Junção comunicante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As junções comunicantes, também chamadas de junções gap ou nexos, são estruturas que permitem a comunicação entre células através de conexinas (proteínas pertencentes a cada uma das células e que as atravessam). Através desse tipo de junção, substâncias celulares como, por exemplo, íons, podem passar de célula para célula, fazendo com que grupos celulares formem um conjunto funcional.[1] Quando encontrado em nervos também pode ser chamado de sinapse elétrica. Enquanto uma efapse tem algumas semelhanças com uma das junções comunicantes, por definição moderna os dois são diferentes.

As junções comunicantes são uma ligação intercelular especializada entre uma multiplicidade de tipos de células animais.[2] [3] [4] Elas conectam diretamente os citoplasmas de duas células, o que permite que várias moléculas, íons e impulsos elétricos passaem diretamente através de um portão regulamentada entre as células.[5] [6]

Um canal de junção comunicante é constituído por dois hemicanais (ou conexônios), que se conectam através do espaço intercelular.[5] [6] [7] As junções comunicantes são análogas aos plasmodesmos que ligam células vegetais.[8]

As junções comunicantes ocorrem em praticamente todos os tecidos do corpo, com a exceção do músculo esquelético adulto totalmente desenvolvido e tipos de células móveis, tais como o esperma ou eritrócitos. No entanto, não são encontrados em organismos mais simples, tais como esponjas e limo.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Nos vertebrados, hemicanais de junções comunicantes são principalmente homo- ou hetero-hexâmeros de proteínas de conexina. Junções comunicantes de invertebrados compreendem proteínas da família inexina. Inexinas não têm homologia de sequência significativa com conexinas. [9] Embora diferindo em sequência para conexinas, inexinas são semelhantes o suficiente às conexinas para afirmar que inexinas formam junções comunicantes da mesma forma que as conexinas.[10] [11] [12] A recentemente caracterizada família panexina,[13] que se pensava originalmente formarem canais inter-celulares (com uma sequência de aminoácidos semelhante às inexinas [14] ), de fato funciona como um canal de membrana única que se comunica com o ambiente extracelular, e foi mostrado passar cálcio e ATP [15]

No junções comunicantes, o espaço intercelular é entre 2 e 4 nm [7] e as unidades de conexônio na membrana de cada célula estão alinhadas umas com as outras. [16]

Canais de junções comunicantes formado por dois hemicanais idênticos são chamados homotípicos, enquanto aqueles com diferentes hemicanais são heterotípicos. Por sua vez, hemicanais de composição conexina uniforme são chamados homomérico, enquanto aqueles com diferentes conexinas são heteromérico. Acredita-se que a composição do canal possa influenciar o funcionamento dos canais de junções comunicantes. Antes das inexinas e panexinas serem bem caracterizadas, os genes que codificam os canais de junções comunicantes de conexina foram classificada em um de três grupos, com base em mapeamento gene e similaridade de sequência: A, B e C (por exemplo, GJA1, gjc1) [17] [18] [19] No entanto, os genes da conexina não codificam diretamente para a expressão de canais de junções comunicantes; os genes podem produzir apenas as proteínas que formam os canais de junções comunicantes. Um sistema de nomenclatura alternativa com base no peso molecular desta proteína também é utilizado (por exemplo: conexina43 = GJA1, conexina30.3 = GJB4).

Níveis de organização[editar | editar código-fonte]

  1. DNA para RNA para a proteína conexina.
  2. Uma proteína conexina tem quatro domínios de transmembranas.
  3. 6 conexinas criam um conexônio (hemicanal). Quando diferentes conexinas se juntam para formar um conexônio, é chamado de um conexônio heteromérico.
  4. Dois hemicanais, unidas através de uma membrana celular compreendem uma junção gap. Quando dois conexônios idênticos se juntam para formar um canal de junção gap, ele é chamado um canal homotípico GJ. Quando um ou ambos os conexônios forem heteroméricos, é chamado um canal de junção gap heterotípico.
  5. Vários canais de junções comunicantes (centenas) podem montar dentro de um complexo macromolecular chamado placa de junção comunicante.[5]

Propriedades de pares de canais de conexônios[editar | editar código-fonte]

Imagens de microscópios ópticos não nos permitem ver os conexônios em si, mas nos deixa ver o corante fluorescente injetado em uma célula se movendo para as células vizinhas, o que ocorre quando junções comunicantes estão presentes[20]
  1. Permite a comunicação elétrica direta entre as células, embora diferentes subunidades de conexina pode transmitir diferentes condutâncias, de cerca de 30 pS a 500 pS.
  2. Permite a comunicação química entre células, através da transmissão de pequenas segundos mensageiros, tais como trifosfato de inositol e cálcio,[8] embora diferentes subunidades de conexina podem conferir seletividade diferente para determinadas moléculas pequenas.
  3. Em geral, permite o movimento transmembranar de moléculas menores que 485 Daltons[21] (1.100 Daltons através de junções de invertebrados[22] ), embora diferentes subunidades de conexina podem resultar em diferentes tamanhos de poros e diferente seletividade de carga. Biomoléculas grandes, por exemplo, ácido nucleico e proteína, não podem sofrer transferência citoplasmática entre células através dos canais de junção comunicante de conexina.
  4. Garante que moléculas e passagem de corrente através da junção gap não vaze para o espaço intercelular.

Até o momento, cinco diferentes funções foram atribuídas a proteína de junção gap:

  1. Acoplamento elétrico e metabólico entre as células
  2. Troca elétrica e metabólica através hemicanais
  3. Genes supressores de tumor (Cx43, Cx32 e Cx36)
  4. Função adesiva independente do canal de junção gap condutora (migração neural no neocórtex)
  5. Papel do terminal carboxilo em vias de sinalização citoplasmáticas (Cx43)

Ocorrência e distribuição[editar | editar código-fonte]

Junções gap têm sido observadas em vários órgãos e tecidos de animais em que as células contatam umas as outras. De 1950 até 1970 foram detectados em nervos lagostas, [23] pâncreas, fígado, córtex adrenal, epidídimo, duodeno e músculo de ratos, [24] ceco hepático de dáfnia,[25] músculo de hidra,[26] retina de macaco,[27] córnea de coelho,[28] blastoderme de peixes,[29] embriões de sapos,[30] ovário de coelho,[31] células re-agregando-se,[32] [33] cápsulas hemócitas de baratas,[34] pele de coelho,[35] embriões de galinhas,[36] ilhéus de Langerhans humano,[37] receptores acústico-vestibulares que sentem a pressão de peixes e hamsters,[38] coração de lampréia e tunicado,[39] [40] túbulos seminíferos de ratos,[41] miométrio,[42] cristalino[43] e epitélio digestivo de cefalópodes.[44] Desde os anos 1970 junções comunicantes continuaram a ser encontradas em praticamente todas as células animais que se tocam. Com as novas tecnologias da década de 1990, tal como a microscopia confocal, permitido pesquisar mais rapidamente grandes áreas de tecido. Até mesmo tecidos que foram tradicionalmente considerados como possivelmente tendo células isoladas tais como osso mostraram que as células ainda estavam ligadas com junções gap, mesmo que tenuamente.[45] Junções comunicantes parecem estar em todos os órgãos e tecidos animais e seria interessante encontrar exceções para além de células que não estão normalmente em contato com as células vizinhas. O músculo esquelético adulto é uma possível exceção. Pode-se argumentar que, se presente no músculo esquelético, junções comunicantes podem propagar contrações de forma arbitrária entre as células que compõem o músculo. Em alguns casos, isso pode não ser correto, como mostrado em outros tipos musculares que têm junções comunicantes. [46] Uma indicação de que resulta de uma redução ou a ausência de junções de hiato pode ser indicado por análise de cânceres[47] [48] [49] ou o processo de envelhecimento.[50]

Funções[editar | editar código-fonte]

As junções comunicantes podem ser encontradas em funcionamento no nível mais simples como um caminho de célula a célula para correntes elétricas, pequenas moléculas e íons. O controle dessa comunicação permite efeitos complexos em organismos multicelulares como descrito abaixo.

