Noite dos Cristais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Kristallnacht)
Ir para: navegação, pesquisa
Antissemitismo
Judenstern

Antissemitismo e Antijudaísmo
História  · Linha do tempo  · Bibliografia

Manifestações de antissemitismo
Movimentos de antiglobalização  · Árabes  · Cristianismo  · Islamismo  · Nação do Islão e antissemitismo  · Novo antissemitismo  · Antissemitismo racial  · Antissemitismo religioso  · Antissemitismo secundário  · antissemitismonas universidades  · Antissemitismo ao redor do mundo

Alegações
Deicídio · Libelos de sangue · Assassinatos rituais
Envenenamento de poços · Dessacramento de hóstias
Lobby judaico · Bolchevismo judaico · Imposto kosher
Caso Dreyfus
Governo de Ocupação Sionista
Negação do Holocausto

Publicações antissemitas
Sobre os judeus e suas mentiras Os Protocolos dos Sábios de Sião
O Judeu Internacional
Minha luta
La France juive
Zweites Buch
The Secret Relationship Between Blacks and Jews
The Turner Diaries
Hunter (Romance)

Perseguições
Expulsões · Guetos · Pogroms
Chapéu judeu · Judensau
Estrela amarela · Inquisição Espanhola
Segregação · Holocausto
Nazismo · Neonazismo

Oposição ao antissemitismo
Anti-Defamation League
Community Security Trust
Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia  · Instituto Stephen Roth
Wiener Library · SPLC · SWC
UCSJ · SKMA · Yad Vashem

Categorias
Antissemitismo · História judaica

Kristallnacht (Pronúncia em alemão: [kʁɪsˈtalnaχt]), Reichskristallnacht [ˌʁaɪçs.kʁɪsˈtalnaχt], Reichspogromnacht [ˌʁaɪçs.poˈɡʁoːmnaχt], Pogromnacht [poˈɡʁoːmnaχt] ( ouvir) ou Novemberpogrome [noˈvɛmbɐpoɡʁoːmə] ( ouvir), designada em português por Noite dos Cristais, Noite de Cristal ou Noite de Cristal do Reich, foi um pogrom contra os judeus pela Alemanha Nazi na noite de 9–10 de Novembro de 1938, levada a cabo pelas forças paramilitares das SA e por civis alemães. As autoridades alemãs olharam para o acontecimento sem, no entanto, intervir.[1][2] O nome Kristallnacht deve-se aos milhões de pedaços de vidro partidos que encheram as ruas depois das janelas das lojas, edifícios e sinagogas judaicas terem sido partidas .[3]

As estimativas sobre o número de vítimas causadas pela violência variam. Os primeiros relatos indicavam que 91 judeus tinham sido mortos durante os ataques.[3] Mais recentemente, as análises ao progrom efectuadas a documentos académicos feitas por historiadores como Richard J. Evans, refere um valor mais elevado. Quando se inclui as mortes posteriores, devido a mal-tratos, dos judeus detidos, e suicídios, o número de mortos ascende a centenas. Para além das vitimas mortais, cerca de 30 000 judeus foram detidos e enviados para campos de concentração.[3]

As casas dos cidadãos judeus, hospitais e escolas foram pilhados e deitados abaixo pelos atacantes com o recurso a marretas.[4] Mais de mil sinagogas foram incendiadas (95 só em Viena) e mais de sete mil negócios foram destruídos ou danificados.[5][6] Martin Gilbert escreve que mais nenhum acontecimento na história dos judeus alemães entre 1933 e 1945 foi tão difundido à medida que ia acontecendo, e os relatos dos jornalistas estrangeiros a trabalhar na Alemanha causaram ondas de choque em todo o mundo.[4] O Times escreveu na altura: "Nenhum propagandista estrangeiro se dedicou a enegrecer a Alemanha antes que o mundo pudesse superar o número de incêndios e espancamentos, de assaltos violentos a pessoas indefesas e inocentes, que desonraram aquele país ontem."[7]

O pretexto para os ataques foi o assassinato do diplomata alemão Ernst vom Rath por Herschel Grynszpan, um polaco judeu nascido na Alemanha a viver em Paris. À Noite de Cristal seguiram-se perseguições económicas e politicas aos judeus, vistas pelos historiadores como uma parte da mais abrangente política racial da Alemanha nazi, e o início da Solução Final e do Holocausto.

