Kenji Miyazawa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kenji Miyazawa
Nascimento 27 de agosto de 1896
Hanamaki
Morte 21 de setembro de 1933 (37 anos)
Hanamaki
Cidadania Japão
Ocupação poeta, romancista, escritor, professor, esperantista, agrônomo, escritor de literatura infantil
Religião Nichiren Shu
Causa da morte Pneumonia

Kenji Miyazawa (宮沢 賢治 or 宮澤 賢治, Miyazawa Kenji?, Hanamaki, 27 de agosto de 1896Hanamaki, 21 de setembro de 1933) foi um poeta e autor japonês de literatura infantil de Hanamaki, Iwate, no final da era Taisho e início da era Shōwa. Ele também era conhecido como professor de ciências agrícolas, vegetariano, violoncelista, budista devoto e ativista social utópico.[1]

Algumas de suas principais obras incluem Ginga Tetsudo no Yoru (Viagem noturna no Trem da Via-Láctea), Kaze no Matasaburo (Matasaburo do Vento), Sero Hiki no Gōshu (Gauche, o Violoncelista) e Taneyamagahara no Yoru (A Noite de Taneyamagahara) . Kenji se converteu ao Budismo Nitiren depois de ler o Sutra do Lótus, e se juntou ao Kokuchūkai, uma organização budista Nichiren. Suas crenças religiosas e sociais criaram uma divisão entre ele e sua família rica, especialmente seu pai, embora depois de sua morte sua família eventualmente o seguisse na conversão ao budismo Nichiren. Kenji fundou a Associação Agrícola Rasu para melhorar a vida dos camponeses na prefeitura de Iwate. Ele também foi palestrante do Esperanto e traduziu alguns de seus poemas para esse idioma.

Morreu de pneumonia em 1933. Quase totalmente desconhecido como poeta em sua vida, o trabalho de Kenji ganhou sua reputação postumamente,[2] e desfrutou de um boom em meados da década de 1990 em seu centenário.[3] Um museu dedicado à sua vida e obras foi inaugurado em 1982 em sua cidade natal. Muitas das suas histórias para crianças foram adaptadas para anime, mais notavelmente Ginga Tetsudo no Yoru. Muitas de suas poesias tanka e de verso livre, traduzidas para muitas línguas, ainda são populares hoje em dia.

Referências

  1. Curley, Melissa Anne-Marie, "Fruit, fossils, footprints: Cathecting Utopia in the Work of Miyazawa Kenji", em Daniel Boscaljon (ed.), Hope and the Longing for Utopia: Futures and Illusions in Theology and Narrative [1] , James Clarke & Co. / Lutterworth Press 2015. pp.96-118, p.96.
  2. Makoto Ueda , Modern Japanese Poets and the Nature of Literature [2] , Stanford University Press, 1983, pp.184-320, p. 184.
  3. Kilpatrick 2014, pp. 11-25.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]