Desenvolvimento embrionário, de órgãos e tecidos[editar | editar código-fonte]

Na década de 1980, os papéis mais sutis, mas não menos importante da comunicação por junções gap foram investigados. Descobriu-se que a comunicação por junções gap pode ser interrompida por adição de anticorpos anti-conexina em células embrionárias. [51] [52] Embriões com áreas de junções comunicantes bloqueadas não conseguiram desenvolver normalmente. O mecanismo pelo qual os anticorpos bloquearam as junções comunicantes não era claro, mas estudos sistemáticos foram realizados para elucidar o mecanismo.[53] [54] Refinamentos destes estudos mostraram que as junções comunicantes parecem ser a chave para o desenvolvimento da polaridade celular[55] e a simetria/assimetria esquerda/direita nos animais.[56] [57] Tanto a sinalização que determina a posição dos órgãos do corpo quanto a diferenciação mais fundamental das células em fases posteriores do desenvolvimento embrionário parecem depender de junções comunicantes. [58] [59] [60] [61] [62] As junções comunicantes também foram consideradas responsáveis pela transmissão de sinais requerido para as drogas terem um efeito [63] e, inversamente, algumas drogas demonstraram bloquear os canais de junções comunicantes. [64]

Junções comunicantes e o "efeito espectador"[editar | editar código-fonte]

Morte celular[editar | editar código-fonte]

O "efeito espectador", com suas conotações do espectador inocente ser morto também é mediado por junções comunicantes. Quando as células são comprometidas devido a uma doença ou lesão e começam a morrer, mensagens são transmitidas para as células vizinhas ligadas à célula que está morrendo por junções comunicantes. Isso pode fazer com que as células espectadoras não afetadas e saudáveis também comecem a morrer.[65] Por isso, o efeito espectador é importante a se considerar em células doentes, e abriu caminho para mais financiamento e pesquisas. [66] [67] [68] [69] [70] [71] [72] [73] [74] Mais tarde, o efeito espectador também foi pesquisado em relação a células danificadas pela radiação ou lesão mecânica e, portanto, na cura de ferimentos. [75] [76] [77] [78] [79] Doenças também parecem ter um efeito sobre a capacidade das junções comunicantes em cumprirem seus papéis na cicatrização de feridas [80] [81]

Reestruturação de tecidos[editar | editar código-fonte]

Embora tenha havido uma tendência a concentrar-se sobre o efeito espectador em doenças devido à possibilidade de desenvolver novas vias terapêuticas, há evidências de que existe um papel mais importante no desenvolvimento normal dos tecidos. A morte de algumas células e sua matriz circundante pode ser necessária para um tecido chegar a sua configuração final e as suas junções comunicantes também parecem ser essenciais para este processo. [82] [83] Há também estudos mais complexos que tentam combinar a compreensão dos papéis simultâneos de junções comunicantes tanto no desenvolvimento de tecidos e na cura de feridas. [84] [85]

Áreas de acomplamento elétrico[editar | editar código-fonte]

As junções comunicantes pareiam eletricamente e quimicamente células em todo o corpo da maioria dos animais. O acoplamento elétrico pode ser de ação relativamente rápida. Tecidos nesta seção têm funções observadas bem conhecidas, sendo coordenadas por junções comunicantes com a sinalização intercelular acontecendo em intervalos de tempo de microssegundos ou menos.

Coração[editar | editar código-fonte]

As junções comunicantes são particularmente importantes no músculo cardíaco: o sinal para contrair é passado através das junções gap de forma eficiente, permitindo que as células do músculo cardíaco contraiam em uníssono. As junções comunicantes estão em virtualmente todos os tecidos do corpo, com a exceção do músculo esquelético adulto totalmente desenvolvido e de tipos de células móveis, tais como o esperma ou eritrócitos. Várias desordens genéticas humanas estão associadas a mutações nos genes de junções comunicantes. Muitos dessas afetam a pele, porque este tecido é fortemente dependente da comunicação de junções gap para a regulação da diferenciação e proliferação. Junções comunicantes cardíacas podem ser abertas farmacologicamente com rotigaptide.

Neurônios[editar | editar código-fonte]

As junções gap localizadas em neurônios são muitas vezes referidas como uma sinapse elétrica. A sinapse elétrica foi descoberta usando medições elétricas antes que a estrutura de junção gap fosse descrita. Sinapses elétricas estão presentes em todo o sistema nervoso central e têm sido estudadas especificamente no neocórtex, hipocampo, núcleo vestibular, núcleo reticular do tálamo, cerúleo, núcleo olivar inferior, núcleo mesencefálico do nervo trigêmeo, área tegmental ventral, bulbo olfativo, retina e medula espinhal dos vertebrados.[86]

Foram observados o acoplamento fraco de neurônios e células gliais no cerúleo, e no cerebelo entre neurônios de Purkinje e células gliais de Bergmann. Parece que os astrócitos são acoplados por junções comunicantes, com outros astrócitos e com oligodendrócitos.[87] Além disso, mutações nos genes de junções comunicantes Cx43 e Cx56.6 causam degeneração da matéria branca semelhante à observada na doença de Pelizaeus-Merzbacher e esclerose múltipla.

Proteínas de conexina expressos em junções comunicantes neuronais incluem:

  1. mCX36
  2. mCX57
  3. mCX45

com mRNA para pelo menos cinco outras conexinas (mCx26, mCx30.2, mCx32, mCx43, mCx47) detectadas, mas sem evidência imunocitoquímica para a proteína correspondente em junções comunicantes ultra-estruturalmente definidas. Esses mRNAs parecem estar regulados para baixo ou destruídos por micro-RNAs (miRNAs) que são específicos ao tipo de células e de linhagem.

Retina[editar | editar código-fonte]

Neurônios dentro da retina mostram acoplamento extenso, tanto em populações de um tipo de célula, e entre diferentes tipos de células.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Junções "gap" receberam esse nome por conta da lacuna, ou "gap" em inglês, que está presente nestas conexões entre duas células.[88] Com o aumento da resolução da microscopia eletrônica de transmissão (MET), estruturas de junções comunicantes foram pela primeira vez vistas e descritas, em torno de 1953.

Seção transversal de uma junção gap anelar na seção fina de um microscópio eletrônico de transmissão (MET). Junções gap normalmente são lineares ao invés de anelares em seções finas. Pensa-se que as junções gap anelares resultam do engolfamento de uma das duas células da placa de membrana para formar uma vesícula no interior da célula. Este exemplo mostra as três camadas da estrutura da junção. A membrana de cada célula é a linha escura com o intervalo estreito mais branco entre as duas membranas com uma coloração escura. Em tais micrografias eletrônicas, podem aparentar ter até 7 camadas. Duas mono-camadas lipídicas em cada membrana podem aparecer como 3 camadas, mais uma camada do espaço entre eles, semelhante a dois pães empilhados com espaço entre eles.

O termo “junção gap” apareceu cerca de 16 anos depois, por volta de 1969. [89] [90] [91] Um gap normal estreito semelhante não foi demonstrado em outras junções intercelulares fotografadas usando o MET naquele momento.