[8]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Primeiras perseguições nazis[editar | editar código-fonte]

Na década de 1920, muitos judeus alemães foram integrados na sociedade alemã como cidadãos alemães. Serviram no exército e na marinha, e contribuíram em todos os sectores empresariais alemães, na ciência e na cultura.[9] As condições para os judeus começaram a mudar depois da nomeação de Adolf Hitler (líder do Partido Nazi nascido na Áustria) para Chanceler da Alemanha em 30 de Janeiro de 1933, e da Lei de assumpção de poderes (23 de Março de 1933) por Hitler depois do incêndio do Reichstag em 27 de Fevereiro de 1933.[10][11] Logo no seu início, o regime de Hitler rapidamente começou a desenvolver alterações para introduzir políticas anti-judaicas. A propaganda nazi apontou o dedo a cerca de 500 000 judeus na Alemanha, representantes de apenas 0,86% da população, como o inimigo responsável pela derrota alemã na Primeira Guerra Mundial e pelo desastre económico que se lhe seguiu, como a hiper-inflação da década de 1920, e o Crash de Wall Street e a Grande Depressão.[12] Iniciado em 1933, o governo alemão redigiu uma série de leis anti-judeus restringindo os direitos dos judeus alemães a ganhar o seu próprio sustento, de usufruírem de cidadania plena e de acederem à educação, incluindo a Lei da Restauração do Serviço Público Profissional de 7 de Abril de 1933, que proibia os judeus de trabalhar na função pública.[13] As leis seguintes, datadas de 1935, Leis de Nuremberga, retiraram a cidadania aos judeus alemães e proibiam-nos de casar com não-judeus alemães.

Estas leis tiveram como resultado a exclusão dos judeus da vida social e política da Alemanha.[14] Muitos procuram asilo no estrangeiro; centenas de milhares emigraram, mas como Chaim Weizmann escreveu em 1936: "O Mundo parecia estar dividido em duas partes—aqueles lugares onde os judeus não podiam viver, e aqueles onde não podiam entrar."[15] Na Conferência de Évian a 6 de Julho de 1938, foi discutida a questão da imigração dos judeus e dos ciganos para outros países. Na altura em que a conferência teve lugar, mais de 250 000 judeus já tinham fugido da Alemanha e da Áustria (que tinha sido anexada pela Alemanha em Março de 1938); mais de 300 000 judeus alemães e austríacos continuaram a procurar refúgio e asilo derivada da opressão. À medida que o número de judeus e de ciganos desejosos de fugir aumentava, as restrições contra eles cresceu, com muitos países a restringir as suas políticas de admissão de refugiados. Em 1938, a Alemanha "tinha entrado numa nova fase de actividade anti-semita".[16] Alguns historiadores acreditam que o governo nazi tinha planeado novas operações de violência contra os judeus, e estavam à espera de serem provocados; existem evidências destes planos em 1937.[17] Numa entrevista de 1997, o historiador alemão Hans Mommsen afirmou que uma das principais motivações para o pogrom era o desejo por parte dos Gauleiters do NSDAP de se apropriarem dos bens e dos negócios dos judeus.[18] Mommsen disse:

A necessidade de dinheiro que a organização do partido tinha, vinha do facto de o o tesoureiro do partido, Franz Xaver Schwarz, manter as organizações regionais do partido com pouco dinheiro em caixa. No Outono de 1938, a pressão crescente sobre os bens judeus, alimentou a ambição do partido, em especial desde que Hjalmar Schacht foi nomeado ministro da Economia do Reich. Isto, contudo, era apenas um aspecto da origem do progrom de Novembro de 1938. O governo polaco ameaçou extraditar todos os judeus que eram cidadãos polacos, mas que ficariam na Alemanha, criando, assim, um fardo de responsabilidade do lado alemão. A reacção imediata da Gestapo foi empurrar os judeus polacos—16 000 pessoas—para a fronteira, mas esta medida fracassou devido à teimosia das autoridades alfandegárias polacas. A perda de prestígio devido ao cancelamento desta operação forçou um pedido de de compensação. Assim, a reacção radical ao ataque de Herschel Grynszpan contra o diplomata Ernst vom Rath resultou no progrom de Novembro. Os antecedentes do progrom ficaram marcados por uma significativa oposição de interesses entre as diferentes agências do partido e do Estado. Enquanto o Partido Nazi estava interessado em melhorar a sua força financeira ao nível local e regional, apropriando-se dos bens judeus, Hermann Göring, responsável pelo Plano de Quatro Anos, esperava ganhar acesso às divisas estrangeiras para poder pagar as importações de matérias-primas. Heydrich e Himmler tinham interesse em promover a emigração judaica".[18]

