Kubanacan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kubanacan
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero comédia de ação
Duração 60 minutos
Criador(es) Carlos Lombardi
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Wolf Maya
Roberto Talma
Câmera multicâmera
Roteirista(s)
Elenco
Tema de abertura "Coubanakan", Ney Matogrosso
Tema de encerramento "Coubanakan", Ney Matogrosso
Exibição
Emissora original Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 5 de maio de 2003 – 24 de janeiro de 2004
Episódios 227

Kubanacan é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 19 horas, de 5 de maio de 2003 a 24 de janeiro de 2004, em 227 capítulos,[2] substituindo O Beijo do Vampiro e sendo substituída por Da Cor do Pecado. Foi a 65ª "novela das sete" exibida pela emissora. Escrita por Carlos Lombardi, com colaboração de Emanoel Jacobina, Margareth Boury, Tiago Santiago e Vinícius Vianna, sob direção de Cláudio Boeckel, Marco Rodrigo e Edgard Miranda e direção geral de Wolf Maya nos quatro primeiros meses – posteriormente passou para Roberto Talma quando Wolf pediu para deixar a trama após conflitos com o autor.

Conta com as participações de Marcos Pasquim, Adriana Esteves, Danielle Winits, Vladimir Brichta, Carolina Ferraz, Humberto Martins, Betty Lago e Werner Schünemann.[1]

Produção[editar | editar código-fonte]

A cenografia do fictício país de Kubanacan foi inspirada na arquitetura cinquentista de Cuba.

Carlos Lombardi inspirou-se na telenovela Que Rei Sou Eu?, de Cassiano Gabus Mendes, ao também utilizar a sátira política como crítica aos problemas sociais enfrentados no Brasil naquele momento, como a pobreza excessiva, a situação precária da saúde e a falta de escolas.[3] O personagem de Marcos Pasquim teve o perfil inspirado no protagonista do filme A Identidade Bourne, de 2002, que percorria a história de um homem viril e sem memória, que era perseguido sem entender o motivo.[3] Já o nome do personagem foi uma homenagem ao ilustrador espanhol de histórias em quadrinhos Esteban Maroto.[4]

Segundo o autor Carlos Lombardi, o nome "Kubanacan" refere-se a um país fictício no Caribe, sem qualquer relação com Cuba, e foi inspirado no título da música interpretada por Ney Matogrosso, composta nos anos 40 como "Coubanakan", por Moisés Simons [es] e Sauvat-Chamfleury. Havia sido gravada para o primeiro álbum de Ney Matogrosso, Água do Céu - Pássaro, de 1975,[5] e já havia sido utilizada anteriormente também como trilha sonora de Salsa e Merengue, de 1997.[6]

Kubanacan foi o terceiro trabalho seguido de Carlos Lombardi que trouxe Marcos Pasquim, sendo que antes eles já haviam trabalhado juntos em Uga Uga e O Quinto dos Infernos, nos quais o ator também foi coprotagonista.[7] Futuramente a parceria permaneceria ainda em Pé na Jaca, Guerra e Paz e até mesmo em Bang Bang – no qual Carlos assumiu os textos na fase final após o afastamento de Mário Prata e trouxe para o elenco Marcos. Kubanacan também repetiu os pares românticos de outras novelas, como Danielle Winits e Marcos Pasquim de Uga Uga, Adriana Esteves e Vladimir Brichta de Coração de Estudante e Rafaela Mandelli e Iran Malfitano da oitava temporada de Malhação.

Por conta das cenas de violência e forte apelo sexual, a novela foi reclassificada pelo Ministério da Justiça como impróprias para o horário das 19h, fazendo com que a emissora precisasse atenuar as cenas para que a trama permanecesse no horário, embora a classificação tivesse sido fixada como "não recomendada para menores de 12 anos".[8] Devido ao sucesso com o público masculino pelo perfil sensual de Marisol, Danielle Winits estrelou a edição de outubro da revista Playboy.[9]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Marcos Pasquim caracterizado como seus três personagens em Kubanacan: Esteban (León), Adriano e o verdadeiro Esteban.