Forma e indicador de função[editar | editar código-fonte]

Bem antes da demonstração do "gap" em junções comunicantes eles foram vistos na junção de células nervosas vizinhas. A proximidade das membranas das células vizinhas nas junções comunicantes levou os pesquisadores a especular que eles tinham um papel na comunicação intercelular, em especial, a transmissão de sinais elétricos.[92] [93] [94] Junções comunicantes também foram provadas serem eletricamente retificantes e referidas como uma sinapse elétrica.[95] [96] Mais tarde verificou-se que substâncias químicas também podem ser transportadas entre as células por meio das junções.[97]

Implícito ou explícito na maioria dos primeiros estudos é que a área da junção gap era diferente em estrutura das membranas ao redor de uma forma que faz com que pareça diferente. Foi demonstrado que as junções comunicantes criam um micro-ambiente entre as duas células, no espaço extra-celular ou "gap". Esta porção do espaço extra-celular é isolado de uma certa forma do espaço envolvente e também ligado por meio do que hoje chamamos de pares de conexônios que formam pontes que cruzam de modo mais hermeticamente fechado o gap da junção entre duas células. Quando visto no plano da membrana por técnicas de fratura por congelamento, é possível ter uma distribuição de maior resolução de conexônios no interior da placa de junções gap.[98]

Pesquisa de Peracchia[editar | editar código-fonte]

Ilhas livres de conexina são observadas em algumas junções. A descoberta ficou em grande parte sem explicação até vesículas serem mostrados por Peracchia usando seções finas de MET como sendo sistematicamente associadas com placas de junção gap.[99] O estudo de Peracchia foi provavelmente também o primeiro estudo a descrever estruturas de conexônios emparelhados, que ele chamou simplesmente de "glóbulo". Estudos mostrando vesículas associadas com junções comunicantes e propondo que o conteúdo das vesículas pode mover-se através das placas de junção entre duas células eram raros, enquanto a maioria dos estudos focava nos conexônios em vez das vesículas. Um estudo posterior usando uma combinação de técnicas de microscopia confirmou as primeiras evidências de uma função provável para as junções comunicantes em transferência de vesícula intercelular. Áreas de transferência de vesícula foram associadas com ilhas livres de conexina dentro de placas de junção gap.[100]

Junções comunicantes e as sinapses nervosas elétricas e químicas[editar | editar código-fonte]

Devido à ocorrência generalizada de junções comunicantes em outros tipos de células além das células nervosas, o termo “junção gap” tornou-se mais usado geralmente do que termos como sinapse elétrica ou nexo. Outra dimensão na relação entre as células nervosas e as junções comunicantes foi revelado pelo estudo da formação de sinapses químicas e a presença de junções gap. Ao traçar o desenvolvimento do nervo em sanguessugas com junção gap suprimida, foi demonstrado que a junção gap bidirecional (sinapse elétrica nervosa) precisa formar entre duas células antes que elas possam crescer para formar uma "sinapse química nervosa" unidirecional.[101] A sinapse química nervosa é na maioria das vezes desconsiderada no termo mais ambíguo "sinapse nervosa".

Do que é feita uma junção comunicante?[editar | editar código-fonte]

Conexônios[editar | editar código-fonte]

A purificação[102] [103] das placas de junções comunicantes intercelulares enriquecidas de proteínas formadoras de canais (conexina) mostrou uma proteína formando matrizes hexagonais em uma difração de raios-x. Agora o estudo sistemático e a identificação da proteína predominante na junção gap se tornou possível.[104] Estudos refinados de ultraestruturas usando MET mostraram a ocorrência de proteína em uma forma complementar em ambas as células participantes de uma placa de junção gap. [105] [106] A placa de junção gap é uma área relativamente grande de membrana, observada em MET e fratura por congelamento (FF), e preenchida com proteínas trans-membrana em tecidos e junções gap de tratamento mais delicado. Com a capacidade aparente para uma proteína sozinha para permitir a comunicação intercelular visto em junções gap[107] o termo junção gap tende a tornar-se sinônimo de um grupo de conexinas agregadas embora isso não tenha sido demonstrado. A análise bioquímica da junção comunicante isolada de vários tecidos demonstrou uma família de conexinas.[108] [109] [110]

A ultra-estrutura e a bioquímica das junções comunicantes isoladas já referenciadas tinham indicado que as conexinas preferencialmente agrupavam-se em placas ou domínios de junções gap e que eram a melhor constituinte caracterizada. Tem-se observado que a organização das proteínas em matrizes com uma placa de junção comunicante pode ser significativo.[30] [111] É provável que este trabalho inicial já refletisse a presença de mais do que apenas conexinas em junções comunicantes. Combinando os campos emergentes de fratura por congelamento para ver o interior de membranas e imunocitoquímica (MET FRIL) para rotular componentes celulares mostrou que placas de junção gap continham proteína conexina.[112] [113] Estudos posteriores utilizando microscopia de imunofluorescência de maiores áreas de tecido esclareceram divergências de resultados anteriores. Foi confirmado que as placas de junção gap têm composição variável, sendo o lar de conexônios e proteínas não-conexina, assim fazendo com que o uso moderno dos termos "junção gap" e "placa de junção gap" não sejam intercambiáveis.[114] Em outras palavras, o termo mais comumente utilizado "junção comunicante" refere-se sempre a uma estrutura que contém as conexinas, enquanto uma placa de junção comunicante pode também conter outras características estruturais que a definem.

A “placa” e “placa de formação”[editar | editar código-fonte]

Descrições iniciais de "junções comunicantes" e "conexônios" não se referiam a eles com estes termos, e muitos outros termos foram usados. É provável que "discos sinápticos" eram uma referência precisa para placas de junções comunicantes.[115] Embora a estrutura detalhada e a função do conexônio foi descrito de uma maneira limitada naquele tempo, a estrutura grosseira do "disco" era relativamente grande e facilmente vista através de várias técnicas de MET. Os discos permitiram que os pesquisadores usando MET localizarem facilmente os conexônios contidos no disco como manchas in vivo e in vitro. O disco ou "placa" parecia ter propriedades estruturais diferentes das transmitidas apenas pelos conexônios. [26] Pensava-se que, se a área da membrana na placa transmitisse sinais, a área da membrana teria de ser selada de alguma maneira para evitar vazamentos.[116] Estudos posteriores mostraram que placas de junção comunicante são o lar de proteínas não-conexina, tornando o uso moderno dos termos "junção gap" e "placa de junção gap" não-intercambiáveis já que a área da placa de junção gap pode conter outras proteínas além de conexinas. [114] [117] Assim como as conexinas nem sempre ocupam toda a área da superfície da placa as outras componentes descritas na literatura podem ser apenas residentes de longo prazo ou de curto prazo. [118] Estudos permitindo a visualização dentro do plano da membrana das junções gap durante a formação indicaram que uma "placa formação" é formada entre duas células anteriores à chegada das conexinas. Elas eram áreas livres de partículas quando observado por MET FF, indicando muito poucas ou nenhumas proteínas transmembranares provavelmente presentes. Pouco se sabe sobre quais estruturas compõem a placa de formação ou como a estrutura dela muda quando as conexinas e outros componentes se movem para dentro ou para fora. Um dos estudos anteriores da formação de pequenas junções gap descreve filas de partículas e halos livres de partículas. [119] Com junções comunicantes maiores, as placas foram descritas como placas de formação com conexinas passando para elas. Pensava-se que as junções comunicantes com partículas formavam-se 4 a 6 horas após as placas de formação aparecerem. [120] Como as conexinas podem ser transportadas para as placas usando tubulina está se tornando mais clara. [55] [121]

Vídeo de microscopia de imunofluorescência de conexinas se movendo ao longo de microtúbulos em direção à superfície de uma célula. [55]
Desafios na identificação de placas de formação[editar | editar código-fonte]

