Kubanacan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kubanacan
Kubanacan (BR)
Logotipo da telenovela
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Comédia Romântica
Duração 60 minutos
Criador(es) Carlos Lombardi
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Wolf Maya
Roberto Talma
Elenco Marcos Pasquim
Danielle Winits
Adriana Esteves
Carolina Ferraz
Vladimir Brichta
Nair Bello
Betty Lago
Humberto Martins
Rafaela Mandelli
Iran Malfitano
Daniel Boaventura
(ver mais)
Tema de abertura Coubanakan - Ney Matogrosso
Tema de encerramento Coubanakan - Ney Matogrosso
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 5 de maio de 2003 - 23 de janeiro de 2004
N.º de episódios 227
Cronologia
Último
O Beijo do Vampiro
Da Cor do Pecado
Próximo
Programas relacionados Bebê a Bordo
Perigosas Peruas
Quatro por Quatro
Bang Bang
Pé na Jaca
Uga Uga
Vereda Tropical
Além do Horizonte

Kubanacan foi uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 19 horas, entre 5 de maio de 2003 e 23 de janeiro de 2004, em 227 capítulos,[1] substituindo O Beijo do Vampiro e sendo substituída por Da Cor do Pecado. Foi a 65ª "novela das sete" exibida pela emissora. Foi escrita por Carlos Lombardi, com colaboração de Emanoel Jacobina, Margareth Boury, Tiago Santiago e Vinícius Vianna. A direção da novela ficou a cargo de Cláudio Boeckel, Marco Rodrigo e Edgard Miranda, enquanto a direção geral foi de Wolf Maya (posteriormente por Roberto Talma) e Alexandre Avancini. A direção de núcleo foi de Wolf Maya, mais tarde seria assumida por Roberto Talma.

Contou com Marcos Pasquim, Danielle Winitz, Adriana Esteves, Carolina Ferraz, Vladimir Brichta, Nair Bello, Betty Lago, Bruno Garcia, Rafaela Mandelli, Iran Malfitano, Daniel Boaventura, Werner Schünemann e Humberto Martins nos papéis principais da história.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A história se passa nos anos 50, num país fictício com o nome da telenovela, supostamente localizado no Caribe e com economia fortemente baseada na exportação de produtos agrícolas como a banana. A língua oficial do país seria o espanhol. O protagonista, Esteban Maroto (interpretado por Marcos Pasquim, que tinha como característica o grande número de cenas feitas com o torso nu, imagem que foi utilizada, por exemplo, na capa da trilha sonora da novela), é um homem que sofre de amnésia, e que se vê transformado em um herói contra a própria vontade, sendo envolvido inclusive na política do país. Ao longo da trama descobrimos que Esteban sofre de um distúrbio (mais tarde diagnosticado como esquizofrenia) que lhe provoca dupla personalidade. No final, é revelado que quem dizia ser Esteban era, na verdade, Leon, filho dele com Rubi (Carolina Ferraz), vindo do futuro para impedir que a Fênix (uma arma de destruição em massa) matasse várias pessoas, como na época dele. Suas "lembranças", na verdade, eram fruto da árdua pesquisa sobre seu pai Esteban, em conjunto com a desorientação severa causada pela viagem no tempo. Leon descobre que Esteban estava vivo, mas manco de uma perna, devido a um acidente que sofrera ao cair de um avião.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Marcos Pasquim Esteban Maroto / Dark Esteban / Pescador Parrudo / Adriano Allende Rivera / León Allende Rivera
Danielle Winits Marisol Ortiz Maroto / Frida
Adriana Esteves Lola Calderón Puentes
Vladimir Brichta Enrico Puentes (Rico)
Carolina Ferraz Rubi Calderón
Nair Bello Dolores Calderón
Humberto Martins Carlos Pantaleón Camacho
Bruno Garcia Dagoberto / Amaro Gomez Pablos
Rafaela Mandelli Soledad Ibarra
Iran Malfitano Carlos Pantaleón Camacho Júnior (Carlito)
Daniel Boaventura Juan Pablo Trujillo (Johnny)
Lolita Rodrigues Isabelita Nieves
Betty Lago Mercedes Montenegro
Werner Schünemann Alejandro Rivera
Ângela Vieira Perla Perón
Marco Ricca Celso Pantaleón Camacho
Daniel Del Sarto Guillermo Pantaleón Camacho
André Mattos Augustín Tallavera
Wolf Maya Don Diego Ibarra
Fernanda de Freitas Consuelo Tallavera
Roger Gobeth Jesús
Ítalo Rossi Trujillo
Tatyane Goulart Mercedita Pantaleón Camacho
Françoise Forton Concheta Ibarra
Mário Gomes Ferdinando Ibarra
Luiz Guilherme Manolo
Raul Gazolla Herrera
Nádia Rowinsky Madalena
Oswaldo Loureiro Coronel Pantoja
Thalma de Freitas Dalila
Érika Evantini Dulcinéa
Marcelo Saback Carlos Capacho
Gero Pestalozzi Ramón
Carlos Bonow Pablo Aloña
Ana Rosa Piedad
Pedro Malta Gabriel Ortiz Maroto
Andréa Leal Celeste
Paula Franco Pepita Pantoja
Adriana Tolentino Pinta
Marcia Manccini María
Giselle Itié Belinda
Elena Toledo Niña
Bruno Gradim Calígola Tallavera
Mariana Dubois Núbia
Gabriela Linhares Bilma
Raíssa Medeiros Pilar Maroto
João Vítor Silva Othelinho Calderón Fuentes
Thais Müller Antonia Ortiz Maroto
Pedro Henrique Cruz Thiago Calderón Fuentes (Thiaguinho)
Aimée Ubacker Paloma
Thamirez Gutierrez Julieta Ofélia Calderón Fuentes

