KaiOS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
KaiOS
Versão do sistema operativo Linux
Logótipo
Captura de tela
wikipedia sendo acessado em um feature phone
Modelo Livre
Lançamento 2017
Mercado-alvo feature phones
Interface teclado físico do aparelho

KaiOS é um sistema operacional de código aberto, implementado em 2017 pela KaiOS Technologies, baseado no sistema Linux, derivado do sistema B2GOS, sucessor do Firefox OS, utilizado principalmente por telefones celulares básicos/limitados chamados de smart feature phones, com objetivo de fazer a inclusão digital de usuários, e disponibiliar aplicativos do sistema operacional Android. Em 2018 recebeu um investimento de 22 milhões de dólares da empresa Google.[1][2]

O "feature phone" ou "dumb phones" é um aparelho focado nas funções básicas de um celular, como realizar ligações e enviar mensagens de texto,[3] este possui as seguintes caraterísticas: teclado físico, aparência retrô conhecida como "tijolão", pouca capacidade de armazenamento interna e pequena memória.[4] No entanto, possibilitam que usuários se conectem a internet via redes móveis 4G LTE e Wi-Fi, além de permitir o uso de aplicativos como: Google Assistente, YouTube, Maps, Google Lens, WhatsApp, Facebook, YouTube e, tem suporte ao HTML5 e JavaScript.[4][2] Possui uma loja de aplicativos própria (KaiStore).[1][2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Em 2016, Sebastien Codeville, CEO da KaiOS Technologies (com sede em Hong Kong), monta um time de desenvolvedores com o objetivo de criar um novo sistema operacional para celulares simples, usando como base o fracassado Firefox OS, da Mozilla.[3] O foco era otimizar o sistema para o teclado físico dos celulares comuns, mas principalmente, oferecer conectividade 4G e um ecossistema de apps nesses aparelhos à usuários que estavam fora do mundo digital.[3]

Em 2017, foi lançado o primeiro celular com o sistema, o Alcatel GO FLIP, voltado ao público idoso. O sucesso do aparelho chamou a atenção de grandes companhias como a Nokia/HMD, Jio, e Google.

No ano seguinte, a Nokia lança o “Banana Phone” durante o MWC 2018, e a Jio lança o JioPhone na Índia. Ambos fizeram tanto sucesso, que o Google aderiu ao projeto, investindo 22 milhões de dólares para o desenvolvimento do sistema.

Mais recentemente, o mesmo interesse surgiu no Facebook, que disponibilizou a rede social e o aplicativo de mensagens WhatsApp ao sistema, exigindo a versão KaiOS 2.5.1 ou superior.[5]

Dispositívos[editar | editar código-fonte]

  • Positivo P70S: teclado físico com botão de acesso ao Google Assistente, bateria de 1 350 mAh, processador Quad Core 1.3 GHz, Memória RAM de 512 MB, e 4 GB de armazenamento interno.[3][4]
  • Multilaser Zapp: processador Quad Core 1.3GHz, tela de 2,4” QVGA (320×240), 3G (850/2100MHz), suporta dois chips sendo um mini SIM Card e um micro SIM Card, conectividade via USB e bluetooth, Memória RAM de 256MB, 512 MB armazenamento interno, suporta expansão com cartão micro SD de até 32gb, bateria de 1 200 mAh e, camera traseira tipo VGA.[3][4]
  • JioPhone (Índia)[3]
  • Afriphone (África, países como Serra Leoa e Gâmbia)[3]
  • Altan K26 (México)[3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre KaiOS