Karen Acioly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Karen Acioly
'
Nascimento 10 de novembro de 1964
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Alma mater
Ocupação atriz, dramaturgo, teatróloga,

Karen Acioly (Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 1964) é autora, roteirista, dramaturga, diretora, curadora e teatróloga brasileira.

Tem atuação destacada em programs e projetos multidisciplinares para novos públicos. Referência na literatura infantil, no teatro musical e na ópera para crianças e jovens. Ao todo, escreveu mais de 30 peças infanto-juvenis e dirigiu a maior parte delas. Sua obra já recebeu diversas premiações especializadas na área, como os prêmios Sharp, Mambembe, Coca-Cola, Zilka Salaberry e Maria Clara Machado. Todos os seus livros de teatro da coleção Caras e Máscaras (Editora Rocco) receberam o selo Altamente Recomendável Escola, pela Fundação nacional do Livro Infanto-Juvenil.

Autora, professora, curadora, roteirista e dramaturga. Possui especialização na área d​as​ ​a​rtes​ multidisciplinares e gestão criativa de espaço cultural, ​com ênfase ​nas artes cênicas​ e visuais voltadas aos novos públicos. É Mestranda em Études Théâtrales pena Université Sorbonne Paris 3 (2019/2021) e em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2020/2022). É especialista com pós-Graduação em Literatura Infantil e Juvenil pela Universidade Cândido Mendes e Bacharel​ em Comunicação Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, ​Pós-graduada em Metodologia do Ensino Superior.

Até 2021 publicou 14 livros infantis e foi ganhadora de diversos prêmios como autora e diretora teatral. Em 2017/2018 seu livro “Os meus balões” foi um dos contemplados pelo Programa PNLD (Programa Nacional do Livro Didático)  e em 2019/2020 foi a vez de seu livro “Fedegunda”, ambos adotados pelo Programa e distribuídos pelas escolas públicas brasileiras. Em 2020, seu texto Hans, o faz tudo, em coautoria com Jorge Bastos, foi um dos premiados para a publicação no Catálogo Dramática Ibero- Americana Celcit. ​Foi bolsista da Bolsa Courants du Monde, na área de gestão cultural, (2016), concedida pelo governo francês.

É a inventora, curadora e diretora geral do FIL Festival - Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens, que em 2021 completou sua 18 Edição.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou a fazer teatro aos sete anos de idade, no Colégio Bennett. Participou dos grupos Navegando, com direção de Lúcia Coelho, "Asdrúbal Trouxe o Trombone" (que revolucionou o teatro brasileiro) e "Manhas & Manias". Formou-se em Comunicação Social pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1989. Fez pós-graduação (especialização) em metodologia do Ensino superior pela Faculdade da Cidade em 1997 e em Literatura Infantil e Juvenil (UCAM).

Desde cedo, começou a escrever suas peças e logo resolveu dirigi-las. Ganhou seu primeiro prêmio em 1985, o troféu Mambembe, com De Repente, no Recreio, de 1985. O espetáculo, que lotou o Teatro dos Quatro e Teatro Villa-Lobos no Rio de Janeiro, narrava situações de crianças e adolescentes na hora do recreio e era inspirada em suas memórias.

Como autora escreveu mais de 31 textos teatrais, sendo 29 deles já encenados e 15 premiados. ​Implementou a frequência do público infantil no Centro Cultural Light (1997 até 2001). Foi a primeira Coordenadora de Teatro Infantil do Município do Rio de Janeiro (2001), ​e fundadora e diretora artística do Centro de Referência Cultura Infância​, no Teatro do Jockey​ (de 2003 a 201​5).

Roteirizou e dirigiu o I Encontro da Diversidade Cultural Brasileira (MinC RJ / 2010), e a Mostra Brasil Juventude​ ​Transformando com arte; nos anos 2006, 2008, 2010 e 2012. Dentre seus trabalhos mais conhecidos destacam-se "Fedegunda", "Cabelos Arrepiados", "Bagunça, a ópera baby", "Tuhu, o menino Villa-Lobos", "Viva o Zé Pereira", "A Excêntrica Família Silva", "Experiência Yellow", , "Hans, o faz tudo"(sobre a infância de Hans Christian Andersen, em parceria com Jorge bastos), O Garoto Noel (sobre a infância de Noel Rosa, com o biógrafo Carlos Didier) . É curadora de diversos projetos, entre eles o Mini Festival de música e Interatividade (2020), Projeto Cenas de casa, em parceria com marta Paret e Monique Gardemberg/ Campanha solidária APTR (2020/2021) . Foi criadora do projeto online FaceGenerations em que participou como co-curadora da Plataforma RIOFESTIV.AL.(2019/2020)

Participou da sala de roteiristas da Sing em que adaptou seu livro Fina para a linguagem audiovisual. Participa como roteirista de desenvolvimento de series para TV​. Faz parte da sala de criação da 2DLAB de séries de desenhos animados destinadas ao público infanto-juvenil.

É membro fundadora do Grupo Nacional Cultura Infância que visa implementar uma Política publica​ de Estado​ para a Cultura Infância, da Rede Fibra (Festivais internacionais Brasileiros, pra crianças). É fundadora da Borogodó Empreendimentos Culturais Ltda - empresa responsável por suas produções teatrais, literárias e ​a​udiovisuais​.

