Kamehameha IV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Kamehameha IV
Rei das Ilhas Havaianas
Rei do Havaí
Reinado 11 de janeiro de 1855
a 30 de novembro de 1863
Consorte Emma
Antecessor(a) Kamehameha III
Sucessor(a) Kamehameha V
Kuhina Nui Keoni Ana
Kaahamanu IV
 
Descendência Albert Kamehameha
Casa Kamehameha
Nome completo Alekanetero (Alexander) ʻIolani Kalanikualiholiho Maka o ʻIouli Kūnuiākea o Kūkāʻilimoku.
Nascimento 9 de fevereiro de 1834
  Honolulu, Havaí
Morte 30 de novembro de 1863 (29 anos)
  Honolulu, Havaí
Pai Kekūanāoʻa
Mãe Kīnaʻu
Religião Igreja do Havaí
Assinatura Assinatura de Kamehameha IV

Kamehameha IV (Alexander 'Iolani Liholiho; Honolulu, 9 de fevereiro de 1834 - Honolulu, 30 de novembro de 1863) foi o rei do Reino do Havaí, de 11 de janeiro de 1855 a 30 de novembro de 1863.[1]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Alexander Liholiho na juventude

Alexander (Alexandre) Liholiho nasceu em Honolulu, ilha de O'hau, em 9 de fevereiro de 1834. Seu pai foi o governador de Oha'u, Kekūanāoʻa e sua mãe a primeira-ministra do Havaí (Kuhina Nui) Kaahamanu III. Era neto de Kamehameha I, unificador e primeiro rei do Havaí. Alexander tinha três irmãos mais velhos David Kamehameha, Moses Kekūāiwa e Lot Kapuāiwa e uma irmã mais nova Victoria Kamāmalu. [2] Ainda criança foi adotado por seus tios, o rei Kamehameha III e sua esposa, a rainha Kamala. Sendo declarado herdeiro do trono. [3]

Seu nome 'Iolani significava Falcão Celestial ou Falcão Real. [4]

Educação e Diplomacia[editar | editar código-fonte]

Alexander foi educado pelos missionários britânicos Sr. Amos Starr Cooke e sua esposa Juliette Montague Cooke na Royal School of Honolulu. O rei Kamehameha III também supervisionou sua educação e de seus irmãos, principalmente Lot. Alexander e seu irmão Lot tiveram como tutor Gerrit Parmele Judd, com quem viajaram á vários lugares com fins instrutivos e diplomáticos, como a Califórnia e Washington D.C, nos Estados Unidos. Também fizeram viagens ao Panamá, Jamaica e a França, onde conversaram com o presidente Luís Napoleão Bonaparte.[5] Também viajaram a Londres em audiência com príncipe Alberto, consorte de Vitória do Reino Unido. [6]

Subida ao Trono[editar | editar código-fonte]

Retornando de sua viagem mundial, Alexander foi nomeado para o Gabinete Real de Kamehameha III. Como ministro do gabinete real, ele teve a oportunidade de adquirir a experiência administrativa que um dia utilizaria como rei do Havaí. Durante sua gestão, ele também estudou várias línguas estrangeiras. Ele se acostumou com as normas sociais europeias tradicionais, nas quais o Reino do Havaí foi baseado. De novembro a janeiro de 1855, Alexander subiu ao trono como Kamehameha IV, sucedendo a morte de seu tio como monarca do Havaí na idade de vinte anos. [7]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Kamehameha IV e sua esposa Emma.

Seu primeiro ato como rei foi interromper as negociações que seu pai havia começado a respeito da anexação do Havaí pelos Estados Unidos.[8] Seus ministros foram: Wyllie, como ministro das Relações Exteriores, Keoni Ana que atuou como ministro do interior, Elisha Hunt Allen como ministro das finanças e Richard Armstrong como ministro da educação. William Little Lee serviu como presidente do tribunal, até ser enviado em uma missão diplomática e depois morrer em 1857. Allen tornou-se presidente do tribunal e David L. Gregg tornou-se ministro das finanças. Depois que Keoni Ana morreu, seu irmão, o príncipe Lot Kapuāiwa, foi ministro do interior.

Apenas um ano após assumir o trono, Alexandre tomou Emalani Kalanikaumakaʻamano Kaleleonālani Naʻea (Emma Rooke) como sua esposa e rainha. A rainha Emma era neta de Keoni Ana, também conselheiro real britânico de Kamehameha I, o primeiro monarca havaiano, que por outro lado era seu tio-avô.

