Kijŏng-dong

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Kijŏng-dong

기정동

機井洞
North Korean village Kijong-dong.JPEG
O mastro de Panmunjom, com a bandeira da Coreia do Norte.
Apelido(s): Vila da Propaganda
North Korea adm location map.svg
Red pog.svg
Kijŏng-dong
Localização na Coreia do Norte
Coordenadas: 37°56'43"N 126°39'20"E / 37.9453°N 126.6556°E / 37.9453; 126.6556

Kijŏng-dong, Kijŏngdong, ou Kijŏng tong, é uma vila em P'yŏnghwa-ri (hangul: 평화리; hanja: 平和里),[1] Kaesong-si,[2] Coreia do Norte. Ela está situada na região da zona desmilitarizada coreana (ZDC). Também conhecida na Coreia do Norte como Vila da Paz(평화촌hangul: 평화촌; hanja: 平和; MR: p'yŏnghwach'on),[3] é normalmente referida como a "Vila da Propaganda" (선전마을hangul: 선전마을; hanja: 宣傳마을; rr: seonjeon maeul) por aqueles de fora da Coreia do Norte, especialmente pela mídia da Coreia do Sul e do ocidente.[4][5][6][7]

Kijŏng-dong é uma das duas aldeias que receberam permissão para permanecer nos quatro quilômetros de largura de ZDC, sob o armistício de 1953 que encerrou as batalhas da Guerra da Coreia;[8] a outro sendo a vila sul-coreana de Daeseong-dong, há 2,22 km de distância.[9]

História[editar | editar código-fonte]

O mastro da Coreia do Norte na vila fronteiriça de Kijong-dong (a quarta mais alta do mundo, com 160 m de altura), de onde uma bandeira norte-coreana (pesando 270 quilos) é içada perto da Junta de Área de Segurança Conjunta.Área (ASC) da Zona Desmilitarizada Coreana (ZDC) na antiga aldeia de Panmunjom.
Vista de Kijŏng-dong

De acordo com o governo norte-coreano, a aldeia tem uma fazenda coletiva que é administrada e administrada por 200 famílias locais, que são atendidas por creches, escolas primárias e secundárias, juntamente com um hospital.[10] No entanto, de acordo com a Coreia do Sul, a cidade é uma vila desabitada que foi estabelecida durante a década de 1950 em uma tentativa de usar habilidades de propaganda e esforços para encorajar a deserção pro-norte-coreana de pessoas na Coreia do Sul, bem como para abrigar e prover o povoado. As tropas do Exército Popular da Coreia (EPC) da Coreia do Norte ocupam uma ampla e extensa rede de postos de artilharia, fortificações defensivas e centros de comando e controle subterrâneos e bunkers que circundam a zona de fronteira.[11][12]

A vila possui uma série de prédios de pintados com cores vivas e edifícios de apartamentos com poucos andares (muitos construídos em concreto armado), com quase todas as estruturas aparentemente equipadas para e servidas com eletricidade. A pequena cidade foi orientada e posicionada de tal forma que os telhados azul-claros e paredes laterais brancas dos vários prédios residenciais construídos ao lado do enorme mastro da bandeira norte-coreana seriam características particularmente distintas quando vistas do outro lado da fronteira.A capacidade das modernas lentes telescópicas e as imagens mais nítidas levaram, no entanto, à conclusão de que os edifícios da aldeia são simplesmente cascas vazias de concreto e aço, sem vidros nas janelas não têm vidro nem pisos estruturas interiores.[13] As luzes nos prédios e estruturas seriam ligadas e desligadas em horários fixos e pré-determinados, e as calçadas vazias na pequena cidade seriam varrida por zeladores (possivelmente soldados norte-coreanos disfarçados de civis locais) como parte dos esforços das autoridades norte-coreanas para preservar a ilusão de atividade e vida na aldeia.[14]

A vila é cercada por extensos e vastos campos agrícolas cultivados que são claramente visíveis, não apenas para os visitantes do lado norte-coreano da ZDC, mas também para os visitantes do lado sul-coreano.

