Judit Polgár

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Judit Polgar)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Judit Polgar
Judit The Look Polgar.jpg
Informações pessoais
Nome completo Judit Polgár
Nascimento 23 de julho de 1976 (44 anos)
Budapeste, Hungria
Nacionalidade húngara
Títulos Grande Mestre
Maior rating 2735 (julho de 2005)

Judit Polgár (Budapeste, 23 de julho de 1976) é uma grande mestre húngara de xadrez. Ela é considerada a mais forte jogadora de xadrez da história. Em 1991, Judit tornou-se a pessoa mais jovem a conquistar o título de Grande Mestre Internacional, aos 15 anos e 4 meses, batendo o recorde do ex-campeão mundial Bobby Fischer. Ela também foi a enxadrista mais jovem a entrar na lista dos 100 melhores jogadores da FIDE, ocupando a 55ª posição em janeiro de 1989, aos 12 anos de idade.[1] Ela é a única mulher a ter sido uma candidata ao título do Campeonato Mundial de Xadrez absoluto, o que ocorreu no Campeonato Mundial de Xadrez de 2005. Judit foi a primeira e única mulher a ultrapassar os 2700 pontos no sistema de Rating Elo, atingindo seu auge com 2735 pontos, oitava na lista, em julho de 2005. Ela foi a mulher nº 1 no mundo de janeiro de 1989 até sua aposentadoria em 13 de agosto de 2014. Seu currículo contém vitórias notáveis contra grandes nomes da história do xadrez mundial como Garry Kasparov, Vasily Smyslov, Boris Spassky, Anatoly Karpov, Veselin Topalov e Viswanathan Anand. Sua vitória contra Kasparov, em 2002, marcou a primeira vitória de uma mulher contra um então campeão mundial.[2]

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Judit nasceu em 23 de julho de 1976, em Budapeste, cidade húngara, que então fazia parte do bloco socialista.[3] Ela e suas duas irmãs mais velhas, Susan e Sofia (que também se tornaram mestras de xadrez), fizeram parte de um experimento educacional conduzido por seu pai, László Polgár, na tentativa de provar que as crianças poderiam fazer realizações excepcionais se treinadas em um assunto especializado desde muito cedo. “Gênios são feitos, não nascem”, era a tese de László.[4] Ele e sua esposa, Klára, educaram as três filhas tendo o xadrez como disciplina especializada. László também ensinou as meninas a língua internacional Esperanto.

Tradicionalmente, o xadrez era uma atividade dominada por homens, e as mulheres eram frequentemente vistas como jogadoras inferiores, por isso afirmava-se que teriam chances apenas em competições femininas.[5] Porém, desde o início, László foi contra a ideia de que suas filhas tivessem que participar apenas de eventos exclusivamente femininos. “As mulheres são capazes de alcançar resultados semelhantes aos dos homens nas atividades intelectuais”, escreveu ele, "O xadrez é uma forma de atividade intelectual, então isso se aplica ao jogo. Consequentemente, rejeitamos qualquer tipo de discriminação a esse respeito."[6] Isso colocou a intenção de Pólgar em conflito com a Federação Húngara de Xadrez da época, cuja política defendia que as enxadristas deveriam jogar em torneios exclusivos para mulheres. A irmã mais velha de Judit, Susan, foi a primeira a desafiar a burocracia da Federação, jogando em torneios masculinos e recusando-se a jogar torneios femininos. Em 1985, quando Susan era uma Mestra Internacional de 15 anos de idade, ela afirmou que foi devido a esse conflito com a Federação que lhe foi negado o título de Grande Mestre, apesar de já ter conquistado as normas para tal.[7]