Uma vez casado em 1856, o casal real teve seu único filho, Albert Kamehameha. A Rainha Vitória do Reino Unido foi sua madrinha no batismo do Príncipe Albert na Catedral de Santo André em Honolulu. O príncipe faleceu em 1862. Todo o Havaí ficou chocado com a perda da criança que eles já amavam como seu futuro rei. A morte de seu primogênito foi muito sentido por Kamehameha, já que o príncipe estava descontente com um presente dado a ele e seu pai, com a intenção de "acalma-lo" o deu um banho frio, o que pode ter causado uma hipotermia resultando em sua prematura e trágica morte. [9]

Resistência a Influência Americana[editar | editar código-fonte]

Na época da ascensão de Kamehameha ao trono, a população local americana continuou a crescer. Eles começaram a exercer uma pressão política e econômica significativa sobre o Reino do Havaí. Kamehameha estava preocupado que os Estados Unidos da América anexassem a força sua nação. Em uma tentativa de equilibrar a influência dos interesses americanos, Kamehameha lançou uma campanha com o objetivo de limitar a dependência havaiana dos negócios e do comércio com a América. Ele pretendia chegar a acordos com o governo do Reino Unido e outras nações europeias, mas seu reinado não durou o suficiente para que isso tivesse repercussão.

Em agosto de 1861, ele emitiu uma declaração de neutralidade na Guerra Civil Americana. [10]

Legado[editar | editar código-fonte]

Kamehameha e a Rainha Emma dedicaram grande parte de seu reinado a fornecer cuidados de saúde e educação de qualidade para seus súditos. Eles estavam preocupados com o fato de que doenças estrangeiras, como lepra e gripe, dizimariam a população havaiana nativa. Em 1855, Kamehameha inaugurou a assembleia legislativa ao anunciar um plano ambicioso para promover a saúde pública, que incluía a construção de hospitais públicos e lares para idosos. A assembleia legislativa, com o apoio da Constituição de 1852, que limitava a autoridade do monarca, pôs fim aos planos do sistema de saúde de Kamehameha.

Os reis responderam à recusa da legislatura em financiar o projeto pressionando os empresários locais, comerciantes e residentes ricos a financiar o projeto. A arrecadação de fundos foi um tremendo sucesso e o casal real construiu o Queen's Hospital, um dos centros médicos mais tecnologicamente avançados do mundo hoje. O esforço de arrecadação de fundos foi lucrativo o suficiente para abrir uma unidade para o tratamento da hanseníase na ilha de Maui.

Morte[editar | editar código-fonte]

Alexander morreu de asma sofrimento crônico a 30 de novembro de 1863, sendo sucedido por seu irmão, que tomou o nome Kamehameha V. Alexandre tinha apenas 29 anos.

A rainha Emma continuou a se envolver ativamente na vida política do Havaí. Quando a dinastia Kamehameha terminou e o rei Lunalilo morreu sem deixar seu próprio herdeiro e o parlamento teve de votar para um novo monarca, a qual a ex-Rainha Emma concorreu sem sucesso para o rainha reinante do Reino do Havaí. Ele perdeu para o rei David Kalākaua , que estabeleceria sua própria dinastia.[11]

Alexander (como Kamehameha) e Emma são lembrados com um feriado dentro do calendário litúrgico da Igreja Episcopal dos Estados Unidos da América em 28 de novembro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Kamehameha IV | king of Hawaii». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2020 
  2. Lowe, Ruby Hasegawa (1997). Kamehameha IV, Alexander Liholiho. Robin Yoko Racoma. Honolulu: Kamehameha Schools Press. OCLC 35977915 
  3. Pinto, Cristiano José Mendes. «Redução do escore de risco de Framingham dos pais por meio de um programa de educação em saúde para os filhos em escola pública». Consultado em 20 de maio de 2021 
  4. [http://www.hawaiianencyclopedia.com/part-i--n257-m333299-hawaiithe.html «Hawaiian Encyclopedia�:�Part I. Nā Mōī HawaiiThe Hawaiian Monarchy»]. www.hawaiianencyclopedia.com. Consultado em 20 de maio de 2021  replacement character character in |titulo= at position 22 (ajuda)
  5. Kuykendall, Ralph S. (1938–67). The Hawaiian Kingdom. Honolulu: University of Hawaii. OCLC 414551 
  6. Lowe, Ruby Hasegawa (1997). Kamehameha IV, Alexander Liholiho. Robin Yoko Racoma. Honolulu: Kamehameha Schools Press. OCLC 35977915 
  7. «HAWAII7». www.royalark.net. Consultado em 20 de maio de 2021 
  8. Lowe, Ruby Hasegawa (1997). Kamehameha IV, Alexander Liholiho. Robin Yoko Racoma. Honolulu: Kamehameha Schools Press. OCLC 35977915 
  9. «MODELO PARA PREDIÇÃO DE RESULTADOS DE COLHEITAS COM BASE EM MODELOS OCULTOS DE MARKOV». IADIS Press. 19 de novembro de 2020. ISBN 978-989-8704-25-2. doi:10.33965/ciawi_ciaca2020_202015l019. Consultado em 20 de maio de 2021 
  10. «The Abraham Lincoln Papers at the Library of Congress». memory.loc.gov. Consultado em 20 de maio de 2021 
  11. Kuykendall, Ralph S (1967). The Hawaiian Kingdom: Volume 3: the Kalakaua Dynasty,1874-1893. Vol. 3. [Place of publication not identified]: [s.n.] OCLC 1154960804