Língua lakoya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lokoya
Falado em: Sudão do Sul
Total de falantes: 12.400 Irya, Owe,Nguleretanani
Família: Nilo-sariana
 Sudanesa Oriental
  Nilótica
   Nilótica Oriental
    Teso–Lotuxo–Maa
     Lotuko-Maa
      Lotuko
       Lokoya
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: lky

Lokoya é uma língua Nilótica Oriental falada por cerca de 12.400 pessoas das etnias Irya, Owe e Nguleretanani do Sudão do Sul. Já foi chamada de diversos outros nomes tais como Ellyria, Koyo, Loirya, Lokoiya, Lokoja, Loquia, Lowoi, Oirya, Owoi, Oxoriok.[1]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Lokoya foi classificado como membro do ramo Nilótico oriental de Nil-oticas, no sub-agrupamento Sudanês oriental das Nilo-saarianas. Dentro das orientais, Lokoya é considerado parte do grupo de língua de Lotuko, ramo de Lotuko-Maa de Teso-Lotuko-Maa (também referido como as línguas não Bari).[2][3] Outros membros do grupo lingüístico Lotuko incluem a própria Lotuko, Lopit, Dongotono, Lango do Sul. Falado em regiões vizinhas de Sudão do Sul. Dessas línguas, Lotuko é a mais parecida com Lokoya, com um estudo comparativo mostrando 64,5% de semelhança lexicá entre as duas. O mesmo estudo mostrou 57,4% de semelhança léxica entre Lokoya e Lopit, e 56,5% de similaridade entre Lokoya e Dongotono.[4] Na literatura mais antiga sobre Lokoya e línguas relacionadas havia muita confusão sobre o nome das língua se das pessoas, e também se nomes diferentes se referiam ao mesmo grupo ou a grupos diferentes. Por exemplo, Oxoriok foi inicialmente acreditado para ser um grupo distinto ao Lokoya,[5] Mas há outros relatos que afirmam que esse era de fato um nome usado nos tempos anteriores, e o nome Lokoya, derivado de um apelido usado pelos Baris, deslocou o nome Oxoriok.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A língua Lokoya é falada pelo povo Lokoya, que vive no terreno montanhoso e nos vales a leste de Juba, Sudão do Sul. A área dos Lokoyas inclui um número de vilas diferentes; No oeste, Liria, Langabu, Ngangala, Ngulere e Ilyangari, e no leste, o Lobuhi, Pura, Losok, Lohira, Lohilo, Ohwa, Hojobi, Oyata, Langairo e Ofiriha.[7] Há uma estimativa de 12.400 falantes da língua, sendo uma língua ameaçada de extinção. Note-se que não existem falantes monolíngües, sendo que 100% dos falantes Lokoya também falam Lotuko.[8] No entanto, o número de pessoas da etnia Lokoya pode ser de até 30.000.[9]

Escrita[editar | editar código-fonte]

O alfabeto latino usado pelo Lakoya não apresenta as letras H, L, Q, V, Z mas usa as formas pp, tt, ww, yy, Ny e Ŋ.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Houve pouquíssimas pesquisas sobre Lokoya, mas algumas observações fonológicas e morfológicas tentativas podem ser encontradas em Vossen (1982), com base em dados de lista de palavras coletados na década de 1970. Vossen observa que os dados são muito limitados para tirar conclusões seguras. Ele observou que os inventários de fonemas de Lokoya, Dongotono e Lopit eram semelhantes o suficiente para serem tratados em conjunto, e forneceu um inventário de consoantes para as três línguas juntas, representadas na tabela abaixo.[10]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Labial Labiodental Dental Alveolar Palatal Velar Glotal
Nasal m n ɲ ŋ
Oclusiva p b c ɟ k g (ʔ)
(pː)
Fricativa (ɸ) (f) s (x)
Lateral l
Rótica] r
Aproximante w j
wː jː

