Karl-Heinz Riedle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Karl-Heinz Riedle
Karl-Heinz Riedle, 2012.jpg
Informações pessoais
Nome completo Karl-Heinz Riedle
Data de nasc. 16 de setembro de 1965 (56 anos)
Local de nasc. Weiler im Allgäu, Alemanha Ocidental
Nacionalidade alemão
Altura 1,80 m
Apelido Air Riedle
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Treinador
ex-Atacante
Clubes de juventude
TSV Ellhofen
SV Weiler
Clubes profissionais
Anos Clubes
1983–1986
1986–1987
1987–1990
1990–1993
1993–1997
1997–1999
1999–2001
Augsburg
Blau-Weiss Berlin
Werder Bremen
Lazio
Borussia Dortmund
Liverpool[1]
Fulham
Total
Seleção nacional
1986–1987
1988–1994
Alemanha Ocidental Sub-21
Alemanha
Times/Equipas que treinou
2000 Fulham
Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Seul 1988 Equipe
Última atualização: quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Karl-Heinz Riedle (Weiler im Allgäu, 16 de setembro de 1965) é um ex-futebolista e treinador de futebol alemão, considerado um dos melhores atacantes da história do futebol de seu país[2]. Riedle, célebre por sua habilidade em jogadas aéreas, foi escolhido pela UEFA como embaixador da final da Liga dos Campeões da Uefa da temporada 2014-15 no Estádio Olímpico de Berlim.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início na Alemanha e convocação para a Nationalmannschaft[editar | editar código-fonte]

Originário de Weiler im Allgäu, no sul da Alemanha, perto das fronteiras com Suíça e Áustria, Riedle deixou sua cidade natal para jogar pelo Augsburg, que em 1983 disputava a Bayernliga - liga regional da Bavária. Após ser o artilheiro do time, com 21 gols na campanha do terceiro lugar, Riedle foi contratado pelo Blau-Weiss, pequeníssimo clube que disputou em 1986-87 a sua única temporada na primeira divisão da liga alemã. Com 10 gols pelo clube berlinense, que foi o lanterna daquela temporada na Bundesliga, ele chamou a atenção do Werder Bremen.

O atacante foi uma aposta do treinador Otto Rehhagel e logo na primeira temporada com a camisa verde e branca, foi o vice-artilheiro da Bundesliga, com 18 gols, atrás apenas de Jürgen Klinsmann, que fez 24 tentos. Riedle foi fundamental para que a equipe faturasse seu segundo título alemão e conquistasse, de forma inédita, a Copa da Alemanha. Com estas credenciais, recebeu convocações para as seleções olímpica e principal da então Alemanha Ocidental.

Pelo time de Bremen, Riedle atingiu uma boa média de gols na Bundesliga, com 38 em 86 jogos, distribuídos entre três temporadas. Após a Copa de 1990, Riedle permaneceu na Itália: a Lazio pagou 13 milhões de marcos alemães ao Werder Bremen e ficou com o atacante.

Passagem pela Lazio e auge da carreira[editar | editar código-fonte]

À época da contratação de Riedle, a Lazio atravessava um período ruim, que incluiu três temporadas seguidas na Serie B. A chegada do alemão, simultânea à do técnico Dino Zoff, tinha o objetivo de fazer os celestes brigarem na parte mais alta da tabela, o que não acontecia desde meados dos anos 1970. Riedle substituiu o brasileiro Amarildo como o terceiro estrangeiro do elenco, que já tinha o argentino Pedro Troglio, vice-campeão mundial, e o uruguaio Rubén Sosa, principal estrela da companhia. O elenco, como um todo, porém, era bem limitado: fora os estrangeiros, só os defensores Cristiano Bergodi e Angelo Gregucci e o meia central Gabriele Pin tinham alguma relevância.

Com isso, a primeira temporada do alemão na Itália acabou com uma pífia 11ª colocação para a Lazio. Riedle também não teve a mesma facilidade que na Bundesliga e anotou apenas nove gols. Na temporada seguinte de 1991-92, e mais adaptado, o atacante melhoraria seus números. Outras razões para essa subida de produção foram as contratações de Giovanni Stroppa e do conterrâneo Thomas Doll, que qualificaram o abastecimento do ataque laziale. Riedle e Sosa formaram uma das parcerias mais interessantes da Serie A e terminaram a temporada com 13 gols cada um. O alemão começou bem: o primeiro do ano saiu no dérbi contra a Roma, na sexta rodada.

Ao longo daquela campanha, o atacante mostrou toda sua categoria no jogo aéreo e foi considerado um dos melhores na função no país, mesmo com apenas 1,80 m. Riedle se destacou não apenas fazendo gols, mas também assistindo seus companheiros. Porém, novamente a equipe decepcionou e terminou o campeonato apenas na 10ª colocação.