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Audiência e denúncias[editar | editar código-fonte]

Horário # Eps. Estreia Final Posição Temporada Classificação geral
Data Primeiro
capítulo
Data Último
capítulo
Segunda — Sabádo
19:15
227
5 de maio de 2003
40
23 de janeiro de 2004
40 #1 2003 - 2004 36

O primeiro capítulo da trama marcou 40 pontos, com picos de 49, com share de 54%. Esses índices foram superiores aos da antecessora O Beijo do Vampiro.[2]

A menor audiência da novela é de 24 pontos, alcançada em 31 de dezembro de 2003.

No último capítulo, a trama marcou 40 pontos , com picos de 44.[3]

Até aproximadamente o capítulo 150, Kubanacan tinha uma media de audiência parcial de 38 pontos, mas devido ao esticamento excessivo o que desgastou a trama, fez que a audiência declinasse e terminando com média de 36 pontos, mesmo assim uma ótima média para o horário.

Teve média geral de 36 pontos.[4]

Em 2003 a telenovela entrou na lista da campanha "Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania", que é formada por denúncias de telespectadores e pelo Comitê de Acompanhamento da Programação (CAP), onde estão como representantes mais de 60 entidades que assessoram a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para criar a lista com o "Ranking da Baixaria na TV".[5][6]

Curiosidades e críticas[editar | editar código-fonte]