A placa de formação e a parte que não contém conexina da placa de junção gap clássica foram difíceis para os primeiros pesquisadores analisarem. Aparecem na MET FF e na seção fina como um domínio de membrana lipídica que de alguma forma pode formar uma barreira relativamente rígida para outros lípidos e proteínas. Há evidências indiretas para certos lípidos sendo preferencialmente envolvidos com a placa de formação, mas isso não pode ser considerada definitiva. [122] [123] É difícil romper a membrana para analisar as placas de membrana sem alterar a sua composição. Por meio do estudo de conexinas ainda em membranas, os lípidos associados com as conexinas têm sido estudados.[124] Verificou-se que conexinas específicas tendem a se associar preferencialmente com fosfolípidos específicos. Como placas de formação precedem conexinas, estes resultados ainda não dão certezas quanto ao que é único sobre a composição das próprias placas. Outros resultados mostram conexinas associadas com andaimes de proteínas utilizadas em outra junção, o zonula occludens ZO1. [125] Enquanto isso nos ajuda a entender como conexinas pode ser movidas para uma placa de formação de junções gap, a composição da placa em si ainda é pouco conhecida. Alguns avanços na composição in vivo de placas de junções comunicantes está sendo feita usando MET FRIL. [118] [125]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. JUNQUEIRA, Luiz C. & CARNEIRO, José. Biologia Celular e Molecular. 8ª ed. Editora Guanabara Koogan, 2005.
  2. White, Thomas W.; Paul, David L. (1999). «Genetic diseases and gene knockouts reveal diverse connexin functions». Annual Review of Physiology [S.l.: s.n.] 61 (1): 283–310. doi:10.1146/annurev.physiol.61.1.283. PMID 10099690. 
  3. Kelsell, David P.; Dunlop, John; Hodgins, Malcolm B. (2001). «Human diseases: clues to cracking the connexin code?». Trends in Cell Biology [S.l.: s.n.] 11 (1): 2–6. doi:10.1016/S0962-8924(00)01866-3. PMID 11146276. 
  4. Willecke, Klaus; Eiberger, Jürgen; Degen, Joachim; Eckardt, Dominik; Romualdi, Alessandro; Güldenagel, Martin; Deutsch, Urban; Söhl, Goran (2002). «Structural and functional diversity of connexin genes in the mouse and human genome». Biological chemistry [S.l.: s.n.] 383 (5): 725–37. doi:10.1515/BC.2002.076. PMID 12108537. 
  5. a b c Lampe, Paul D.; Lau, Alan F. (2004). «The effects of connexin phosphorylation on gap junctional communication». The international journal of biochemistry & cell biology [S.l.: s.n.] 36 (7): 1171–86. doi:10.1016/S1357-2725(03)00264-4. PMC 2878204. PMID 15109565. 
  6. a b Lampe, Paul D.; Lau, Alan F. (2000). «Regulation of gap junctions by phosphorylation of connexins». Archives of Biochemistry and Biophysics [S.l.: s.n.] 384 (2): 205–15. doi:10.1006/abbi.2000.2131. PMID 11368307. 
  7. a b Maeda, Shoji; Nakagawa, So; Suga, Michihiro; Yamashita, Eiki; Oshima, Atsunori; Fujiyoshi, Yoshinori; Tsukihara, Tomitake (2009). «Structure of the connexin 26 gap junction channel at 3.5 A resolution». Nature [S.l.: s.n.] 458 (7238): 597–602. Bibcode:2009Natur.458..597M. doi:10.1038/nature07869. PMID 19340074. 
  8. a b Alberts, Bruce (2002). Molecular biology of the cell 4th ed. (New York: Garland Science). ISBN 0-8153-3218-1. [falta página]
  9. C. elegans Sequencing, Consortium (Dec 11, 1998). «Genome sequence of the nematode C. elegans: a platform for investigating biology.». Science [S.l.: s.n.] 282 (5396): 2012–8. doi:10.1126/science.282.5396.2012. PMID 9851916. 
  10. Ganfornina, MD; Sánchez, D; Herrera, M; Bastiani, MJ (1999). «Developmental expression and molecular characterization of two gap junction channel proteins expressed during embryogenesis in the grasshopper Schistocerca americana.». Developmental genetics [S.l.: s.n.] 24 (1-2): 137–50. doi:10.1002/(SICI)1520-6408(1999)24:1/2<137::AID-DVG13>3.0.CO;2-7. PMID 10079517. 
  11. Starich, T. A. (1996). «eat-5 and unc-7 represent a multigene family in Caenorhabditis elegans involved in cell-cell coupling». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 134 (2): 537–548. doi:10.1083/jcb.134.2.537. PMC 2120886. PMID 8707836. 
  12. Simonsen, Karina T.; Moerman, Donald G.; Naus, Christian C. «Gap junctions in C. elegans». Frontiers in Physiology [S.l.: s.n.] 5. doi:10.3389/fphys.2014.00040. 
  13. Barbe, M. T. (1 April 2006). «Cell-Cell Communication Beyond Connexins: The Pannexin Channels». Physiology [S.l.: s.n.] 21 (2): 103–114. doi:10.1152/physiol.00048.2005. 
  14. Panchina, Yuri; Kelmanson, Ilya; Matz, Mikhail; Lukyanov, Konstantin; Usman, Natalia; Lukyanov, Sergey (June 2000). «A ubiquitous family of putative gap junction molecules». Current Biology [S.l.: s.n.] 10 (13): R473–R474. doi:10.1016/S0960-9822(00)00576-5. PMID 10898987. 
  15. Lohman, Alexander W.; Isakson, Brant E. «Differentiating connexin hemichannels and pannexin channels in cellular ATP release». FEBS Letters [S.l.: s.n.] 588 (8): 1379–1388. doi:10.1016/j.febslet.2014.02.004. 
  16. Perkins, Guy A.; Goodenough, Daniel A.; Sosinsky, Gina E. (1998). «Formation of the gap junction intercellular channel requires a 30 degree rotation for interdigitating two apposing connexons». Journal of Molecular Biology [S.l.: s.n.] 277 (2): 171–7. doi:10.1006/jmbi.1997.1580. PMID 9514740. 
  17. Hsieh, CL; Kumar, NM; Gilula, NB; Francke, U (Mar 1991). «Distribution of genes for gap junction membrane channel proteins on human and mouse chromosomes.». Somatic cell and molecular genetics [S.l.: s.n.] 17 (2): 191–200. doi:10.1007/bf01232976. PMID 1849321. 
  18. Kumar, NM; Gilula, NB (Feb 1992). «Molecular biology and genetics of gap junction channels.». Seminars in cell biology [S.l.: s.n.] 3 (1): 3–16. doi:10.1016/s1043-4682(10)80003-0. PMID 1320430. 
  19. Kren, BT; Kumar, NM; Wang, SQ; Gilula, NB; Steer, CJ (Nov 1993). «Differential regulation of multiple gap junction transcripts and proteins during rat liver regeneration.». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 123 (3): 707–18. doi:10.1083/jcb.123.3.707. PMID 8227133. 
  20. Chang, Qing; Tang, Wenxue; Ahmad, Shoeb; Zhou, Binfei; Lin, Xi (2008). Schiffmann, Raphael, : . «Gap junction mediated intercellular metabolite transfer in the cochlea is compromised in connexin30 null mice». PLoS ONE [S.l.: s.n.] 3 (12): e4088. Bibcode:2008PLoSO...3.4088C. doi:10.1371/journal.pone.0004088. PMC 2605248. PMID 19116647. 
  21. Hu, X; Dahl, G (1999). «Exchange of conductance and gating properties between gap junction hemichannels». FEBS Lett [S.l.: s.n.] 451 (2): 113–7. doi:10.1016/S0014-5793(99)00558-X. PMID 10371149. 
  22. Loewenstein WR (July 1966). «Permeability of membrane junctions». Ann. N. Y. Acad. Sci. [S.l.: s.n.] 137 (2): 441–72. Bibcode:1966NYASA.137..441L. doi:10.1111/j.1749-6632.1966.tb50175.x. PMID 5229810. 
