Karen Acioly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Karen Acioly
Nascimento 10 de novembro de 1964 (54 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Alma mater Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro Universitário da Cidade
Ocupação atriz, dramaturgo, teatrólogo

Karen Acioly (Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 1964) é uma atriz, dramaturga e teatróloga brasileira.

Tem atuação destacada em teatro infanto-juvenil e musical. Ao todo, escreveu mais de 20 peças infanto-juvenis e dirigiu a maior parte delas. Sua obra já recebeu diversas premiações especializadas na área, como os prêmios Sharp, Mambembe, Coca-Cola, Zilka Salaberry e Maria Clara Machado.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou a fazer teatro aos sete anos de idade, no Colégio Bennett. Participou dos grupos "Asdrúbal Trouxe o Trombone" (que revolucionou o teatro brasileiro) e "Manhas & Manias". Formou-se em Comunicação Social pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1989. Fez pós-graduação (especialização) em metodologia do Ensino superior pela Faculdade da Cidade em 1997.

Desde cedo, começou a escrever suas peças e logo resolveu dirigi-las. Ganhou seu primeiro prêmio em 1985, o troféu Mambembe, com De Repente, no Recreio, de 1985. O espetáculo, que lotou o Teatro dos Quatro e Teatro Villa-Lobos no Rio de Janeiro, narrava situações de crianças e adolescentes na hora do recreio e era inspirada em suas memórias.

"​Bacharel​ em Comunicação Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, ​pós-graduada em metodologia do Ensino Superior, ​especializou-se na área d​as​ ​a​rtes​ multidisciplinares e gestão criativa de espaço cultural, ​com ênfase ​nas artes cênicas​, visuais e intercâmbios artísticos internacionais​, para os novos públicos. ​Como autora escreveu mais de 31 textos teatrais, sendo 28 deles já encenados e 15 premiados. ​Implementou a frequência do público infantil no Centro Cultural Light (1997 até 2001). Foi a primeira Coordenadora de Teatro infantil do Município do Rio de Janeiro (2001), ​e fundadora e diretora artística do Centro de Referência Cultura Infância​, no Teatro do Jockey​ (de 2003 a 201​5). É criadora, curadora e diretora geral do Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens, o FIL-RJ, com edições anuais desde 2003. Até a presente data publicou 14 livros infantis e foi ganhadora do Prêmio Lucia Benedetti ​da ​F​undação Nacional do Livro Infanto-Juvenil ​Melhor Livro de Teatro (2008, 2010 e 2012, 2014, respectivamente). Roteirizou e dirigiu o I Encontro da Diversidade Cultural Brasileira (MinC RJ / 2010), e a Mostra Brasil Juventude​ ​Transformando com arte; nos anos 2006, 2008, 2010 e 2012. Dentre seus trabalhos mais conhecidos destacam-se "Experiência Yellow", "Fedegunda", "Bagunça, a ópera baby", e "Tuhu, o menino Villa-Lobos". É fundadora da Borogodó Empreendimentos Culturais Ltda - empresa responsável por suas produções teatrais, literárias e ​a​udiovisuais​. ​É​ membro fundadora do Grupo Nacional Cultura Infância que visa implementar uma Política publica​ de Estado​ para a Cultura Infância.​ Em novembro de 2016 recebeu a bolsa concedida pelo governo francês "Courants du Monde", na área de gestão Cultural. Atualmente participa como autora e roteirista de três núcleos criativos para desenvolvimento de series para TV​ destinadas ao público infanto-juvenil."

Também foi responsável pelos seguintes projetos: I Mostra RioArte de Contadores de Histórias, projeto Primeiros Contatos, I Festival de Teatro de Animação e o projeto Altamente-Recomendável-Escola, no qual alunos de escolas municipais assistiam a peças teatrais montadas nos teatros e espaços públicos da Prefeitura.

Também escreveu Meus Balões

Em 2003, fundou e dirigiu o primeiro Centro de Referência do Teatro Infantil do Rio de Janeiro, no teatro do Jockey (2003 a 2015). Na entidade, acolheu mais de 380 espetáculos nacionais e internacionais . Escreveu e encenou espetáculos como "Bagunça", a ópera-baby que mostrava a evolução da vida de oito crianças, passando por nascimento, descoberta da fala, do corpo, da arte, das formas de brincar com o que o mundo oferece. Pelo texto, a autora recebeu o último prêmio Maria Clara Machado de direção. Foi ainda jurada do Prêmio coca-Cola 1998, de desfiles de escolas de samba nos carnavais de São Paulo e [[Manaus] e de dramaturgia, Universidade Federal de Belo Horizonte e Prêmio Funarte, anos 2000 e 2008].

Obra[editar | editar código-fonte]

Em 1997, sua adaptação da infância de Heitor Villa-Lobos para o teatro, em Tuhu, o menino Villa-Lobos, venceu os Prêmio Sharp, o Mambembe e o Coca-Cola de melhor espetáculo, além do prêmio Coca-Cola de direção e figurino e do Mambembe de melhor ator. Em 1999, adaptou mais uma biografia de compositor brasileiro voltada para crianças, em Garoto Noel.

Em 2003, sua peça Bagunça, a ópera baby recebeu oito indicações para o prêmio Maria Clara Machado de Teatro Infantil, o maior até então, vencendo na categoria de melhor direção.

Em 2005, dentro da programação do Ano do Brasil na França, Karen Acioly montou neste país a Sinfonieta Braguinha, em homenagem ao compositor e autor de adaptações sonoras de contos infantis.

Em 2006, sua montagem de Eles se casaram e tiveram muito... recebeu novo número recorde de indicações, desta vez ao Prêmio Zilka Salaberry de Teatro, em sete categorias, inclusive a categoria especial "renovação de linguagens".

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

No exterior[editar | editar código-fonte]

  • Parceria como autora com o compositor Camille Rocailleux para a criação da ópera Fedegunda (2007/2009)
  • Parceria como autora com o Chantier Thêátre, para a criação dos espetáculos Grandir (Direção de florence Lavaud-França 2008) e Fina (inédito nos dois países), com residência artística em Janeiro de 2009
  • 2005- Participante do forum RIDA -Le Havre -Representante do brasil
  • 2006, *2007, *2008, *2009- Presente no Festival Momix
  • 2006- Presente no Festival Coup de Théâtre -Quebec
  • 2007- Presente no Festival de Mantova- Itália
  • 2008- Presente no Festival A pas Contes - Dijon
  • 2007- Residência de escrita no Festival dos autores- Mantes de La Jolie (França)
  • 2007- Co autora do Espetáculo Grandir dirigido por Florence Lavaud- Chantier Théâtre- França
  • 2009 -Residência de escrita do espetáculo Fina -Chantier Théâtre

Ligações externas[editar | editar código-fonte]