Judit Pólgar poucas vezes competiu em eventos exclusivos para mulheres, e nunca participou da disputa pelo Campeonato Mundial Feminino de Xadrez. "Eu sempre digo que as mulheres devem ter a autoconfiança que são tão boas jogadoras quanto os homens. Para isso, porém, devem estar dispostas ao estudo árduo e levar o jogo tão a sério quanto os jogadores masculinos". [8] Além do próprio László Polgár ter sido um excelente treinador de xadrez,[9] ele contratou jogadores profissionais para treinar suas filhas, incluindo o campeão húngaro Tibor Florian, e os grande mestres Pal Benko e Alexander Chernin.[10][11][12] Susan Polgár, a mais velha das irmãs, 5 anos a mais que Sophia e 7 a mais que Judit, foi a primeira a se destacar, conquistando vários torneios; em 1986, ela era a mulher número um do mundo.[13] No início, Judit tinha um treinamento separado das irmãs mais velhas, o que acabava despertando ainda mais sua curiosidade pelo jogo. Depois de algum tempo, Judit já conseguia encontrar as soluções para os exercícios que as outras irmãs estavam estudando e logo ela passou a estudar em grupo com elas.[14] Em uma manhã, Susan estava estudando um problema de final de jogo com seu treinador, um forte mestre internacional, como não conseguiam encontrar a solução, resolveram acordar Judit, que ainda dormia. Ainda sonolenta, Judit rapidamente mostrou a eles como resolver o problema e então foi levada de volta para cama para terminar seu sono.[15] O experimento educacional de László Polgár produziu uma família com uma mestra international e duas grande mestres, fortalecendo o argumento do adquirido sobre o inato, além de provar que mulheres podem se tornar grandes mestres no xadrez.

Criança prodígio[editar | editar código-fonte]

Treinada nos primeiros anos por sua irmã Susan (que se tornou campeã mundial feminina e também grande mestre) Judit Polgár era um prodígio no xadrez desde muito cedo. Aos 5 anos de idade, ela derrotou um amigo da família sem olhar o tabuleiro, apenas imaginando e dizendo as jogadas. Depois da partida, o amigo brincou: "Você é boa no xadrez, mas eu sou um bom cozinheiro." e Judit retrucou: "Você cozinha sem olhar o fogão?"[16] Contudo, de acordo com Susan, Judit talvez nem fosse a mais talentosa das irmãs: "Judit começou lentamente, mas era muito dedicada ao trabalho."[17] Polgár se descrevia naquela época como uma "obcecada" pelo xadrez.[18] Ela derrotou pela primeira vez um mestre internacional aos 10 anos.[19] e um grande mestre aos 11.[20]

Judit Polgár x V. Metodiev,
Albena, 1986
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
a8 preto torre
c8 preto bispo
g8 preto rei
c7 preto rainha
d7 preto peão
f7 preto torre
h7 preto peão
a6 preto peão
g6 preto peão
d5 preto peão
e5 branco peão
g5 branco rainha
c4 preto peão
d4 branco cavalo
f3 branco peão
a2 branco peão
b2 branco peão
c2 branco peão
g2 branco peão
c1 branco rei
d1 branco torre
h1 branco torre
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
1.Rxh7 Rxh7 2.Qxg6+ Kh8 3.Qe8+ e mate em seguida. Judit tinha 10 anos de idade.[21]

Judit começou a jogar torneios aos 6 anos, e aos 9, seu rating na Federação Húngara já era de 2080. Em abril de 1986, aos 9 anos, Judit jogou sua primeira competição nos EUA, terminando em primeiro lugar na seção para jogadores sem rating (da Federação dos EUA) do Aberto de Nova York, o que lhe valeu um prêmio de mil dólares.[22] As três irmãs Pólgar competiram. Susan, com 16 anos na época, participou da seção para grandes mestres e venceu uma partida contra o GM Walter Browne. Sofia, com 11 anos, terminou em segundo lugar na sua seção. Judit venceu suas primeiras sete partidas, empatando o jogo final. A seção sem rating tinha forte jogadores de outros países, que ainda não haviam jogado nos EUA. Milorad Boskovic descreveu uma conversa que teve com um dos adversário de Judit, um jogador iugoslavo de força avançada: "Ele achava que teria chances na partida, uma vez que ele não acrditava que ela atacava tão bem".[23]

