Kenarik Boujikian

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Kenarik Boujikian Felippe)
Kenarik Boujikian
Kenarik Boujikian
Desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Mandato: 12 de dezembro de 2017
a 8 de março de 2019
Dados pessoais
Nascimento: 1959 (62 anos)
Alma mater: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Nacionalidade: Brasileira

Kenarik Boujikian Felippe (Kessab, 1959) é uma jurista e magistrada brasileira nascida na Síria numa família armênia. Foi juíza de direito e desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida numa aldeia de armênios na Síria[1][2], chegou ao Brasil com os pais, aos 3 anos de idade. Passou a infância em São José do Rio Preto, onde seu pai trabalhava como comerciante, e São Paulo, onde estudou na Escola Armênia e mais tarde num colégio salesiano.[3]

Carreira jurídica[editar | editar código-fonte]

Formada em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em 1984.

Foi voluntária no presídio do Carandiru. Trabalhou também na Procuradoria de Assistência Judiciária (PAJ), em 1998.[4]

Juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo, tornou-se conhecida pela sua militância na defesa dos Direitos Humanos.[5] Foi co-fundadora e presidente da Associação Juízes para a Democracia.[6] Integrou o grupo de trabalho e estudos Mulheres Encarceradas.[7] A juíza Kenarik é conselheira do Fundo Brasil de Direitos Humanos.

Em 2010, condenou o médico Roger Abdelmassih a 278 anos de prisão, por 56 estupros.[8]

Foi promovida ao cargo de desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, por merecimento, em novembro de 2017.[9]

Em 26 de fevereiro de 2019 o Tribunal de Justiça de São Paulo anunciou a aposentadoria de Kenarik Boujikian do cargo de desembargadora da Corte, que ocorreu em 08 de março de 2019. Sua última sessão ocorreu um dia antes da formalização do anúncio, ocasião na qual recebeu homenagens de diversos colegas de classe.[10]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 2002 - 19º Prêmio Franz de Castro Holzwarth de Direitos Humanos, da OAB/SP.

Referências

  1. Justiça condena Abdelmassih a 278 anos de prisão. O Estado de S. Paulo, 24 de novembro de 2010
  2. Kenarik Boujikian: Pensar o indulto a partir das especificidades da mulher Arquivado em 7 de novembro de 2017, no Wayback Machine.. Pastoral Carcerária, 5 de novembro de 2015
  3. O Estado brasileiro continua matando muito Arquivado em 6 de dezembro de 2010, no Wayback Machine.. Sinpef/PE
  4. Entrevista: O Judiciário é um poder que não pertence aos juízes. Associação dos Procuradores do Estado de São Paulo
  5. Mundo do direito penal ainda é masculino, diz juíza Kenarik Boujikian. Carta capital, 22 de janeiro de 2016
  6. “Juiz não pode ser processado pelo conteúdo da decisão”, diz Kenarik Boujikian. Brasil de Faro, 26 de janeiro de 2016
  7. Kenarik Boujikian. Dossiê Violência Contra as Mulheres
  8. Caso Roger Abdelmassih: médico cometia abusos sexuais em clínica de fertilização. Compromisso e Atitude, 17 de outubro de 2014
  9. «Kenarik Boujikian é promovida a desembargadora do TJ de São Paulo». Consultor Jurídico 
  10. TJ-SP anuncia aposentadoria da desembargadora Kenarik Boujikian [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]