Publicou 14 livros infantis e foi ganhadora do Prêmio Lucia Benedetti ​da ​F​undação Nacional do Livro Infanto-Juvenil ​Melhor Livro de Teatro (2008, 2010 e 2012, 2014, respectivamente). Roteirizou e dirigiu o I Encontro da Diversidade Cultural Brasileira (MinC RJ / 2010), e a Mostra Brasil Juventude​ ​Transformando com arte; nos anos 2006, 2008, 2010 e 2012. Dentre seus trabalhos teatrais mais conhecidos destacam-se "Experiência Yellow" escrito em parceria com Ciro Acioli, "Fedegunda", "Bagunça, a ópera baby", "Sinfonieta Braguinha"e "Tuhu, o menino Villa-Lobos". É fundadora da Borogodó Empreendimentos Culturais Ltda - empresa responsável por suas produções teatrais, literárias e ​a​udiovisuais​. ​É​ membro fundadora do Grupo Nacional Cultura Infância que visa implementar uma Política publica​ de Estado​ para a Cultura Infância.​

Também foi responsável pelos seguintes projetos: I Mostra RioArte de Contadores de Histórias, projeto Primeiros Contatos, I Festival de Teatro de Animação e o projeto Altamente-Recomendável-Escola, no qual alunos de escolas municipais assistiam a peças teatrais montadas nos teatros e espaços públicos da Prefeitura.

Em 2003, fundou e dirigiu o primeiro Centro de Referência do Teatro Infantil do Rio de Janeiro, no teatro do Jockey (2003 a 2015). Na entidade, acolheu mais de 380 espetáculos nacionais e internacionais . Escreveu e encenou espetáculos como "Bagunça", a ópera-baby que mostrava a evolução da vida de oito crianças, passando por nascimento, descoberta da fala, do corpo, da arte, das formas de brincar com o que o mundo oferece. Pelo texto, a autora recebeu o último prêmio Maria Clara Machado de direção. Foi ainda jurada do Prêmio coca-Cola 1998, de desfiles de escolas de samba nos carnavais de São Paulo e [[Manaus] e de dramaturgia, Universidade Federal de Belo Horizonte e Prêmio Funarte, anos 2000 e 2008].

Obra[editar | editar código-fonte]

Livros:

Tuhu, o menino Villa-Lobos (Prêmio Lúcia Benedetti de Melhor Livro de Teatro para crianças FNLIJ -2008 - contemplado com PNBE)

Viva o Zé Pereira (Prêmio Lúcia Benedetti de Melhor Livro de Teatro para crianças FNLIJ -2010)

Os Meus Balões ((Prêmio Lúcia Benedetti de Melhor Livro de Teatro para crianças FNLIJ -2012 - Contemplado com o PNLD Literário 2019/2020)

A Excêntrica Família Silva (Prêmio Hors Concours- Lúcia Benedetti de Melhor Livro de Teatro para crianças FNLIJ -2014)

Fedegunda (Selo Altamente Recomendável FNLIJ - Contemplado com o PNLD Literário 2020/2021)

Cabelos Arrepiados (Selo Altamente Recomendável - FNLIJ)

Hans, o faz tudo ( escreveu em parceria com Jorge Bastos. Texto contemplado para a publicação no Catálogo Dramática ibero- Americana Celcit)

Iluminando a História

Fina

Trilogia para a primeira infância:

O Chuveiro

Os Bichos

A Tinta

Catálogos:

I Catálogo Livre do Teatro Infantil

II Catálogo Livre Cultura Infância

Escreveu e dirigiu inúmeros textos teatrais, roteiros cinematográficos e formatos originais para o universo digital. Recebeu inúmeros prêmios em literatura e teatro, com produção profícua em outra, sua adaptação da infância de Heitor Villa-Lobos para o teatro, em Tuhu, o menino Villa-Lobos, venceu os Prêmio Sharp, o Mambembe e o Coca-Cola de melhor espetáculo, além do prêmio Coca-Cola de direção e figurino e do Mambembe de melhor ator. Em 1999, adaptou mais uma biografia de compositor brasileiro voltada para crianças, em Garoto Noel.

Em 2003, sua peça Bagunça, a ópera baby recebeu oito indicações para o prêmio Maria Clara Machado de Teatro Infantil, o maior até então, vencendo na categoria de melhor direção.

Em 2005, dentro da programação do Ano do Brasil na França, Karen Acioly montou neste país a Sinfonieta Braguinha, em homenagem ao compositor e autor de adaptações sonoras de contos infantis.

Em 2006, sua montagem de Eles se casaram e tiveram muito... recebeu novo número recorde de indicações, desta vez ao Prêmio Zilka Salaberry de Teatro, em sete categorias, inclusive a categoria especial "renovação de linguagens".

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Karen também atuou como atriz no teatro, cinema e televisão

No exterior[editar | editar código-fonte]

  • Parceria como autora com o compositor Camille Rocailleux para a criação da ópera Fedegunda (2007/2009)
  • Parceria como autora com o Chantier Thêátre, para a criação dos espetáculos Grandir (Direção de florence Lavaud-França 2008) e Fina (inédito nos dois países), com residência artística em Janeiro de 2009
  • 2005- Participante do forum RIDA -Le Havre -Representante do brasil
  • 2006, *2007, *2008, *2009- Presente no Festival Momix
  • 2006- Presente no Festival Coup de Théâtre -Quebec
  • 2007- Presente no Festival de Mantova- Itália
  • 2008- Presente no Festival A pas Contes - Dijon
  • 2007- Residência de escrita no Festival dos autores- Mantes de La Jolie (França)
  • 2007- Co autora do Espetáculo Grandir dirigido por Florence Lavaud- Chantier Théâtre- França
  • 2009 -Residência de escrita do espetáculo Fina -Chantier Théâtre

Ligações externas[editar | editar código-fonte]