Em abril de 1988, Polgár conquistou sua primeira norma de mestre internacional, em outra edição do Aberto de Nova York.[24] Em agosto de 1988, ela venceu o campeonato mundial sub-12, jogando na categoria "masculina", em Timișoara, Romênia.[25] Em outubro de 1988, ela venceu um torneio com mestres e grandes mestres em Londres, meio ponto a frente do GM Yair Kraidman. E também terminou em primeiro lugar no Aberto de Hastings.[26] Com esses resultados, ela completou as normas para obter o título de Mestre Internacional, a mais nova pessoa a conseguir tal feito.[27] Tanto Bobby Fischer como Garry Kasparov tinham 14 anos quando receberam o mesmo título; Polgár o conquistou aos 12. Foi nessa época que o ex-campeão mundial Mikhail Tal afirmou que Judit tinha potencial para vence o campeonato mundial absoluto.

Judit com sua irmã Sofia em Tessalónica, em 1988

Em novembro de 1988, Judit e suas irmãs fizeram parte da equipe feminina da Hungria na Olimpíada de xadrez de 1988 em Tessalónica. Naquela época, a FIDE não permitiu que elas fizessem parte da equipe masculina.[28] A equipe feminina da Hungria ganhou a medalha de ouro com a União Soviética sendo derrotada pela primeira vez. Judit jogou no 2º tabuleiro, conseguindo 12 vitórias em 13 partidas e conquistando a medalha de ouro individual.[29] Ela também obteve o prêmio de melhor partida contra Pavlina Angelova.[30]

Em janeiro de 1989, aos 12 anos de idade, Judit tinha um rating de 2555, o que a colocava como número 55 do mundo.[31][32]

A revista British Chess Magazine afirmou que "Os recentes resultados de Judit Polgár fazem das performances de Bobby Fischer e Kasparov em uma idade simular algo pálido e sem graça."[33] o GM Nigel Short chamou Judit de "um dos maiores prodígios do xadrez da história". Kasparov, de forma rude, entretanto, expressou sua visão preconceituosa sobre as capacidades das mulheres: "Ela tem um talento fantástico para o xadrez, mas no fim das contas ela é uma mulher. Tudo se resume às imperfeições da psique feminina. Nenhuma mulher consegue sustentar uma batalha prolongada."[34] Anos mais tarde, entretanto, depois de perder uma partida para Judit, Kasparov demonstrou outra opinião: "Ela mostrou que não há limites inatos para sua aptidão, algo que muitos jogadores homens se recusaram a aceitar, até que foram esmagados sem cerimônia por uma garotinha de 12 anos com rabo de cavalo".[35]

Em 1990, Judit venceu o campeonato mundial sub-14, mais uma vez na modalidade "masculina", em Fond du Lac, nos EUA.[36] Também em 1990, Judit e suas irmãs mais uma vez levaram a equipe feminina da Hungria à medalha de ouro na Olímpiada de Xadrez. Foi a última vez que Judit particiou de uma competição exclusivamente para mulheres.[37]

Em outubro de 1991, Judit conquistou sua terceira e definitiva norma de grande mestre ao terminar em terceiro lugar, empatada com Zoltán Ribli e John Nunn, no Torneio de Viena.[38]

Grande Mestre[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1991, Polgár venceu o campeonato nacional da Hungria, recebendo o título de Grande Mestre, na época a maois jovem a fazê-lo, com 15 anos e 5 meses de idade. Ela superou em um mês o recorde de Bobby Fischer.[39] A Hungria sempre foi um país com uma forte tradição enxadrística, e todos os principais e mais fortes jogadores do país participaram do campeonato nacional, com exceção de Zoltán Ribli, Na última rodada, Polgár precisava apenas de um empate para garantir o título, mas ela venceu sua partida contra o GM Tibor Tolnai.

