Língua cora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cora (naáyarite)
Falado em: México
Região: Nayarit, Jalisco, Durango
Total de falantes: 20.100 (2010)
Família: Uto-Asteca
 Corachol
  Cora
Estatuto oficial
Língua oficial de: Secretaría de Educación Pública
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: ambos:
crn — El Nayar Cora
cok — Santa Teresa Cora

Cora é uma histórica língua indígena do México da família das Uto-Asteca, que é falada pelo grupo étnico que é amplamente conhecido como Cora, mas que se referem a si mesmos como Naáyarite . Os Cora habitam a serra do norte do estado mexicano Nayarit, que tem o nome de seus habitantes indígenas. Cora é uma linguagem Mesoamericana que apresenta muitos traços que definem essa área linguSítica. Sob a Lei Geral de Direitos LingUísticos de Pueblos Indígenas,é reconhecida como uma "língua nacional", juntamente com outras 62 línguas indígenas e a língua castelhana que têm todas a mesma "validade" no México. [1]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Principais comunidades onde Cora é falada no município de Nayar.

Ethnologue distingue duas variantes principais de Cora. Um é chamado de "Cora del Nayar" ou "Cora Meseño", que é falado principalmente dentro e em torno dos assentamentos de altitude média de Mesa de Nayar e Conel Gonzales no sul de el Nayar município de Nayarit, e tem aproximadamente 9 mil falantes (censo de 1993). Existem diferenças significativas entre algumas dessas variedades e algumas fontes distinguem entre Cora Mariteco (de Jesus Maria), Cora Presideño (do Presídio de los Reyes), Cora Corapeño (de San Juan Corapan) e Cora Franciscqueño (de São Francisco). Mas Ethnologue considera que a inteligibilidade mútua entre estes e o Meseño é alta o suficiente para classificá-lo como uma única língua.

A outra variante reconhecida pelo Ethnologue é chamada Cora de Santa Teresa ou Cora Tereseño, falada por aproximadamente 7 mil pessoas (censo de 1993), em sua maior parte na serra alta no norte de el Nayar]. Cora de Santa Teresa tem um grau tão baixo de inteligibilidade mútua com outras comunidades de fala Cora que Ethnologue a considera uma variedade separada. Devido a recentes migrações, existe uma pequena comunidade de Coras nos Estados Unidos, no oeste do Colorado.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Os próprios falantes de Cora reconhecem apenas cinco dialetos: Cora de Jesus María, Cora de Mesa de Nayar, Cora de Sta. Teresa, Cora de Corápan e Cora de San Francisco. Os falantes das terras altas consideram que Cora, do Preseidio de los Reyes, é idêntica ao dialeto da outra comunidade das terras baixas, Corápan, e Cora, de Dolores, como sendo idêntica à Cora de Sta Teresa..[2]

Cora é falado em vários dialetos, alguns dos quais possuem inteligibilidade mútua difícil. ISO distingue duas línguas, INALI nove.

El Nayar Cora / Jesus María Cora (Cora Mariteco)
Dolores Cora
Rosarito Cora
San Blasito Corał
San Juan Corapan Cora (Cora Corapeño)
Santa Teresa Cora (Cora Tereseño)
Mesa do Nayar Cora (Cora Meseño)
Presídio de los Reyes Cora (Cora Presideño)
São Francisco Cora (Cora Francisqueño)

Classificação[editar | editar código-fonte]

Os parentes mais próximos da língua Cora são a língua huichol, junto com a qual forma o subgrupo Coracholan] das línguas uto-aztecas. O grupo Taracahitan de línguas contendo, entre outras, as línguas Tarahumara, Yaqui e Mayo também estão relacionados com Cora.

  • Uto-Aztecan
    • ramo Coracholan
      • língua Huichol
      • línguas Cora

Fonologia[editar | editar código-fonte]

A fonologia de Cora é típica das línguas uto-aztecas do sul, com cinco vogais e um inventário consoante relativamente simples. Contudo, atipicamente, em relação às linguas uto-aztecas, Cora desenvolveu um sistema tonal ou de acentuação com um acento harmônico com o tom alto em queda.

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Alveolar Palatal /
Retroflexa
Velar Glotal
plana Labializada plana Labializada
Nasal m n
Plosiva p/b t k ʔ
Fricativa s ʂ x h
Africada ts
Semivogal j w
Líquida l ɽ

Vogais[editar | editar código-fonte]

Anterior Central Posterior
Fechada
(alta)
i ʉ u
Média ɛ
Aberta
(baixa)
ɑ

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua Cora usa uma forma do alfabeto latino sem as letras B, D, F, G, K, Z; usa adicionalmente as formas Ny, Ty, Tz, o apóstrofo (‘) e o ł.

Gramática[editar | editar código-fonte]

Cora é uma língua de verbos no início; sua gramática é aglutinativa e polissintética, particularmente flexionando verbos com muitos afixos e clíticos. Há um número de clíticos adicionais que também podem ser usados como substantivos relacionais.