Originalmente Helena Ranaldi foi convidada para interpretar Rubi, porém a atriz decidiu aceitar o convite de Manoel Carlos para interpretar Raquel em Mulheres Apaixonadas, uma vez que o autor revelou que havia escrito a personagem especialmente para ela.[10] Carolina Ferraz foi convocada em seu lugar, sendo a primeira vez em que a atriz não encarnou uma personagem feminina ou sensual, uma vez que Rubi se vestia igual um homem pela ausência de vaidade.[11] Letícia Sabatella foi convidada para interpretar Lola, porém a atriz recusou por não querer um papel cômico, sendo que a personagem passou para Adriana Esteves.[12] A atriz afirmou que ela esperou a oportunidade para trabalhar com Carlos Lombardi por anos, vendo como uma forma de retribuir o convite feito em 1993 para interpretar Babalu na telenovela Quatro por Quatro, o qual acabou não se realizando quando ela foi escalada para Renascer.[13]

Vanessa Gerbelli entrou na novela em 1 de janeiro de 2004 para interpretar uma personagem de grande importância, uma líder revolucionária antiditadura em busca de tomar o poder do país.[14] Marcos Breda interpretou dois personagens distintos, em dois momentos diferentes da trama, o que só havia acontecido antes uma vez, em 1996 com Matheus Carrieri em Vira Lata.

Desfalques no elenco[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2003 Humberto Martins sinalizou para a direção que estava insatisfeito com o pouco espaço que seu personagem tinha na história, chegando faltar em gravações e ameaçar deixar a trama.[15] Humberto estava incomodado pelo fato de ter co-protagonizado os dois trabalhos anteriores do autor, Uga Uga e O Quinto dos Infernos, sentindo-se desprestigiado por não ter investimentos em seu personagem em Kubanacan.[16] Em julho o ator pediu afastamento, alegando que precisava de tempo para cuidar de assuntos pessoais.[17] Humberto retornaria apenas quatro meses depois, em novembro, apenas quando o autor passou a investir mais na história do personagem, que ganhou espaço.[17] Com a ausência de Humberto, Marco Ricca entrou na trama para interpretar o irmão de Carlos, Celso Camacho, que comandava o país temporariamente enquanto o irmão fazia um tratamento de saúde internacional.[18] Planejava-se que Marco continuasse na novela após o retorno de Humberto, porém o ator preferiu deixa-la.[18]

Após atritos com o autor pelo atraso na entrega dos roteiros, Wolf Maya pediu desligamento da trama em setembro e aceitou o convite de Aguinaldo Silva para dirigir Senhora do Destino, passando a direção de Kubanacan para Roberto Talma.[19] Wolf também trabalhava como ator na novela e seu personagem – que estava atrelado a história do governo ditatorial – teve que ter um desfecho prematuro com a decisão, comprometendo parte da trama.[13] Em outubro Ângela Vieira pediu para deixar a novela, uma vez que estava infeliz com a falta de importância de sua personagem, que aparecia apenas cantando em cenas de fundo para outras histórias.[20]

Enredo[editar | editar código-fonte]

A história se passa em 1951 em Kubanacan, um pequeno país insular caribenho conhecido como "república das bananas", tanto pela exportação do fruto, quanto pelos problemas econômicos. Após a morte do presidente, o general Carlos Camacho (Humberto Martins) aplica um golpe de estado e instaura um regime ditatorial, casando-se também com a esposa do antecessor, Mercedes (Betty Lago), com quem já tinha um caso há anos. Na vila de Santiago, um misterioso homem, Esteban (Marcos Pasquim), cai do céu durante uma tempestade com um tiro no peito, sendo salvo pelos pescadores e cuidado por Marisol (Danielle Winits), por quem acaba se apaixonando para desespero do então marido dela, Enrico (Vladimir Brichta), que vai embora e a deixa com seus dois filhos. Seis anos depois a pesca se torna escassa e a miséria aumenta, sendo que, enquanto visita o local, Camacho seduz Marisol e a convence ir embora com ele para a capital La Bendita viver como sua amante, alegando que seus filhos passariam fome na vila.