Nos anos seguintes, Judit teve excelentes resultados nos principais torneios da elite do xadrez mundial. Em 1992, ficou em segundo lugar no Torneio Internacional de Madrid, atrás apenas do ex-campeão mundial Anatoly Karpov.[40] Em julho de 1992, ela ficou em segundo lugar no Memorial Reshevsky em Manhattan, vencido pelo peruano Granda Zuniga. Em 1993, Polgár derrotou o ex-campeão mundial Boris Spassky em uma série de partidas de exibição (+3 -2 =5). Ficou em primeiro lugar no tradicional torneio Internacional de Hastings, empatada com Evgeny Bareev.[41] Foi vice-campeã em Dos Hermanas, atrás de Karpov.

Em meados de 1994, Polgár oteve o maior sucesso de sua carreira até então, quando venceu o Torneio International de Madrid contra adversários que incluíam Gata Kamsky, Evgeny Bareev, Valery Salov e Ivan Sokolov. [42] Em outubro de 1994, ela jogou um torneio em Buenos Aires em homenagem a Lev Polugaevsky. Oito grandes mestres participaram, todos considerados candidatos ao campeonato mundial: Karpov, Anand, Salov, Ivanchuk, Kamsky, Shirov, Ljubojević e Polgár. Nesse torneio, combinou-se que os jogadores com as peças pretas deveriam, em todas as partidas, jogar a Defesa Siciliana, já que Polugaevsky era considerado uma autoridade nessa abertura. Judit terminou em terceiro, atrás apenas de Salov e Anand.[43]

A controvérsia da peça tocada por Kasparov[editar | editar código-fonte]

Polgár vs. Kasparov, Linares 1994
abcdefgh
8
Chessboard480.svg
e8 preto torre
g8 preto rei
b7 branco bispo
d7 preto cavalo
f7 preto peão
g7 preto peão
b6 preto peão
d6 branco rainha
f6 preto cavalo
h6 preto peão
e5 preto peão
f5 branco peão
a4 preto rainha
b2 branco peão
c2 preto torre
d2 branco cavalo
g2 branco peão
h2 branco peão
d1 branco torre
e1 branco torre
h1 branco rei
8
77
66
55
44
33
22
11
abcdefgh
A posição antes do lance polêmico. Alega-se que Kasparov jogou 36...Cc5?, uma lance que perde em vista de 37.Bc6, rapidamente ele percebeu o erro e jogou 36...Cf8.

No Torneio de Linares 1994, Polgár perdeu uma partida polêmica para o campeão mundial Garry Kasparov. Essa competição marcou a primeira vez que Polgár, aos 17 anos, foi convidado para competir em um torneio com Kasparov e os melhores jogadores da época. Depois de quatro partidas, ela tinha dois pontos.[44] Durante a partida de Judit com Kasparov na quinta rodada, ele conseguiu uma vantagem clara após 35 movimentos. Em sua 36ª jogada, Kasparov teria mudado o movimento que fez com um cavalo, movendo-o para uma casa diferente, mesmo após já tê-lo soltado em outra casa. Pelas regras do xadrez, uma jogada é considerada terminada quando a peça é soltada na casa, não podendo mais ser movida até o próximo lance.[45] Polgár explica porque não questionou Kasparov naquele momento: "estava jogando com o campeão mundial e não queria causar controvérsias no meu primeiro convite para um evento tão importante. Também tive medo de que se a minha reclamação fosse rejeitada, eu seria penalizada no relógio, quando eu já tinha pouco tempo na partida." Ela, no entanto, olhou interrogativamente para o árbitro Carlos Falcon que testemunhou o incidente e não tomou nenhuma atitude.[46]

O incidente foi gravado por uma equipe da televisão espanhola PVS, e a filmagem mostrou que os dedos de Kasparov haviam de fato soltado o cavalo por uma fração de segundos. [47]O diretor do torneio Carlos Falcon não penalizou Kasparov quando o vídeo foi mostrado a ele.[48] Como o jornalista estadunidense Shelby Lyman apontou, na maioria dos esportes, "replays" não anulam a decisão original do árbitro e o xadrez não é exceção.[49] O vídeo nunca foi divulgado publicamente, a pedido do patrocinador do torneio, Luis Rentero. Em um certo momento, Polgár teria confrontado Kasparov no hotel onde estavam hospedados, perguntando-lhe: "Como você pôde fazer isso comigo?" Após o incidente, Kasparov disse sem rodeios a um repórter: "ela disse publicamente que eu estava trapaceando.... Acho que uma menina da idade dela deveria aprender boas maneiras antes de fazer tais afirmações." [50].

