Kerigma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Kerigma (do grego: κήρυγμα, kérygma) é uma palavra usada no Novo Testamento com o significado de mensagem, pregação, anúncio ou proclamação.

Definição[editar | editar código-fonte]

No Evangelho de Lucas, Jesus vai a uma sinagoga e após ler um texto do livro de Isaías ele se identificou como o Messias prenunciado pelo profeta, aquele que traria as boas novas, ou o Evangelho[1]. A afirmação feita por Jesus nesse momento é conhecida como o kerigma e é a base de sua pregação aos homens.

Em Atos dos Apóstolos, capítulo 2, a partir do versículo 22, Pedro, faz uma declaração de sua fé em Jesus Cristo no dia de Pentecostes, seguindo o modelo do kerygma.[2] Tal confissão inclui o seguinte:

  • Jesus Cristo é o Messias, o Filho de Deus (Atos 2.22);
  • ele esteve morto, ressuscitou e está no céu junto com Deus Pai (Atos 2.23-33), e quem fala presta testemunho "pessoalmente";
  • ele pede conversão (Atos 2.38,39).

No século IV, o kerygma será publicado formalmente no credo Niceno.[3]

Apesar de ter sido efetuado originalmente por Jesus, entende-se que o kerigma se refere a um ato individual que pode ser realizado por qualquer cristão, mesmo sem experiência ou treinamento prévio.

Referências

  1. Evangelho segundo Lucas, capítulo 4, versículos 18 a 21
  2. Schubert M. Ogden, The Understanding of Christian Faith, Wipf and Stock Publishers, USA, 2010, p. 74
  3. J. Gordon Melton, Martin Baumann, Religions of the World: A Comprehensive Encyclopedia of Beliefs and Practices, ABC-CLIO, USA, 2010, p. 634-635