Acreditando que Marisol e as crianças faleceram em alto-mar tentando pescar, Esteban também parte para a capital para se vingar dos governantes que não prestavam auxílio ao local, aflorando nele uma dupla personalidade, o mau-caráter e violento Dark Esteban, que lhe causa muitos problemas. Na cidade ele conhece a temperamental Lola (Adriana Esteves), despertando neles uma apimentada paixão, porém se surpreendendo ao descobrir que ela é casada com Enrico, que se tornou um mulherengo que não gosta de trabalhar e vive na aba da nova esposa. Quem gosta do malandro é Rubi (Carolina Ferraz), irmã de Lola considerada feia por viver maltrapilha e suja por seu trabalho como mecânica e que sonha em entrar para o exército. Ao longo da trama descobre-se que Esteban se chama León e é filho do verdadeiro Esteban, vindo do futuro para impedir os planos do general Alejandro (Werner Schünemann), ex-presidente exilado na ilha de La Platina que retorna para Kubanacan secretamente para destruir o país através da construção de uma arma nuclear.

Carlito (Iran Malfitano) é filho bonitão e mulherengo de Camacho, que namora a fútil Consuelo (Fernanda de Freitas) e é amado pela doce Soledad (Rafaela Mandelli), que nunca recebeu um olhar do rapaz por ser tímida e virginal, mas que lhe envia cartas anônimas, despertando o interesse dele, que anseia em conhecer a tal admiradora. Guillermo (Daniel Del Sarto), filho de Mercedes, e Johnny (Daniel Boaventura), um playboy criado nos Estados Unidos, se tornam grandes amigos de Esteban e tentam ajudá-lo a descobrir mais sobre seu passado. Ainda há Celso (Marco Ricca), irmão de Camacho que o odeia e tenta matar ele e Mercedes, e Dagoberto (Bruno Garcia), secretário presidencial e que se torna responsável pelas decisões governamentais pela incapacidade do mesmo e apaixonado por Rubi.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Marcos Pasquim Esteban Maroto / Dark Esteban
Humberto Martins Camacho Pantaleón
Danielle Winits Marisol Ortiz
Adriana Esteves Lola Calderón Puentes
Carolina Ferraz Rubi Calderón
Vladimir Brichta Enrico Puentes (Rico)
Betty Lago Mercedes Nieves Montenegro Pantaleón Camacho
Werner Schünemann General Alejandro Rivera
Iran Malfitano Carlos Pantaleón Camacho Júnior (Carlito / Camachito)
Rafaela Mandelli Soledad Barra y Barra
Fernanda de Freitas Consuelo Tallavera
Daniel Del Sarto Guillermo Nieves Montenegro
Daniel Boaventura Juan Rulfo Gutierrez (Johnny)
Bruno Garcia Dagoberto Amaro Gomez Pablos
Marco Ricca Celso Pantaleón Camacho
Ângela Vieira Perla Perón
Nair Bello Dolores Calderón
Lolita Rodrigues Isabelita Nieves
André Mattos Augustín Tallavera
Françoise Forton Concheta Barra y Barra
Mário Gomes Ferdinando Barra y Barra
Tatyane Goulart Mercedita Nieves Montenegro
Roger Gobeth Jesus Lima
Érika Evantini Dulcinéa Puentes Lima
Thalma de Freitas Dalila Acqua
Gero Pestalozzi Ramon Acqua
Bruno Gradim Calígula
Luiz Guilherme Manolo Nieves
Ítalo Rossi General José Trujillo
Oswaldo Loureiro General Heitor Pantoja
Paula Franco Pepita Pantoja
Marcelo Saback Comandante Álvaro Ramirez
Neco Vila Lobos Comandante Arguiles
Andréa Leal Celeste
Elena Toledo Niña
Adriana Tolentino Pinta
Raíssa Medeiros Pilar
Marcia Manccini María
Aimée Ubacker Paloma
Pedro Malta Gabriel Ortiz Puentes
Thais Müller Antonia Ortiz Puentes
Thamirez Gutierrez Julieta Calderón Puentes
João Vítor Silva Othelito Calderón Puentes
Pedro Henrique Cruz Thiaguito Calderón Puentes

