos clubes ingleses e italianos, acabou assinando com o Brescia e logo depois com a Roma, onde passou por momentos difíceis, sendo suspenso por quatro meses por uso da substância proibida Nandrolona. Depois de retornar ao Brescia em 2003, foi contratado pelo Al-Ahli, clube do Qatar.

Qatar e México[editar | editar código-fonte]

Recusou propostas como a do Manchester United para jogar no Qatar, onde virou estrela mas sem o mesmo brilho da época em que defendia o Barcelona. Em 2005, aceitou uma proposta de Juan Manuel Lillo para jogar no México, pela equipe do Dorados de Sinaloa, onde ficou por seis meses antes de encerrar a carreira de jogador.

Seleções Espanhola e Catalã[editar | editar código-fonte]

Guardiola jogou 47 partidas pela Seleção da Espanha, entre 1992 e 2001,[2] e foi capitão do time que ganhou a medalha de ouro nas Olimpíadas de 1992, em Barcelona, sendo esta a maior conquista da história da Seleção daquele país até então. Embora nunca um notável artilheiro, Guardiola marcou na final contra a Polônia, no Camp Nou.

Foi membro da seleção durante a Copa dos EUA, mas teve problemas com Javier Clemente e não disputou a Euro 1996. Lesões o tiraram da Copa da França em 1998, mas depois jogou a Euro 2000.

Entre 1995 e 2005, Guardiola também jogou pela Seleção Catalã, no total foram 7 partidas amistosas pela seleção.[3]

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Guardiola iniciou sua carreira de treinador comandando o Barcelona B, no dia 21 de junho de 2007. Foi campeão da Tercera División.[4] Com esta equipe, Guardiola comandou alguns jogadores que mais tarde promoveria para o time principal do Barcelona, como Sergio Busquets, Pedro Rodríguez e Thiago Alcántara. No dia 8 de Maio de 2008, Guardiola foi nomeado oficialmente treinador do Barcelona. Assumiu a partir da temporada 2008-09 a equipe principal do Barça , substituindo o holandês Frank Rijkaard. E desde então, se tornou o maior treinador estreante de todos os tempos, superando até o lendário Cruyff, conquistando nada menos que a Copa do Rei, o Campeonato Espanhol, a Supercopa da Espanha, a Liga dos Campeões da UEFA, a Supercopa Europeia e Copa do Mundo de Clubes da FIFA, na mesma temporada, inclusive conquistando diversos prêmios de melhor treinador do ano por revistas e associações de renome superando oponentes como José Mourinho treinador do Real Madrid, maior rival do Barcelona, entre outros. Em 27 de abril de 2012 anunciou que não era mais o treinador do Futbol Club Barcelona[5]. Após o anuncio de sua saída do Barça, Pep declarou que iria descansar por um ano, assim não assumindo o comando de nenhuma equipe na temporada seguinte.

Estilo de Jogo[editar | editar código-fonte]

No auge, Guardiola venceu mais que os outros treinadores porque ele ousou inovar, modernizando os valores e táticas dominantes no futebol de então[7], trazendo para o Século XXI as ideias de Rinus Michels de compactação, pressão, posse de bola e superioridade numérica.[8] As equipes que treinou não só obtiveram sucesso nos respectivos campeonatos nacionais e europeus, como serviram de base para as seleções campeãs do mundo de 2010 e 2014[7].

Adepto do Tiki-taka, Guardiola costuma armar suas equipes no 4-3-3 ou no 4-1-4-1. Outras características dos times treinados pelo Guardiola são: utilização do chamado Falso 9, marcação à pressão, altas taxas de posse de bola[9], obsessão pelo controle da bola e do ritmo do jogo, e constante revezamento no elenco para diminuir a chance de lesão.[10] Sua obsessão por essa filosofia é tanta que ele chegou a defender que todos os gramados dos campos de competições nacionais e internacionais devem ser aparados o máximo possível. Teoricamente, isso faria a bola correr com maior velocidade.[11]

Porém, curiosamente, ele reclamou do tiki-taka, no livro "Herr Pep", que fala sobre sua carreira[12].

