Kleber Mendonça Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kleber Mendonça Filho
Kleber Mendonça Filho ao lado da presidente Dilma Rousseff em 2016.
Nome completo Kleber de Mendonça Vasconcellos Filho
Nascimento 1968 (49 anos)
Recife,  Pernambuco
 Brasil
Ocupação Diretor
Produtor
Roteirista
Crítico de cinema
Cônjuge Emilie Lesclaux[1]
IMDb: (inglês)

Kleber de Mendonça Vasconcellos Filho (Recife, 1968) é um diretor, produtor, roteirista e crítico de cinema brasileiro.

Mendonça Filho foi citado pelo jornal britânico Financial Times, em publicação de 2013, como um dos "25 brasileiros que merecem atenção de todo o mundo".[2] Além disso, os seus filmes O Som ao Redor e Aquarius foram incluídos na respeitada lista dos 10 melhores do ano do jornal norte-americano The New York Times.[3][4][5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kleber de Mendonça Vasconcellos Filho nasceu no Recife em 1968. Morou na Inglaterra entre os treze e os dezoito anos, durante o doutorado da mãe. De volta à capital pernambucana, formou-se em jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco. É casado com a cientista política e produtora cinematográfica francesa Emilie Lesclaux e pai dos gêmeos Tomás e Martin.[6][7][8]

Kleber tem um trabalho abrangente como crítico e responsável pelo setor de cinema da Fundação Joaquim Nabuco. Escreveu para o Jornal do Commercio, no Recife, seu site CinemaScópio, Revistas Continente, Cinética e o jornal Folha de S.Paulo.

Como realizador, migrou do vídeo nos anos 90, quando experimentou com ficção, documentário e videoclipes para o digital e o 35mm na década de 2000, realizando A Menina do Algodão (co-dirigido por Daniel Bandeira, 2003), Vinil Verde (2004), Eletrodoméstica (2005), Noite de Sexta Manhã de Sábado (2006), Crítico (2008) e Recife Frio (2009). Seus filmes receberam mais de 120 prêmios no Brasil e no exterior, com seleções em festivais como Nova York, Copenhague e Cannes (Quinzena dos Realizadores).[9]

Os festivais de Roterdã, Toulouse e Santa Maria da Feira já apresentaram retrospectivas dos seus filmes. Sua primeira experiência no longa metragem é o documentário Crítico (2008), realizado ao longo de oito anos.

O Som ao Redor, seu primeiro longa-metragem de ficção, foi o filme brasileiro mais aclamado do ano. O crítico de cinema A. O. Scott, do jornal The New York Times, o apontou como um dos 10 melhores filmes do mundo realizados em 2012.[10] Caetano Veloso, em sua coluna no jornal O Globo, classificou-o como “um dos melhores filmes feitos recentemente no mundo”.[11] O crítico Lucas Salgado, do website AdoroCinema, deu ao filme nota cinco, nota máxima entre os críticos do site, e disse: "o filme fala de forma sutil e utiliza o som de forma pouco vista no cinema mundial". Lucas relatou que o filme é "bonito, divertido, assustador e cativante", e também disse que "não é um filme que precisa gritar para ser ouvido, não precisa de grandes cenas dramáticas para chegar ao seu objetivo ou mesmo para contar uma história".[12]

Em 2016, o delegado geral do Festival de Cannes Thierry Frémaux anunciou o segundo longa-metragem de Kleber Mendonça Filho, Aquarius, como o único filme latino-americano que concorria pela Palma de Ouro, premiação máxima da competição francesa.[13] Aquarius foi assistido por mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo e recebeu indicações a diversos prêmios, entre eles, os dois mais importantes do cinema independente: Independent Spirit Awards e Chlotrudis Awards.[14] Ele também foi indicado a melhor filme estrangeiro no César, o maior prêmio de cinema da França.[15]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • 2016 - Aquarius (longa-metragem)
  • 2015 - A Copa do Mundo no Recife (curta-metragem)
  • 2013 - O Som ao Redor (longa-metragem)
  • 2009 - Recife Frio (curta-metragem)
  • 2008 - Crítico (documentário)
  • 2006 - Noite de Sexta, Manhã de Sábado (curta-metragem)
  • 2005 - Eletrodoméstica (curta-metragem)
  • 2004 - Vinil Verde (curta-metragem)
  • 2002 - A Menina do Algodão (curta-metragem)
  • 1997 - Enjaulado (média-metragem)

Referências

  1. «Emilie Lesclaux e Rachel Ellis: as gringas do cinema pernambucano». Jornal do Commercio. Consultado em 19 de maio de 2016 
  2. «Os 25 brasileiros que merecem atenção, segundo o Financial Times». Consultado em 12 de maio de 2013 
  3. «Filme brasileiro entra em lista de melhores do ano no 'New York Times'». Consultado em 12 de maio de 2013 
  4. «25 Favorites From a Year When 10 Aren't Enough». New York Times. Consultado em 12 de maio de 2013 
  5. «Aquarius e Boi Neon estão entre os melhores do ano do New York Times». AdoroCinema. 7 de dezembro de 2016. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  6. «Equipe de 'Aquarius', de Kleber Mendonça Filho, protesta em Cannes». El País. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  7. «Desmontando o cinema». Pílula Pop. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  8. «Já é de casa». Diario de Pernambuco. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  9. «'O som ao redor' recebe mais dois prêmios de melhor filme». Globo.com. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  10. «In Brazil, a Noisy, Tense Prosperity». New York Times. Consultado em 8 de fevereiro de 2013 
  11. «Belo é o Recife». O Globo. Consultado em 8 de fevereiro de 2013 
  12. «Críticas AdoroCinema - A força do silêncio». AdoroCinema. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  13. «'Aquarius', filme com Sonia Braga, é indicado à Palma de Ouro em Cannes». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2016 
  14. Nogueira, Renata (22 de novembro de 2016). «Kleber Mendonça sobre "Aquarius" no Oscar independente: "Vamos aos poucos"». UOL. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  15. «'Aquarius' é indicado a melhor filme estrangeiro no César, o 'Oscar francês'». G1. 25 de janeiro de 2017. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]