Morfologia nominal[editar | editar código-fonte]

Substantivos são marcados por posse e exibem vários padrões plurais diferentes.

Pluralização[editar | editar código-fonte]

Diferentes classes de substantivos marcam o plural de maneiras diferentes. A maneira mais comum é por meio de sufixos - Os sufixos usados para pluralização são os seguintes:: -te, -mwa, -mwa'a, -tse, -tsi, -a tonicidade de uma sílaba para outra. Outra classe de trabalhos forma seus plurais por supletismo.

Posse[editar | editar código-fonte]

Os substantivos possuídos são marcados com um prefixo que expressa a pessoa e o número de seu possuidor.

As formas do prefixo expressando primeira pessoa do singular é ne-, na-, ou ni-, para a segunda pessoa do singular é a-, mwa'a-, a'a-. A terceira pessoa do singular é marcada pelo prefixo ru -. Um possuidor plural de primeira pessoa é marcado pelo prefixo ta -, segunda pessoa do plural por ha'amwa - e terceira pessoa do plural por wa'a -. Além disso, existem dois sufixos. Um, - ra'an é usado para marcar um possuidor obviativo ou quarta pessoa. O outro é - me'e usado para marcar um “possessum” plural de um possuidor singular.

Paradigma possessivo
Número/pessoa do Possessor Singular Plural
1. pessoa nechi'i "minha casa" tachi'i "nossa casa"
2. pessoa achi'i "tua casa" há'amwachi'i "vossa casa"
3. pessoa ruchi'i "dele/dela própria casa" wa'áchi'i "casa deles (as)"
4. pessoa chí'ira'an "casa do outro"
pl. possessum + 3.p.sg. possessor chí'imeen "casas dele/dela"

Morfologia verbal[editar | editar código-fonte]

Os verbos são flexionados por pessoa e número de sujeito e os prefixos diretos de objetos e objetos para objetos inanimados de terceira pessoa também mostram a forma básica do objeto. Os verbos também são flexionados para localização e direção.

Sintaxe[editar | editar código-fonte]

Tipologicamente, Cora é interessante porque é uma língua VSO, mas também tem post-posições, uma característica que é rara na linguística, mas ocorre em algumas línguas Uto-Aztecas como Tohono O'odham (Papago), Tepehuáne alguns dialetos de Nahuatl.

Mídia[editar | editar código-fonte]

A programação em língua Cora é realizada pela rádio XEJMN-AM da Comissão Nacional para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas (CDI), transmitida de María María, Nayarit.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. [https://web.archive.org/web/20070208095913/http://www.sep.gob.mx/work/resources/LocalContent/62817/12/ley_gen_derechos_ling_indigenas_2.htm Direitos de línguas indígenas.
  2. Wá'mwatye náayeri nyúuka: curso de cora como segunda lengua. Universidad Autónoma de Nayarit, 2014

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Preuss, Konrad Theodor: Grammatik der Cora-Sprache[1], Columbia, New York 1932
  • Miller, Wick. (1983). Uto-Aztecan languages. In W. C. Sturtevant (Ed.), Handbook of North American Indians (Vol. 10, pp. 113–124). Washington, D. C.: Smithsonian Institution.
  • Vázquez Soto, V. (2002). Some constraints on Cora causative constructions. TYPOLOGICAL STUDIES IN LANGUAGE, 48, 197-244.
  • Vázquez Soto, V. (2011). The “uphill” and “downhill” system in Meseño Cora. Language Sciences, 33(6), 981-1005.
  • Vázquez Soto, V. (2000). Morphology and Syllable Weight in Cora: The Case of the Absolutive Suffix-ti. Uto-Aztecan: Structural, Temporal, and Geographic Perspectives: Papers in Memory of Wick R. Miller by the Friends of Uto-Aztecan, 105.
  • Vázquez Soto, V., Flores, J., & de Jesús López, I. (2009). " El ray". Una probadita de la narrativa y la gramática del cora meseño. Tlalocan, 16.
  • Vázquez Soto, V. (1996). El participante no sujeto en Cora: orden de palabras, codificación y marcación de número. Memorias del III Encuentro de Lingüística del Noroeste, 533-54.
  • Vázquez Soto, V. (2002). Cláusulas relativas en cora meseño. Del cora al maya yucateco. Estudios lingüísticos sobre algunas lenguas indígenas mexicanas, 269-348.
  • McMahon, Ambrosio & Maria Aiton de McMahon. (1959) Vocabulario Cora. Serie de Vocabularios Indigenas Mariano Silva y Aceves. SIL.
  • Casad, Eugene H.. 2001. "Cora: a no longer unknown Southern Uto-Aztecan language." In José Luis Moctezuma Zamarrón and Jane H. Hill (eds), Avances y balances de lenguas yutoaztecas; homenaje a Wick R. Miller p. 109-122. Mexico, D.F.: Instituto Nacional de Antropología y Historia.
  • Casad, E. H. (2012). From Space to Time: A cognitive analysis of the Cora locative system and its temporal extensions (Vol. 39). John Benjamins Publishing.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]