Vencendo Kasparov e desafiante ao título mundial[editar | editar código-fonte]

Judit Polgár é considerada a jogadora de xadrez mais forte de todos os tempos e seus resultados nos torneios comprovam isso. Em agosto de 1996, ela participou de um torneio com vários dos principais jogadores do mundo em Viena. Houve um empate em primeiro lugar lugar entre Karpov, Topalov e Boris Gelfand e um empate no quarto lugar entre Polgar, Kramnik e Lékó.[51] Em dezembro de 1996, Polgár disputou um match de quatro partidas em São Paulo contra o campeão brasileiro Gilberto Milos. Polgár venceu a disputa (+2 -1 =1) ganhando um prêmio de $12.000. [52]Em 1998, Polgár derrotou o então campeão mundial da FIDE Anatoly Karpov em uma partida de xadrez rápido (30 minutos por partida). Em agosto de 1998, Polgár se tornou a primeira mulher a vencer o Aberto dos EUA, empatada em primeiro lugar com GM Boris Gulko. Típico de seu estilo agressivo foi sua vitória contra o GM Georgi Kacheishvili, na qual ela sacrificou a dama por uma posição de ataque. [53]

Em setembro de 2002, no match entre a Rússia e o Resto do Mundo, Polgár derrotou Garry Kasparov em uma partida. Ela venceu o campeão mundial um excepcional jogo posicional. Kasparov com as peças pretas escolheu a Defesa Berlim, uma variante da Ruy López, em vez da sua usual Defesa Siciliana. Polgár organizou um ataque de torres contra o rei de Kasparov, que ainda estava no centro do tabuleiro, e depois de ficar com dois peões a menos, Kasparov abandonou. [54] Polgár definiu a partida como "um dos momentos mais marcantes de sua carreira".[55]Essa foi uma partida histórica, pois foi a primeira vez na história do xadrez que uma mulher venceu o campeão mundial reinante em um torneio. [56]

Judit Polgár em 2008

Em 2004, Polgár tirou uma folga do xadrez para dar à luz seu filho, Olivér. [57] Em setembro de 2005, Polgár mais uma vez fez história ao se tornar a primeira mulher a jogar nos estágios finais do Campeonato Mundial de Xadrez. Ela já havia participado de torneios eliminatórios com mais de 100 jogadores para o campeonato mundial, mas esta era a etapa final para definir o novo campeão mundial. No entanto, ela teve um desempenho ruim, terminando em oitavo e último lugar. Veselin Topalov venceu o torneio, tornando-se o novo campeão mundial da FIDE.[58] Nos anos seguintes, Judit participou dos principais eventos da elite do xadrez mundial, conseguindo quebrar a barreira dos 2700 pontos de rating em julho 2005, quando alcançou 2735 pontos e apareceu como a oitava melhor jogadora de xadrez do mundo (entre homens e mulheres).