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Regina Duarte María Félix
Stênio Garcia Presidente Rúbio Montenegro
Wolf Maya Don Diego Barra y Barra
Letícia Spiller Laura Labarca
Giselle Itié Belinda
Viviane Pasmanter Loreta Velásques
Ana Rosa Piedad Maroto
Raul Gazolla Herrera
Nádia Rowinsky Madalena
Carlos Bonow Pablo Aloña
Mariana Dubois Núbia
Gabriela Linhares Bilma
Rafael Baronesi Rubito
Paulo Betti Chacón
Cristiana Oliveira Helena
Bete Coelho Cristal
Carla Marins Oleana
Cecil Thiré Senador
Daniela Escobar Vanda
Flávia Monteiro Alma
Christine Fernandes Blanca Paiani
Floriano Peixoto Bolívar
Gabriela Duarte Veruska Véron
Gabriel Braga Nunes Victor
Giselle Tigre Alma
Jayme Periard Fernando
Joana Fomm Caridad
Adriano Reys Pitágoras
Alexandre Paternost Henrique
Alexandre Zacchia Sanchez
Augusto Novaes Noivo de Lúcia
Augusto Vargas Pancrácio
Benvindo Siqueira Juanito
Caio Zacariotto Zazá
Carlos Gregório Falso Moralez
Carlos Machado Batista
Carlos Vereza Hernando Schindler
Carmem Verônica Anita Calábria
Carolina Abranches Bernarda
Carolina Kasting Zelda
Castro Gonzaga Dr. Contreras
Chico Diaz Sebástian
Cláudia Alencar Natasha (artista circense)
Cláudia Rodrigues Milagro
Cláudio Corrêa e Castro Tijon
Delano Avelar Dimitri
Eduardo Canuto Raul
Eduardo Moscovis Rodrigo
Ernani Moraes Miguel
Fábio Sabag Arrabal
Flávia Bonato Teresa
Gláucio Gomes Eliseu
Helena Fernandes Marieta
Ilya São Paulo Galeano
Ingrid Guimarães Rosita
Jardel Mello Dualde
João Camargo Maldonado
Jorge Pontual Felipe
José D'Artagnan Jr Solano
Lícia Magna Tia Cotinha
Lorena da Silva Pinita (Ana María Pina Estalva Machado)
Luciano Vianna Rojas
Luiz Carlos Tourinho Everest
Kadu Moliterno Dr. Moralez
Kiko Mascarenhas Cindy
Malu Valle Remédios
Mara Manzan Ágata
Marcelo Faustini Sentinela
Marcelo Mello Bigode
Marcos Breda Che Lopez
Mariana Hein Lúcia
Marilu Bueno Sodoma
Mauro Mendonça Sandoval
Miriam Pires Viúva Rivera
Murilo Elbas Delegado de polícia Maicieha
Mylla Christie Cassandra
Natália Lage Frida
Otávio Augusto Hector
Othon Bastos Dr. Ortiz
Paula Hunter Catarina
Paulo Figueiredo Fernando de Castella
Paulo Reis Chico
Pia Manfroni Fiametta
Raquel Nunes Lúcia Allende
Sérgio Loroza Paulão (Paulo)
Sílvia Pfeifer Amanda
Solange Couto Mãe Perón (Pomba Gira)
Tatiana Monteiro Magrit
Telma Reston Gomorra
Thaís de Campos Morales de Lulu
Tony Tornado Tito Pachu (macumbeiro)
Vanessa Lóes Anabela
Vick Militello Vicky Vidal

Música[editar | editar código-fonte]

Volume 1[editar | editar código-fonte]

Kubanacan Vol.1
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 20 de maio de 2003
Gênero(s)
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre

A primeira trilha sonora da telenovela foi lançada em 20 de maio de 2003 pela Som Livre compilando metade de canções em português, espanhol e inglês. Danielle Winits ilustrou a capa do álbum.[21]

Lista de faixas
TítuloMúsicaPersonagem tema Duração
1. "Carnavalera"  Havana DelírioEnrico 3:43
2. "Quizás, Quizás, Quizás"  EmmanuelMercedes e Carlos 3:25
3. "No Me Platiques Más"  CristianLola e Esteban 3:31
4. "Contigo Aprendi"  Jose FelicianoMarisol e Enrico 3:16
5. "Somente Eu e Você"  Ivete SangaloMarisol e Esteban 3:42
6. "Mulher"  Sidney MagalPerla 3:20
7. "Como Um Rio"  Vanessa JacksonGuijermo 3:47
8. "Capullito de Aleli"  Caetano VelosoBrigas de Dolores e Isabelita 3:45
9. "Mezcla"  Rio SalsaGeral 3:45
10. "Foo Foo"  Santana e Patricia ManterolaCarlito e Soledad 3:20
11. "Hit The Road Jack"  HappeningJohnny 3:24
12. "Mambo No. 5" (Instrumental)Lou BegaGeral 3:15
13. "Contigo En La Distancia"  Nana CaymmiRubi e Enrico 3:31
14. "Eu Só Me Ligo Em Você"  Elza SoaresLola e Enrico 3:38
15. "Coubanakan"  Ney MatogrossoAbertura 3:27
16. "Voy Volver" (Instrumental)Alpha BeatMercedita 3:31

Internacional[editar | editar código-fonte]

Kubanacan Internacional:
Kubanacan Internacional.jpg
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 19 de outubro de 2003[22]
Gênero(s)
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre

A segunda trilha sonora da telenovela foi lançada em 19 de outubro de 2003 pela Som Livre, trazendo apenas canções em espanhol e inglês. Marcos Pasquim ilustrou a capa do álbum Internacional.[22]

Lista de faixas
TítuloMúsicaPersonagem tema Duração
1. "La Puerta"  Luis MiguelRubi e Esteban 3:43
2. "Fever"  Michael BubléDagoberto 3:25
3. "Copacabana"  HappeningNight Club Copacabana 3:31
4. "Mambo Italiano"  Mambo ProjectEsteban 3:16
5. "Perfidia"  Laura FygiGeral 3:42
6. "Moonglow"  Ivete SangaloMarisol 3:20
7. "No Me Platiques Más"  GiselaLola e Adriano 3:47
8. "The Look Of Love"  Dusty SpringfieldJesus e Dulcinéa 3:45
9. "El Hombre Que Yo Amé"  Omara PortuondoMercedes e Carlos 3:45
10. "Laura"  Frank SinatraLaura 3:20
11. "Wipe Out"  The SurfarisGeral 3:24
12. "The Man With The Golden Arm"  Billy MayEsteban 3:15
13. "Guantánamo"  Pablo GonzalesAlejandro 3:31
14. "Mambo Caliente"  BahamasMarisol 3:38
Outras canções não incluídas na trilha sonora

Audiência[editar | editar código-fonte]

