Língua kuot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kuot (Panaris)
Falado em: Papua-Nova Guiné
Região: Nova Irlanda (província)
Total de falantes: 2.400 (2002)
Família: Língua isolada
 Kuot (Panaris)
Escrita: Latina
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: kto

A língua Kuot ou Panarasé uma língua isolada, a única língua não Austronésia falada em na ilha de Nova Irlanda, Papua-Nova Guiné. São cerca de 2.400 falantes que se concentram no litoral noroeste da ilha. Como os falantes são poucos, não se distinguem dialeto no Kuot.[1]

Status[editar | editar código-fonte]

Kuot é uma língua em perigo de [língua extinta|extinção]] ,pois a maioria das crianças do grupo falando somente o Tok Pisin instead.[2]

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua usa o alfabeto latino ensinado por missionários e adaptado à fonologia da mesma. São 17 letras, não se usam as letras C, H, J, Q, X, Y, Z. Usa-se adicionalmente o ŋ.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Alveolar Velar
Nasal m n~ɲ ŋ
Plosiva surda p t k
sonora b d ɡ
Fricativa surda ɸ~f s~ʃ
sonora β~v
Lateral l
Vibrante ɾ

Vogais[editar | editar código-fonte]

AS vogais /i/ e /u/ tendem a se tornar semivogais na presença de outras vogais. A extensão da vogal não é significativa. A presença de /i/ e /u/ com outras vogais não pode ser vista como ditongos ou combinação de semivogal e vogal.. Nunca há mais de três vogais numa sílaba. A combinação de ditongo com vogal também é possível mas elas são pronunciadas como uma sílaba. Ditongos são falados com um único som. [3]

Anterior Posterior
Fechada i u
Medial e o
Aberta a

Alofones[editar | editar código-fonte]

Fonema Alofone
/i/ [i~ɪ~j]
/e/ [e~ɛ]
/a/ [a~ʌ]
/u/ [u~ʊ~w]
/o/ [o~ɔ]

Alternações morfofonêmicas[editar | editar código-fonte]

't' para 'r' Alternation[editar | editar código-fonte]

O fonema /t/ em certos marcadores possesivos, tais como "-tuaŋ", "-tuŋ" e "-tuo" se tornam /r/ quando depois deeeee uma raiz que termina em vogal. Compare:

  • ira-ruaŋ – meu pai
  • luguan-tuaŋ – minha casa
  • i'rama-ruo – meu olho
  • nebam-tuaŋ – minha pena (de ave)

Redução de vogal[editar | editar código-fonte]

Quando o sufixo da 3ª pessoa masculina do singular "-oŋ" é usada num substantivo que termina em vogal, esa vogal tipicamente não é pronunciada. Exemplo: "amaŋa-oŋ" é pronunciada [aˈmaŋɔŋ], não [aˈmaŋaɔŋ].

Regra de sonorização[editar | editar código-fonte]

Quando sufixos iniciados por vogal são adicionados a raízes que terminam por consoante surdas, essas consoantes se tornam sonoras. Exemplos:

  • /obareit-oŋ/ [obaˈreidoŋ] ele divide siso
  • /taɸ-o/ [taˈβo] ele bebe
  • /marik-oŋ/ [maˈriɡoŋ] ele ora

O fonema /p/ se torna [β], não [b].

  • /sip-oŋ/ [ˈsiβɔŋ] isso sai
  • /irap-a/ [iˈraβa] olhos dela

Gramática[editar | editar código-fonte]

A língua usa a ordem de palavras VSO', como a língua irlandesa e também a galesa.[4] Sua morfologia é basicamente aglutinante, são dois os gêneros gramaticais, masculino e feminino. A primeira pessoa pode ser singular, dual ou plural, havendo distinção entre inclusiva e exclusiva.

Um exemplo: a frase parak-oŋ ira-ruaŋ kamin' significa literalmente 'meu pai come batata-doce'. Parak-oŋ indica aspecto de continuidade do verbo 'comer', ira significa 'pai', -ruaŋ é um sufixo que indica possessão inalienável ('meu pai') e kamin é simplesmente 'batata-doce'.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Pai Nosso

Mamo paŋ la nunama na panbinim, bonim nuo le ionaŋ ga babau ba. Inamon nuŋ le muioŋ na uriro kimanam. Eba opouluan agat nuŋ na uro kimanam are angelop la omeuluan agat nuŋ na panbinim. Titot le pakamneŋ parak puoieŋ na uro la, Ga navaiaŋ kirinim paŋ are pava gat la pavaio kirinim maioŋ teip ga magaulap la okosarmeŋ ira pa. Baraba panuala na noba uvuvuo, pa panaranaŋ na kilan a Satan. Nunuo le unuale bo inamon, ga maniŋ urier kukunim, ga eba maniŋ bonim ula kakanu atatan makin. Amen.<ref> Fonte Word Bibles.org

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Chung, Chul-Hwa & Chung, Kyung-Ja, Kuot Grammar Essentials, 1993:p1
  2. Eva Lindström (November 12, 2002). "Kuot Language and Culture". Department of Linguistics, Stockholm University. Retrieved October 14, 2016. p. 102.
  3. Eva Lindström (November 12, 2002). "Kuot Language and Culture". Department of Linguistics, Stockholm University. Retrieved October 14, 2016. p. 102.
  4. Eva Lindström (12 de novembro de 2002). «Kuot Language and Culture». Department of Linguistics, Stockholm University. Consultado em 11 de julho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]