Kevin Carson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Kevin Carson é um anarquista individualista estadounidense, escritor de economia política. Mais recentemente se tornou pesquisador associdado do Center for a Stateless Society; é autor de três livros: The Homebrew Industrial Revolution[1], Organization Theory: A Libertarian Perspective[2] e Studies in Mutualist Political Economy[3]—assunto de um simpósio do Journal of Libertarian Studies[4]. Seus escritos sobre economia política são citados pela amplamente lida FAQ Anarquista[5].

Conhecido em seu meio por teorizar uma versão contemporânea do Mutualismo, anarquismo criado por Proudhon, une elementos do Liberalismo econômico de Ludwig von Mises com os do Socialismo. Ele identificou o trabalho de Benjamin Tucker, Ralph Borsodi, Lewis Mumford e Ivan Illich, como fontes de inspiração para sua abordagem à política e economia[6].

Teorias econômicas[editar | editar código-fonte]

Em seus trabalhos, principalmente em Studies in Mutualist Political Economy, Carson faz uma releitura de importantes referências em economia, como David Ricardo e Karl Marx. Em vez de se prender a espantalhos, como fazem muitos autores, busca por um dialogo entre diferentes (e, a princípio, excludentes) teorias.

Teoria do valor trabalho mutualista[editar | editar código-fonte]

Um exemplo disso é a formulação da teoria do valor-trabalho mutualista, que é uma junção da utilidade marginal austríaca com a teoria do valor de Marx. Em resumo: no curto prazo é a utilidade agregada de um bem que determina seu valor, mas, em mercados libertos, bens reprodutíveis tendem ao custo de produção, que é o trabalho. A ideia é simples, quando o preço de determinado bem está abaixo do custo, isso serve como um desincentivo à produção; o contrário ocorre de forma análoga. O custo é, pois, o valor médio. Enquanto a utilidade é o valor instantâneo. Isso é completamente compatível entre as ideias de Marx e Ricardo com a dos marginalistas.

Imagine um motorista dirigindo em uma estrada cujo limite de velocidade é 100km/h. Ele precisa chegar o mais rápido possível, mas não pode exceder o limite e ser multado. Dificilmente ele manterá exatamente os 100km/h ao longo de todo percurso, e é, então, natural esperar que ele acelere e desacelere conforme sua velocidade varie do limite.

Como em um mercado liberto o capital é descentralizado e as alternativas ao trabalho assalariado não são podadas por meio da força, o custo de um produto resumir-se-ia apenas ao trabalho empenhado na produção. Diferente de Marx, que atribui o valor trabalhado à quantidade de horas trabalhada, Carson lança mão da praxeologia de Mises e deduz a priori que o valor trabalho depende unicamente da desutilidade do trabalho.

A desutilidade do trabalho resume-se a quanto uma pessoa perde de utilidade ao desempenhar tal tarefa. Essa perda pode ser em forma de custo oportunidade, ao trabalhar priva-se do lazer, ou da própria energia despendida naquela função. A grosso modo, o custo - sendo o trabalho - depende exclusivamente de convencer pessoas a trabalharem naquele produto. A desutilidade do trabalho é totalmente subjetiva e pessoal.

Referências

  1. Kevin A. Carson, The Homebrew Industrial Revolution: A Low-Overhead Manifesto (Charleston, SC: BookSurge 2010).
  2. Kevin A. Carson, Organization Theory: A Libertarian Perspective (Charleston, SC: BookSurge 2008).
  3. Kevin A. Carson, Studies in Mutualist Political Economy (Charleston, SC: BookSurge 2007).
  4. Simpósio Temático sobre Estudos em Economia Política Mutualista
  5. "Bibliografia da FAQ Arquivado em 30 de abril de 2009, no Wayback Machine.". An Anarchist FAQ. Infoshop.org. Retrieved May 23, 2009
  6. Kevin A. Carson, Introduction, The Art of the Possible (March 6, 2008).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]