Konstantin Kuzakov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Konstantin Kuzakov
Nascimento 1908
Morte 1996 (88 anos)
Moscou
Cidadania Império Russo, União Soviética, Rússia
Progenitores Pai:Josef Stalin
Ocupação político
Prêmios Ordem da Guerra Patriótica 1ª classe, Ordem da Estrela Vermelha, Ordem da Insígnia de Honra, Medalha "Pela Defesa do Cáucaso", Medalha "Pela Defesa de Moscou"

Konstantin Stepanovich Kuzakov (1911-1996) (em russo: Константин Степанович Кузаков[1]) possivelmente foi o segundo filho ilegítimo de Josef Stalin. A mãe de Konstantin era Maria Kuzákova, que era senhoria de Stalin durante o seu exílio em Solvitchegodsk em 1911, com quem teve um affair. Sua mãe ainda estava grávida quando Stalin deixou o exílio.[2]

Konstantin foi matriculado na Universidade de Leningrado, possivelmente com a ajuda discreta de seu pai. Em 1932, a NKVD o obrigou a assinar uma declaração prometendo nunca revelar a verdade de sua paternidade.[2]

Por um tempo, lecionou filosofia no Instituto Militar Mecânico de Leningrado. Depois, conseguiu um emprego no aparato do Comitê Central em Moscou. Serviu como coronel durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1947, enquanto trabalhava para Andrei Jdanov, um aliado muito próximo de Stalin, ele e seu vice foram acusados ​​de serem espiões americanos. Embora nunca foi oficialmente apresentado ao seu possível pai, Konstantin afirmou que em uma ocasião, enquanto trabalhava no Kremlin: "Stalin parou e olhou para mim e eu sentia que ele queria me dizer alguma coisa. Eu queria correr para ele, mas alguma coisa me parou. Ele acenou com o cachimbo e seguiu em frente." Embora Stalin impediu a sua prisão, ele foi, no entanto demitido do Partido Comunista.[2]

Após a morte de Stalin e a prisão de Lavrentiy Beria, foi restaurado no Partido e no "aparato" soviético, ocupando vários cargos relacionados à cultura, membro da colegiado de Gosteleradio, chefe de um departamento no Ministério da Cultura, etc.[1] Ele faleceu em 1996.

Referências