Em 13 de agosto de 2014, ela anunciou no jornal londrino The Times sua aposentadoria do xadrez competitivo. [59]

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter um forte entendimento do jogo posicional, Polgár se destacava por um estilo de jogo agressivo, se esforçando para maximizar a iniciativa e ativamente buscando complicações táticas.[60] O ex-campeão mundial Garry Kasparov escreveu que, com base nas partidas de Judit, "se 'jogar como uma garota' significava algo no xadrez, isso significa ataques implacáveis." [61] Em sua juventude, ela era especialmente popular entre os fãs devido à sua disposição de empregar manobras e ataques selvagens.[62] Na adolescência, Polgár foi creditada por ter contribuído para a popularidade do Gambito do Rei. [63] Polgár preferia aberturas agressivas, jogando 1.e4 com as brancas e a Defesa Siciliana ou a Defesa Índia do Rei com as pretas. Jennifer Shahade, escritora e duas vezes campeã de xadrez feminino dos EUA, sugeriu que a influência de Polgár pode ser uma das razões pelas quais as mulheres em geral jogam xadrez de forma mais agressiva do que os homens.[64] Descrevendo uma partida contra Polgár, o ex-campeão dos EUA Joel Benjamin disse: "Foi uma guerra total por cinco horas. Eu estava totalmente exausto. Ela é um tigre no tabuleiro de xadrez. Ela tem um instinto absolutamente assassino. Você comete um erro e ela vai direto na sua garganta."[65]

Participações em Olimpíadas[editar | editar código-fonte]

Judit fez parte da equipe húngara em 10 edições das Olimpíadas de Xadrez. 8 vezes na categoria absoluta (onde as equipes podem ser compostas por homens e mulhres) e 2 vezes na categoria feminina. Conquistou duas medalhas de ouro por equipes e individual no primeiro tabuleiro nas Olimpíadas feminina em 1988 e 1990. E na modalidade absoluta, conquistou a medalha de prata por equipes em 2002 e 2014, além de uma medalha de bronze por ser a terceira melhor segundo tabuleuro em 2002.[66]

Categoria absoluta
Ano Edição Local Tabuleiro Pontos Partidas V E D % Classificação
Equipe Individual
1994 31ª Olimpíada Rússia Moscou 13 4 5 4 50.0 66º
1996 32ª Olimpíada Arménia Yerevan 6 13 3 6 4 46.2 18º 66º
2000 34ª Olimpíada Turquia Istambul 10 13 8 4 1 76.9
2002 35ª Olimpíada Eslovénia Bled 12 5 7 0 70.8 Silver medal.svg Bronze medal.svg
2008 38ª Olimpíada Alemanha Ocidental Dresden 8 2 3 3 43.8 39º
2010 39ª Olimpíada Rússia Khanty-Mansiysk 6 10 4 4 2 60.0
2012 40ª Olimpíada Turquia Istambul 10 5 5 0 75.0
2014 41ª Olimpíada Noruega Tromsø res. 6 4 1 1 75.0 Silver medal.svg
Categoria feminina
Ano Edição Local Tabuleiro Pontos Partidas V E D % Classificação
Equipe Individual
1988 28ª Olimpíada Grécia Salônica 12½ 13 12 1 0 96.2 Gold medal.svg Gold medal.svg
1990 29ª Olimpíada República Socialista Federativa da Iugoslávia Novi Sad 10 13 8 4 1 76.9 Gold medal.svg Gold medal.svg