Bayern[editar | editar código-fonte]

Em 16 de janeiro de 2013, foi anunciado como treinador do Bayern, substituindo Jupp Heynckes.[13][14]

Em seu primeiro ano a frente do Bayern, fez algumas mudanças na equipe titular (inclusive mudando a posição de alguns jogadores), diminuindo a estatura e aumentando a velocidade da equipe.[15] Apesar de ter conquistado resultados expressivos, Guardiola recebeu várias críticas negativas. Beckenbauer (presidente de honra do clube alemão) por exemplo, chegou a afirmar que, diferentemente do que tem acontecido nos jogos do Bayern, ele sempre tentou ser muito objetivo em suas jogadas e, por isso, vê com maus olhos o estilo de "posse de bola a todo custo", implantado por Guardiola[16]. Pep se defendeu dizendo que o problema é que seu estilo de jogo não faz parte da cultura alemã de futebol.[17]

A goleada (e a eliminação) de 4 a 0 para o Real Madrid, na Liga dos Campeões, fez Pep repensar seu jogo para seu segundo ano a frente do Bayern. Ele percebeu que adiantar suas linhas, aprofundando as jogadas pelos flancos, já não parecia ser suficiente para surpreender os rivais.[18] Assim, Pep incorporou alguns conceitos germânicos de futebol. Sua equipe passou a ser mais faltosa, levando mais cartões, mas também fazendo mais gols de cabeça. As jogadas aéreas sempre foram grande deficiência do Barcelona quando por ele treinado[19].

No dia 20 de dezembro de 2015, o Bayern comunicou oficialmente que o treinador catalão não renovaria o seu contrato com o clube, deixando-o ao final da temporada 2015-16.[20]

Manchester City[editar | editar código-fonte]

Em 1 de fevereiro de 2016, o Manchester City confirmou a contratação de Guardiola para as próximas três temporadas, substituindo Manuel Pellegrini a a partir de 1 de julho 2016.[21][22]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Como Jogador[editar | editar código-fonte]

Temporada Clube Primeira Divisão Copa Nacional Europa1 Outros2 Total3
Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols
1990/91 Barcelona 4 0 1 0 5 0
1991/92 26 0 3 0 11 0 2 0 42 0
1992/93 28 0 5 1 4 0 4 0 41 1
1993/94 34 0 5 0 6 0 2 0 47 0
1994/95 24 2 4 0 6 0 2 0 36 2
1995/96 31 1 7 0 7 1 45 2
1996/97 38 0 8 0 7 1 2 0 55 1
1997/98 6 0 3 0 3 0 2 0 14 0
1998/99 22 1 3 0 1 0 26 1
1999/00 25 0 12 1 2 0 39 1
2000/01 24 2 4 3 7 0 35 5
Total 262 6 43 4 64 3 16 0 385 13
2001/02 Brescia Calcio 11 2 2 0 13 2
2002/03 AS Roma 4 0 3 1 1 0 8 1
2002/03 Brescia Calcio 13 1 3 1 16 2
2003/04 Al-Ahli 18 2 18 2
2004/05 Al-Ahli 18 5 18 5
2005/06 Dorados de Sinaloa 10 1 10 1
Total na carreira 336 17 51 6 64 3 16 0 467 26

1 - Inclusos: UEFA Champions League, Recopa da Europa e Copa da UEFA
2 - Inclusos: Supercopa da Espanhaa, Supercopa da Europa e Copa Intercontinental
3 - Fonte: Base de Datos Histórica de Fútbol [23]

Seleção[editar | editar código-fonte]

Seleção Espanhola de Futebol
Ano Partidas Gols
1992 2 1
1993 5 0
1994 7 1
1995 0 0
1996 5 1
1997 4 1
1998 0 0
1999 9 0
2000 8 1
2001 7 0
Total[2] 47 5

Como Treinador[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ano Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
2007–2008 Barcelona B 38 25 8 5 65,79%
2008–2012 Barcelona 247 179 47 21 72,47%
2013–2016 Bayern de Munique 161 121 21 19 75,16%
2016– Manchester City 24 14 6 4 58,33%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador:[editar | editar código-fonte]