Em 1992-93, a Lazio mudaria de patamar. O empresário Sergio Cragnotti, dono da empresa alimentícia Cirio, havia comprado o clube em fevereiro e pela primeira vez investiria no mercado, contratando jogadores como Diego Fuser, Aron Winter, Paul Gascoigne e Giuseppe Signori. Riedle perdeu o entrosamento com Sosa, mas em contrapartida, ganhou um time, que ficou na quinta posição da Serie A e se classificou para a Copa Uefa. Jogando de forma mais coletiva, o alemão abriu mão do protagonismo no ataque e atuou mais como garçom para Signori, que colocou 26 bolas na rede. Riedle marcou oito vezes na temporada.

Após três temporadas, 96 jogos e 32 gols, Riedle acabou deixando a Lazio. O atacante foi negociado com o Borussia Dortmund, então vice-campeão da Copa Uefa – foi derrotado pela Juventusna final. No retorno à Alemanha, Riedle não voltou a marcar mais de 10 gols numa temporada, mas continuou jogando bem e disputou a Copa de 1994 pela Nationalmannschaft.

No Borussia, o alemão formou dupla de ataque com o suíço Stéphane Chapuisat e ajudou na conquista do bicampeonato alemão em 1994-95 e 1995-96. Na Copa Uefa, Riedle ainda reencontrou sua vítima favorita na Itália, a Juventus, contra a qual marcou quatro gols, mas acabou vendo o time bianconero eliminar a sua equipe na semifinal. A revanche contra a Vecchia Signora viria logo na temporada seguinte, no grande momento da carreira do atacante. Com dois gols apenas no primeiro tempo, Riedle foi o grande nome da final da Uefa Champions League de 1997, contra a Juventus, e levou o Dortmund ao seu único título europeu.[4] O outro tento do Dortmund foi apontado por Lars Ricken.

Passagem no futebol inglês e aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Após o título europeu, Riedle se aventurou na Inglaterra, para jogar no Liverpool, em uma transferência avaliada em 1,8 milhões de libras.[5] Mas não foi muito utilizado porque o jovem Michael Owen caiu nas graças dos fãs de futebol no mundo todo, virando rapidamente um dos melhores atacantes do período. Após dois anos em Anfield, o alemão acertou com o Fulham, que então estava na segunda divisão. Pelo clube londrino, Riedle teve sua única experiência como treinador, de forma interina: já no final da temporada, acumulou as funções de jogador e técnico.[6] No ano seguinte, já com Jean Tigana no comando, o atacante fez sua última temporada como profissional em 2001 e se despediu do futebol dando uma alegria para a torcida dos Cottagers, que ficaram com o título da Football League e retornaram à Premier League.[7]

Carreira na seleção[editar | editar código-fonte]

Sua estreia na seleção principal foi em 1988, frente à Finlândia, em partida das eliminatórias da Copa de 1990. A sequência em alto nível e a artilharia da Copa Uefa de 1989-90 levaram o atacante à Copa do Mundo de 1990, da qual participou de quatro partidas – apenas uma como titular, nas quartas de final contra a Checoslováquia, devido à suspensão de Rudi Völler. . Ele foi um dos melhores marcadores do Campeonato da Europa de 1992, onde marcou três golos, dois dos quais no jogo das meias-finais da competição contra a Suécia. Contudo, a Alemanha acabou por perder a final do Euro 92 frente à Dinamarca.[8] Riedle ainda jogaria a Copa de 1994, sua última competição de seleções.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Werder Bremen
Borussia Dortmund
  • UEFA Champions League: 1996–97
  • Bundesliga: 1994–95, 1995–96
  • Supercopa da Alemanha: 1995, 1996
Fulham
Seleção Alemã

Prêmios Individuais[editar | editar código-fonte]

  • Artilheiro da Copa da UEFA 1989–90
  • Artilheiro da Eurocopa 1992: 3 gols

Referências

  1. «Perfil em Liverpool FC». Consultado em 14 de maio de 2015. Arquivado do original em 31 de agosto de 2014 
  2. Perfil em Transfermarkt
  3. https://www.dblinks.com.br, DBLINKS, atendimento@dblinks.com.br, DBLINKS,. «Bayern, City e Roma fazem o grupo da morte da Liga - Rádio Porto Feliz - AM 1530 - em Esporte». Rádio Porto Feliz - AM 1530. Consultado em 14 de novembro de 2017 
  4. «'Ele disse meu nome?': como campeão do mundo descobriu que havia 'batizado' jogador da seleção alemã». ESPN.com. 2 de janeiro de 2021. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  5. 161385360554578 (30 de julho de 2014). «Classic transfer: Liverpool sign Borussia Dortmund's lethal attacker». talkSPORT (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2021 
  6. «BBC SPORT | FULHAM | Fulham fail to reach promised land». news.bbc.co.uk. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  7. «Karl Heinz Riedle to leave Fulham». Fulhamweb. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  8. «Karl-Heinz Riedle: o homem certo, na hora certa». Todo Futebol. 31 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]