Krynki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Krynki
Krynki
POL Krynki flag.svg POL Krynki COA.svg
Krynki od strony Kruszynian 2018.jpg
Krynki vista do sul, à direita, pode-se ver a igreja da Natividade da Santa Mãe de Deus
Voivodia Podláquia
Powiat Sokółka
Gmina Krynki
Área 3,85 km²
População (2016) 2 470[1][2] habitantes
Densidade 644,9 hab/km²
Código telefônico +48 85
Matrículas de automóveis BSK
Localização
Localização de Krynki na Polónia 53° 15' 55,00" N 23° 46' 19,89" E
Cidade da Polónia Flag of Poland.svg

Krynki é um município da Polônia, localizada no planalto de Białystok, no rio Krynka, na voivodia da Podláquia, condado de Sokółka e sede da comuna de Krynki. Estende-se por uma área de 3,85 km², com 2 470 habitantes, segundo os censos de 2016, com uma densidade de 644,9 hab/km².[1][2]

Krynki recebeu um foral de cidade antes de 1518, degradado em 1950.[3] A cidade real, fundada antes de 1518, estava localizada no condado de Grodno, na Voivodia de Troki do Grão-Ducado da Lituânia.[4]

Era o local de reunião das assembleias da terra da voivodia de Miecislau em 1659.[5]

Entre 1975 e 1998, a cidade pertenceu administrativamente à voivodia de Białystok.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1429, a corte de um duque foi construída na estrada que liga Cracóvia a Grodno. Em 1434, uma reunião de Ladislau II Jagelão com o grão-duque lituano Sigismundo Kęstutaitis foi organizada na corte de Kryński. Em 1509, Sigismundo I deu a Krynki um brasão de armas e em 1522 fundou uma igreja. Os direitos de cidade foram concedidos em 1569 (ou os direitos concedidos no início do século foram confirmados). A cidade estava se desenvolvendo dinamicamente. No final do século XVI, a Cidade Velha e a Nova foram diferenciadas, foram criadas aldeias - subúrbios. Krynki estava localizada na zona econômica de Grodno.

Vários exércitos passaram por Krynki muitas vezes. Em 1706, durante a Grande Guerra do Norte, o rei da Suécia, Carlos XII pernoitou na cidade.

Desde o início do século XVI, os judeus começaram a se estabelecer em Krynki. Em 1639, eles receberam o privilégio de construir uma sinagoga, cemitério e mikvá, além de desenvolver comércio, construir tabernas e produzir bebida alcoólica. Em 1789, cerca de 700 judeus viviam na cidade. A comunidade judaica local era maior do que a de Białystok e era uma das mais numerosas nessa parte do país. Na segunda metade do século XVIII, o famoso reformador Antoni Tyzenhauz tornou-se o administrador da economia de Grodno. Graças a ele, a cidade foi reconstruída, dando-lhe um traçado espacial original com uma praça de mercado hexagonal (praça estrelada) e doze ruas irradiando dela. Este sistema foi preservado até hoje e é a única praça desse tipo na Polônia. Após as Partições da Polônia, Krynki chegou a pertencer à partição russa.

No século XIX, a indústria se desenvolveu na cidade. As fábricas têxteis foram criadas, principalmente por judeus e alemães da Polônia do Congresso. A maior oficina foi a Lipharta (fundada em 1860), empregando 106 operários. O desenvolvimento da indústria causou um rápido aumento no número de habitantes - para 3 336 em 1878. Mais de 80% eram judeus. A crise econômica da década de 1880 causou o declínio dos têxteis, enquanto contribuiu para o desenvolvimento do curtimento. A população aumentou constantemente, chegando a 10 000 em 1914 (90% eram judeus). Inúmeras organizações judaicas foram estabelecidas. Havia várias chêderes (escolas na qual meninos judeus, a partir de três anos de idade, são iniciados no aprendizado do alfabeto hebraico e nos estudos da Torá) e uma yeshivá (ensino médio) em Krynki.

Na virada do século, um forte movimento operário se desenvolveu na cidade, a cidade se tornou um foco inflamatório dos movimentos grevistas. Em 1905, trabalhadores de curtumes tomaram conta da cidade por vários dias, proclamando a República de Krynecka.

Após a Primeira Guerra Mundial, a cidade teve dificuldade para se reconstruir. Um grande grupo de judeus partiu para a América e a Palestina. A população caiu pela metade.

Segundo o censo de 1921, 5 206 pessoas viviam na cidade, das quais 886 eram católicas romanas, 801 ortodoxas, 6 evangélicas, 1 católica grega e 3 495 judeus, 3 maometanos e 17 não-confessionais. Ao mesmo tempo, 1 083 habitantes declararam nacionalidade polonesa, 703 bielorrussa, 1 alemã, 3 400 judia, 17 russa, 1 georgiana e 1 lituana. Havia 734 edifícios residenciais aqui.[6]

Durante a Invasão da Polônia, o 13.º Esquadrão ficou estacionado na cidade.[7]

Após dois anos de ocupação soviética, em junho de 1941 a cidade foi ocupada pelos alemães. Cerca de 6 000 judeus passaram pelo gueto criado na cidade.[8] Em 2 de novembro de 1942, aproximadamente 5 000 judeus de Krynki foram levados para um campo de trânsito em Kiełbasin, perto de Grodno.[8][9] O gueto residual foi liquidado em 24 de janeiro de 1943.[8] Os judeus de Krynki foram enviados para o campo de extermínio de Treblinka.[9]

