Límicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os límicos (em latim limici) foram um povo galaico castrejo que habitou a região pantanosa da nascente do rio Lima, na Galécia. O termo lim é de origem indo-europeia, e significa "terreno alagadiço" ou "lodo".

Os romanos chegaram às terras dos límicos no século I, e ergueram o Fórum dos Límicos, na actual vila de Ponte de Lima.

Fontes históricas[editar | editar código-fonte]

Os límicos foram citados por Plínio, o Velho, em sua História Natural,[1][2] que os menciona entre os equésios e os quaquernos. Ptolemeu, em sua Geographia,,[3] coloca-os entre os galaicos brácaros, citándoos entre os bibalos e os gróvios, e indica como sua capital o Fórum Limicoro. Assim mesmo, os límicos estão entre os grupos dedicantes indicados no Padrão dos Povos.[4]

São numerosas as epígrafes em que se citam indivíduos límicos. Em duas lápides honoríficas, conservadas no Museu Arqueológico de Ourense, datadas do início do século II d.C., cita-se a Civitas Limicorum.[5] Esta mesma civitas vem sendo identificada con a Lemica Civitate do Cronicão de Idácio de Chaves.

Localização geográfica[editar | editar código-fonte]

Ainda que, pelo seu nome, os límicos tenham estado há tempos adscritos ao curso do rio Lima (em galego Limia), as duas lápides honoríficas citadas cima permitiram a identificação, no final do século XIX, da "Cividade dos Límicos" (Civitas Limicorum), que iguala o Fórum dos Límicos com o castro da Cidá (ou Cibdá), situado no monte do Viso, próximo a Nocelo da Pena, no concelho de Sarreaus, Ourense.[6] Esta relação vem sendo questionada a partir dos achados de duas estátuas em Xinzo de Limia, documentadas por Ferro Couselo no ano de 1972.

Na atualidade a maioria dos estudiosos concordam que o Fórum dos Límicos estaria na zona que ocupa o Barrio de Abaixo do actual Xinzo de Limia, como ficou evidente no curso de extensão universitária de Xinzo de Limia, "A Limia na época galaico-romana", que deu o pontapé inicial ao projecto Arqueogenitio.[7] Deve-se ressaltar que Xinzo de Limia ou Fórum dos Límicos se situa ao pé do rio Lima, num epicentro de estradas da época romana.[8]

O castro romanizado de Nocelo da Pena, afastado das vias de comunicação romanas conhecidas no território límico, teve una existência simultânea às explorações mineiras do lugar. O castro ocupa uma superfície de 3 hectares; o lugar remontaria à Idade do Bronze, com contínua actividade mineira (exploração de estanho), até a época romana, segundo se deduz de achados da década de 1940.[9]

Conforme assinalado, os límicos se situavam no curso superior do rio Lima e nos arredores da lagoa de Antela, já seca, numa ampla planície - na realidade uma depressão tectónica - conhecida popularmente como A Limia, e pelos nativos denominada simplesmente de a Veiga, embora alguns autores coloquem a Civitas Limicorum em Nocelo da Pena.[6]

Seguindo o percurso do rio epónimo, na direcção sudoeste, encontrariam-se com os quaquernos; para o Leste os bibalos e os tamaganos.

Um aspecto diferente apresenta a mansão viária nomeada Limia. Com efeito, no Itinerário de Antonino se assinalam, em ordem e marcando as distâncias entre elas, as estações da Via XIX, dita também per loca marítima, isto é, "pelo litoral", entre Bracara Augusta (Braga) e Astúrica Augusta (Astorga). As quatro primeiras são as seguintes:

  • Limia........milia passum XVIII
  • Tude.........milia passum XXIII
  • Burbida......milia passum XVI
  • Turoqua......milia passum XVI

Tanto Tude como Turoqua estão bem identificadas, correspondendo, respectivamente, hoje, às cidades de Tui e Pontevedra; Burbida corresponde, com certas dúvidas, a Borbén (estas três localidades na província de Pontevedra), e Límia costuma identificar-se com a actual Ponte de Lima, no Norte português - embora deva-se ressaltar que nada tem a ver com a Cidade dos Límicos (Civitas Limicorum), como alguns autores ainda pretendem, sendo simplesmente o nome duma mansão situada num passo do rio Lima, identificando-a, e pertenceria possivelmente ao povo dos seurbos ou dos leunos, conforme a descrição da costa da Galécia feita por Plínio, o Velho,[10] de Norte a Sul.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Pelas fontes epigráficas se conhecem duas centúrias ou castella: Arcuce e Talabrica.

Referências

  1. http://terra.antiqua.free.fr/PLine_Ancien3.html (em francês)
  2. http://books.google.fr/books?id=J1sQAAAAIAAJ&pg=PA50&lpg=PA50&dq=Limici&source=web&ots=ENrCIhf_XQ&sig=_vjzD8TFZxsRVbwlYYHczJnr838&hl=fr (em francês)
  3. 6, 38 e 43, (em francês)
  4. CIL, II, 2477
  5. CIL, II, 2516 e 2517
  6. a b Marcelo Macías, Civitas Limicorum, in Boletín de la Comisión de Monumentos de Orense (1898) t. I, nº 5.
  7. ArqueoGenitio
  8. X.C. Rivas Fernandez
  9. Antonio Colmenero, Galicia meridional romana. Universidad de Deusto. 1977.
  10. IV, 111-112

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • Fariña Busto, F. e Xusto Rodriguez, M.(1995) "O ara de Xinzo de Limia e a sua contextualización arqueoloxica". Boletín Auriense,XXV,pp. 61–80. Ourense
  • Ferro Couselo, X. "Estatuas sedentes y una columna miliaria de Xinzo de Limia".Boletín Auriense,II, pp. 329–335. Ourense
  • Macías, Marcelo, Civitas Limicorum, in Boletín de la Comisión de Monumentos de Orense (1898) t. I, nº 5.
  • Perez Losada, F.(2002) "Xinzo de Limia: Entre a cidade e a aldea. Estudio arqueohistorico dos aglomerados secundarios romanos en Galicia. Brigantium, XIII, pp. 214-227. A Coruña
  • Rivas Fernandez, J.C.(2000) "O foro dos límicos,Xinzo,epicentro de camiños en época romana". Lethes, II. Centro de Cultura popular da Limia. pp. 62–73. Xinzo
  • Rodríguez Colmenero, Antonio, Galicia meridional romana. Universidad de Deusto. 1977.
  • Xusto Rodriguez, M.(1996) "O núcleo urbano de Xinzo de Limia" en RODRIGUEZ COLMENERO,A.coord.(1996) Los orígenes de la ciudad en el Noroeste Hispano. pp. 1291–1304. Lugo
  • Xusto Rodriguez, M. "A igrexa vella de Xinzo de Limia.Da lenda ó patrimonio histórico". Auria, VII. La Region, pp. 25–27. Ourense
  • Xusto Rodriguez, M.(1999) "Sta. mariña;un fito patrimonial no centro histórico de Xinzo". Lethes, II. Centro de Cultura Popular da Limia. pp. 74–93. Xinzo
  • Xusto Rodriguez, M.(2000) "La iglesia vieja de Xinzo de Limia.intervención arqueológica y lectura histórica"Restauración, Rehabilitación. pp 26–33. Madrid

Outros artigos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.