Kimberlé Williams Crenshaw

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kimberlé Williams Crenshaw
Nascimento 1959 (60 anos)
Canton
Cidadania Estados Unidos
Etnia Afro-americano
Alma mater Universidade do Wisconsin-Madison, Universidade Cornell, Harvard Law School
Ocupação advogada, professora universitária
Empregador Universidade da Califórnia em Los Angeles, Columbia Law School, Universidade Columbia

Kimberlé Williams Crenshaw (nascida em 1959) é uma defensora dos direitos civis americana e uma das principais estudiosas da teoria crítica da raça. Ela é professora em tempo integral na Faculdade de Direito da UCLA e na Columbia Law School, onde se especializa em questões de raça e gênero.[1] Crenshaw é também fundadora do Centro de Interseccionalidade e Estudos de Política Social da Columbia Law School (CISPS) e do Fórum de Política Afro-Americano (AAPF), bem como do presidente do Centro de Justiça Interseccional (CIJ), com sede em Berlim.[2]

Crenshaw é conhecida pela introdução e desenvolvimento da teoria interseccional, o estudo de como identidades sociais sobrepostas ou interseccionadas, particularmente identidades minoritárias, se relacionam com sistemas e estruturas de opressão, dominação ou discriminação.[3] Sua bolsa de estudos também foi essencial no desenvolvimento do feminismo interseccional como subcategoria da teoria interseccional: examina os sistemas sobrepostos de opressão e discriminação aos quais as mulheres estão sujeitas devido a sua etnia, sexualidade e histórico econômico.[4]

Anos iniciais e educação[editar | editar código-fonte]

Nascida em Canton, Ohio, em 1959, filha de Marian e Walter Clarence Crenshaw Jr.,[5] ela frequentou a Canton McKinley High School. Grtaduou-se como bacharel em estudos governamentais e africanos pela Universidade Cornell[6] em 1981, onde foi membro da sociedade Quill and Dagger.[carece de fontes?]. Recebeu o título de Juris Doctor pela Harvard Law School em 1984 3[7]no ano seguinte, um LL.M. da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin, onde era bolsista William H. Hastie e funcionária da juíza Shirley Abrahamson, da Suprema Corte de Wisconsin.[8][9]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Após a conclusão de seu LL.M, Crenshaw se juntou ao corpo docente da Faculdade de Direito da UCLA em 1986. É uma das fundadoras do campo da teoria crítica da raça, e professora de direitos civis, estudos raciais críticos e direito constitucional.[6] Na UCLA atualmente ensina quatro aulas sem requisitos; seus cursos são: Teoria da Raça Crítica Avançada, Direitos Civis, Perspectivas Interseccionais sobre Raça, Gênero e Criminalização de Mulheres e Meninas, e Raça, Lei e Representação.[10] Em 1991 e 1994, ela foi eleita professora do ano pelos alunos ingressantes [11] Em 1995, Crenshaw foi nomeada professora titular da Columbia Law School, onde é fundadora e diretora do Centro de Estudos de Interseccionalidade e Política Social, criado em 2011..[8][11][12]Na Columbia, os cursos de Kimberlé W. Crenshaw incluem um workshop de interseccionalidades e um workshop deinterseccionalidade centrado em torno dos direitos civis.[13]

Em 1996, ela co-fundou e é diretora executiva do think tank sem fins lucrativos e centro de informações, African American Policy Forum, que se concentra em questões de gênero e diversidade. Sua missão é construir pontes entre a pesquisa acadêmica e o discurso público na abordagem da desigualdade e da discriminação. Crenshaw foi premiada com a cátedra Fulbright para a América Latina no Brasil e, em 2008, recebeu uma bolsa de residente no Centro de Estudos Comportamentais Avançados de Stanford.

Em 1991, ela ajudou a equipe jurídica que representou Anita Hill nas audiências de confirmação do juiz da Suprema Corte Clarence Thomas pelo Senado dos EUA .[14]

Em 2001, escreveu o documento de antecedentes sobre discriminação racial e de gênero na Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Racismo, ajudou a facilitar o acréscimo de gênero na Declaração dessa Conferência e serviu como membro do Comitê Nacional de Pesquisa sobre Violência contra a Mulher da Nationsal Science Foundation e o painel do Conselho Nacional de Pesquisa sobre Pesquisas sobre Violência contra a Mulher. Crenshaw era membro do Grupo de Estratégia Doméstica do Aspen Institute de 1992 a 1995,[15] da Women's Media Initiative,[16] e é comentarista frequente dop programa da rádio pública NPR, The Tavis Smiley Show.[17]

Prémios e distinções[editar | editar código-fonte]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Ela publicou trabalhos sobre direitos civis, teoria legal feminista negra e raça, racismo e direito.

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Critical Race theory: The Key Writings That Formed the Movement, 1 de maio de 1996.[22]
  • Words that Wound: Critical Race Theory, Assaultive Speech and the First Amendment
  • The Race Track:Understanding and Challenging Structural Racism, 30 de julho de 2013
  • Reaffirming Racism:The faulty logic of Colorblindness, Remedy and Diversity, 2013
  • Black Girls Matter: Pushed Out, Over Policed and Under Protected. 2016.[23]
  • Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics and Violence against Women of Color.[24]
  • On Intersectionality: Essential Writings of Kimberlé Crenshaw.[25]


Referências

  1. «Reunion Renews Commitment to William H. Hastie Fellowship Legacy | University of Wisconsin Law School». law.wisc.edu 
  2. «Who we are». www.intersectionaljustice.org 
  3. «Kimberlé Crenshaw on intersectionality: "I wanted to come up with an everyday metaphor that anyone could use"». www.newstatesman.com 
  4. «Kimberlé Crenshaw Explains The Power Of Intersectional Feminism In 1 Minute» (em inglês) 
  5. «Marian Williams Crenshaw's Obituary on The Repository». The Repository 
  6. a b «Race, gender scholar Crenshaw on campus Oct. 16-21 | Cornell Chronicle». news.cornell.edu 
  7. «Kimberlé Williams Crenshaw | Faculty | Columbia Law School». www.law.columbia.edu 
  8. a b c d «Canton native Kimberlé Crenshaw receives legal scholar award». The Repository 
  9. «William H. Hastie Fellowship Program | University of Wisconsin Law School». law.wisc.edu 
  10. «Courses Page». law.ucla.edu 
  11. a b «Columbia University Record» 
  12. «UCLA and Columbia Law Professor Kimberlé Crenshaw to Receive 2016 Fellows Outstanding Scholar Award - American Bar Foundation». www.americanbarfoundation.org 
  13. «Kimberle W. Crenshaw». Columbia Law School (em inglês) 
  14. «Where Are All the Black Feminists in Confirmation?». ELLE 
  15. «Kimberle Crenshaw Named Professor at Columbia Law» 
  16. «Kimberle Crenshaw biography». The African American Policy Forum 
  17. «About the Tavis Smiley Show». The Tavis Smiley Show 
  18. a b «Canton native wins fellowships to study race». The Repository 
  19. «Kimberlé Crenshaw named to Ebony Magazine's 'Power 100'». The Repository 
  20. «UCLA and Columbia Law Professor Kimberlé Crenshaw to Receive 2016 Fellows Outstanding Scholar Award - American Bar Foundation». www.americanbarfoundation.org 
  21. «Kimberlé Crenshaw honored with Gittler Prize | BrandeisNOW». BrandeisNOW (em inglês) 
  22. [1]
  23. [2]
  24. [3]
  25. [4]