A liderança sionista na Palestina escreveu em Fevereiro de 1938 que de acordo com "uma fonte privada muito segura—a qual pode ser encontrada nas mais altas instâncias da liderança SS", havia "uma intenção de colocar em prática um verdadeiro e genuíno pogrom na Alemanha, em larga escala, num futuro próximo".[19]

Expulsão dos judeus polacos da Alemanha[editar | editar código-fonte]

Judeus polacos expulsos da Alemanha em Outubro de 1938

Em Agosto de 1938, as autoridades alemãs anunciaram que as permissões de residência para estrangeiros estavam a ser canceladas e teriam que ser renovadas. Nos estrangeiros incluíam os judeus nascidos na Alemanha mas de origem exterior. Um polaco disse que não seria aceites judeus de origem polaca depois de Outubro. Na chamada Polenaktion, mais de 12 000 judeus polacos, entre os quais o filósofo e teólogo rabi Abraham Joshua Heschel, e o futuro crítico literário Marcel Reich-Ranicki, foram expulsos da Alemanha em 28 de Outubro de 1938, por ordem de Hitler. Receberam ordens para abandonar as suas casas nessa mesma noite, e apenas tinham direito a levar uma mala por pessoa para levar os seus pertences. À medida que os judeus eram expulsos, os seus bens deixados para trás eram confiscados tanto pelas autoridades nazis como pelos seus vizinhos.

Os deportados eram levados desde as suas casas para estações ferroviárias e colocados dentro de comboios que iam até à fronteira com a Polónia, onde os guardas polacos os enviavam de volta, através do rio, para a Alemanha. Este impasse continuou durante vários dias, debaixo de chuva torrencial, com os judeus a marchar sem comida ou abrigo entre as fronteiras. Cerca de quatro mil tiveram autorização para passar para a Polónia, mas cerca de oito mil foram forçados a ficar na fronteira. Ali aguardaram em condições muito complicadas para receberem autorização para entrar na Polónia. Um jornal britânico escreveu aos seus leitores que centenas [de pessoas] "estão espalhadas no terreno, sem dinheiro e sem ajuda, em pequenas aldeias ao longo da fronteira para onde tinham sido levadas pela."[20] As condições nos campos de refugiados "eram tão más que alguns tentaram fugir para a Alemanha e foram mortos", recorda uma mulher britânica que tinha sido enviada para ajudar os que tinham sido expulsos.[21]

Atentado contra Ernst vom Rath[editar | editar código-fonte]

Herschel Grynszpan, 7 de Novembro de 1938

Entre aqueles que foram expulsos encontrava-se a família de Sendel e Riva Grynszpan, judeus polacos que tinham emigrado para a Alemanha em 1911 e estabelecido a sua vida em Hanôver. No julgamento de Adolf Eichmann em 1961, Sendel Grynszpan recordou os acontecimentos sobre a sua deportação de Hanôver na noite de 27 de Outubro de 1938: "E então puseram-nos em carros da polícia, em camionetas de prisioneiros, cerca de 20 homens em cada veículo, e levaram-nos para a estão de comboios. As ruas estavam cheias de pessoas a gritar: Juden raus! Auf nach Palästina!" ("Fora com os judeus! Para a Palestina!").[22] O seu filho de 17 anos de idade Herschel vivia em Paris com um tio.[8] Herschel recebeu um postal da sua família a partir da fronteira polaca, descrevendo a expulsão da família: "Ninguém nos disse o que estava a acontecer, mas apercebemos-nos que que ia ser o nosso fim ... Não temos um tostão. Podes enviar-nos alguma coisa?"[23] Ele recebeu o postal em 3 Novembro de 1938.

