Língua kashibo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cashibo (Cacataibo)
Falado em: Peru
Total de falantes: 1.150 (2007)
Família: Panoana
 Panoana principal
  Cashibo
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: ambos:
cbr — Kashibo
nom — Nocaman

Cashibo (Caxibo, Cacibo, Cachibo, Cahivo), Cacataibo, Cashibo-Cacataibo, Managua ou Hagueti é uma língua ameríndia do Peru da região dos rios Aguaytía, San Alejandro e Súngaro. Pertence à família das línguas Panoanas.

Seus dialetos são Kashibo (Kaschinõ), Rubo/Isunbo, Kakataibo, Nokaman (este recentemente extinto).

Situação[editar | editar código-fonte]

O idioma é oficial ao longo dos rios Aguaytía, San Alejandro e Súngaro no Peru, onde é mais falada. É usado nas escolas até a terceira série. Não há muitos monolíngues, embora algumas mulheres com mais de cinquenta anos o sejam.

É de 5 a 10% a quantidade de alfabetização na língua em comparação com 15 a 25% alfabetização em espanhol como segunda língua. Um dicionário Cashibo-Cacataibo foi compilado, e há um corpo de literatura, especialmente poesia.

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua Kashibo usa uma forma bastante particular do alfabeto latino, sem as letras D, F, G, H, J, K, L, V, W e que foi adaptada por missionários para a fonologia da língua. Há diversas opções para cada som:

  • Vogais – a, e, ë/ɨ/ï/y, i, o/u, u/o
  • Vogais nasalizadas - an/ã, en/ẽ, ën/ë̃, in/ĩ, on/õ, un/ũ
  • Consoantes - b/v/β, c/k/qu, ch/č, cu/kw, m, n, ñ/ny, p.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Ui uni cara 'iti icë axbi ca bëtsi unibë gobiernonën iscëx sënën ití icën. Ui cara ain tita ain papa 'iaxa quixun sinanquinma ca gobiernonën sinancëx ax bëtsibë sënën 'icën. Camaxunbi ca sinanti 'unanin. Camaxunbi ca añu ñu ati cara asábi 'icën, añu ñu 'ati cara 'aisama 'icë quixun 'unanti 'icën. Usa 'ain ca camaxbi ain xucënbë 'icësaribiti nuiananti 'icën.


Português


Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Eles são dotados de razão e consciência e devem agir uns em relação aos outros em espírito de fraternidade.

(Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos)

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Campbell, Lyle. (1997). American Indian languages: The historical linguistics of Native America. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-509427-1.
  • Kaufman, Terrence. (1990). Language history in South America: What we know and how to know more. In D. L. Payne (Ed.), Amazonian linguistics: Studies in lowland South American languages (pp. 13–67). Austin: University of Texas Press. ISBN 0-292-70414-3.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]