  23. Robertson, JD (February 1953). «Ultrastructure of two invertebrate synapses». Proceedings of the Society for Experimental Biology and Medicine. Society for Experimental Biology and Medicine [S.l.: s.n.] 82 (2): 219–23. doi:10.3181/00379727-82-20071. PMID 13037850. 
  24. Friend DS, Gilula NB (June 1972). «Variations in tight and gap junctions in mammalian tissues». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 53 (3): 758–76. doi:10.1083/jcb.53.3.758. PMC 2108762. PMID 4337577. 
  25. Hudspeth, AJ; Revel, JP. (Jul 1971). «Coexistence of gap and septate junctions in an invertebrate epithelium». J Cell Biol. [S.l.: s.n.] 50 (1): 92–101. doi:10.1083/jcb.50.1.92. PMC 2108432. PMID 5563454. 
  26. a b Hand, AR; Gobel, S (February 1972). «The structural organization of the septate and gap junctions of Hydra». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 52 (2): 397–408. doi:10.1083/jcb.52.2.397. PMC 2108629. PMID 4109925. 
  27. Raviola, E; Gilula, NB. (Jun 1973). «Gap junctions between photoreceptor cells in the vertebrate retina». Proc Natl Acad Sci U S A. [S.l.: s.n.] 70 (6): 1677–81. Bibcode:1973PNAS...70.1677R. doi:10.1073/pnas.70.6.1677. PMC 433571. PMID 4198274. 
  28. Kreutziger GO (September 1976). «Lateral membrane morphology and gap junction structure in rabbit corneal endothelium». Exp. Eye Res. [S.l.: s.n.] 23 (3): 285–93. doi:10.1016/0014-4835(76)90129-9. PMID 976372. 
  29. Lentz TL, Trinkaus JP (March 1971). «Differentiation of the junctional complex of surface cells in the developing Fundulus blastoderm». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 48 (3): 455–72. doi:10.1083/jcb.48.3.455. PMC 2108114. PMID 5545331. 
  30. a b J Cell Biol. 1974 Jul;62(1) 32-47.Assembly of gap junctions during amphibian neurulation. Decker RS, Friend DS.
  31. Albertini, DF; Anderson, E. (Oct 1974). «The appearance and structure of intercellular connections during the ontogeny of the rabbit ovarian follicle with particular reference to gap junctions». J Cell Biol [S.l.: s.n.] 63 (1): 234–50. doi:10.1083/jcb.63.1.234. PMC 2109337. PMID 4417791. 
  32. Johnson R, Hammer M, Sheridan J, Revel JP; Hammer; Sheridan; Revel (November 1974). «Gap junction formation between reaggregated Novikoff hepatoma cells». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 71 (11): 4536–40. Bibcode:1974PNAS...71.4536J. doi:10.1073/pnas.71.11.4536. PMC 433922. PMID 4373716. 
  33. Knudsen, KA; Horwitz, AF. (1978). «Toward a mechanism of myoblast fusion». Prog Clin Biol Res. [S.l.: s.n.] 23: 563–8. PMID 96453. 
  34. Baerwald RJ (1975). «Inverted gap and other cell junctions in cockroach hemocyte capsules: a thin section and freeze-fracture study». Tissue Cell [S.l.: s.n.] 7 (3): 575–85. doi:10.1016/0040-8166(75)90027-0. PMID 1179417. 
  35. Prutkin L (February 1975). «Mucous metaplasia and gap junctions in the vitamin A acid-treated skin tumor, keratoacanthoma». Cancer Res. [S.l.: s.n.] 35 (2): 364–9. PMID 1109802. 
  36. Bellairs, R; Breathnach, AS; Gross, M. (Sep 1975). «Freeze-fracture replication of junctional complexes in unincubated and incubated chick embryos». Cell Tissue Res. [S.l.: s.n.] 162 (2): 235–52. doi:10.1007/BF00209209. PMID 1237352. 
  37. Orci L, Malaisse-Lagae F, Amherdt M, et al. (November 1975). «Cell contacts in human islets of Langerhans». J. Clin. Endocrinol. Metab. [S.l.: s.n.] 41 (5): 841–4. doi:10.1210/jcem-41-5-841. PMID 1102552. 
  38. Hama K, Saito K (February 1977). «Gap junctions between the supporting cells in some acoustico-vestibular receptors». J. Neurocytol. [S.l.: s.n.] 6 (1): 1–12. doi:10.1007/BF01175410. PMID 839246. 
  39. Shibata, Y; Yamamoto, T (March 1977). «Gap junctions in the cardiac muscle cells of the lamprey». Cell Tissue Res. [S.l.: s.n.] 178 (4): 477–82. doi:10.1007/BF00219569. PMID 870202. 
  40. Lorber, V; Rayns, DG (April 1977). «Fine structure of the gap junction in the tunicate heart». Cell Tissue Res. [S.l.: s.n.] 179 (2): 169–75. doi:10.1007/BF00219794. PMID 858161. 
  41. McGinley D, Posalaky Z, Provaznik M (October 1977). «Intercellular junctional complexes of the rat seminiferous tubules: a freeze-fracture study». Anat. Rec. [S.l.: s.n.] 189 (2): 211–31. doi:10.1002/ar.1091890208. PMID 911045. 
  42. Garfield, RE; Sims, SM; Kannan, MS; Daniel, EE (November 1978). «Possible role of gap junctions in activation of myometrium during parturition». Am. J. Physiol. [S.l.: s.n.] 235 (5): C168–79. PMID 727239. 
  43. Goodenough, DA (November 1979). «Lens gap junctions: a structural hypothesis for nonregulated low-resistance intercellular pathways». Invest. Ophthalmol. Vis. Sci. [S.l.: s.n.] 18 (11): 1104–22. PMID 511455. 
  44. Boucaud-Camou, Eve (1980). «Junctional structures in digestive epithelia of a cephalopod». Tissue Cell [S.l.: s.n.] 12 (2): 395–404. doi:10.1016/0040-8166(80)90013-0. PMID 7414602. 
  45. Jones SJ, Gray C, Sakamaki H, et al. (April 1993). «The incidence and size of gap junctions between the bone cells in rat calvaria». Anat. Embryol. [S.l.: s.n.] 187 (4): 343–52. doi:10.1007/BF00185892. PMID 8390141. 
  46. Sperelakis, Nicholas; Ramasamy, Lakshminarayanan (2005). «Gap-junction channels inhibit transverse propagation in cardiac muscle». Biomed Eng Online [S.l.: s.n.] 4 (1): 7. doi:10.1186/1475-925X-4-7. PMC 549032. PMID 15679888. 
  47. Larsen WJ, Azarnia R, Loewenstein WR (June 1977). «Intercellular communication and tissue growth: IX. Junctional membrane structure of hybrids between communication-competent and communication-incompetent cells». J. Membr. Biol. [S.l.: s.n.] 34 (1): 39–54. doi:10.1007/BF01870292. PMID 561191. 
  48. Corsaro CM, Migeon BR; Migeon (October 1977). «Comparison of contact-mediated communication in normal and transformed human cells in culture». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 74 (10): 4476–80. Bibcode:1977PNAS...74.4476C. doi:10.1073/pnas.74.10.4476. PMC 431966. PMID 270694. 
  49. Habermann, H; Chang, WY; Birch, L; Mehta, P; Prins, GS (January 2001). «Developmental exposure to estrogens alters epithelial cell adhesion and gap junction proteins in the adult rat prostate». Endocrinology [S.l.: s.n.] 142 (1): 359–69. doi:10.1210/en.142.1.359. PMID 11145599. 
  50. Kelley, Robert O.; Vogel, Kathryn G.; Crissman, Harry A.; Lujan, Christopher J.; Skipper, Betty E. (March 1979). «Development of the aging cell surface. Reduction of gap junction-mediated metabolic cooperation with progressive subcultivation of human embryo fibroblasts (IMR-90)». Exp. Cell Res. [S.l.: s.n.] 119 (1): 127–43. doi:10.1016/0014-4827(79)90342-2. PMID 761600. 
  51. Warner, Anne E.; Guthrie, Sarah C.; Gilula, Norton B. (1984). «Antibodies to gap-junctional protein selectively disrupt junctional communication in the early amphibian embryo». Nature [S.l.: s.n.] 311 (5982): 127–31. Bibcode:1984Natur.311..127W. doi:10.1038/311127a0. PMID 6088995. 
