Julio César Baldivieso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Julio César Baldivieso
Informações pessoais
Nome completo Julio César Baldivieso Rico
Data de nasc. 2 de dezembro de 1971 (48 anos)
Local de nasc. Cochabamba,  Bolívia
Altura 1,80 m
Apelido El Emperador, Baldi, Chuflay
Informações profissionais
Equipa atual Always Ready
Posição Ex-meia
Função Técnico
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1987–1991
1992–1994
1994–1996
1996
1997–1998
1999
1999
2000
2001
2001–2002
2002
2002–2003
2003
2003–2004
2004
2005
2006
2007–2008
Jorge Wilstermann
Bolívar
Newell's Old Boys
Bolívar (emp.)
Yokohama F. Marinos
Jorge Wilstermann
Barcelona de Guayaquil
Bolívar
Cobreloa
Al-Nasr
Aurora
Al-Nassr
Aurora
Al-Wakra
Caracas
Deportivo Quevedo
The Strongest
Aurora
0098 000(13)
0074 000(25)
0023 0000(5)
0026 000(12)
0054 000(19)
0004 0000(1)
0017 0000(4)
0014 0000(8)
0012 0000(3)
00 000
0009 0000(3)
00 000
0009 0000(3)
00 000
0006 0000(1)
0010 0000(2)
0006 0000(2)
0011 0000(0)
Seleção nacional
1991–2005 Bolívia 85 (15)
Times/Equipas que treinou
2008–2009
2011
2012
2012
2013
2013–2014
2014
2015
2015–2016
2016
2016–2017
2017–2018
2019–
Aurora
Aurora
Real Potosí
Aurora
Nacional Potosí
San José
Jorge Wilstermann
Universitario de Sucre
Seleção Boliviana[1]
San José
Carabobo
Seleção Palestina
Always Ready
Última atualização: sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Julio César Baldivieso Rico (Cochabamba, 2 de dezembro de 1971) é um técnico e ex-futebolista boliviano que atuava como meio-campista.[2][3] Atualmente comanda a equipe do Always Ready.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em clubes, iniciou sua carreira em 1987, atuando pelo Jorge Wilstermann. Em 20 anos como jogador, atuou em outras 11 equipes, com destaque para Newell's Old Boys, Bolívar e Yokohama F. Marinos. Encerrou a carreira de jogador em 2008, jogando pelo Aurora, onde atuara em 2002 e 2003, virando treinador da mesma equipe no mesmo ano. Comandou também Real Potosí, Nacional Potosí, San José, Jorge Wilstermann e Universitario de Sucre, antes de assumir o comando técnico da Seleção Boliviana em agosto de 2015, sucedendo ao ex-goleiro Mauricio Soria.

Seleção[editar | editar código-fonte]

Pela Seleção Boliviana, esteve na Copa de 1994 e em 5 edições da Copa América (1991, 1993, 1995, 1997 e 2001). Em 14 anos de carreira internacional, Baldivieso jogou 85 partidas e marcou 15 gols.[4]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2009, Baldivieso voltou às manchetes ao escalar seu filho Mauricio, então com 12 anos de idade, no jogo entre Aurora e La Paz, na primeira rodada do Torneio Clausura do Campeonato Boliviano. Ao sofrer uma falta, o garoto caiu no choro e El Emperador (apelido do técnico) criticou as atitudes do árbitro e dos atletas do La Paz, que não aprovaram tal atitude.

Já no comando da Seleção Boliviana, envolveu-se novamente em polêmica: ao criticar a postura do técnico, Marcelo Moreno, principal nome da equipe, disse que não jogaria novamente pela Bolívia enquanto Baldivieso permanecesse no cargo. Ronald Raldes, que perdeu a braçadeira de capitão, também encerrou a carreira internacional.

Com a frágil campanha na Copa América Centenário, onde foi eliminada na primeira fase, a Federação Boliviana de Futebol demitiu Baldivieso[5], que em 11 jogos, venceu apenas um, contra a Venezuela.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Seleção Boliviana[editar | editar código-fonte]

Referências