  • Kubanacan repetiu pares românticos de outras novelas. Os personagens de Danielle Winits e Marcos Pasquim viveram um romance em Uga uga; e Adriana Esteves e Vladimir Brichta interpretaram o casal Amelinha e Nélio em Coração de estudante (2002). Já Rafaela Mandelli e Iran Malfitano interpretam o casal protagonista Nanda e Gui nas temporadas de 2001 e 2002 de Malhação.
  • Assim como Uga Uga, Kubanacan foi reclassificada, após seu término, para maiores de 12 anos, o que impossibilita sua reprise no Vale a Pena ver de Novo.
  • Rubi (Carolina Ferraz), na sinopse, seria coprotagonista, mas, devido ao sucesso da personagem entre o público, acabou alçada a protagonista da história. Marisol, de Danielle Winitz, foi outra que agradou ao público, muitos torciam para que sua personagem terminasse ao lado de Esteban, (Marcos Pasquim), o protagonista masculino da trama.
  • Humberto Martins também pediu para se afastar no meio da trama, por motivos que não são claros. Este fato complicou os planos de Carlos Lombardi, que ficou assim, sem um dos grandes protagonistas da sua novela. A sensual Marisol (Danielle Winits) foi provavelmente um dos personagens mais afetados por essa saída, uma vez que perdeu dinâmica desde esse momento e ficou um pouco perdida na trama.[7]
  • Com a saída de Humberto Martins, Marco Ricca entrou na trama, na pele do seu irmão, Celso Camacho, a partir do capítulo 55, no ar em 7 de julho de 2003, uma segunda-feira. Mas, descontente com os rumos de seu personagem, Marco Ricca deixou a trama e Humberto, voltou a integrar o elenco, numa fase final da novela. Para os fãs, permaneceu sempre a dúvida de como a história teria sido diferente, se o personagem não tivesse abandonado temporariamente a novela.[8]
  • A novela foi alvo do Ministério da Justiça por conta das cenas de violência, nudez e sexo impróprias para o horário das 19h. O estopim foi uma cena levada ao ar no dia 8 de agosto de 2003, numa sexta-feira, quando Carlito (Iran Malfitano) foi espancado covardemente por Esteban(Marcos Pasquim). A Rede Globo atenuou as cenas de violência, mas isso não impediu que a trama fosse reclassificada para maiores de 12 anos imediatamente após o seu término.[9]
  • Ângela Vieira também pediu para deixar a trama por não concordar com os novos rumos de sua personagem, e também por achar o papel de pequena importância.[10]
  • Por conta do romance de seus personagens na trama, Adriana Esteves e Vladimir Brichta, iniciaram um romance na vida real, logo após o término da novela. Eles já haviam contracenado juntos, em Coração de Estudante, novela exibida no ano anterior.
  • Além de Regina Duarte e Letícia Spiller, inúmeras foram as participações especiais na trama, de modo que a maioria delas, eram mulheres, que se envolviam com Esteban (Marcos Pasquim).
  • Vanessa Gerbelli fez uma participação nas últimas semanas da novela. Na trama ela interpretou Amapola ,uma revolucionária que queria assumir o poder do país, e fazia par com Marcos Breda, em seu segundo personagem na trama. As primeiras cenas dela foram ao ar em 1 de janeiro de 2004.[11]
  • Segundo par romântico entre Danielle Winits e Marcos Pasquim. Eles já haviam contracenado juntos, na novela Uga Uga, em 2000. E fariam novamente, um par romântico no seriado Guerra e Paz, em 2008, de modo que ambas as tramas, eram de Lombardi.
  • A cena final de Kubanacan foi umas das cenas mais polêmicas de sempre na história da teledramaturgia brasileira. Aquela que era provavelmente a faceta "Dark" do esquizofrênico Esteban, em que ele entra no camarim da cantora Marisol, chama-a de vagabunda e a esbofeteia, sem que o telespectador entenda qual o motivo. Existe ainda hoje uma discussão em torno de quem seria o personagem que entra no camarim, já que várias opções seriam viáveis, e Carlos Lombardi, apesar de afirmar que era Dark Esteban, disse que deixava essa escolha a critério de cada um, criando assim um final aberto.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora nacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Danielle Winits

  1. Carnavalera - Havana Delírio
  2. Quizás, Quizás, Quizás - Emmanuel
  3. No Me Platiques Más - Cristian
  4. Contigo Aprendi - Jose Feliciano
  5. Somente Eu e Você (Moonglow) - Ivete Sangalo
  6. Mulher - Sidney Magal
  7. Como Um Rio (Cry Me a River) - Vanessa Jackson
  8. Capullito de Aleli - Caetano Veloso
  9. Mezcla - Rio Salsa
  10. Foo Foo - Santana featuring Patricia Materola
  11. Hit The Road Jack - Happening
  12. Mambo No. 5 (Instrumental) - Tropical Brazilian Band
  13. Contigo En La Distancia - Nana Caymmi
  14. Eu Só Me Ligo Em Você (I Get a Kick Out Of You) - Elza Soares
  15. Coubanakan - Ney Matogrosso
  16. Voy Volver (Instrumental) - Alpha Beat

Trilha sonora internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Marcos Pasquim

  1. La Puerta - Luis Miguel
  2. Fever - Michael Bublé
  3. Copacabana - Happening
  4. Mambo Italiano - Mambo Project
  5. Perfidia - Laura Fygi
  6. Tan Solo Tu y Yo (Moonglow) - Ivete Sangalo
  7. No Me Platiques Más - Gisela
  8. The Look Of Love (From Casino Royale) - Dusty Springfield
  9. El Hombre Que Yo Amé (The Man I Love) - Omara Portuondo
  10. Laura - Frank Sinatra
  11. Wipe Out - The Surfaris
  12. The Man With The Golden Arm (Delilah Jones) - Billy May
  13. Guantánamo - Pablo Gonzales
  14. Mambo Caliente - Bahamas

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Melhores do Ano - Domingão do Faustão (2003):

  • Atriz - Adriana Esteves
  • Ator - Marcos Pasquim
  • Ator Coadjuvante - Vladimir Brichta

Prêmio Conta Mais (2003)

  • Ator destaque - Marcos Pasquim
  • Atriz destaque - Danielle Winits
  • Ator mirim - Pedro Malta

Referências