  52. Warner, AE (1987). «The use of antibodies to gap junction protein to explore the role of gap junctional communication during development». Ciba Found. Symp. [S.l.: s.n.] 125: 154–67. PMID 3030673. 
  53. Bastide, B; Jarry-Guichard, T; Briand, JP; Délèze, J; Gros, D (April 1996). «Effect of antipeptide antibodies directed against three domains of connexin43 on the gap junctional permeability of cultured heart cells». J. Membr. Biol. [S.l.: s.n.] 150 (3): 243–53. doi:10.1007/s002329900048. PMID 8661989. 
  54. Hofer, A; Dermietzel, R (September 1998). «Visualization and functional blocking of gap junction hemichannels (connexons) with antibodies against external loop domains in astrocytes». Glia [S.l.: s.n.] 24 (1): 141–54. doi:10.1002/(SICI)1098-1136(199809)24:1<141::AID-GLIA13>3.0.CO;2-R. PMID 9700496. 
  55. a b c Francis R, Xu X, Park H; Xu; Park; Wei; Chang; Chatterjee; Lo; et al. (2011). Brandner, Johanna M, : . «Connexin43 modulates cell polarity and directional cell migration by regulating microtubule dynamics». PLoS ONE [S.l.: s.n.] 6 (10): e26379. Bibcode:2011PLoSO...626379F. doi:10.1371/journal.pone.0026379. PMC 3194834. PMID 22022608. 
  56. Levin, Michael; Mercola, Mark (November 1998). «Gap junctions are involved in the early generation of left-right asymmetry». Dev. Biol. [S.l.: s.n.] 203 (1): 90–105. doi:10.1006/dbio.1998.9024. PMID 9806775. 
  57. Levin, M; Mercola, M (November 1999). «Gap junction-mediated transfer of left-right patterning signals in the early chick blastoderm is upstream of Shh asymmetry in the node». Development [S.l.: s.n.] 126 (21): 4703–14. PMID 10518488. 
  58. Bani-Yaghoub, Mahmud; Underhill, T. Michael; Naus, Christian C.G. (1999). «Gap junction blockage interferes with neuronal and astroglial differentiation of mouse P19 embryonal carcinoma cells». Dev. Genet. [S.l.: s.n.] 24 (1–2): 69–81. doi:10.1002/(SICI)1520-6408(1999)24:1/2<69::AID-DVG8>3.0.CO;2-M. PMID 10079512. 
  59. Bani-Yaghoub, Mahmud; Bechberger, John F.; Underhill, T.Michael; Naus, Christian C.G. (March 1999). «The effects of gap junction blockage on neuronal differentiation of human NTera2/clone D1 cells». Exp. Neurol. [S.l.: s.n.] 156 (1): 16–32. doi:10.1006/exnr.1998.6950. PMID 10192774. 
  60. Donahue, HJ; Li, Z; Zhou, Z; Yellowley, CE (February 2000). «Differentiation of human fetal osteoblastic cells and gap junctional intercellular communication». Am. J. Physiol., Cell Physiol. [S.l.: s.n.] 278 (2): C315–22. PMID 10666026. 
  61. Cronier, L.; Frendo, JL; Defamie, N; Pidoux, G; Bertin, G; Guibourdenche, J; Pointis, G; Malassine, A (November 2003). «Requirement of gap junctional intercellular communication for human villous trophoblast differentiation». Biol. Reprod. [S.l.: s.n.] 69 (5): 1472–80. doi:10.1095/biolreprod.103.016360. PMID 12826585. 
  62. El-Sabban, M. E.; Sfeir, AJ; Daher, MH; Kalaany, NY; Bassam, RA; Talhouk, RS (September 2003). «ECM-induced gap junctional communication enhances mammary epithelial cell differentiation». J. Cell. Sci. [S.l.: s.n.] 116 (Pt 17): 3531–41. doi:10.1242/jcs.00656. PMID 12893812. 
  63. Chaytor, AT; Martin, PE; Evans, WH; Randall, MD; Griffith, TM (October 1999). «The endothelial component of cannabinoid-induced relaxation in rabbit mesenteric artery depends on gap junctional communication». J. Physiol. (Lond.) [S.l.: s.n.] 520 (2): 539–50. doi:10.1111/j.1469-7793.1999.00539.x. PMC 2269589. PMID 10523421. 
  64. Srinivas, M.; Hopperstad, MG; Spray, DC (September 2001). «Quinine blocks specific gap junction channel subtypes». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 98 (19): 10942–7. Bibcode:2001PNAS...9810942S. doi:10.1073/pnas.191206198. PMC 58578. PMID 11535816. 
  65. Li Bi, Wan; Parysek, Linda M.; Warnick, Ronald; Stambrook, Peter J. (December 1993). «In vitro evidence that metabolic cooperation is responsible for the bystander effect observed with HSV tk retroviral gene therapy». Hum. Gene Ther. [S.l.: s.n.] 4 (6): 725–31. doi:10.1089/hum.1993.4.6-725. PMID 8186287. 
  66. Pitts, JD (November 1994). «Cancer gene therapy: a bystander effect using the gap junctional pathway». Mol. Carcinog. [S.l.: s.n.] 11 (3): 127–30. doi:10.1002/mc.2940110302. PMID 7945800. 
  67. Colombo, Bruno M.; Benedetti, Sara; Ottolenghi, Sergio; Mora, Marina; Pollo, Bianca; Poli, Giorgio; Finocchiaro, Gaetano (June 1995). «The "bystander effect": association of U-87 cell death with ganciclovir-mediated apoptosis of nearby cells and lack of effect in athymic mice». Hum. Gene Ther. [S.l.: s.n.] 6 (6): 763–72. doi:10.1089/hum.1995.6.6-763. PMID 7548276. 
  68. Fick, James; Barker, Fred G.; Dazin, Paul; Westphale, Eileen M.; Beyer, Eric C.; Israel, Mark A. (November 1995). «The extent of heterocellular communication mediated by gap junctions is predictive of bystander tumor cytotoxicity in vitro». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 92 (24): 11071–5. Bibcode:1995PNAS...9211071F. doi:10.1073/pnas.92.24.11071. PMC 40573. PMID 7479939. 
  69. Elshami, AA; Saavedra, A; Zhang, H; Kucharczuk, JC; Spray, DC; Fishman, GI; Amin, KM; Kaiser, LR; Albelda, SM (January 1996). «Gap junctions play a role in the 'bystander effect' of the herpes simplex virus thymidine kinase/ganciclovir system in vitro». Gene Ther. [S.l.: s.n.] 3 (1): 85–92. PMID 8929915. 
  70. Mesnil, Marc; Piccoli, Colette; Tiraby, Gerard; Willecke, Klaus; Yamasaki, Hiroshi (March 1996). «Bystander killing of cancer cells by herpes simplex virus thymidine kinase gene is mediated by connexins». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America [S.l.: s.n.] 93 (5): 1831–5. Bibcode:1996PNAS...93.1831M. doi:10.1073/pnas.93.5.1831. PMC 39867. PMID 8700844. 
  71. Shinoura, Nobusada; Chen, Lin; Wani, Maqsood A.; Kim, Young Gyu; Larson, Jeffrey J.; Warnick, Ronald E.; Simon, Matthias; Menon, Anil G.; et al. (May 1996). «Protein and messenger RNA expression of connexin43 in astrocytomas: implications in brain tumor gene therapy». J. Neurosurg. [S.l.: s.n.] 84 (5): 839–45; discussion 846. doi:10.3171/jns.1996.84.5.0839. PMID 8622159. 
  72. Hamel, W; Magnelli, L; Chiarugi, VP; Israel, MA (June 1996). «Herpes simplex virus thymidine kinase/ganciclovir-mediated apoptotic death of bystander cells». Cancer Res. [S.l.: s.n.] 56 (12): 2697–702. PMID 8665496. 
  73. Sacco, MG; Benedetti, S; Duflot-Dancer, A; Mesnil, M; Bagnasco, L; Strina, D; Fasolo, V; Villa, A; et al. (December 1996). «Partial regression, yet incomplete eradication of mammary tumors in transgenic mice by retrovirally mediated HSVtk transfer 'in vivo'». Gene Ther. [S.l.: s.n.] 3 (12): 1151–6. PMID 8986442. 
