Língua chagatai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chagatai (جغتای Jağatāy)
Falado em: Coração (região histórica) (Ásia Central)
Total de falantes: extinta (viva do século XV ao XX)
Família: Turcomana
 Turcomana Comum
  Karluk
   East
    Chagatai
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: chg
ISO 639-3: chg

Chagatai (جغتای Jağatāy[1]) é uma língua extinta da família das línguas turcomanas que já foi muito falada entre os séculos XV e XX (início) na Ásia Central e permaneceu com língua literária compartilhada[2] até o início do século passado. Foi também falada pelos primeiros governantes do Império Mogol no Subcontinente Indiano, onde influenciou o desenvolvimento da língua hindustâni. Ali-Shir Nava'i foi o maior representante de sua rica literatura.[3]

Como parte da preparação para o estabelecimento de 1924 da República Socialista Soviética do Uzbequistão, o Chagatai foi renomeado oficialmente "Velho Usbeque", [4][5][2][6][7] o que Edward A. Allworth argumentou que "distorceu gravemente a história literária da região" e foi usado para dar a autores como aquele do século XV, Ali-Shir Nava'i, uma identidade uzbeque.[8][9] Também foi chamado de "Sart".[7] Na China já foi referido como "antigo Uighur".[10]

Escritas[editar | editar código-fonte]

A língua Chagatai usava um forma própria da escrita Árabe, derivada das escritas Karakhanid e Khorezmian, antigas línguas literárias do Turcomeno Médio.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra "Chagatai" refere-se ao Canato Chagatai (1225 -1680), um império descendente do Império Mongol deixado para o segundo filho de Genghis Khan, Chagatai Khan.[11] Muitos dos Chagatais Turcos e Tártaros, que eram falantes dessa língua, reivindicaram ser descendentes de Chagatai Khan

História[editar | editar código-fonte]

A língua Chagatai pertence ao ramo Karluk das línguas turcomanas, sendo descendente da antiga língua turcomana que serviu como lingua franca na Ásia Central, com uma infusão forte de palavras e tipos de frases do árabe e da língua persa. A sua forma literária baseava-se em duas línguas literárias anteriores: Karakhanid e Khorezmian (Khorezmian). Pode ser dividido em três períodos:

  1. Pre-Clássico Chagatai (1400-1465)
  2. Clássico Chagatai (1465-1600)
  3. Post-Clássico Chagatai (1600-1921)

O primeiro período é uma fase de transição caracterizada pela retenção de formas arcaicas; A segunda fase começa com a publicação do primeiro Divan de Ali-Shir Nava'i, sendo o ponto alto da literatura Chagatai, seguida pela terceira fase, caracterizada por dois desenvolvimentos bifurcados. Uma delas é a preservação da linguagem Chagatai clássica de Nava'i, a outra tendência é a crescente influência dos dialetos das línguas localmente faladas.

A língua de Chagatai Turcomana viveu seu apogeu sob a dinastia de Timurid. Chagatai permaneceu a linguagem literária universal da Ásia Central até as reformas soviéticas do início do século XX. Teve uma influência marcante sobre o desenvolvimento da língua hindustâni.

Influência em línguas turcomanas[editar | editar código-fonte]

Língua uzbeque (Uzbequistão) e a Uigur são as duas línguas modernas mais relacionadas com Chagatai. Os uzbeques consideram Chagatai como a origem de sua própria língua e reivindicam a literatura de Chagatai como sua própria. Em 1921 no Uzbequistão, então uma parte da União Soviética, o Chagatai foi substituído por uma língua literária baseada em um dialeto uzbeque local. Os chamados Berendei, um povo turco nômade do século XII, possivelmente relacionado com os Cumans, parecem ter falado Chagatai.

Ethnologue registra o uso da palavra "Chagatai" no Afeganistão para descrever o dialeto "Tekke" da língua turcomena. Até, e incluindo, o século XVIII, Chagatai era a língua literária principal no Turcomenistão como em outras partes da [[Ásia central]. Embora tenha alguma influência sobre o turcomano, as duas línguas pertencem a diferentes ramos da família da língua turcomena.

