Kassym-Jomart Tokayev

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Kassym-Jomart Tokayev
Kassym-Jomart Tokayev
2.º Presidente do Cazaquistão
Período 20 de março de 2019
a atualidade
Primeiro(s)-ministro(s) Askar Mamin
Alihan Smaiylov
Antecessor(a) Nursultan Nazarbayev
Presidente do Conselho de Segurança do Cazaquistão
Período 5 de janeiro de 2022
a atualidade
Antecessor(a) Nursultan Nazarbayev
4.º Primeiro-ministro do Cazaquistão
Período 12 de outubro de 1999
a 28 de janeiro de 2002
Presidente Nursultan Nazarbayev
Antecessor(a) Nurlan Balgimbayev
Sucessor(a) Imangali Tasmagambetov
6.º Presidente do Senado
Período 16 de outubro de 2013
a 19 de março de 2019
Antecessor(a) Kairat Mami
Sucessor(a) Dariga Nazarbayeva
Período 11 de janeiro de 2007
a 15 de abril de 2011
Antecessor(a) Nurtai Abykayev
Sucessor(a) Kairat Mami
Secretário de Estado do Cazaquistão
Período 29 de janeiro de 2002
a 13 de junho de 2003
Presidente Nursultan Nazarbayev
Antecessor(a) Abish Kekilbayev
Sucessor(a) Imangali Tasmagambetov
Ministro de Relações Exteriores
Período 29 de janeiro de 2002
a 11 de janeiro de 2007
Presidente Nursultan Nazarbayev
Antecessor(a) Erlan Idrissov
Sucessor(a) Marat Tazhin
Dados pessoais
Nome completo Kassym-Jomart Kemeluly Tokayev
Nascimento 17 de maio de 1953 (69 anos)
Almati, Cazaquistão, URSS
Nacionalidade cazaque
Progenitores Mãe: Turar Shabarbayeva
Pai: Kemel Tokayev
Alma mater Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou
Cônjuge Nadezhda Tokayeva (div. 2020)
Partido PCC/PCUS
(antes de 1991)
Independente
(1991-1999)
Amanat
(1999-2022)
Independente
(2022-presente)
Religião Islamismo
Profissão Político e diplomata
Residência Palácio Presidencial Ak Orda
Assinatura Assinatura de Kassym-Jomart Tokayev

Kassym-Jomart Kemeluly Tokayev (em cazaque: Қасым-Жомарт Кемелұлы Тоқаев; Almati, 17 de maio de 1953) é um político e diplomata cazaque e atual presidente do Cazaquistão desde 20 de março de 2019.[1] Ele se tornou presidente interino após à renúncia de Nursultan Nazarbayev, em 19 de março de 2019 após 29 anos no cargo.[2]

Formado pelo Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, Tokayev começou sua carreira em 1975, quando trabalhou como diplomata em Cingapura e na China. Em 1992, tornou-se vice-ministro das relações exteriores do Cazaquistão, onde esteve envolvido nas questões do desarmamento nuclear dentro das antigas repúblicas soviéticas. Em março de 1999, Tokayev tornou-se vice-primeiro-ministro. Em outubro de 1999, com o aval do Parlamento, foi nomeado primeiro-ministro pelo presidente Nursultan Nazarbayev. A partir de 2002, Tokayev serviu como Ministro das Relações Exteriores, onde continuou a desempenhar um papel ativo no campo de não proliferação nuclear. Ele então atuou como presidente do Senado cazaque de 11 de janeiro de 2007 a 15 de abril de 2011 e de 16 de outubro de 2013 a 19 de março de 2019 e foi diretor-geral do Escritório das Nações Unidas em Genebra de 12 de março de 2011 a 16 de outubro de 2013.[3]

Em 2019, Tokayev assumiu o cargo de presidente interino do Cazaquistão após a renúncia de Nursultan Nazarbayev. Tokayev, membro do partido governante Nur-Otan, concorreu nas eleições presidenciais realizadas em 9 de junho de 2019 com o apoio de Nazarbayev como candidato do partido, vencendo com 71% dos votos, o que foi recebido com críticas por organizações internacionais e pela oposição, enfrentando escrutínio público.[4] Depois de ser plenamente empossado em 12 de junho de 2019, Tokayev prometeu continuar as políticas de Nazarbayev nas esferas do desenvolvimento do país, incluindo reformas sociais e econômicas. Durante sua presidência, ele promulgou várias reformas, incluindo o aumento dos salários dos trabalhadores, a redução da corrupção, a abolição da pena de morte e a descentralização do governo local. A partir de 2020, Tokayev passou pela crise econômica e pelos problemas causados pela pandemia de Covid-19 e pela Guerra no Afeganistão e tem procurado resolver a inflação crescente do Cazaquistão, os temores de terrorismo doméstico, migração ilegal, tráfico de drogas, desenvolvimento de energia nuclear, bem como a implantação da vacinação contra o Covid-19. Em 2022, ele demitiu todo seu gabinete após os violentos protestos eclodirem no país.[5]

Desde que se tornou presidente, a influência política e o papel de Tokayev no Cazaquistão tinham crescido constantemente além de Nazarbayev, pois ele assumiu várias outras posições poderosas que eram anteriormente realizadas por Nazarbayev. Apesar de conseguir manter a estabilidade do país, garantir a transição política e promulgar novas reformas, o governo de Tokayev tem permanecido autoritário com os abusos dos direitos humanos.[6]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

