Kepler-9

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Coordenadas: Sky map 19h 2m 17.76s, +38° 24′ 3.2″

Kepler-9
Representação artística de Kepler-9, incluindo planetas Kepler-9b e c.
Dados observacionais (J2000)
Constelação Lyra
Asc. reta 19h 2m 17.76s
Declinação +38° 24′ 3.2″
Magnitude aparente 13.9[1]
Características
Tipo espectral G2V
Astrometria
Distância 2.120 anos-luz
650[2] pc
Detalhes
Massa 1.07[2] M
Raio 1.02[2] R
Gravidade superficial 4.49 ± 0.09[2]
Temperatura 5777 ± 61[2] K
Metalicidade +0.12 ± 0.04[2]
Idade ~1[2] anos
Outras denominações
KIC 3323887, KOI 377
Lyra constellation map.png

Kepler-9 é uma estrela semelhante ao Sol na constelação de Lyra. Seu sistema planetário, descoberto pela Missão Kepler em 2010 foi o primeiro detectado com o método de trânsito encontrando vários planetas.

Nomenclatura e história[editar | editar código-fonte]

Kepler-9 foi nomeado pela Missão Kepler, um projeto liderado pela NASA, que foi projetado para procurar planetas semelhantes à Terra.[3] Ao contrário de estrelas como Aldebarã ou Sirius, Kepler-9 não tem um nome coloquial.

Em junho de 2010, cerca de 43 dias após Kepler entrar em serviço, seus cientistas apresentaram uma lista com mais de 700 candidatos a exoplanetas para revisão. Destes, cinco foram originalmente suspeitos de ter mais de um planeta. Kepler-9 foi um dos sistemas multi planetários; identificou-se como tal quando cientistas notaram variações significativas nos intervalos de tempo em que Kepler-9 foi transitado.[4] Kepler-9 mantém o primeiro sistema multi planetário descoberto usando o método de trânsito. Também é o primeiro sistema planetário onde transitam planetas que foram confirmados através de trânsito usando método de variações de temporização, permitindo calcular as massas dos planetas.[5] A descoberta dos planetas foi anunciada em 26 de agosto de 2010.[6]

Características[editar | editar código-fonte]

Kepler-9 está localizado na constelação de Lyra, que fica a cerca de 2.120 anos-luz de distância da Terra. Com uma massa de 1.07 M e um raio de 1.02 R, Kepler-9 é quase exatamente o mesmo tamanho e largura do Sol, sendo apenas 7% mais maciço e 2% maior. Kepler-9 tem uma temperatura efetiva de 5777 (± 61) K, em comparação com o Sol que tem 5778 K,[7] e é aproximadamente 32% mais rico em metais do que o Sol. Kepler-9 é mais jovem do que o Sol, e estima-se ter 1 bilhão de anos.[8]

Sistema planetário[editar | editar código-fonte]

Curvas de luz dos planetas em trânsito de Kepler-9.

Há três planetas confirmados, todos em órbita direta. Os dois planetas externos, Kepler-9b (o interno) e Kepler-9c (o externo), são gigantes gasosos de baixa densidade que são, respectivamente, 25% e 17% da massa de Júpiter e cerca de 80% o raio de Júpiter. Ambos os planetas têm uma densidade menor do que a água, semelhante à Saturno. O planeta mais interno, Kepler-9d, é uma super-Terra com um raio que é 1.64 vezes maior que a da Terra,[9] em órbita da estrela a cada 1.6 dias. Estima-se que há uma chance de 0.59% que as descobertas são falsas.[2]

A partir de Kepler-9d (mais próximo à estrela) a Kepler-9b (segundo em orbita da estrela), a proporção de suas órbitas é de 1:12. No entanto, a proporção de das órbitas dos dois planetas é de 1:2, a relação conhecida como ressonância média de movimento. Kepler-9b e Kepler-9c são os primeiros planetas em trânsito detectados em uma configuração com essa orbita.[10] A ressonância faz com que as velocidades orbitais de cada planeta mude, e assim, faz com que os tempos de trânsito dos dois planetas oscile. O período de Kepler-9b está atualmente aumentando em 4 minutos por órbita, enquanto que a de Kepler-9c está diminuindo 39 minutos por órbita. Essas mudanças orbitais permitiram que os massas dos planetas (um parâmetro que normalmente não é obtida através do método de trânsito) a ser estimado através de um modelo dinâmico. As estimativas da massa foram aperfeiçoadas através de medições de velocidade radial obtidas com o instrumento HIRES do Telescópio Keck 1.[10][11]

Kepler-9b e 9c se pensa terem formado além da "linha do gelo". Em seguida, se presume terem migrado para o interior, devido às interações com os restos do disco protoplanetário. Eles teriam sido capturados pela ressonância orbital durante esta migração.[10]

Planeta Massa Raio Período orbital
(dias)
Semieixo
maior

(UA)
Excentricidade
orbital
Inclinação Descoberta
d Desconhecida M 1.64 R 1.592851 0.02730 0 Desconhecida° 2011
b 0.252 ± 0.013 MJ 0.842 ± 0.069 RJ 19.24 0.140 ± 0.001 0 88.55° 2010
c 0.171 ± 0.013 MJ 0.823 ± 0.067 RJ 38.91 0.225 ± 0.001 0 88.12° 2010

Referências

  1. «Notes for star Kepler-9». Extrasolar Planets Encyclopaedia. 2010. Consultado em 9 de maio de 2014 
  2. a b c d e f g h Guillermo Torres; et al. (2010). «Modeling Kepler transit light curves as false positives: Rejection of blend scenarios for KOI-377, and strong evidence for a super-Earth-size planet in a multiple system». The Astrophysical Journal. 727 (24). 24 páginas. Bibcode:2011ApJ...727...24T. arXiv:1008.4393Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/727/1/24 
  3. «Kepler: About the Mission». Kepler Mission. NASA. 2011. Consultado em 9 de maio de 2014 
  4. «NASA's Kepler Mission Discovers Two Planets Transiting Same Star». NASA Jet Propulsion Laboratory. NASA. 26 de agosto de 2010. Consultado em 9 de maio de 2014 
  5. Nancy Atkinson (26 de agosto de 2010). «Kepler Discovers Multi-Planet System». Universe Today. Consultado em 9 de maio de 2014 
  6. «NASA's Kepler Mission Discovers Two Planets Transiting the Same Star». NASA. 16 de agosto de 2010. Consultado em 9 de maio de 2014 
  7. David Williams (1 de setembro de 2004). «Sun Fact Sheet». Goddard Space Flight Center. NASA. Consultado em 9 de maio de 2014 
  8. Torres, Guillermo; Fressin, François (2011). «Modeling Kepler transit light curves as false positives: Rejection of blend scenarios for Kepler-9, and validation of Kepler-9d, a super-Earth-size planet in a multiple system» (PDF). Astrophysical Journal. 727 (24). Bibcode:2011ApJ...727...24T. arXiv:1008.4393Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/727/1/24. Consultado em 20 de março de 2011 
  9. http://www.kepler.nasa.gov/Mission/discoveries/
  10. a b c Matthew J. Holman; et al. (2010). «Kepler-9: A System of Multiple Planets Transiting a Sun-Like Star, Confirmed by Timing Variations». Science. 330 (6000): 51–54. Bibcode:2010Sci...330...51H. PMID 20798283. doi:10.1126/science.1195778 
  11. Alexander, Amir (27 de agosto de 2010). «From the Ground and from Space, New Planetary Systems Unveiled». Planetary Society web site. The Planetary Society. Consultado em 9 de maio de 2014