Literatura[editar | editar código-fonte]

O mais famoso dos poetas de Chagatai é Ali-Shir Nava'i, que entre outras suas obras escreveu "Muhakamat al-Lughatayn", uma comparação detalhada das línguas Chagatai e Persa, em que ele argumentou pela superioridade da primeira. Sua fama é atestada pelo fato de que Chagatai é às vezes chamado de "linguagem Nava'i". Entre as obras de prosa, a biografia de Timur é escrita em Chagatai Turcomano, como é o famoso Baburnama (ou Tuska Babure) de Babur, o fundador de Timurid do Império mogol.

Trabalhos importantes continuaram a ser escritos na linguagem Chagatai no início do século XX. Entre eles estão Tārīkh-i amniyya (terminado em 1903) e sua versão revisada Tārīkh-i ḥamīdi (concluída em 1908), representando as melhores fontes da Revolta de Dungan (1862-77) em Xinjiang. [12][13]

Os seguintes são livros escritos na língua de Chagatai por nativos e por ocidentais: [14]

  • Muḥammad Mahdī Khān, Sanglakh.
  • Abel Pavet de Courteille, Dictionnaire turk-oriental (1870).
  • Ármin Vámbéry]] 1832-1913, Ćagataische sprachstudien, enthaltend grammatikalischen umriss, chrestomathie, und wörterbuch der ćagataischen sprache; (1867).
  • Sheykh Suleyman Efendi, Čagataj-Osmanisches Wörterbuch: Verkürzte und mit deutscher Übersetzung versehene Ausgabe (1902).
  • Sheykh Süleymān Efendi, Lughat-ï chaghatay ve turkī-yi 'othmānī.
  • Mirza Muhammad Mehdi Khan Astarabadi, Mabaniul Lughat: Yani Sarf o Nahv e Lughat e Chughatai.[15]
  • Abel Pavet de Courteille, Mirâdj-nâmeh : récit de l'ascension de Mahomet au ciel, composé a.h. 840 (1436/1437), texte turk-oriental, publié pour la première fois d'après le manuscript ouïgour de la Bibliothèque nationale et traduit en français, avec une préf. analytique et historique, des notes, et des extraits du Makhzeni Mir Haïder.[16]

A Dinastia Qing Dicionários comissionados nas línguas principais de China que incluíram Chagatai Turki, tal como o dicionário Pentaglot.

