Karyna Gomes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Karyna Gomes
Nascimento 13 de fevereiro de 1976 (46 anos)
Bissau
Cidadania Guiné-Bissau
Ocupação jornalista, cantora

Karyna Gomes (Bissau, 13 de fevereiro de 1976) é cantora, jornalista e cofundadora do movimento pela paz Miguilan ou Minjderis di Guiné No Lanta (em português, Mulheres da Guiné-Bissau levantemo-nos). Em 2021, assumiu a coordenação do primeiro projeto de jornalismo em crioulo (cabo-verdiano e guineense) desenvolvido por um órgão de comunicação social português (o jornal online Mensagem de Lisboa).

Percurso[editar | editar código-fonte]

Nascida em Bissau a 13 de fevereiro de 1976, filha de pai guineense e mãe cabo-verdiana[1][2], iniciou a sua carreira musical em 1997 no coro gospel brasileiro Rejoicing Mass em São Paulo, cidade onde estudou jornalismo.[1][3][4]

Em 2001, regressou à Guiné-Bissau, onde trabalhou como jornalista para a RTP[3], e também na área da comunicação para o desenvolvimento[2].

Regressou à música em 2005, quando se juntou à Orquestra Super Mama Djombo.[5]

Mudou-se para Portugal em 2011[2], onde lançou o seu primeiro disco, Mindjer. [2][4] Após o lançamento do disco, fez várias digressões internacionais, entre elas o Atlantic Music Expo, em 2015, e o Mercado de Visa for Music.[2]

Em 2015, em discordância com o então presidente guineense, José Mário Vaz, pela demissão do Governo eleito, cofundou a Miguilan ou Minjderis di Guiné No Lanta (em português, Mulheres da Guiné-Bissau levantemo-nos), uma organização da sociedade civil guineense constituída exclusivamente por mulheres, cujo trabalho se foca nas questões da paz, estabilidade e legalidade na Guiné-Bissau, trazendo para o debate nacional os temas da boa governação, da democracia, dos direitos humanos e de género, e denunciando decisões e práticas vigentes no país que afrontem a democracia e o Estado de Direito.[6][7]

Em 2019, Gomes foi uma das estrelas de abertura do festival de música Over the Border, em Bona.[8]

Em 2021, enquanto jornalista, assumiu a coordenação do primeiro projeto de jornalismo em crioulo (cabo-verdiano e guineense) desenvolvido por um órgão de comunicação social português, Mensagem[9]. O projeto de jornal online é realizado em parceria com o site Lisboa Criola, de Dino D’Santiago. Este projeto foi um dos 12 seleccionados pelo programa europeu Newspectrum para receber uma bolsa.[10][11]

Karyna Gomes trabalhou em vários órgãos de comunicação, tais como a RTP, diversas rádios locais na Guiné-Bissau, A Semana, em Cabo Verde, e a Associated Press.[10]

Percurso artístico[editar | editar código-fonte]

Em 2005, na Guiné-Bissau, juntou-se à Orquestra Super Mama Djombo[5], com a qual fez várias digressões.

Em Portugal, lançou, em 2014, o seu primeiro disco, intitulado Mindjer [12].

Em 2015, participou no festival MED, em Loulé [13], e em 2016 participou no Festival Músicas do Mundo, em Sines. [14] [15] Ainda em 2015, sendo madrinha do Observatório Nacional dos Direitos da Criança, cantou no centro de Bissau num espetáculo gratuito para assinalar o Dia Mundial da Luta contra o Trabalho Infantil.[16]

A 22 de novembro de 2018, deu um concerto no Instituto Francês em Abidjan, cujas receitas reverteram para o projeto Npili da Fundação Atena, com o objectivo de financiar a construção de um complexo escolar para meninas bissau-guineenses.[17]

Ainda em 2018, participou nas Festas do Mar, promovido pela Câmara Municipal de Cascais. [18][19]

Em 2021, lançou o seu segundo álbum, N'Na, apresentado em festivais como o Marés de Agosto, Festa do Avante!, e no Centro Cultural da Malaposta, no âmbito do ciclo Sons de África no Feminino. [12] [17][20]

A cabaça de tina é um dos instrumentos centrais da música de Karyna Gomes, um instrumento tradicional assente na cultura feminina do século XVII das primeiras cidades da Guiné-Bissau. [15]

Reconhecimentos e prémios[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Os muitos mundos de Karyna Gomes». www.dn.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  2. a b c d e «Música: Karyna Gomes». Centro Cultural Malaposta. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  3. a b «Karyna Gomes, a cantora guineense que trocou o jornalismo pela música». www.cmjornal.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  4. a b Pacheco, Nuno. «Karyna Gomes comemora com novo disco o dia da independência da Guiné-Bissau». PÚBLICO. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  5. a b «Artes - "N'na", o álbum de afirmação internacional da guineense Karyna Gomes». RFI. 10 de outubro de 2021. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  6. SAPO. «Mulheres da Guiné-Bissau criam movimento contra a instabilidade política e pobreza». SAPO 24. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  7. «Mindjeris da Guiné-Bissau gritam pelos seus filhos». VOA. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  8. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Cantora Karyna Gomes vê com otimismo futuro da Guiné-Bissau após eleições | DW | 28.03.2019». DW.COM. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  9. «Quem Somos». Mensagem de Lisboa. Consultado em 15 de dezembro de 2021 
  10. a b Lusa. «Jornal digital "Mensagem de Lisboa" vai ter notícias escritas em crioulo». PÚBLICO. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  11. Lobo, Renata Lima. «'A Mensagem' torna-se o primeiro jornal português a dar notícias em crioulo». Time Out Lisboa. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  12. a b Pacheco, Nuno. «Karyna Gomes comemora com novo disco o dia da independência da Guiné-Bissau». PÚBLICO. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  13. Informação, Sul (27 de março de 2015). «Jambinai, Ester Rada, Baloji, Skip&Die e Karyna Gomes anunciados no MED 2015». Sul Informação. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  14. «Karyna Gomes (Guiné-Bissau)». www.fmmsines.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  15. a b «Karyna Gomes: "Há uma maneira de ser, estar e pensar em crioulo"». Rimas e Batidas. 6 de outubro de 2021. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  16. RDP-África, RTP, Rádio e Televisão de Portugal-. «Karyna Gomes canta hoje pelas crianças da Guiné-Bissau - Artes e Espetaculos - RDP África». www.rtp.pt. Consultado em 7 de dezembro de 2021 
  17. a b «Des artistes en concert à Abidjan pour l'éducation des jeunes bissau-guinéennes». LExpress.fr (em francês). 24 de novembro de 2018. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  18. RFM. «Festas do Mar 2018». RFM. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  19. «Festas do Mar 2018 - Cartaz | Câmara Municipal de Cascais». www.cascais.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  20. Pina, Ana (7 de setembro de 2021). «Sons de África no Feminino: três dias a agitar a Malaposta». O Jornal Económico. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  21. RDP-África, RTP, Rádio e Televisão de Portugal-. «Governo da Guiné-Bissau homenageia mais de 70 personalidades - Noticias Africa - RDP África». www.rtp.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  22. Autarquia 360. «Karyna Gomes». portaldomunicipe.cm-lourinha.pt. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  23. Pacheco, Nuno. «Karyna Gomes comemora com novo disco o dia da independência da Guiné-Bissau». PÚBLICO. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  24. grxnet.com. «Jornal de Angola - Notícias - Pérola e Anselmo entre os melhores». Jornal de Angola. Consultado em 7 de dezembro de 2021 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]