Na manhã de segunda-feira, 7 de Novembro de 1938, comprou um revólver e uma caixa de balas, depois dirigiu-se para a embaixada alemã e pediu para ver um responsável pela embaixada. Após ser levado para o gabinete de Ernst vom Rath, Grynszpan disparou cinco tiros contra Vom Rath, dois dos quais o atingiram no abdómen. Vom Rath era um diplomata do Ministérios das Relações Exteriores que tinha tinha uma opinião anti-nazi, por causa do tratamento que os nazis davam aos judeus, e estava sob a investigação da Gestapo por ser politicamente pouco confiável.[24] Grynszpan não tentou escapar da polícia francesa e confessou livremente os disparos. No seu bolso, tinha um postal para a sua família com a mensagem: "Que Deus me perdoe ... Tenho que protestar assim para que todo o mundo oiça o meu protesto, e que o vou fazer."

No dia seguinte, o governo alemão retaliou, proibindo as crianças judias das escolas básicas alemãs de as frequentarem, suspendendo as actividades culturais dos judeus, e proibindo a publicação dos jornais e revistas judeus, incluindo os três jornais nacionais alemães judeus. Um jornal do Reino Unido descreve a última acção, que impôs uma barreira entre a população e os seus líderes, como "tendo a intenção de criar a desordem na comunidade judaica e quebrar os últimos laços que a unem.."[12] Os seus direitos como cidadãos tinham acabado.[25]

Pogrom[editar | editar código-fonte]

Morte de Ernst vom Rath[editar | editar código-fonte]

Telegrama enviado por Reinhard Heydrich, 9 de Novembro de 1938

Ernst vom Rath morreu dos ferimentos a 9 de Novembro. As notícias da sua morte chegaram a Hitler nessa noite enquanto jantava com elementos-chave do Partido Nazi num jantar comemorativo do Putsch da Cervejaria em 1923. Após intensas discussões, Hitler deixou o jantar repentinamente sem efectuar o seu discurso habitual. O ministro da Propaganda Joseph Goebbels fez esse discurso, em seu lugar, e disse que "o Führer decidiu que... as demonstrações não devem ser preparadas ou organizadas pelo partido, mas devem acontecer de forma espontânea, não podem ser prejudicadas."[26] O chefe do partido Walter Buch afirmaria mais tarde que essa mensagem era clara; com estas palavras, Goebbels tinha dado ordens aos chefes do partido para organizar um pogrom.[27]

Algumas das chefias do partido discordaram das acções de Goebbels, temendo a crise diplomática que elas provocariam. Heinrich Himmler escreveu: "Suponho que isso seja da megalomania de Goebbels...e da estupidez que são responsáveis por dar início a esta operação agora, num momento particularmente difícil na diplomacia."[28] O historiador israelita Saul Friedländer acredita que Goebbels tinha razões pessoais para ir em frente com a Kristallnacht. Goebbels tinha passado, recentemente, pela humilhação de a sua campanha de propaganda durante a crise nos Sudetas ter sido ineficaz, e encontrava-se a passar por uma crise no relacionamento com a actriz checa Lída Baarová. Goebbels precisava de uma oportunidade para ficar bem visto aos olhos de Hitler. À 1h20 do dia 10 de Novembro de 1938, Reinhard Heydrich enviou um telegrama urgente e secreto à Sicherheitspolizei (Polícia de Segurança) e às Sturmabteilung (SA), com instruções acerca dos motins. Incluía as linhas gerais para a protecção dos negócios estrangeiros não-judeus e propriedades. A polícia recebe ordens para não interferir nos motins a não ser que as instruções fossem violadas. A polícia também foi instruída para recolher os arquivos das sinagogas e dos escritórios comunitários judeus, e para prender "os judeus adultos saudáveis, que não sejam muito velhos", para serem transferidos para campos de concentração.[29]