A oclusiva palatal sonora / ɟ / é descrita como implosiva (/ ʄ /). Vossen também observa que / b / é intercambiável com implosivo [ɓ], e / d / é permutável com implosivo [ɗ]. Em Lokoya, / p / é substituído por [f] ou [v] entre “esses” (s). Medial geminada / pː / tem sido observada em alguns casos, mas não é claro se é contrastiva ou não. / k / é normalmente substituído por [ɣ] entre “esses” (s), mas também pode ser substituído por [x] ou [h]. No entanto, em certos ambientes / k / é mantido. A oclisiva glotal / ʔ / ocorre apenas em final de palavras. Os aproximantes / l / e / r / não são encontrados no início de de palavras nos exemplos de Lokoya do línguista Vossen, e as semi vogais / wː / e / jː / só são encontradas no meio de palavras.

Vogais[editar | editar código-fonte]

De acordo com Vossen, Lokoya tem dois conjuntos de cinco “esses” (s), que se distinguem pela característica fonológica chamada “Advanced Tongue Root” ([ATR]). Esses são listados na tabela abaixo. .[11]

No entanto, Vossen observa que não foram utilizados símbolos [+ATR] /a/ e [-ATR] /a/ "como eles não podem ser distinguidos foneticamente".

Vossen não encontra exemplos de comprimento de vogais sendo contrastivo em Lokoya. Ele observa que a harmonia das vogais desempenha um papel importante, mas não descreve o processo.[12]

Tons[editar | editar código-fonte]

Vossen observa que há quatro tons em Lokoya: Alto, Baixo, Médio, Alto-reduzindo, que parecem ser usados para ambos os contrastes léxicos e gramaticais

Frontal Posterior
[+ATR] [-ATR] [+ATR] [-ATR]
Fechada i ɪ u ʊ
Meio-fechada e o
Meio aberta ɛ ɔ
Aberta a a

Gramática[editar | editar código-fonte]

Ordem de palavras em Lokoya é geralmente Verbo-Sujeito-Objeto, como é típico para a maioria das línguas Nilóticas orientais.

Vossen afirma que, para todas as línguas não-Bari, incluindo Lokoya, os verbos se dividem em duas classes morfológicas, convencionalmente chamadas de Classe 1 e Classe 2. Em Lokoya, os verbos de Classe 2 têm uma raiz com uma vogal medial inicial / e / ou / ɛ- /. As raízes verbais da Classe 1 têm uma vogal aberta inicial / a- /. Uma série de possíveis afixos verbais foram observados, mas suas funções não foram determinadas.

A marcação de número em substantivos parece ser extremamente irregular. Uma variedade de sufixos são usados para indicar singular, singulativo e plural.

Como outras línguas do grupo Lotuko, Lokoya tem dois gêneros gramaticais, masculino e feminino .[13]

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Exemplos conforme Vossen (1982)

Português Lokoya
Sol ɔɣɔ́lɔ̀ŋ
Lua ɔ̀jɛ́và
Montanha ɔ́ɗɔ́ŋɛ́
Rio ɔwɔ́r
Boca akʊ́tʊ́k
Mão aɣɛ́náŋ
Árvore ójándɪ́k
Relva ɔmjáŋ
Água aɣare
Fogo akɪ́màŋ
Animal ɪ́càŋ
Ave aɣweɲí
Cobra amúnú

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. «Lokoya». Ethnologue 17. 2014. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  2. «Lokoya». Ethnologue 17. 2014. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  3. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag 
  4. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag. 111 páginas 
  5. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag. pp. 166–167 
  6. Lomodong, Anthony (2006). «A brief history of the Lokoya of Sudan». Lokoya of Sudan. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  7. Lomodong, Anthony (2006). «Lokoya territory». Lokoya of Sudan. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  8. «Lokoya». Ethnologue 17. 2014. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  9. «Lokoya». Gurtong. 2014. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  10. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag. pp. 189–192 
  11. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag. 192 páginas 
  12. Vossen, Rainer = Dietrich Reimer Verlag (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: [s.n.] 193 páginas 
  13. Vossen, Rainer (1982). The Eastern Nilotes: Linguistic and Historical Reconstructions. Berlin: Dietrich Reimer Verlag. pp. 213–219 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]