Coissãs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Khoisan)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coissãs
San lady botswana.jpg
População total

~ 400,000

Regiões com população significativa
Namíbia, Botsuana e Angola
Línguas
línguas coissãs
Religiões

Coissã ou coisã[1] (khoisan) é a designação unificadora de dois grupos étnicos do sudoeste de África que partilham algumas características físicas e linguísticas distintas da maioria Bantu da África. Esses dois grupos são os sãs, também conhecidos por bosquímanos ou boximanes[2] e que são caçadores-coletores, e os cóis, que são pastores e que foram chamados hotentotes pelos colonizadores europeus. Aparentemente, estes povos têm uma longa história, estimada em vários milhares (talvez dezenas de milhares) de anos, mas agora estão reduzidos a pequenas populações, localizadas principalmente no deserto do Kalahari, na Namíbia, mas também no Botsuana e em Angola.[3]

História[editar | editar código-fonte]

"Coissã ocupados grelhando gafanhotos", pintura de Samuel Daniell de 1805

Os cóis e os sãs atuais podem ser descendentes de povos caçadores-colectores que habitavam toda a África Austral[3] e que desapareceram com a chegada dos bantos a esta região, há cerca de 2000 anos. Não é provável que os bantos tenham exterminado os cóis e os sãs, uma vez que algumas das suas características linguísticas e físicas foram assimiladas por vários grupos bantos, como os xhosas e os zulus. É mais provável que a redução do seu território de caça, derivado da instalação dos agricultores bantos, tivesse sido uma causa para a redução do seu número e da sua área habitada. Até a instalação dos holandeses na África do Sul, há cerca de 200 anos, estes povos ainda povoavam grandes extensões da Namíbia e do atual Botswana.

Estes colonos chamaram os cóis de hotentotes - que significa "gagos" na língua neerlandesa, provavelmente devido à sua língua peculiar. Os sãs foram, por muito tempo, chamados de "bosquímanos", ou seja, "homens do mato", termo emprestado do inglês bushman. Tanto "bosquímanos" quanto "hotentotes" têm, actualmente, uma conotação pejorativa. Os nomes sãs e cóis que se utilizam actualmente são derivados das suas línguas (ver línguas coissãs).

"Portugueses e hotentotes", gravura do livro "Pioneiros na África do Sul", de 1914

No entanto, a palavra hotentote continua a ser utilizada nos nomes de várias plantas e animais da África Austral, tanto nos nomes populares (chorão-das-praias - Carpobrotus edulis, em inglês hottentot fig, "figo hotentote"; ou o toirão-hotentote, Turnix hottentottus) como em nomes científicos, como Turnix hottentottus, o já citado toirão-hotentote; Bolbena hottentotta, uma espécie de louva-a-deus; e Anas hottentota, uma espécie de pato.

Hoje em dia, há uma população sã significativa na Namíbia, onde a sua língua tem um estatuto oficial, sendo utilizada no ensino até ao nível universitário. Comunidades menores existem no Botsuana e no sul de Angola.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Fisicamente, os coissãs são em média mais baixos e esguios que os restantes povos africanos. Além disso, possuem uma coloração de pele amarelada e prega epicântica nos olhos, como os chineses e outros povos do Extremo Oriente. Algumas destas características são agora comuns a outros grupos étnicos sul-africanos, sendo patentes por exemplo em Nelson Mandela.

Uma outra característica física dos coissãs é a esteatopigia das mulheres (grande desenvolvimento posterior das nádegas), que levou a que uma mulher tivesse sido levada para a Europa no século XIX e usada para exibição em feiras, a famosa Vénus Hotentote.

Genética[editar | editar código-fonte]

Os coissãs possuem o mais elevado grau de diversidade do ADN mitocondrial de todas as populações humanas, o que indica que eles são uma das mais antigas comunidades humanas. O seu cromossomo Y também sugere que, do ponto de vista evolucionário, os coissãs se encontram muito perto da "raiz" da espécie humana.

Mapa étnico de Angola em 1970 (áreas onde se encontram núcleos populacionais sãs marcadas a vermelho-escuro)

De acordo com um estudo genético autossômico de 2012, os coissãs podem ser divididos em dois grupos, correspondentes às regiões noroeste e sudeste do Kalahari, os quais se separaram nos últimos 30 000 anos. Todos os indíviduos testados na amostra apresentaram ancestralidades de populações não coissãs, que foram introduzidas no período de há 1200 anos, como resultado da expansão banta. Além disso, os hadzas, um grupo de caçadores-coletores do Leste da África, que também utilizam uma língua baseada em cliques (como a dos coissãs), possuem um quarto de sua ancestralidade vindos de uma população relacionada aos coissãs, revelando uma ligação genética antiga entre o Sul da África e o Leste da África.[4] Ou seja, as populações coissãs de Angola e da Namíbia teriam se separado daquelas da África oriental entre há 25 000 e 40 000 anos.[5]

Menino sã observando um helicóptero. Fotografia de Paul Weinberg.

De acordo com um estudo genético de 2014, eles podem ter sido o maior grupo humano no mundo em termos demográficos no período entre há 120 mil a 30 mil anos.[6][7]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Coissãs

Um estudo genético de 2016 constatou que os coissãs permaneceram relativamente isolados até há 2000 anos.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia (Outono de 2012). «Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?» (PDF). Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40): 28. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  2. Eunice Marta, do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, na pergunta-resposta Boximane e bosquímano e após a consulta de vários dicionários e vocabulários de língua portuguesa chega à conclusão de que, em português, pode-se usar, alternativamente: bosquímanos, boximanes, boxímanes, boximanos, boxímanos, bosquimanos, bosquímanes e bosquimanes.
  3. a b Peter Godwin (fevereiro de 2001). «Os Deuses devem estar loucos». National Geographic. National Geographic Brasil (fevereiro 2001): 72-80 
  4. A genética pré-história da África do Sul, Pickrell et al, 2012, em inglês
  5. Os coissãs divergiram antes da migração para fora da África, 20 de setembro de 2012, em inglês
  6. "Bosquimanos podem ter sido a maior população do mundo" segundo Maurício Tuffani
  7. Khoisan hunter-gatherers have been the largest population throughout most of modern-human demographic history, em inglês
  8. Fine-scale human population structure in southern Africa reflects ecological boundaries, em inglês, 2016

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alan Barnard, Hunters and Herders of Southern Africa: A comparative ethnography of the Khoisan peoples, Athens/Ohio: Ohio University Press, 1992
  • Manuel Viegas Guerreiro, Bochímanes !Khu de Angola, Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1968
  • José Redinha, Etnias e culturas de Angola, Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola, 1975
  • Isaac Schapira, The Khoisan Peoples of South Africa: Bushmen and Hottentots, Londres: Routledge, 1963
  • Andrew Smith e outros, Bushmen of Southern Africa: Foraging societies in transition, Athens/Ohio: Ohio University Press, 2000
  • Filipe Marques Maforte dos Santos, A grande África do Sul e suas maravilhas, São Paulo/Mogi das Cruzes: Colégio Milenium Construtivo, 2020
  • Joseph Kriegeler, Old Bushmens of Southern África, Berlim/Berlim: Kriegindustrie, 2020