Keiko Ota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Keiko Ota
Deputada Federal por São Paulo Bandeira do estado de São Paulo.svg
Período 1º de fevereiro de 2011
até atualidade
Dados pessoais
Nascimento 28 de setembro de 1956 (60 anos)
Olímpia, SP
 Brasil
Partido PSB (2009-atualmente)
Profissão Empresária

Iolanda Keiko Miashiro Ota, ou Keiko Ota (Olímpia, 28 de setembro de 1956), é uma política brasileira.

Sua trajetória política teve início em 2010, sendo eleita a primeira mulher nikkei para deputada federal pelo Estado de São Paulo com 213.024 votos e re-eleita nas eleições de 2014 com 102.963 votos.[1]

Formada em Direito pela Universidade de Mogi das Cruzes , casada há cerca de 30 anos com o vereador Masataka Ota, é mãe de Ives Ota (garoto assassinado aos 8 anos pelos seguranças da loja, em 1997), também de Ises e Vanessa.

Depois da morte de Ives Ota, o casal Keiko e Masataka criou um instituto que leva o nome do filho. A ONG realiza palestras e oferece orientação a crianças, jovens e famílias vítimas da violência.[2]

Ela candidatou-se com o intuito de aprovar lei que amplie a pena máxima para crimes hediondos.[3][4]

É autora da Lei 13.285/2016 que determina que todos os processos que apurem a prática de crime hediondo tenham prioridade em todas as instâncias da justiça.

É uma das relatoras-parciais da reforma do Código de Processo Penal, que regulamenta a justiça brasileira.

Foi pioneira no Estado de São Paulo a destinar recursos para a criação da Patrulha Maria da Penha, no município de Suzano(SP).

É autora do Dia Nacional do Perdão, celebrado em 30 de agosto, ainda em análise pelo Senado Federal.

Desde o primeiro mandato, Keiko Ota defende os direitos humanos das mulheres. Em 2013 percorreu 17 estados brasileiros na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Violência contra a Mulher para investigar as condições de atendimento às mulheres vítimas de violência. O relatório ajudou na criação da Comissão Mista Permanente de Combate à Violência Contra a Mulher, da qual é vice-presidente.

É abertamente favorável a redução da maioridade penal para 16 anos, pois acredita que a lei vai diminuir a impunidade e ajudará a combater a criminalidade.[5][6]

Desde o primeiro mandato, enviou mais de R$15 milhões em emendas parlamentares para saúde, infraestrutura, segurança e assistência social para o Estado de São Paulo.

Referências

  1. «Resultado das eleições 2014» 
  2. «Keiko Ota- Biografia» 
  3. Campos Melo, Patrícia (12 de setembro de 2010). «Vítimas de violência tentam se eleger». O Estado de S. Paulo. Consultado em 6 de outubro de 2010 
  4. Claudia Andrade (14 de Fevereiro de 2011). «Deputada que teve filho assassinado quer aumentar pena para 100 anos». Terra. Consultado em 03 de abril de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. Grasielle Castro (31 de Março de 2015). «Deputada que teve filho assassinado por policiais comemora avanço na PEC da maioridade penal». Brasil Post. Consultado em 03 de Abril de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Bruno Calixto (01 de Abril de 2015). «Keiko Ota: "A redução da maioridade penal ajudará a combater a criminalidade"». Época. Consultado em 03 de Abril de 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.