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FIDE Rating List :: January 1989 OlimpBase
  2. Rafael Leitão (12 de março de 2015). «Os Grandes Jogadores Xadrez: Judit Polgar». rafaelleitao.com. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  3. Polgar, Susan (2005). Breaking Through: How the Polgar Sisters Changed the Game of Chess. [S.l.]: Everyman Chess. p. 14 
  4. Shvidler, Eli (22 de novembro de 2007). «All the right moves». Cópia arquivada em 22 de novembro de 2007 
  5. Carlisle, Rodney P. (2009). Encyclopedia of play in today's society. [S.l.]: Sage Publications, Inc. p. 129]. ISBN 978-1-4129-6670-2 
  6. Koza, Patricia (9 de novembro de 1986). «Sisters test male domination of chess». The Mohave Daily Miner. Kingman, Arizona. p. B2 
  7. Harold C. Schonberg (30 de março de 1985). «Top-rated at 15, Girl Challenges Chess World». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  8. Phillips, Sean (15 de agosto de 2010). «A Gender Divide In The Ultimate Sport Of The Mind». NPR. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  9. Pandolfini, Bruce (2007). Treasure Chess: Trivia, Quotes, Puzzles, and Lore from the World's Oldest Game. [S.l.]: Random House. p. 84. ISBN 978-0-375-72204-2 
  10. Harold C. Schonberg (18 de março de 1989). «Top-Rated Female Chess Player Is Just One of Three Stars at Home». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  11. Bruce Weber (5 de agosto de 1992). «Chess Moves Are Planned. Birthdays Happen.». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  12. King, Daniel (1993). How Good is Your Chess. [S.l.]: Dover. p. 118. ISBN 0-486-42780-3 
  13. «20 Questions with Susan Polgar». Chessville. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  14. «Judit Polgár in Rocca di Papa». Chessbase. 7 de janeiro de 2011. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  15. Shenk, David (2006). The Immortal Game: Or How 32 carved pieces on a board illuminated our understanding of war, art, science, and the human brain. [S.l.]: Anchor Canada/Random House. p. 132. ISBN 978-0-385-66227-7 
  16. Lyman, Shelby (8 de janeiro de 1989). «Talented chess players are all in the Polgar family». The Sunday Telegraph. Nashua, New Hampshire. p. F-2 
  17. Dweck, Carol S. (2006). Mindset: the new psychology of success. [S.l.]: Random House. p. 80. ISBN 978-0-345-47232-8 
  18. Desjarlais, Robert R. (2011). Counterplay: An Anthropologist at the Chessboard. [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-26739-8 
  19. «Judit Polgár vs Dolfi Drimer». Chessgames.com. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  20. «Judit Polgár vs Lev Gutman». Chessgames.com. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  21. Polgár, László (1994). Chess:5334 Problems, Combinations and Games. [S.l.]: Tess Press. p. 1018. ISBN 1-884822-31-2 
  22. «Young masters». The Pittsburgh Press. 102 (284). 7 de abril de 1986. p. A2 
  23. «Hungarian, 9, Wins Tourney Sisters Share Chess Ability». Schenectady Gazette. XCII (165). 10 de abril de 1986. p. 3 
  24. Lyman, Shelby (24 de abril de 1988). «Tournaments attract 1,060 players». The Sunday Telegraph. Nashua, New Hampshire. p. F-2 
  25. Berry, Jonathan (1 de outubro de 1988). «Youth tourneys are growing trend». The Globe and Mail. Toronto. p. C16 
  26. Day, Lawrence (4 de fevereiro de 1989). «Challenge meet largest ever». The Toronto Star. p. M21 
  27. Lyman, Shelby (30 de outubro de 1988). «Hungarian girl may be next world champion». The Sunday Telegraph. Nashua, New Hampshire. p. F-2 
  28. «3 sisters moving up in male world of chess». The Toronto Star. Reuters. 26 de dezembro de 1988. p. D18 
  29. Day, Lawrence (17 de dezembro de 1988). «Soviet Union captures World team championship». The Toronto Star. p. M21 
  30. Byrne, Robert (10 de janeiro de 1989). «Chess». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  31. Koshnitsky, Garry (22 de janeiro de 1989). «Polgar highest rated woman». The Sun-Herald. Sydney, Austrália. p. 156 
