Lázaro de Parpi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lázaro de Parpi
Nascimento ca. 442
Parpi
Morte Início do século VI
Nacionalidade Armênio
Ocupação Religioso e historiador
Principais trabalhos
  • Carta para Vahan (Baanes) Mamicônio
  • História da Armênia
Título
Religião Igreja Apostólica Armênia

Lázaro de Parpi (em armênio/arménio: Ղազար Փարպեցի; transl.: Ghazar Parpetsi; ca. 442 - início do século VI) foi um religioso e historiador armênio intimamente ligado à família Mamicônio. Ele é mais conhecido como o autor de uma "História da Armênia" para o período entre 384-484.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lázaro nasceu por volta de 442, na aldeia de Parpi, perto da cidade armênia de Achtarak.[1] Devido a seus estreitos laços com os Mamicônios, foi criado com eles[2] e fez amizade com Baanes II Mamicônio.[3] Após a derrota dos armênios na Batalha de Avarair em 451, mudou-se para o castelo do príncipe Asusa Mamicônio em Gogarena, onde recebeu sua educação primária. Se mostrando um estudante brilhante, foi enviado para completar seus estudos em Constantinopla entre 465-470, onde aprendeu novas línguas estudando religião, literatura e filosofia clássica.[2]

Retornando para a Armênia, ocupou-se com atividades educacionais e espirituais na cidade de Siracene (Shirak em armênio), então parte dos domínios da família Camsaracan. De 484 a 486, viveu em Siunique sob Baanes II Mamicônio, que havia sido nomeado em 485 como marzobam da Armênia; ai viveu como eremita e tornou-se assistente do bispo local.[2] Baanes o convidou a supervisionar a reconstrução do mosteiro em Vagarsapate e depois o nomeou como abade,[4] porém devido a educação que recebeu e a suas políticas educacionais e espirituais, ele não coadunou-se com os elementos mais conservadores da igreja. Acusado de heresia, foi forçado a sair do mosteiro em 490, tomando como residência a cidade de Amida no Império Bizantino. Nesta cidade redigiu sua "Carta a Vahan (Baanes) Mamicônio".[5] Este texto sugere um Lázaro "vaidoso e vingativo, um defensor orgulhoso das prerrogativas dos monges, imbuídos de sua superioridade intelectual, opositor do clero secular", mas também "um boa vida, amante da boa comida, amante da caça e da pesca".[3]

Convencido de sua inocência, Baanes convoca-o em 493 e, em seguida, pede-lhe um livro, conhecido como "História da Armênia",[5] no qual ele demonstrou "um sentido político notável".[4] Lázaro morreu em uma data desconhecida no início do século VI.[2] Segundo a tradição, foi enterrado perto das ruínas de uma igreja no cânion Parpi.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

Lázaro é principalmente conhecido por seus dois trabalhos:

  • "Carta para Vahan (Baanes) Mamicônio" - redigida à atenção de Baanes II Mamicônio em 490, quando ele nega as acusações de heresia contra ele. A primeira autobiografia escrita em armênio,[3] é rica em informações sobre a Igreja Armênia do século V.[5]
  • "História da Armênia" - redigida em 493,[nt 1] é uma obra que dá continuidade aos relatos da obra de Fausto, o Bizantino que haviam terminado no reinado do rei Ársaces II da Armênia (r. 350–368). Foi composta em três partes: a primeira abrange do reinado de Ársaces II ao de Vram Sapor (r. 392–414); a segunda concerne aos eventos que levaram a Batalha de Avarair como como suas consequências; e a terceira da Guerra de Vartanank ao Tratado de Nevarsak, que vê a Armênia recuperar sua autonomia.[6] As principais fontes que ele usou na História são os trabalhos de outros historiadores tais como Agatângelo, Gorune e Fausto, embora aparentemente fez uso de outros trabalhos, incluindo a História Eclesiástica de Eusébio de Cesareia.[7]

Notas

  1. Jean-Pierre Mahé considera que a obra começou a ser escrita em 487.[3]

Referências

  1. a b Melik-Bakhshyan 1981, p. 19-20
  2. a b c d Hacikyan 2000, p. 213
  3. a b c d Dédéyan 2007, p. 183
  4. a b Grousset 1947, p. 230
  5. a b c Hacikyan 2000, p. 214
  6. Hacikyan 2000, p. 216
  7. «Ghazar P'arpec'i's - History of the Armenians» (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2013. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dédéyan, Gérard (2007). Histoire du peuple arménien (Tolosa: Éd. Privat). ISBN 978-2-7089-6874-5. 
  • Hacikyan, Agop Jack (2000). The Heritage of Armenian Literature. From the Oral Tradition to the Golden Age 1 (Detroit: Wayne State University). ISBN 978-0-8143-2815-6. 
  • Melik-Bakhshyan, Stepan (1981). «Ղազար Փարպեցի (Ghazar Parpetsi)». Encyclopédie soviétique arménienne 7 (Erevan: Académie arménienne des sciences). 
  • Grousset, René (1947). Histoire de l’Arménie des origines à 1071 (Paris [s.n.]).