Barcelona

Como Treinador:[editar | editar código-fonte]

Barcelona
Bayern de Munique

Prêmios Individuais[editar | editar código-fonte]

Jogador
Treinador

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Catalão do ano: 2009
  • Ordem real de Esportes de mérito: 2010

Referências

  1. FIFA (9-1-2011). «FIFA Ballon d'Or 2011». FIFA. Consultado em 9-1-2011. 
  2. a b «Josep Guardiola Sala». Emilio Pla Diaz and RSSSF. Consultado em 6 de Janeiro de 2016. 
  3. Tabeira, Martín (2 August 2006). «Catalonia Autonomous Team Matches». Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation. Consultado em 16 January 2013. 
  4. Quixano, Jordi (16 de junio de 2008). «El filial del Barça regresa a Segunda B». El País. 
  5. G1 (27-4-2012). «Guardiola anuncia saída do Barça e afirma:'Não é uma situação fácil'». G1. 
  6. espn.uol.com.br/ Biografia: Guardiola odeia o tiki-taka, diz ser 'inútil' e que Barça não o utilizava
  7. a b desportoeesport.com/ Pep Guardiola: As táticas – de Barcelona a Munique
  8. espn.uol.com.br/ Brasil ainda não entendeu a revolução Guardiola x Mourinho e precisa reaprender a jogar - nosso maior atraso é no campo
  9. Saura, David (7 de mayo de 2012). «El Barça lleva cuatro años consecutivos dominando la possessión del balón». Web oficial F. C. Barcelona. 
  10. espn.uol.com.br/ Se o Bayern sobra na Alemanha, mérito de Guardiola é vencer à sua maneira
  11. omundoeumabola.blogfolha.uol.com.br/ A lógica de Mourinho: "Guardiola é careca. Ele não gosta de futebol"
  12. a b globoesporte.globo.com/ Guardiola reclama do estilo que o fez triunfar no Barça: "Odeio o tiki-taka"
  13. «Guardiola to take Bayern helm in July 2013» FC Bayern Munich Official Website [S.l.] 16 January 2013. Consultado em 16 January 2013. 
  14. Carlin, John (18 January 2013). «Pep Guardiola: football’s most wanted». FT Magazine. Consultado em 19 January 2013. 
  15. gazetaesportiva.net/ Incomodados, jogadores questionam estilo Guardiola: "Muita mudança"
  16. a b globoesporte.globo.com/ Beckenbauer critica novo estilo do Bayern: "Ninguém vai querer nos ver"
  17. http://www.lancenet.com.br/minuto/Guardiola-criticas-Beckenbauer-estilo-Bayern_0_1126687339.html Guardiola rebate as críticas de Beckenbauer sobre estilo de jogo do Bayern de Munique
  18. quatroquatrodois.com/ Guardiola se inspira em legado holandês para inovar no Bayern
  19. espn.uol.com.br/ "Final antecipada"? Não! Bayern x Barcelona ainda é o duelo da posse de bola e o teste maior
  20. «Bayern confirma que Guardiola sai e Ancelotti chega no fim da temporada». Globoesporte. Consultado em 20 de Dezembro de 2015. 
  21. García, Alejandro (1 de febrero de 2016). «El Manchester City hace oficial el fichaje de Pep Guardiola». El País (em español). 
  22. «Comunicado oficial: 1 de Fevereiro de 2016». Site oficial MCFC. Consultado em 1 de Fevereiro de 2016. 
  23. «Guardiola: Josep Guardiola Sala». Base de Datos Histórica de Fútbol. Consultado em 6 de Janeiro de 2016. 

Ligação externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Josep Guardiola
Precedido por
Frank Rijkaard
Treinadores do Barcelona
2008–2012
Sucedido por
Tito Vilanova
Precedido por
Jupp Heynckes
Treinadores do Bayern de Munique
2013–2016
Sucedido por
Carlo Ancelotti
Precedido por
Manuel Pellegrini
Treinadores do Manchester City
2016-atualidade
Sucedido por
-