  32. «FIDE Rating List :: de janeiro de 1989». Olimpbase.org 
  33. Lyman, Shelby (8 de janeiro de 1989). «Talented chess players are all in the Polgar family». The Sunday Telegraph. Nashua, New Hampshire. p. F-2 
  34. Lidz, Franz (12 de fevereiro de 1990). «Kid With A Killer Game». Sports Illustrated. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  35. Kasparov, Garry (2007). How Life Imitates Chess: Making the Right Moves, from the Board to the Boardroom. [S.l.]: Bloomsbury Publishing USA. ISBN 9781596913875 
  36. Berry, Jonathan (25 de agosto de 1990). «Soviet dark horses dominating U.S. play». The Globe and Mail. Toronto. p. F10 
  37. «Judit Polgár Biography». Consultado em 19 de março de 2011. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2010 
  38. Day, Lawrence (4 de janeiro de 1992). «Defending champion loses her 13-year title». Toronto Star. p. J11 
  39. «Hungarian teen-ager achieves rank of chess grandmaster». The Globe and Mail. Toronto. 5 de fevereiro de 1992. p. A9 
  40. Byrne, Robert (28 de junho de 1992). «CHESS; For Karpov, Defeat Only Serves as a Spur». The New York Times. Consultado em 20 de abril de 2010 
  41. Byrne, Robert (21 de fevereiro de 1993). «CHESS; A Polgar Triumph Before Her Triumph». The New York Times 
  42. Byrne, Robert (7 de junho de 1994). «Chess». The New York Times. Consultado em 21 de abril de 2010 
  43. Day, Lawrence (4 de fevereiro de 1995). «Russian master first again». The Toronto Star. p. K14 
  44. Berry, Jonathan (19 de março de 1994). «Victory boosts Karpov's rating». The Globe and Mail. Toronto. p. A18 
  45. Peters, Jack (5 de janeiro de 1995). «Chess Highlights of 1994». The Los Angeles Times. p. 27. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  46. ten Geuzendam, Dirk Jan (2001). Linares! Linares!: A Journey into the Heart of Chess. [S.l.]: New In Chess. pp. 72–80. ISBN 978-9056910778 
  47. Barden, Leonard (19 de março de 1994). «CHESS». Financial Times, UK 
  48. Berry, Jonathan (26 de março de 1994). «Kasparov caught on videotape». Globe and Mail. Toronto 
  49. Lyman, Shelby (1 de maio de 1994). «Kasparov's Hand Quicker Than Eye». Spartanburg Herald-Journal 
  50. ten Geuzendam, Dirk Jan (1994). Finding Bobby Fischer: Chess Interviews. [S.l.]: New In Chess. pp. 72–80. ISBN 978-9071689864 
  51. Day, Lawrence (12 de outubro de 1996). «A close finish in Vienna». The Toronto Star. p. K12 
  52. Byrne, Robert (14 de janeiro de 1997). «Chess». The New York Times 
  53. Byrne, Robert (25 de agosto de 1998). «CHESS; Polgar Is First Woman to Win the Open». The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  54. «Judit Polgar vs. Garry Kasparov». Chessgames 
  55. Barden, Leonard (11 de setembro de 2002). «Sweet revenge for Kasparov's opponent». The Guardian. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  56. «Round one shocker: Battle of the Sexes». chessbase.com. 25 de novembro de 2004 
  57. «Why Judit Polgár was not on the ratings list». 14 de janeiro de 2005 
  58. Byrne, Robert (9 de outubro de 2005). «Chess; When Lofty Titles Are at Stake, Nerves Can Lead to Blunders». The New York Times 
  59. «Judit Polgar to retire from competitive chess». ChessBase.com. 13 de agosto de 2014 
  60. «Anand describes Polgar's playing style». Cópia arquivada em 25 de agosto de 2008 
  61. Kasparov, Garry (2007). How life imitates chess: making the right moves, from the board to the boardroom. [S.l.]: Bloomsbury. p. 137. ISBN 978-1-59691-387-5 
  62. Day, Lawrence (6 de março de 1993). «Sisters winning pair». The Toronto Star. p. J8 
  63. Burgess, Graham (2009). The Mammoth Book of Chess. [S.l.]: Constable & Robinson. p. 124. ISBN 978-1-84529-931-6 
  64. Savinov, Misha (24 de junho de 2005). «Women's chess: Jennifer Shahade's opinion». e3e5.com 
  65. Lyman, Shelby (7 de março de 1993). «Women, men are equal across the chessboard». Spartanburg Herald-Journal. Spartanburg, Carolina do Sul. p. C7 
  66. «Polgár, Judit». Olimpbase. Consultado em 30 de dezembro de 2020