Língua kichwa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kichwa
Falado em: Equador, Colômbia, Peru
Total de falantes: 1,4 milhões (1991–2010)
Família: Quíchua
 Quíchua II
  Setentrional
   Kichwa
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: vários:
inb — Inga
inj — Inga da selva
qvo — Napo terras baixas
qup — Pastaza meridional
qud — Calderón terras altas
qxr — Cañar terras altas
qug — Chimborazo terras altas
qvi — Imbabura terras altas
qvj — Loja terras altas
qvz — Pastaza setentrional
qxl — Salasaca terras altas
quw — Tena terras baixaS

Kichwa (Kichwa shimi, Runashimi, ou em espanhol Quichua) é um cluster de línguas Quíchuas que inclui todas variedades quíchuas do Equador e de Colômbia (Inga Kichwa), bem como extensões em Peru. Tem cerca de 1.400.000 falantes e faz parte do grupo linguístico Quechua do Norte do Quechua II, de acordo com o linguista Alfredo Torero.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Dentre os 12 dialetos apresentados no quadro (ISO 693-3), os mais falados são Chimborazo e Imbabura das "terras altas", num total de quase um milhão de falantes. O dialeto Caarca das "terras altas" tem algo como uns 150 mil falantes, os demais têm cada um entre 10 e 20 milhões.

Subgrupos Quíchua - Kichwa em azul claro (II B)

Generalidades[editar | editar código-fonte]

A sintaxe Kichwa sofreu alguma simplificação gramatical em comparação com o quechua do sul, talvez por causa da creolização parcial com as línguas pré-inca do Equador.

Uma linguagem padronizada, com uma ortografia unificada (Kichwa Unificado, Shukyachiska Kichwa ), foi desenvolvida. É semelhante à do dialeto Chimborazo, mas carece de algumas das peculiaridades fonológicas desse dialeto.

A descrição gramatical mais antiga de Kichwa foi escrita no século 17 pelo sacerdote jJesuíta Hernando de Alcocer.[1]

Padronização e educação[editar | editar código-fonte]

Segundo o lingüista Arturo Muyulema, os primeiros passos para ensinar Kichwa em escolas públicas datam da década de 1940, quando Dolores Cacuango fundou várias escolas indígenas em Cayambe. Mais tarde, as organizações indígenas iniciaram escolas autônomas para fornecer educação em Kichwa nas décadas de 1970 e 1980 (Muyulema 2011: 234).

Muyulema diz que a criação de peças literárias como "Caimi Ňucanchic Shimuyu-Panca", "Ňucanchic Llactapac Shimi", "Ňucanchic Causaimanta Yachaicuna" e "Antisuyu-Punasuyu" forneceu os catalisadores para a padronização da língua Kichwa. Isso foi iniciado pela DINEIB (Diretoria Nacional da Educação Intercultural Bilingual Education).[2]

Depois, um novo alfabeto foi criado pela ALKI (Academia da LÍngua Kichwa) Compreende 21 caracteres; incluindo três vogais (a, i, u); duas semi-vogais (w, y); e 16 consoantes (ch, h, k, l, ll, m, n, ñ, p, r, s, sh, t, ts, z, zh), de acordo com o artigo de Muyulema "Presente e Futuro da língua Quichua desde a perspectiva da experiência vasca (Kichwa sisariy ňan) "(Muyulema 2011: 234).

Mais tarde, o dicionário mais extenso e abrangente "Kichwa Yachakukkunapa Shimiyuk Kamu" foi publicado em 2009 pelo lingüista Fabián Potosí, em conjunto com outros estudiosos patrocinados pelo Ministério da Educação do Equador.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Em contraste com outras variedades regionais de Quechua, Kichwa não distingue entre o original ("Proto Quechua") /k/ e /q/, que são ambas pronunciadas [k]. [e] e [o], os alofones das vogais /i/ e /u/ junto a /q/, não existe. Kiru pode ser tanto "dente" (kiru em Quecha Sul ou "madeira" (qiru [qero] em Quechua; e killa pode ser tanto "lua" (killa) ou "lazy" (preguiça [qeʎa]).

Além disso, o Kichwa, tanto no Equador como na Colômbia, perdeu sufixos possessivos e bidirecionais (sufixos verbais que indicam sujeito e objeto), bem como a distinção entre a primeira pessoa o plural exclusiva e inclusiva do plural:

  • Em vez de yayayku / taytayku ("Nosso Pai", a Oração do Senhor), as pessoas Kichwa dizem ñukanchik yaya / ñukanchik tayta .
  • Em Kichwa, você não diz suyayki ("Eu espero por você"), mas kanta shuyan.