Referências

  1. "'German Mobs' Vengeance on Jews", The Daily Telegraph, 11 de Novembro de 1938, citado em Gilbert, Martin. Kristallnacht: Prelude to Destruction. Harper Collins, 2006, p. 42.
  2. United States Holocaust Memorial Museum
  3. a b c "World War II: Before the War", The Atlantic, 19 de Junho de 2011. "As janelas das lojas dos judeus as quais foram partidas durante uma acção coordenada anti-judeus em Berlim, conhecida como Kristallnacht, a 1o de Novembro de 1938. As autoridades nazis fecharam os olhos quando as membros das SA e civis destruíram as janelas com martelos, deixando as ruas cobertas de pedaços de vidro. Algumas fontes estimam que 91 judeus foram mortos e 30 000 homensn judeus foram levados para campos de concentração."
  4. a b Gilbert, pp. 13–14.
  5. Berenbaum, Michael & Kramer, Arnold (2005). The World Must Know. United States Holocaust Memorial Museum. p. 49.
  6. Gilbert, pp. 30–33.
  7. "Um Dia Negro para a Alemanha", The Times, 11 de Novembro de 1938, citado em Gilbert, p. 41.
  8. a b Multiple authors (1998). «Kristallnacht». The Hutchinson Encyclopedia 1998 edition. Col: Hutchinson Encyclopedias. 1998 18 (1998) ed. England: Helicon Publishing. p. 1199. ISBN 1-85833-951-0 
  9. Goldstein, Joseph (1995). Jewish History in Modern Times. Sussex Academic Press. pp. 43–44. ISBN 978-1-898723-06-6.
  10. Trueman, Chris. «Nazi Germany - dictatorship». Consultado em 12 de Março de 2008 
  11. «Hitler's Enabling Act». Consultado em 12 de março de 2008 
  12. a b Gilbert, p. 23.
  13. Cooper, R.M. (1992). Refugee Scholars:Conversations with Tess Simpson. Leeds: [s.n.] p. 31 
  14. «The Holocaust». Consultado em 12 de Março de 2008 
  15. Manchester Guardian, 23 de Maio de 1936, citado em Island Refuge, Britain and the Refugees from the Third Reich, 1933–1939 de A.J. Sherman, (Londres, Elek Books Ltd, 1973), p. 112, e também em The Evian Conference — Hitler's Green Light for Genocide, de Annette Shaw
  16. Johnson, Eric. The Nazi Terror: Gestapo, Jews and Ordinary Germans. United States: Basic Books, 1999, p. 117.
  17. Friedländer, Saul. Nazi Germany and The Jews, volume 1: The Years of Persecution 1933–1939, London: Phoenix, 1997, p. 270
  18. a b Mommsen, Hans (12 de Dezembro de 1997). «Interview with Hans Mommsen» (PDF). Yad Vashem. Consultado em 6 de Fevereiro de 2010 
  19. Georg Landauer para Martin Rosenbluth, 8 de Fevereiro de 1938, citado em Friedländer, loc. cit.
  20. «Expelled Jews' Dark Outlook». Newspaper article. London: The Times. 1 de Novembro de 1938. Consultado em 12 de Março de 2008 
  21. "Recollections of Rosalind Herzfled," Jewish Chronicle, 28 September 1979, p. 80; citado em Gilbert, The Holocaust—The Jewish Tragedy, Londres: William Collins Sons & Co. Ltd, 1986.
  22. Hannah Arendt, Eichmann in Jerusalem, p. 228.
  23. German State Archives, Potsdam, citado por Rita Thalmann e Emmanuel Feinermann, Crystal night, 9–10 November 1938, pp. 33, 42.
  24. William L. Shirer, The Rise And Fall Of The Third Reich, p. 430.
  25. "Nazis Planning Revenge on Jews", News Chronicle, 9 de Novembro de 1938
  26. Friedländer, op.cit., p. 268.
  27. Walter Buch para Goring, 13.2.1939, Michaelis e Schraepler, Ursachen, Vol.12, p. 582 como citado em Friedländer, p. 271.
  28. Graml, Anti-Semitism, p. 13 citado em Friedländer, op.cit., p 272
  29. "Heydrich's secret instructions regarding the riots in November 1938", (Simon Wiesenthal Center)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em inglês