A literatura Chagatai ainda é estudada na Turquia moderna e considerada como parte da herança turca.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. em usbeque: Chigʻatoy چەغەتاي; em mongol: ᠲᠰᠠᠭᠠᠳᠠᠢ Chagadai; em uigur: چاغاتاي Chaghatay; em turco: Çağatayca
  2. a b L.A. Grenoble (11 de abril de 2006). Language Policy in the Soviet Union. [S.l.]: Springer Science & Business Media. pp. 149–. ISBN 978-0-306-48083-6 
  3. Robert McHenry, ed. (1993). «Navā'ī, (Mir) 'Alī Shīr». Encyclopædia Britannica. 8 15th ed. Chicago: Encyclopædia Britannica, Inc. p. 563 
  4. Schiffman, Harold (2011). Language Policy and Language Conflict in Afghanistan and Its Neighbors: The Changing Politics of Language Choice. [S.l.]: Brill Academic. pp. 178–179. ISBN 978-9004201453 
  5. Scott Newton (20 de novembro de 2014). Law and the Making of the Soviet World: The Red Demiurge. [S.l.]: Routledge. pp. 232–. ISBN 978-1-317-92978-9 
  6. Andrew Dalby (1998). Dictionary of Languages: The Definitive Reference to More Than 400 Languages. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 665–. ISBN 978-0-231-11568-1 
  7. a b Paul Bergne (29 de junho de 2007). Birth of Tajikistan: National Identity and the Origins of the Republic. [S.l.]: I.B.Tauris. pp. 137–. ISBN 978-0-85771-091-8 
  8. Allworth, Edward A. (1990). The Modern Uzbeks: From the Fourteenth Century to the Present: A Cultural History. [S.l.]: Hoover Institution Press. pp. 229–230. ISBN 978-0817987329 
  9. Aramco World Magazine. [S.l.]: Arabian American Oil Company. 1985. p. 27 
  10. Pengyuan Liu; Qi Su (12 December). Chinese Lexical Semantics: 14th Workshop, CLSW 2013, Zhengzhou, China, May 10-12, 2013. Revised Selected Papers. [S.l.: s.n.]  Verifique data em: |data= (ajuda)
  11. Vladimir Babak; Demian Vaisman; Aryeh Wasserman (23 de novembro de 2004). Political Organization in Central Asia and Azerbijan: Sources and Documents. [S.l.]: Routledge. pp. 343–. ISBN 978-1-135-77681-7 
  12. МОЛЛА МУСА САЙРАМИ: ТА'РИХ-И АМНИЙА (Mulla Musa Sayrami's Tarikh-i amniyya: Preface)], in: "Материалы по истории казахских ханств XV–XVIII веков (Извлечения из персидских и тюркских сочинений)" (Materials for the history of the Kazakh Khanates of the 15–18th cc. (Extracts from Persian and Turkic literary works)), Alma Ata, Nauka Publishers, 1969. (em russo)
  13. Kim, Ho-dong (2004). Holy war in China: the Muslim rebellion and state in Chinese Central Asia, 1864–1877. [S.l.]: Stanford University Press. p. xvi. ISBN 0-8047-4884-5 
  14. Bosworth 2001, pp. 299-300.
  15. «Mabaniul Lughat: Yani Sarf o Nahv e Lughat e Chughatai - Mirza Muhammad Mehdi Khan Astarabadi (Farsi)» – via Internet Archive 
  16. Haïder, Mir; Pavet de Courteille, Abel (1 de janeiro de 1975). «Mirâdj-nâmeh : récit de l'ascension de Mahomet au ciel, composé a.h. 840 (1436/1437), texte turk-oriental, publié pour la première fois d'après le manuscript ouïgour de la Bibliothèque nationale et traduit en français, avec une préf. analytique et historique, des notes, et des extraits du Makhzeni Mir Haïder». Amsterdam : Philo Press – via Internet Archive 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Eckmann, János, Chagatay Manual. (Indiana University publications: Uralic and Altaic series ; 60). Bloomington, Ind.: Indiana University, 1966. Reprinted edition, Richmond: Curzon Press, 1997, ISBN 0-7007-0860-X, or ISBN 978-0-7007-0860-4.
  • Bodrogligeti, András J. E., A Grammar of Chagatay. (Languages of the World: Materials ; 155). München: LINCOM Europa, 2001. (Repr. 2007), ISBN 3-89586-563-X.
  • Pavet de Courteille, Abel, Dictionnaire Turk-Oriental: Destinée principalement à faciliter la lecture des ouvrages de Bâber, d'Aboul-Gâzi, de Mir Ali-Chir Nevâï, et d'autres ouvrages en langues touraniennes (Eastern Turkish Dictionary: Intended Primarily to Facilitate the Reading of the Works of Babur, Abu'l Ghazi, Mir ʿAli Shir Navaʾi, and Other Works in Turanian Languages). Paris, 1870. Reprinted edition, Amsterdam: Philo Press, 1972, ISBN 90-6022-113-3. Also available online (Google Books)
  • Erkinov, Aftandil. “Persian-Chaghatay Bilingualism in the Intellectual Circles of Central Asia during the 15th-18th Centuries (the case of poetical anthologies, bayāz)”. International Journal of Central Asian Studies. C.H.Woo (ed.). vol.12, 2008, pp. 57–82 [1].
  • Cakan, Varis (2011) "Chagatai Turkish and Its Effects on Central Asian Culture", 大阪大学世界言語研究センター論集. 6 P.143-P.158, Osaka University Knowledge Archive.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]