  74. Ripps, Harris (March 2002). «Cell death in retinitis pigmentosa: gap junctions and the 'bystander' effect». Exp. Eye Res. [S.l.: s.n.] 74 (3): 327–36. doi:10.1006/exer.2002.1155. PMID 12014914. 
  75. Little, JB; Azzam, EI; De Toledo, SM; Nagasawa, H (2002). «Bystander effects: intercellular transmission of radiation damage signals». Radiat Prot Dosimetry [S.l.: s.n.] 99 (1–4): 159–62. doi:10.1093/oxfordjournals.rpd.a006751. PMID 12194273. 
  76. Zhou, H; Randers-Pehrson, G; Suzuki, M; Waldren, CA; Hei, TK (2002). «Genotoxic damage in non-irradiated cells: contribution from the bystander effect». Radiat Prot Dosimetry [S.l.: s.n.] 99 (1–4): 227–32. doi:10.1093/oxfordjournals.rpd.a006769. PMID 12194291. 
  77. Lorimore, SA; Wright, EG (January 2003). «Radiation-induced genomic instability and bystander effects: related inflammatory-type responses to radiation-induced stress and injury? A review». Int. J. Radiat. Biol. [S.l.: s.n.] 79 (1): 15–25. doi:10.1080/0955300021000045664. PMID 12556327. 
  78. Ehrlich, HP; Diez, T (2003). «Role for gap junctional intercellular communications in wound repair». Wound Repair Regen [S.l.: s.n.] 11 (6): 481–9. doi:10.1046/j.1524-475X.2003.11616.x. PMID 14617290. 
  79. Coutinho, P.; Qiu, C.; Frank, S.; Wang, C.M.; Brown, T.; Green, C.R.; Becker, D.L. (July 2005). «Limiting burn extension by transient inhibition of Connexin43 expression at the site of injury». Br J Plast Surg [S.l.: s.n.] 58 (5): 658–67. doi:10.1016/j.bjps.2004.12.022. PMID 15927148. 
  80. Wang, C. M.; Lincoln, J.; Cook, J. E.; Becker, D. L. (November 2007). «Abnormal connexin expression underlies delayed wound healing in diabetic skin». Diabetes [S.l.: s.n.] 56 (11): 2809–17. doi:10.2337/db07-0613. PMID 17717278. 
  81. Rivera, EM; Vargas, M; Ricks-Williamson, L (1997). «Considerations for the aesthetic restoration of endodontically treated anterior teeth following intracoronal bleaching». Pract Periodontics Aesthet Dent [S.l.: s.n.] 9 (1): 117–28. PMID 9550065. 
  82. Cusato, K; Bosco, A; Rozental, R; Guimarães, CA; Reese, BE; Linden, R; Spray, DC (July 2003). «Gap junctions mediate bystander cell death in developing retina». J. Neurosci. [S.l.: s.n.] 23 (16): 6413–22. PMID 12878681. 
  83. Moyer, Kurtis E.; Saggers, Gregory C.; Ehrlich, H. Paul (2004). «Mast cells promote fibroblast populated collagen lattice contraction through gap junction intercellular communication». Wound Repair Regen [S.l.: s.n.] 12 (3): 269–75. doi:10.1111/j.1067-1927.2004.012310.x. PMID 15225205. 
  84. Djalilian, A. R.; McGaughey, D; Patel, S; Seo, EY; Yang, C; Cheng, J; Tomic, M; Sinha, S; et al. (May 2006). «Connexin 26 regulates epidermal barrier and wound remodeling and promotes psoriasiform response». J. Clin. Invest. [S.l.: s.n.] 116 (5): 1243–53. doi:10.1172/JCI27186. PMC 1440704. PMID 16628254. 
  85. Zhang, Y.; Wang, H.; Kovacs, A.; Kanter, E. M.; Yamada, K. A. (February 2010). «Reduced expression of Cx43 attenuates ventricular remodeling after myocardial infarction via impaired TGF-beta signaling». Am. J. Physiol. Heart Circ. Physiol. [S.l.: s.n.] 298 (2): H477–87. doi:10.1152/ajpheart.00806.2009. PMC 2822575. PMID 19966054. 
  86. Connors; Long (2004). «Electrical synapses in the mammalian brain». Annu Rev Neurosci [S.l.: s.n.] 27: 393–418. doi:10.1146/annurev.neuro.26.041002.131128. PMID 15217338. 
  87. Orthmann-Murphy, Jennifer L.; Abrams, Charles K.; Scherer, Steven S. (May 2008). «Gap Junctions Couple Astrocytes and Oligodendrocytes». Journal of Molecular Neuroscience [S.l.: s.n.] 35 (1): 101–116. doi:10.1007/s12031-007-9027-5. PMC 2650399. PMID 18236012. 
  88. Revel, J. P.; Karnovsky, M. J.; Aitchison, EJ; Smith, EG; Farrell, ID; Gutschik, E (1967). «Hexagonal array of subunits in intercellular junctions of the mouse heart and liver». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 33 (3): C7–C12. doi:10.1083/jcb.33.3.C7. PMC 2107199. PMID 6036535. 
  89. Brightman, MW; Reese, TS (March 1969). «Junctions between intimately apposed cell membranes in the vertebrate brain». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 40 (3): 648–77. doi:10.1083/jcb.40.3.648. PMC 2107650. PMID 5765759. 
  90. Uehara Y, Burnstock G (January 1970). «Demonstration of "gap junctions" between smooth muscle cells». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 44 (1): 215–7. doi:10.1083/jcb.44.1.215. PMC 2107775. PMID 5409458. 
  91. Goodenough, DA; Revel, JP (May 1970). «A fine structural analysis of intercellular junctions in the mouse liver». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 45 (2): 272–90. doi:10.1083/jcb.45.2.272. PMC 2107902. PMID 4105112. 
  92. Robertson, J. D. (1953). «Ultrastructure of two invertebrate synapses». Proceedings of the Society for Experimental Biology and Medicine [S.l.: s.n.] 82 (2): 219–23. doi:10.3181/00379727-82-20071. PMID 13037850. 
  93. Robertson, J. D. (1963). Locke, Michael, : . Cellular membranes in development (New York: Academic Press). OCLC 261587041. [falta página]
  94. Robertson (1981). «Membrane structure». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 91 (3): 189s–204s. doi:10.1083/jcb.91.3.189s. JSTOR 1609517. PMC 2112820. PMID 7033238. 
  95. Furshpan, E. J.; Potter, D. D. (1957). «Mechanism of Nerve-Impulse Transmission at a Crayfish Synapse». Nature [S.l.: s.n.] 180 (4581): 342–3. Bibcode:1957Natur.180..342F. doi:10.1038/180342a0. PMID 13464833. 
  96. Furshpan; Potter, DD (1959). «Transmission at the giant motor synapses of the crayfish» (PDF). The Journal of Physiology [S.l.: s.n.] 145 (2): 289–325. doi:10.1113/jphysiol.1959.sp006143. PMC 1356828. PMID 13642302. 
  97. Payton, B. W.; Bennett, M. V. L.; Pappas, G. D. (December 1969). «Permeability and structure of junctional membranes at an electrotonic synapse». Science [S.l.: s.n.] 166 (3913): 1641–3. Bibcode:1969Sci...166.1641P. doi:10.1126/science.166.3913.1641. PMID 5360587. 
  98. Chalcroft, J. P.; Bullivant, S (October 1970). «An interpretation of liver cell membrane and junction structure based on observation of freeze-fracture replicas of both sides of the fracture». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 47 (1): 49–60. doi:10.1083/jcb.47.1.49. PMC 2108397. PMID 4935338. 
  99. Peracchia, C (April 1973). «Low resistance junctions in crayfish. II. Structural details and further evidence for intercellular channels by freeze-fracture and negative staining». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 57 (1): 54–65. doi:10.1083/jcb.57.1.54. PMC 2108965. PMID 4120610. 
  100. Gruijters, W (2003). «Are gap junction membrane plaques implicated in intercellular vesicle transfer?». Cell Biol. Int. [S.l.: s.n.] 27 (9): 711–7. doi:10.1016/S1065-6995(03)00140-9. PMID 12972275. 