Entre 21 e 24 de julho de 1944, o 35.º Corpo do 3.º Exército soviético, comandado pelo Major General Wiktor Żołudiew, lutou para conquistar as posições de defesa alemã fortificadas em Krynki e arredores. Durante a inspeção da primeira linha de tropas atacantes, os veículos de comando do Corpo caíram sob o fogo da artilharia alemã, como resultado, o comandante do Corpo e vários oficiais e soldados acompanhantes foram mortos. Como resultado dos combates, o 3.º Corpo, apoiado por forças do 40.º Corpo do Tenente General Kuznetsov, libertou a cidade.[10]

A cidade destruída nunca recuperou seu antigo esplendor. Em 1950, ela foi privada dos direitos de cidade, que só foram restaurados em 2009.[11] Os habitantes de Krynki trabalham principalmente com a agricultura. A cidade é conhecida na região pela produção de água de nascente.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Pirâmide etária dos habitantes de Krynki em 2014.[12]
Piramida wieku Krynki.png

Monumentos históricos[editar | editar código-fonte]

  • Igreja ortodoxa da Natividade da Mãe de Deus - paroquial, de tijolos, construída em 1864
  • Igreja católica de Santa Ana - paroquial erguida em 1907-1913, de acordo com o projeto de Stefan Szyller
  • Campanário do século XVIII - o edifício mais antigo de Krynki
  • Cemitério judeu
  • Capela ortodoxa de Santo Antão - cemitério, de madeira
  • Sinagoga hassídica de Słonim - construída na segunda metade do século XIX, agora um armazém, uma das poucas sinagogas hassídicas preservadas e independentes na Polônia.
  • Sinagoga caucasiana - construída em 1850, agora o Centro de Cultura e Esporte da Comunidade.
  • Antiga sinagoga
  • Grande sinagoga - atualmente permanece em ruínas.

Na parte central de Krynki existe uma rotatória original, apenas uma na Polônia e uma das duas no mundo (a segunda em Paris), que irradia 12 ruas.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Krynki (Podláquia) mapas, imobiliário, GUS, acomodações, escolas, região, atrações, códigos postais, desemprego, salário, ganhos, educação, tabelas, demografia, jardins de infância». Polska w liczbach (em polonês). Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  2. a b GUS. «Área e população no perfil territorial em 2016». stat.gov.pl (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  3. Robert Krzysztofik, Lokacje miejskie na obszarze Polski. Dokumentacja geograficzno-historyczna, Katowice 2007, p. 44-45.
  4. Stanisław Alexandrowicz (1970). Geneza i rozwój sieci miasteczek Białorusi i Litwy do połowy XVII w. 7. [S.l.]: Acta Baltico‑Slavica. 92 páginas 
  5. Wojciech Kriegseisen, Sejmiki Rzeczypospolitej szlacheckiej w XVII i XVIII wieku, Varsóvia 1991, p. 33, na czas okupacji rosyjskiej sejmiki województwa mścisławskiego przeniesiono z Mścisławia do Krynki
  6. Skorowidz miejscowości Rzeczypospolitej Polskiej: opracowany na podstawie wyników pierwszego powszechnego spisu ludności z dn. 30 września 1921 r. i innych źródeł urzędowych. [S.l.: s.n.] 1924. 30 páginas 
  7. Pawlak, Jerzy. (1989). Polskie eskadry w latach 1918-1939 Wyd. 1 ed. Varsóvia: Wydawnictwa Komunikacji i Łączności. OCLC 21151505 
  8. a b c Pilichowski, Czesław.; Główna Komisja Badania Zbrodni Hitlerowskich w Polsce.; Rada Ochrony Pomników Walki i Męczeństwa (Polônia); DSP) (1979). Obozy hitlerowskie na ziemiach polskich 1939-1945 : informator encyklopedyczny. Varsóvia: Państ. Wydaw. Naukowe. OCLC 5709074 
  9. a b Arad, Yitzhak, 1926- (1999). Belzec, Sobibor, Treblinka : the Operation Reinhard death camps. Bloomington, Ind.: Indiana University Press. OCLC 45729008 
  10. Czubryt-Borkowski, Czesław.; Czarnocki, Zygmunt.; Rada Ochrony Pomników Walki i Męczeństwa (Poland) (1988). Przewodnik po upamiętnionych miejscach walk i męczeństwa : lata wojny 1939-1945 Wyd. 4., rozsz. i uzup ed. Varsóvia: Wydawn. "Sport i Turystyka". OCLC 20723006 
  11. «Rozporządzenie Rady Ministrów z dnia 28 lipca 2008 r. w sprawie ustalenia granic niektórych gmin i miast oraz nadania miejscowościom statusu miasta». isap.sejm.gov.pl. Consultado em 24 de junho de 2020 
  12. «Krynki (podlaskie) » mapy, nieruchomości, GUS, noclegi, szkoły, regon, atrakcje, kody pocztowe, bezrobocie, wynagrodzenie, zarobki, edukacja, tabele, demografia, przedszkola». Polska w liczbach (em polonês). Consultado em 24 de junho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Krynki
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Polónia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.