Kukersite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Afloramento de xisto betuminoso Ordoviciano (tipo kukersite), no Norte da Estônia
Fósseis (vários ectoprotos) no período Ordoviciano de xisto betuminoso tipo kukersite, no Norte da Estônia

Kukersite é um tipo de xisto betuminoso marinho do período Ordoviciano, encontrado na Bacia de Xisto Betuminoso do Mar Báltico na Estônia e no Noroeste da Rússia. Foi nomeado assim devido à instalação da vila de Kukruse, na Estônia, em 1917 pelo paleontólogo russo Mikhail Zalessky.[1] O depósito de kukersite na Estônia é um dos maiores do mundo em questão de teor de xisto betuminoso, com mais de 40% de conteúdo orgânico e 66% de taxa de conversão em xisto betuminoso e gás. O rendimento de óleo proveniente do kukersite é de 30 a 47% do rendimento do xisto, em relação ao mesmo peso. A maior parte do querogênio é derivado do fóssil da alga verde Gloeocapsomorpha prisca, que tem afinidade com a moderna cyanobacteria Entophysalis major, uma espécie existente que forma tapetes algais desde o médiolitoral até as águas rasas litorâneas.[2]

O kukersite na Estônia ocorre às vezes como uma camada cálcaria de 2,5-3 metros de espessura. Ao longo da costa o Kukersite fica perto da superfície e em depressões ao sul, então os depósitos são encontrados em profundidades de 7 a 100 m.[3]

A matriz mineral predominantemente inclui calcita de baixo magnésio, dolomita, e minerais siliciclásticos. Eles não são ricos em metais pesados.[4]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lille, Ü (2003). «Current knowledge on the origin and structure of Estonian kukersite kerogen» (PDF). Estonian Academy Publishers. Oil Shale. A Scientific-Technical Journal. 20 (3): 253–263. ISSN 0208-189X. Consultado em 20 de outubro de 2007 
  2. Bauert, Heikki (1994). «The Baltic oil shale basin—An overview». University of Kentucky Institute for Mining and Minerals Research. Proceedings 1993 Eastern Oil Shale Symposium: 411–421 
  3. Altun, N. E.; Hiçyilmaz, C.; Hwang, J.-Y.; Suat Bağci, A.; Kök, M. V. (2006). «Oil Shales in the world and Turkey; reserves, current situation and future prospects: a review» (PDF). Estonian Academy Publishers. Oil Shale. A Scientific-Technical Journal. 23 (3): 211–227. ISSN 0208-189X. Consultado em 20 de outubro de 2007 
  4. Dyni, John R. (2006). Geology and resources of some world oil-shale deposits. Scientific Investigations Report 2005–5294 (PDF). U.S. Department of the Interior. U.S. Geological Survey. Consultado em 20 de outubro de 2007