Mastro da bandeira[editar | editar código-fonte]

Nos anos 80, o governo sul-coreano construiu um mastro de 98,4 metros de altura com uma bandeira  da Coreia do Sul de 130 quilos em Daeseong-dong

O governo norte-coreano respondeu construindo um mastro ainda mais alto, conhecido como Panmunjom, com 160 metros de altura e uma bandeira da Coreia do Norte de 270 kg em Kijŏng-dong, a 1,2 km da linha de demarcação, no que alguns chamam de "guerra dos mastros". Por mais de uma década, o mastro foi o mais alto do mundo. Em 2010, o Panmunjom tornou-se o segundo mastro mais alto do mundo na época, depois do da Praça da Bandeira Nacional em Baku, no Azerbaijão, com 162 m.[15][16] É agora o quarto mastro mais alto do mundo, depois do Mastro de Dushanbe no Tajiquistão, a 165 m, e o Mastro de Jeddah na Arábia Saudita, a 170 m.

Propaganda em alto-falantes[editar | editar código-fonte]

Enormes alto-falantes montados em vários dos edifícios transmitem difusões de propaganda da RPDC dirigidas para o sul. Originalmente, eles exaltavam as virtudes do Norte em grandes detalhes e pediam aos soldados e agricultores descontentes que atravessassem a fronteira para serem recebidos como irmão.[17] Poucos, se algum, aceitaram a oferta,[18] e eles mudaram para discursos anti-ocidentais, óperas agitprop e música patriótica de marcha por até 20 horas por dia. De 2004 a 2016, o Norte e o Sul concordaram em encerrar suas transmissões de alto-falantes.[19] As transmissões foram retomadas em 2016 devido à crescente tensão resultante do teste nuclear de janeiro de 2016,[20] embora o Sul unilateralmente tenha decidido interromper suas transmissões à meia-noite de 22 de abril de 2018, como um gesto de boa vontade dias antes da Conferência intercoreana de 2018 ser realizada, em 27 de abril.[21]

Referências

  1. «Rede de Informação Regional da Coréia do Norte». 북한지역정보넷 (North Korean Human geography) (em coreano) 
  2. P'yŏnghwa-ri belonged to P'anmun-gun (판문군hangul: 판문군; hanja: 板門郡) until the creation of Kaesong Industrial Region in November 2002, when P'anmun-gun was dissolved and its territory divided among Kaesong, Changp'ung-gun and Kaep'ung-gun. P'yŏnghwa-ri joined Kaesong.[ligação inativa]
  3. "Kijungdong, North Korea's Propaganda Village" Arquivado em 2006-11-12 no Wayback Machine. November 12, 2006
  4. "Korean Demilitarized Zone" Globalsecurity.org
  5. «비무장지대 > 기정동 선전마을». TourDMZ.com (em coreano) 
  6. «'This is Freedom Village,' said Sgt Manfull» 
  7. «Travelling into Korea's demilitarised zone: Run DMZ» 
  8. «Cohen: Economic Failure Plagues North Korea» 
  9. «DMZ sixth-graders become graduates» 
  10. A Sightseeing Guide to Korea por Pang Hwon Ju & Hwang Bong Hyok, Foreign Languages Publishing House, Pyongyang, DPRK. 1991
  11. Potts, Rolf. Korea's No-Man's-Land. Salon, February 3, 1999
  12. Sullivan, Kevin. Borderline Absurdity: A Fun-Filled Tour of the Korean DMZ. Washington Post Foreign Service, January 11, 1998.
  13. O'Neill, Tom. "Korea's DMZ: Dangerous Divide". National Geographic, July 2003.
  14. «Day trip to the DMZ: A look inside the Korean Demilitarized Zone». Consultado em 18 de novembro de 2018. Arquivado do original em 5 de setembro de 2009 
  15. «Korea's DMZ: 'Scariest place on Earth'» 
  16. economy.ohmynews.com (em coreano) http://economy.ohmynews.com/articleview/article_blogview.asp?at_code=370439  Em falta ou vazio |título= (ajuda)[ligação inativa]Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  17. «Kijŏng-dong, North Korea « Daily Propaganda». Consultado em 18 de novembro de 2018. Arquivado do original em 1 de março de 2012 
  18. [1][ligação inativa]
  19. «Koreas switch off loudspeakers» 
  20. «What are the Koreas shouting at each other?» 
  21. «South Korea silences loudspeakers that blast cross-border propaganda». The Guardian 
Recordes
Precedido por

_____
O mastro mais alto do mundo

Antes De 1999–Setembro De 2010
Sucedido por

Praça da Bandeira Nacional