Keyumars

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O manuscrito Épica dos Reis, que apresenta Keyumars enquanto ele instrui os seus oficiais para combater Arimã, o deus das trevas

Keyumars (em persa: کیومرث) é a forma persa do nome Gayō Marətan (que aparece em textos zoroastristas medievais como Gayōmard ou Gayōmart), o nome do primeiro ser humano mitológico no mundo.[1] Outro nome é Kayōmart.

No Épica dos Reis de Ferdusi, ele aparece como o primeiro xá do mundo. Ele também é chamado de pishdād (پيشداد), o primeiro a praticar a justiça, o legislador.

A forma avéstica significa "o mortal vivo", de gaya "vida" e marətan "mortal, ser humano".

Keyumars também é um primeiro nome popular no Irão contemporâneo.

Na literatura zoroastrista[editar | editar código-fonte]

De acordo com o mito da criação zoroastrista, Gayōmart foi o primeiro humano, ou, de acordo com a Avesta, ele foi a primeira pessoa a adorar Ahura Mazda. As formas Avestan Mashya e Mashyana aparecem como os primeiros humanos do sexo masculino e feminino; seus nomes são versões da palavra marətan "mortal".

No oitavo livro do Dencarde, é feita uma referência à secção Chethrdāt da Avesta, que é dividida em 21 secções. Aparentemente, esta secção trata de como o mundo e a humanidade foram criados, incluindo a criação do Gayōmart. Também foram feitas referências à secção Varshtmānsar, que também incluiu informações sobre o Gayōmart, que Ahura Mazda deu a Zoroaster: "Durante 30 séculos, mantive o mundo de corrupção e decaimento, quando o século 30 chegou ao fim, os Dīvs agrediram Gayōmart. Mas finalmente os repeli e mergulhei na escuridão ".

Uma história concisa de Gayōmart de acordo com textos persas do meio é dada por Zabihollah Safa:

Gayōmart Gar-shāh (Rei das Montanhas) foi o primeiro humano Aúra-Masda criado. Antes de Gayōmart chegar, no quinto "Gāh" (Ahura Mazda criou o mundo em seis Gāhs) Gavevagdāt foi criado a partir de lama em Erān-vēdj (que era o meio da Terra) no lado direito do rio "Veh-Dāit" ... No sexto "Gāh" Gayōmart foi criado a partir da lama ... no lado esquerdo de "Veh-Dāit", para ajudar Uhrmazd e ele foi criado como um menino de 15 anos. Eles viveram por 3000 anos em paz e eles não oraram, não comeram e não conversaram, mas Gayōmart estava pensando sobre isso. No final do período de 3000, Ahriman ficou atordoado e não podia fazer nada, Jēh gritou que o acordou ... sobre isso, Ahriman e seus servos os Dīvs lutaram com a luz e no primeiro dia da primavera (1 de Farvardin, o novo ano iraniano) saltou para a terra como um dragão. Ele começou a criar a morte, a doença, a luxúria, a sede, a fome entre as formas de vida e espalhar os seres doentios no mundo (o "Kyrm", que inclui répteis, insetos e roedores)... Na catástrofe, Gavevagdāt morreu (isto também é o símbolo do último ano dando lugar ao novo ano, conforme descrito em relevos de Persépolis). E Ahriman deixou "Astovidat" (A Dīv) para proteger Gayōmart, mas não podia matá-lo porque seu destino ainda não havia chegado ... Desde então ele ali viveu durante 30 anos e, após a morte, caiu no lado esquerdo e seu sémen caiu para o solo, fertilizado pelo sol... e depois de 40 anos cresceu Mashya e Mashyana... " [2]

Na Avesta, Gayōmart é nomeado como puro e justo, e de acordo com a tradição zoroastriana, a genealogia de Zoroastro pode ser rastreada por 45 gerações até ele.

No Épica dos Reis[editar | editar código-fonte]

O grande poema épico de Ferdusi, o Épica dos Reis, começa com a história de Keyumars. Ele foi o primeiro rei a surgir entre os seres humanos, que naquela época moravam em cavernas de montanhas e usavam as peles de leopardos. Keyumars também foi o primeiro humano a introduzir práticas reais, preparação de alimentos e o primeiro praticante de direito e justiça. Ele era tão poderoso que todos os seres humanos, animais domesticados e animais selvagens lhe renderam homenagem. Deus (Aúra-Masda) concedeu a Keyumars o brilho sobrenatural chamado farr (Avestan xvarənah), reservado para reis. Seu filho era Siamaque (سیامک), que era amado por todos, exceto o Diabo, Ahriman, que criou um exército sob o comando de seu próprio filho demoníaco. Quando o anjo Sorush (Avestan Sraoša) advertiu Keyumars, Siamaque liderou um exército próprio. Siamaque aceitou um desafio ao combate único e morreu nas mãos do demónio.

Keyumars lamentou por um ano, e então Sorush aconselhou-o a lutar contra Ahriman mais uma vez. O filho de Siamaque, Huxangue (Avestan Haošyaŋha), cresceu por esse tempo e liderou o exército que derrotou o filho de Ahriman, que foi atado e decapitado. Keyumars morreu após um reinado de trinta anos, deixando seu trono para Huxangue.

Referências

  1. «Keyumars». The Free Dictionary 
  2. Hamase-sarâ’i dar Iran, Tehran 1945 (2000)