Por outro lado, outras particularidades da Quechua foram preservadas. Como em todas as línguas quechuanas, as palavras para 'irmão' e 'irmã' diferem dependendo de quem se referem. Existem quatro palavras diferentes para os irmãos: ñaña (irmã de uma mulher), turi (irmão de uma mulher), pani (irmã de um homem) e wawki (irmão de um homem). Uma mulher que lê "Ñuka wawki Pedromi kan" iria ler em voz alta Ñuka turi Pedromi kan .

Dialetos[editar | editar código-fonte]

A organização missionária FEDEPI (2006) enumera oito dialetos do Quechua no Equador, que ilustra com "Os homens virão em dois dias". ( Ethnologue 16 (2009) lista nove, distinguindo Cañar de Loja Highland Quechua.) Abaixo estão as comparações, juntamente com o Padrão (Equatoriano) Kichwa e Quechua Padrão (Sul):

Dialect ISO code Speakers per SIL (FEDEPI) Pronnúncia Ortografia (SIL ou official) Notas
Imbabura [qvi] 300,000 (1,000,000) Čay xarikunaka iškay punžapižami šamuŋga Chai jaricunaca ishcai punllapillami shamunga. ⟨ll⟩ = "ž"
Calderón (Pichincha) [qud] 25,000 Čay xarikunaka iškay punžapižami šamuŋga Chai jaricunaca ishcai punllapillami shamunga. ⟨ll⟩ = "ž"
Salasaca [qxl] 15,000 Či kʰarigunaga iški pʰunžažabimi šamuŋga Chi c'arigunaga ishqui p'unllallabimi shamunga. ⟨ll⟩ = "ž"
Chimborazo [qug] 1,000,000 (2,500,000) Čay kʰarikunaka iški punžažapimi šamuŋga Chai c'aricunaca ishqui punllallapimi shamunga. ⟨ll⟩ = "ž"
Cañar–Loja [qxr]
[qvj]
(200,000) qxr: 100,000
qxl: 15,000
Čay kʰarikunaka iškay punžaλapimi šamuŋga Chai c'aricunaca ishcai punzhallapimi shamunga.
Tena terras baixas [quw] 5,000 (10,000) Či kariunaga iški punžaλaimi šamuŋga Chi cariunaga ishqui punzhallaimi shamunga.
Napo terras baixas [qvo] 4,000 Ecu. & 8,000 Peru (15,000) Či karigunaga iškay punčaλaimi šamunga. Chi carigunaga ishcai punchallaimi shamunga.
Pastaza setentrional [qvz] 4,000 Ecu. & 2,000 Peru (10,000) Či karigunaga iškay punžallaimi šamunga. Chi carigunaga ishcai punzhallaimi shamunga.
Kichwa padrão Chay karikunaka ishkay punllallapimi shamunka.
Quechua meriodional (Qhichwa) Čæy qʰarikunaqa iskæy p'unčawllapim hamunqa. Chay qharikunaqa iskay p'unchawllapim hamunqa.

Música[editar | editar código-fonte]

Uma banda do Equador, "Los Nin", que faz “raps” em Kichwa e em espanhol, já se apresentou internacionalmente. A banda vem da cidade de Otavalo, conhecida por sua música tradicional.[4]

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Tucuy runacuna quishpirihuán huiñán, pactacunahuampes, pay pura, umahuán, ayahuán chay shucuna shina, chaymantami shuclla shina causangacuna.

Português

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Eles são dotados de razão e consciência e devem agir uns em relação aos outros em espírito de fraternidade. (Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos)

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Ciucci, Luca & Pieter C. Muysken 2011. Hernando de Alcocer y la Breve declaración del Arte de la lengua del Ynga. El más antiguo manuscrito de quichua de Ecuador. Indiana 28: 359-393.
  2. (Muyulema 2011:234)
  3. (Muyulema 2011:234-5)
  4. Manuela Picq. «Hip-hop Kichwa: Sounds of indigenous modernity». Al Jazeera English. Consultado em 21 de agosto de 2012 

[1]

  • Ciucci, Luca & Pieter C. Muysken 2011. Hernando de Alcocer y la Breve declaración del Arte de la lengua del Ynga. El más antiguo manuscrito de quichua de Ecuador. Indiana 28: 359-393.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Conejo Muyulema, Arturo. “Presente y futuro de la lengua quichua desde la perspectiva de la experiencia vasca (Kichwa sisariy ñan)” Voces E Imagenes De Las Lenguas En Peligro. Ed. Marleen Haboud and Nicholas Ostler. 1st ed. Abya-Yala, 2014. 234-5. Print