Kia Besta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Kia Pregio)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Kia Besta
Visão Geral
Nomes
alternativos
Kia Pregio
Produção 19922006
Fabricante Kia Motors
Modelo
Carroceria Van
Furgão
Ficha técnica
Motor 2.7 diesel e 3.0 diesel
Transmissão 5 marchas
Modelos relacionados H100, Topic
Dimensões
Comprimento 4.820 (versão GS 2.7 da terceira geração), 5.470 (versão GS Grand)
Entre-eixos 2.580 (versão GS 2.7 da terceira geração), 2.980 (versão GS Grand)
Largura 1.810 (versões GS 2.7 da terceira geração GS Grand)
Altura 1.970 (versão GS 2.7 da terceira geração), 2.060 (versão GS Grand)
Peso 1.875 (versão GS 2.7 da terceira geração)
Tanque 65

Besta é um modelo de van que foi produzida pela Kia Motors e vendida no Brasil entre os anos de 1993 e 2005.

Primeira geração brasileira (1989–1993)[editar | editar código-fonte]

A produção dos modelos da primeira geração iniciou, internacionalmente, em 1989; as vendas, no Brasil, começaram em 1993, estendendo-se até 1997. A então desconhecida Kia Motors trouxe para o país o modelo Best-A, que acabou sendo popularizada com o polêmico e inusitado nome “Besta”. A partir de 1994, a Kia Besta praticamente dominou o mercado de vans, se tornando a mais vendida do país.

Kia HiBesta 2.7 EST (model-A).

De 1993 a 1995, as primeiras unidades da Besta tinham visual mais simples e um motor diesel 2.2 litros de 62 cv. No final de 1994, a Besta ganhou uma nova dianteira, novas versões mais completas, e o conhecido motor 2.7 diesel, 4 cilindros de 80 cv e 17.5 kgfm de torque, que permitia à Besta ter um desempenho razoável, indo aos 128 km/h, 0 a 100 km/h em 30 segundos. O câmbio era manual, com 5 marchas.[1]

Segunda geração brasileira (1994-1998)[editar | editar código-fonte]

Terceira geração brasileira (1998-2003)[editar | editar código-fonte]

A terceira geração teve uma completa atualização do modelo (já como modelo 98), com uma nova carroceria, que teve todas as suas dimensões alongadas. Acompanhando a evolução, a Kia também lançou, em abril de 2000, a versão GS Grand, contava com motor 3.0 a diesel e capacidade para levar 16 passageiros.

Quarta geração brasileira (2004-2006)[editar | editar código-fonte]

A sua última geração foi um face-lift da terceira geração. No Brasil, foi vendido apenas a versão Grand 3.0.

Desde sua inserção no mercado brasileiro, a Besta se tornou um sucesso de vendas, sendo o veículo importado mais emplacado do país nos anos de 1997, 1998 e 2001. Esse sucesso, porém, terminou em 2005, quando a Kia parou a produção da Besta, mesmo esta representando mais de 50% do seu faturamento anual naquele ano. Mas a produção do veículo duraria mais um ano.

No Salão Internacional do Automóvel de 1996, a Kia mostrou um modelo da Besta que se transformava em um robô gigante. A atração gerou enormes filas de curiosos durante a 19ª edição do evento.[2]

Referências

  1. «Saiba mais, tudo sobre a Kia Besta de 1993 a 2005. Com fotos, preços e informações | Encontracarros.com». www.encontracarros.com. Consultado em 22 de março de 2017 
  2. «Salão do Automóvel» (PDF). ANFAVEA. 2005. Consultado em 21 de março de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre automóveis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.