Joseph Muscat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joseph Muscat
Primeiro-ministro de Malta
Período 11 de março de 2013
até a atualidade
Presidente George Abela
Marie Louise Coleiro Preca
Antecessor(a) Lawrence Gonzi
Dados pessoais
Nascimento 22 de janeiro de 1974 (44 anos)
Pietà
Alma mater Universidade de Malta
Universidade de Bristol
Esposa Michelle Tanti
Partido PL
Religião católico

Joseph Muscat (21 de janeiro de 1974) é um político maltês, atual Primeiro-ministro de Malta desde 2013. Ele também é o líder do Partido Trabalhista de Malta (PL), desde 2008.

Educação[editar | editar código-fonte]

Muscat fez seus estudos secundários em Saint Aloysius College, Malta e o bacharelado na Universidade de Malta e na Universidade de Bristol. Licenciou-se em Gestão Comercial e Ciências Políticas na Universidade de Malta, em 1995 e em Artes com honras à Ciência Política na mesma Universidade, em 1996, além de um mestrado de Arte em Estudos Europeus em 1997 e um doutorado em Gestão em Investigação na Universidade de Bristol, em 2007, com a tese sobre Fordismo, Multinacionais e PME em Malta.[1]

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Muscat trabalhou como jornalista na emissora de rádio do partido, Super One Radio (atual "One Radio"). Depois ocupou um cargo similar na Super One TV (atual One TV). Torna-se em 1995 no chefe do departamento de notícias. Também escreve no jornal online do partido, entre 2001 e 2004. Muscat trabalhou regularmente como colunista no "l-Orizzont", jornal em língua maltesa, publicado pela União Geral dos Trabalhadores e na parceira Sunday semanalmente it-Torca e foi contribuinte regular no "The Times of Malta", um jornal independente publicado em inglês em Malta.

Política[editar | editar código-fonte]

Muscat fazia parte das Novas Gerações do Partido Trabalhista, o "Fórum da Juventude do Trabalho" (Forum Żgħażagħ Laburisti) onde trabalhou como secretário financeiro (1994–97) e Presidente Interino (1997). Ele, então, trabalhou como secretário da Educação na Administração Central do Partido (2001-2003) e presidente da Conferência Geral Anual (2003). Durante o governo trabalhista de 1996-98, foi membro da Comissão Nacional de Moralidade Fiscal (1997–98).

Em 2003 foi nomeado para um grupo de trabalho dirigido por George Vella e Evarist Bartolo na política do Partido Trabalhista na União Europeia. Este grupo de trabalho produziu um documento Il-Partit Laburista u l-Unjoni Ewropea: Għall-Ġid tal-Maltin u l-Għawdxin (Partido Trabalhista e a União Europeia: Para o benefício dos habitantes de Malta e os Gozitanos) que foi adotado pelo Partido Trabalhista em sua Conferência Geral Extraordinária em novembro daquele ano. Lá Muscat foi aprovado como candidato à eleição para o Parlamento Europeu.

Membro do Parlamento Europeu (2004-2008)[editar | editar código-fonte]

Muscat foi votado no Parlamento Europeu nas eleições europeias de 2004 o Parlamento como o candidato do Partido Trabalhista, que recebeu a maioria dos votos. Tomnou assento como pelo Partido Socialista Europeu, ocupou o cargo de Vice-Presidente do Comitê de Negócios Monetários e Econômicos do Parlamento Europeu e membro substituto da Comissão do Mercado Interno e Proteção dos Consumidores. Ele era membro de várias delegações para as relações com Bielorrússia e o Sudeste de Europa. Ele também foi membro da Comissão de Cooperação Parlamentar UE-Armênia, UE-Azerbaijão e da UE-Geórgia.

Como um membro do Parlamento apoiou a redução de impostos sobre a televisão via satélite, direitos para os consumidores para ver eventos esportivos gratuitamente e uma série de questões relacionadas com a proteção ambiental em Malta. Fez parte do grupo responsável por um relatório sobre as taxas móveis de itinerário, contas bancárias e venda de bancos.

Muscat renunciou em 2008 para ocupar um lugar no Parlamento de Malta e assim, o cargo de Líder da Oposição. Quatro meses antes, tinha sido votado nas Listas do Partido Trabalhista. Antes de sua demissão, propôs novas normas para o setor financeiro da UE que foram adotadas pelo Parlamento Europeu.

Líder do Partido Trabalhista (desde 2008)[editar | editar código-fonte]

Joseph Muscat explicando suas propostas às Novas Gerações do partido

Em 24 de março de 2008, Muscat anunciou sua candidatura para o cargo de líder do partido, substituindo Alfred Sant que se demitiu após a sua terceira derrota consecutiva com o partido, após as eleições gerais de 2008 e a pesada derrota no referendo sobre a UE em março de 2003.

Embora não fosse membro do Parlamento de Malta, Muscat foi escolhido como o novo líder do partido no dia 6 de junho de 2008. Para o cargo de líder da oposição, foi cooptado para a vaga deixada por Joseph Cuschieri no Parlamento maltês em 1 de outubro de 2008. Finalmente tomou o sexto lugar atribuído a Malta no Parlamento Europeu desde que o Tratado de Lisboa entrou em vigor em 2011. Ao assumir o comando do partido, fez algumas mudanças, incluindo o nome e do emblema do partido.

Nas eleições ao Parlamento Europeu de 2009, as primeiras com Muscat como líder do partido, os candidatos trabalhistas obtiveram 55% dos votos, enquanto que o Partido Nacionalista obteve 40% para seus candidatos.

Muscat disputou a eleição geral em Malta, pela primeira vez em 10 de março de 2013 em que ele venceu com 55% dos votos.[2] Foi empossado como primeiro-ministro de Malta em 11 de março de 2013.

Primeiro-ministro de Malta (2013-atualidade)[editar | editar código-fonte]

Muscat foi eleito primeiro-ministro nas Eleições Gerais de Malta no dia 10 de março de 2013, derrotando a Lawrence Gonzi do Partido Nacionalista, seu predecessor. O Partido Trabalhista ganhou com uma margem ao redor de 36 mil votos.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joseph Muscat


Precedido por
Lawrence Gonzi
Primeiro-ministro de Malta
2013 -
Sucedido por