Rato-candango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Juscelinomys candango)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRato-candango
Jusceliomys candango.jpg
Estado de conservação
Extinta
Extinta (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Cricetidae
Subfamília: Sigmodontinae
Género: Juscelinomys
Espécie: J. candango
Nome binomial
Juscelinomys candango
Moojen, 1965
Sinónimos
Juscelinomys talpinus Winge, 1887

O rato-candango (nome científico: Juscelinomys candango), também chamado rato-do-presidente, é uma espécie extinta de roedor da família Cricetidae que era endêmica do Brasil, tendo sido registrada apenas na região de Brasília durante as obras de construção da cidade no início dos anos 1960. Como já se passaram cinquenta anos desde o último avistamento, a espécie foi considerada extinta pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).[1][2]

Sua extinção se deve, provavelmente, a ocupação humana do território onde a espécie vivia devido a construção e ocupação da capital brasileira. Curiosamente, o nome científico da espécie é uma homenagem ao presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, que foi o responsável pela construção de Brasília, e aos candangos, como eram chamados os trabalhadores e depois os habitantes de Brasília.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os animais tinham pelagem castanho-alaranjada, listras pretas e uma chamativa cauda, bastante grossa e densamente revestida de pelos, que é a principal diferença aparente que separa a espécie de outras do gênero Oxymycterus, com o qual tem diversas semelhanças ecológicas e taxonômicas. No estômago dos exemplares capturados havia material fibroso de origem vegetal e formigas, o que leva a crer que se alimentava de gramíneas, sementes e formigas. Os machos adultos tinham 14 centímetros, com a cauda medindo 9,6 centímetros.[3][4][5]

O roedor tinha hábitos fossoriais: escavava ninhos subterrâneos onde acumulava matéria vegetal fina e gramíneas como capim. A localização dos ninhos foi revelada devido a trilhas de acesso recobertas com terra compactada, vinda de suas escavações.[6][7]

Descoberta e origem da espécie[editar | editar código-fonte]

Apenas oito exemplares da espécie foram coletados em 1960 na região da Fundação Zoobotânica do Distrito Federal, onde os trabalhadores encontraram uma galeria subterrânea do roedor. Os exemplares foram enviados ao zoólogo João Moojen, e para a surpresa do pesquisador, não eram nenhum roedor que ele já havia visto antes - ele tinha descrito uma nova espécie pela última vez em 1950 e havia escrito o livro Roedores do Brasil logo depois. Ele descreveu o rato-candango em 1965.[1][6]

A área onde foram encontrados, antes típica do Cerrado brasileiro, foi drasticamente alterada durante a construção de Brasília, o que, se presume, causou a extinção da espécie. Novas expedições para tentar encontrar a espécie foram feitas por Cléber Alho e Philip Hershkovitz, mas sem sucesso.[8]

Os oito exemplares ficaram sob a guarda do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome da espécie, Juscelinomys candango, foi uma homenagem conjunta ao então Presidente do Brasil e idealizador de Brasília, Juscelino Kubitschek - mys é rato em grego - e aos trabalhadores que imigraram para trabalhar na construção da cidade, conhecidos popularmente como candangos.[9][10]

O rato-candango foi a única espécie do gênero Juscelinomys até 1999, quando foram descritas duas espécies bolivianas similares ao rato candango, e que por isso foram colocadas no mesmo gênero: Juscelinomys huanchacae e Juscelinomys guapore.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Roach, N. (2019). Juscelinomys candango (em Inglês). IUCN 2019. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2019 Versão T10946A160756258. doi:10.2305/IUCN.UK.2019-3.RLTS.T10946A160756258.en. Página visitada em 21-07-2020.
  2. «O rato do presidente». Ciência Hoje das Crianças. 8 de abril de 2010. Consultado em 28 de julho de 2020 
  3. «Brasil ameaçado - rato candango». Ciência à Bessa. 26 de agosto de 2015. Consultado em 2 de junho de 2020 
  4. «Juscelinomys candango: Rato-Candango». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira. Consultado em 28 de julho de 2020 
  5. «Rato-candango (Juscelinomys candango)». Ambientes Brasil. Consultado em 28 de julho de 2020 
  6. a b Wilson, Don E.; Reeder, DeeAnn M. (2005). Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference (em inglês). Baltimore: The Johns Hopkins University Press. pp. 1121–1122 
  7. Bessa, Eduardo (26 de agosto de 2015). «Brasil ameaçado – rato candango». Ciência a Bessa. Consultado em 28 de julho de 2020 
  8. «Brasília, onde os ratos tomaram o lugar dos candangos». ((o))eco. 16 de outubro de 2013. Consultado em 2 de junho de 2020 
  9. «Rato-candango (Juscelinomys candango)». Ambientebrasil - Ambientes. 18 de fevereiro de 2009. Consultado em 2 de junho de 2020. Cópia arquivada em 21 de julho de 2020 
  10. Moojen, J. 1965. Novo género de Cricetidae do Brasil Central. (Glires, Mammalia.) Rev, Bras. Biol. 25: 281-285.
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Wikidata Base de dados no Wikidata
Ícone de esboço Este artigo sobre roedores, integrado ao WikiProjeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.