  101. Todd KL, Kristan WB, French KA (November 2010). «Gap junction expression is required for normal chemical synapse formation». J. Neurosci. [S.l.: s.n.] 30 (45): 15277–85. doi:10.1523/JNEUROSCI.2331-10.2010. PMC 3478946. PMID 21068332. 
  102. Goodenough, D. A.; Stoeckenius, W (1972). «The isolation of mouse hepatocyte gap junctions : Preliminary Chemical Characterization and X-Ray Diffraction». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 54 (3): 646–56. doi:10.1083/jcb.54.3.646. PMC 2200277. PMID 4339819. 
  103. Goodenough, D. A. (1974). «Bulk isolation of mouse hepatocyte gap junctions : Characterization of the Principal Protein, Connexin». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 61 (2): 557–63. doi:10.1083/jcb.61.2.557. PMC 2109294. PMID 4363961. 
  104. Kumar, N. M.; Gilula, NB (1986). «Cloning and characterization of human and rat liver cDNAs coding for a gap junction protein». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 103 (3): 767–76. doi:10.1083/jcb.103.3.767. PMC 2114303. PMID 2875078. 
  105. McNutt NS, Weinstein RS (December 1970). «The ultrastructure of the nexus. A correlated thin-section and freeze-cleave study». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 47 (3): 666–88. doi:10.1083/jcb.47.3.666. PMC 2108148. PMID 5531667. 
  106. Chalcroft, J. P.; Bullivant, S (1970). «An interpretation of liver cell membrane and junction structure based on observation of freeze-fracture replicas of both sides of the fracture». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 47 (1): 49–60. doi:10.1083/jcb.47.1.49. PMC 2108397. PMID 4935338. 
  107. Young; Cohn, ZA; Gilula, NB (1987). «Functional assembly of gap junction conductance in lipid bilayers: demonstration that the major 27 kd protein forms the junctional channel». Cell [S.l.: s.n.] 48 (5): 733–43. doi:10.1016/0092-8674(87)90071-7. PMID 3815522. 
  108. Nicholson; Gros, DB; Kent, SB; Hood, LE; Revel, JP (1985). «The Mr 28,000 gap junction proteins from rat heart and liver are different but related». The Journal of Biological Chemistry [S.l.: s.n.] 260 (11): 6514–7. PMID 2987225. 
  109. Beyer, E. C.; Paul, DL; Goodenough, DA (1987). «Connexin43: a protein from rat heart homologous to a gap junction protein from liver». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 105 (6 Pt 1): 2621–9. doi:10.1083/jcb.105.6.2621. PMC 2114703. PMID 2826492. 
  110. Kistler, J; Kirkland, B; Bullivant, S (1985). «Identification of a 70,000-D protein in lens membrane junctional domains». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 101 (1): 28–35. doi:10.1083/jcb.101.1.28. PMC 2113615. PMID 3891760. 
  111. Staehelin LA (May 1972). «Three types of gap junctions interconnecting intestinal epithelial cells visualized by freeze-etching». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 69 (5): 1318–21. Bibcode:1972PNAS...69.1318S. doi:10.1073/pnas.69.5.1318. PMC 426690. PMID 4504340. 
  112. Gruijters, WTM; Kistler, J; Bullivant, S; Goodenough, DA (1987). «Immunolocalization of MP70 in lens fiber 16-17-nm intercellular junctions». The Journal of Cell Biology [S.l.: s.n.] 104 (3): 565–72. doi:10.1083/jcb.104.3.565. PMC 2114558. PMID 3818793. 
  113. Gruijters, WTM; Kistler, J; Bullivant, S (1987). «Formation, distribution and dissociation of intercellular junctions in the lens». Journal of Cell Science [S.l.: s.n.] 88 (3): 351–9. PMID 3448099. 
  114. a b Gruijters, WTM (1989). «A non-connexon protein (MIP) is involved in eye lens gap-junction formation». Journal of Cell Science [S.l.: s.n.] 93 (3): 509–13. PMID 2691517. 
  115. Robertson, JD (October 1963). «The occurrence of a subunit pattern in the unit membranes of club endings in mauthner cell synapses in goldfish brains». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 19 (1): 201–21. doi:10.1083/jcb.19.1.201. PMC 2106854. PMID 14069795. 
  116. Loewenstein WR, Kanno Y (September 1964). «Studies on an epithelial (gland) cell junction. I. Modifications of surface membrane permeability». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 22 (3): 565–86. doi:10.1083/jcb.22.3.565. PMC 2106478. PMID 14206423. 
  117. Gruijters, WTM (2003). «Are gap junction membrane plaques implicated in intercellular vesicle transfer?». Cell Biology International [S.l.: s.n.] 27 (9): 711–7. doi:10.1016/S1065-6995(03)00140-9. PMID 12972275. 
  118. a b Ozato-Sakurai N, Fujita A, Fujimoto T (2011). Wong, Nai Sum, : . «The distribution of phosphatidylinositol 4,5-bisphosphate in acinar cells of rat pancreas revealed with the freeze-fracture replica labeling method». PLoS ONE [S.l.: s.n.] 6 (8): e23567. Bibcode:2011PLoSO...623567O. doi:10.1371/journal.pone.0023567. PMC 3156236. PMID 21858170. 
  119. Decker, RS; Friend, DS (July 1974). «Assembly of gap junctions during amphibian neurulation». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 62 (1): 32–47. doi:10.1083/jcb.62.1.32. PMC 2109180. PMID 4135001. 
  120. Decker, RS (June 1976). «Hormonal regulation of gap junction differentiation». J. Cell Biol. [S.l.: s.n.] 69 (3): 669–85. doi:10.1083/jcb.69.3.669. PMC 2109697. PMID 1083855. 
  121. Lauf U, Giepmans BN, Lopez P, Braconnot S, Chen SC, Falk MM; Giepmans; Lopez; Braconnot; Chen; Falk (August 2002). «Dynamic trafficking and delivery of connexons to the plasma membrane and accretion to gap junctions in living cells». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. [S.l.: s.n.] 99 (16): 10446–51. Bibcode:2002PNAS...9910446L. doi:10.1073/pnas.162055899. PMC 124935. PMID 12149451. 
  122. Meyer, R; Malewicz, B; Baumann, WJ; Johnson, RG (June 1990). «Increased gap junction assembly between cultured cells upon cholesterol supplementation». J. Cell. Sci. [S.l.: s.n.] 96 (2): 231–8. PMID 1698798. 
  123. Johnson, R. G.; Reynhout, J. K.; Tenbroek, E. M.; Quade, B. J.; Yasumura, T.; Davidson, K. G. V.; Sheridan, J. D.; Rash, J. E. (January 2012). «Gap junction assembly: roles for the formation plaque and regulation by the C-terminus of connexin43». Mol. Biol. Cell [S.l.: s.n.] 23 (1): 71–86. doi:10.1091/mbc.E11-02-0141. PMC 3248906. PMID 22049024. 
  124. Locke, Darren; Harris, Andrew L (2009). «Connexin channels and phospholipids: association and modulation». BMC Biol. [S.l.: s.n.] 7 (1): 52. doi:10.1186/1741-7007-7-52. PMC 2733891. PMID 19686581. 
  125. a b Li X, Kamasawa N, Ciolofan C, et al. (September 2008). «Connexin45-containing neuronal gap junctions in rodent retina also contain connexin36 in both apposing hemiplaques, forming bihomotypic gap junctions, with scaffolding contributed by zonula occludens-1». J. Neurosci. [S.l.: s.n.] 28 (39): 9769–89. doi:10.1523/JNEUROSCI.2137-08.2008. PMC 2638127. PMID 18815262. 

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Junção comunicante