Seu pai, Kemel Tokayev (1923-1986), era um veterano da Segunda Guerra Mundial e famoso escritor cazaque. Sua mãe, Turar Shabarbayeva (1931-2000), trabalhou no Instituto de Línguas Estrangeiras de Alma-Ata. Em 1970, Tokayev ingressou no Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou. Em seu quinto ano, ele foi enviado a treinamento na embaixada soviética na China, por seis meses. Após a formatura do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, em 1975, Tokayev ingressou no Ministério das Relações Exteriores da URSS e foi enviado à embaixada soviética em Singapura. Em 1979, ele retornou a Secretaria de Estado do Ministério das Relações Exteriores da URSS. Em 1983, ele foi novamente para a China para o Instituto de Língua de Pequim. Ele foi depois enviado à embaixada soviética em Pequim, onde serviu até 1991 como Segundo Secretário, Primeiro Secretário e Conselheiro. Em 1991, ele matriculou-se na Academia Diplomática do Ministério das Relações Exteriores da URSS, em Moscou, em um curso de formação para diplomatas seniores.[7]

Cazaquistão[editar | editar código-fonte]

Em 1992, Tokayev foi nomeado vice-ministro das Relações Exteriores do Cazaquistão. Em 1993, tornou-se primeiro vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e em 1994 foi nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros. Em março de 1999, ele foi promovido para o cargo de vice-primeiro-ministro. Em outubro de 1999, com o endosso do Parlamento, ele foi nomeado primeiro-ministro pelo Decreto do Presidente do Cazaquistão. Em janeiro de 2002, ele renunciou e foi posteriormente nomeado Secretário de Estado - Ministro dos Negócios Estrangeiros. Tokayev continuou a atuar como Ministro das Relações Exteriores até janeiro de 2007, quando foi eleito Presidente do Senado do Cazaquistão.

Tokayev ocupou o cargo de Ministro dos Negócios Estrangeiros durante dez anos (1994-1999, 2002-2007).

Como Ministro das Relações Exteriores, Tokayev desempenhou um papel ativo no campo da não-proliferação nuclear. Em 1995 e 2005, participou das Conferências de Revisão do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares (TNP) em Nova York. Em 1996, ele assinou o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBT) em Nova York, e em 2005 o Tratado sobre uma Zona Livre de Armas Nucleares na Ásia Central (CANWFZ) em Semipalatinsk. Ele foi eleito presidente do Conselho de Ministros das Relações Exteriores da Comunidade de Estados Independentes e da Organização de Cooperação de Xangai. Tokayev participou de dez sessões da Assembleia Geral das Nações Unidas.[5]

Sua opinião sobre o sistema político do Cazaquistão:

"Presidente forte, o parlamento autoritário, o governo responsável" (disse na Conferência Parlamentarista em Astana, 24 de novembro de 2014).

Sobre a questão do uso do alfabeto latino para escrever a língua cazaque, disse durante as audiências parlamentares sobre educação em 22 de setembro de 2017:

"Temos que cumprir essa tarefa de importância estratégica: a adoção do alfabeto latino. Como o chefe de Estado observou que o uso do alfabeto latino é um passo em direção à integração no sistema global de ciência e educação, garantindo nossa unidade espiritual. Precisamos conduzir este trabalho de maneira ponderada e gradual, sem "grandes saltos. Mas também não adianta atrasá-lo. O principal é que não temos o direito de cometer erros".

Diretor-geral do Escritório das Nações Unidas em Genebra[editar | editar código-fonte]

Tokayev com Sergey Lavrov e John Kerry em 13 de setembro de 2013

Em março de 2011, o secretário-geral das Nações Unidas anunciou a nomeação de Tokayev como subsecretário-geral, diretor-geral do Escritório das Nações Unidas em Genebra, e Representante Pessoal do secretário-geral das Nações Unidas para a Conferência sobre Desarmamento. Ele serviu como secretário-geral da Conferência sobre Desarmamento. Ele também foi o oficial designado para segurança e proteção do pessoal da ONU na Suíça.

Tokayev tem doutorado em Ciência Política, sendo autor de nove livros e numerosos artigos sobre assuntos internacionais. É também membro da Academia Mundial de Arte e Ciência, membro do Painel de Pessoas Eminentes da Conferência de Segurança de Munique, professor honorário da Universidade de Shenzhen, professor honorário e doutor da Academia Diplomática do Ministério de Relações Exteriores da Universidade de Shenzhen, bem como membro do seu Conselho de Administração. Ele também é reitor honorário da Escola de Diplomacia e Relações Internacionais de Genebra. Como Diretor Geral da UNOG, recebeu o prêmio "Academicus" da Universidade de Genebra. De acordo com a instituição biográfica russa, Tokayev foi eleito uma "pessoa do ano - 2018".

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Fluente em cazaque, russo, inglês e chinês e tem conhecimento de francês. Recebeu de vários prêmios estaduais do Cazaquistão e outros países. Ele foi presidente da Federação de Tênis de Mesa do Cazaquistão por 13 anos. Tokayev é divorciado e tem um filho.

Referências

  1. «Tokayev empossado como presidente interino do Cazaquistão». TASS. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  2. «O presidente cazaque Nazarbaev anuncia abruptamente a renúncia». Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  3. «Kairat Mami será o novo presidente do Senado». Tengrinews.kz. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  4. «Tokayev ganha a presidência do Cazaquistão com 70,76% dos votos, dizem os resultados preliminares oficiais». The Astana Times. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  5. «Presidente cazaque demite gabinete, declara emergência em meio à agitação». Al Jazeera. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  6. «A UE é séria sobre os direitos humanos no Cazaquistão?». Human Rights Watch. Consultado em 12 de janeiro de 2022 
  7. «First glimpses of Tokayev's Kazakhstan: The listening state?». Atlantic Council (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2022