  • Browning, Christopher R. (2003). Collected memories: Holocaust history and postwar testimony. Col: George L. Mosse Series in Modern European Cultural and Intellectual History. Madison: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-18984-8 
  • Friedlander, Saul (1998). Nazi Germany and the Jews : Volume 1: The Years of Persecution 1933-1939. New York, NY: Perennial. ISBN 0-06-092878-6 
  • Gilbert, Martin (1986). The Holocaust: the Jewish tragedy. London: Collins. ISBN 0-00-216305-5 
  • Johnson, Eric J. (1999). Nazi terror: the Gestapo, Jews, and ordinary Germans. New York: Basic Books. ISBN 0-465-04906-0 
  • Mosse, George L. (1978). Toward the Final Solution: A History of European Racism. New York: Howard Fertig. ISBN 0-86527-941-1 
    • Mosse, George L. (2000). Confronting history: a memoir. Madison: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-16580-9 
    • Mosse, George L. (2003). Nazi culture: intellectual, cultural and social life in the Third Reich. Madison: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-19304-7 
    • Mosse, George L. (1999). The Crisis of German Ideology : Intellectual Origins of the Third Reich. New York: Howard Fertig. ISBN 0-86527-426-6 
  • Schwab, Gerald (1990). The day the Holocaust began: the odyssey of Herschel Grynszpan. New York: Praeger. ISBN 0-275-93576-0 
  • Shirer, William L. (1990). The Rise and Fall of the Third Reich. New York: Simon & Schuster. ISBN 0-671-72868-7 
  • Yahil, Leni (1990). The Holocaust: the fate of European Jewry, 1932-1945. Oxford [Oxfordshire]: Oxford University Press. ISBN 0-19-504523-8 
  • Dawidowicz, Lucy (1991 (Re-issue)). The War Against the Jews: 1933-1945. UK: Bantam. ISBN 978-0553345322  Verifique data em: |ano= (ajuda)
Em alemão
  • Hans-Dieter Arntz "Reichskristallnacht". Der Novemberpogrom 1938 auf dem Lande - Gerichtsakten und Zeugenaussagen am Beispiel der Eifel und Voreifel, Helios-Verlag, Aachen 2008, ISBN 978-3-938208-69-4
  • Doscher, Hans-Jurgen (1988). Reichskristallnacht: Die Novemberpogrome 1938 (em alemão). [S.l.]: Ullstein. ISBN 978-3-550-07495-0 
  • Kaul, Friedrich Karl; Herschel Feibel Grynszpan (1965). Der Fall des Herschel Grynszpan (em alemão). Berlin: Akademie-Verl  ISBN Unknown. ASIN B0014NJ88M. Available at Oxford Journals (PDF)
  • Korb, Alexander (2007). Reaktionen der deutschen Bevölkerung auf die Novemberpogrome im Spiegel amtlicher Berichte (em alemão). Saarbrücken: VDM. ISBN 978-3-8364-4823-9 
  • Lauber, Heinz (1981). Judenpogrom: "Reichskristallnacht" November 1938 in Grossdeutschland : Daten, Fakten, Dokumente, Quellentexte, Thesen und Bewertungen (Aktuelles Taschenbuch) (em alemão). [S.l.]: Bleicher. ISBN 3-88350-005-4 
  • Pätzold, Kurt & Runge, Irene (1988). Kristallnacht: Zum Pogrom 1938 (Geschichte) (em alemão). Köln: Pahl-Rugenstein. ISBN 3-7609-1233-8 
  • Pehle, Walter H. (1988). Der Judenpogrom 1938: Von der "Reichskristallnacht" zum Volkermord (em alemão). Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch Verlag. ISBN 3-596-24386-6 
  • Schultheis, Herbert (1985). Die Reichskristallnacht in Deutschland nach Augenzeugenberichten (Bad Neustadter Beitrage zur Geschichte und Heimatkunde Frankens) (em alemão). Bad Neustadt a. d. Saale: Rotter Druck und Verlag. ISBN 3-9800482-3-3 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Noite dos Cristais