O primeiro capítulo da trama marcou 40 pontos, com picos de 49, com share de 54%. Esses índices foram superiores aos da antecessora, O Beijo do Vampiro.[23] A menor audiência da novela é de 24 pontos, alcançada em 31 de dezembro de 2003, no Ano Novo. No último capítulo, a trama marcou 40 pontos, com picos de 44.[24] Até aproximadamente o capítulo 150, Kubanacan tinha uma média de audiência de 38 pontos, mas, devido ao esticamento da trama, a trama passou por uma fase em que as histórias ficaram estagnadas, refletindo na audiência, sendo contabilizado todos os capítulos, e a trama fechou com uma média geral de 36 pontos.[25]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref.
2003 Prêmio Conta Mais Melhor Ator Marcos Pasquim Venceu
Melhor Atriz Danielle Winits
Melhor Ator Mirim Pedro Malta
Melhores do Ano Melhor Ator Marcos Pasquim [26]
Melhor Atriz Adriana Esteves
Melhor Ator Coadjuvante Vladimir Brichta
Melhor Atriz Mirim Raíssa Medeiros Indicado
2004 Prêmio Contigo! Melhor Novela ou Minissérie Kubanacan
Melhor Autor Carlos Lombardi
Melhor Ator Marcos Pasquim
Melhor Atriz Adriana Esteves
Melhor Ator Coadjuvante Vladimir Brichta
Melhor Par Romântico Esteban e Lola (Marcos Pasquim e Adriana Esteves)
Melhor Diretor Wolf Maya
Melhor Maquiagem Beth Fairbank e Rubens Liborio
Melhor Atriz Infantil Aimeé Ubaker
Raíssa Medeiros
Thaís Muller
Thamires Gutierrez
Melhor Ator Infantil Pedro Malta
João Vítor Silva
Troféu Imprensa Melhor Novela Kubanacan [27]

Referências

  1. a b Kubanacan Teledramaturgia
  2. Memória Globo. «Kubanacan - Ficha Técnica». Consultado em 23 de janeiro de 2004 
  3. a b «Ambientada nos anos 1950, na fictícia ilha caribenha Kubanacan, a novela satirizava os problemas dos países sul-americanos». Globo. Consultado em 18 de março de 2018 
  4. «Autores: História da Teledramaturgia». Google Book. Consultado em 18 de março de 2018 
  5. «De onde Carlos Lombardi tirou o nome "Kubanacan"? Saiba aqui». Imirante. Consultado em 15 de junho de 2020 
  6. «Salsa e Merengue». Seu Disco. Consultado em 18 de março de 2018 
  7. «Os "queridinhos" dos autores». Revista Crescer. Consultado em 18 de março de 2018 
  8. Estadão (4 de agosto de 2003). «Justiça quer menos sexo e violência em Kubanacan» 
  9. Estadão (6 de outubro]] de 2003). «Danielle Winits é a capa da próxima Playboy» 
  10. «Helena Ranaldi nas ciladas do destino». Gazeta Digital. Consultado em 18 de março de 2018 
  11. «"Kubanacan": muito humor e pouca roupa». Estadão. Consultado em 18 de março de 2018 
  12. «"Quis retribuir à generosidade do Lombardi", diz Adriana Esteves». Terra. Consultado em 18 de março de 2018 
  13. a b «Kubanacan, novela de Carlos Lombardi, terminava há 14 anos». Observatório da Televisão. Consultado em 18 de março de 2018 
  14. UOL (30 de dezembro de 2003). «Vanessa Gerbelli vai aprontar em Kubanacan» 
  15. «Zapping: Humberto Martins quase desiste de "Kubanacan"». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de março de 2018 
  16. «Crise sex-simbol». Terra. Consultado em 18 de março de 2018 
  17. a b Folha Online (2 de julho de 2003). «Humberto Martins vai mesmo deixar "Kubanacan"» 
  18. a b Terra (26 de junho de 2003). «Marco Ricca vai entrar em Kubanacan» 
  19. «Atrito começa com escolha de elenco». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de março de 2018 
  20. «Ângela Vieira pede para sair de Kubanacan». Terra. Consultado em 18 de março de 2018 
  21. «Kubanacan 1». Teledramaturgia. Consultado em 18 de março de 2018 
  22. a b «Kubanacan - Internacional». Teledramaturgia. Consultado em 18 de março de 2018 
  23. Folha Online (5 de maio de 2003). «"Kubanacan" estréia com audiência maior que "O Beijo do Vampiro"» 
  24. Terra (26 de janeiro de 2004). «Kubanacan acaba com 44 pontos de audiência» 
  25. UOL (18 de setembro de 2008). «Ibopes de novelas desaba na Globo» 
  26. Melhores do Ano: Confira todos os vencedores das 14 edições do prêmio
  27. Globo lidera ganhadores de Troféu Imprensa 2004 (17/05/04). Terra. Página visitada em 14 de Dezembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]